fanfic
Capítulo : Capitulo 31  


Poste
Dedicadissimoo á:


PatyMenezes
e MoreninhaVondy


Amoo
Ocês..


Continuem
comentandoo..


 


 


 


 


 


 


 


EU
VOLTEI PARA A MESA DE PEBOLIM COM UMA FRIA ESTUPEFAÇÃO. Derick estava inclinado
sobre ele, seu rosto mostrando uma concentração competitiva. Annie berrava e
ria. Zac ainda estava desaparecido.


     Annie olhou por cima do jogo. “Bem? O que
aconteceu? O que ele disse para você?”


     “Nada. Eu disse a ele para não nos
incomodar. Ele foi embora.”  minha voz 
soava
monótona.


     “Ele não pareceu bravo quando foi
embora,”  Derick disse. “O que quer que 
você
tenha dito, funcionou.”


     “Que pena,” Annie disse. “Eu estava
esperando alguma animação.”


     “Prontas  
para   jogar?”  Derick  
perguntou. “Estou   faminto   por  
algumas pizzas arduamente ganhas.”


     “É, se o Zac voltar algum dia,”  disse Annie. 
“Estou começando a achar que 
talvez
ele não goste da gente. Ele fica desaparecendo. Estou começando a achar que é
uma deixa não-verbal.”


     “Está brincando? Ele ama vocês.”  Derick disse com entusiasmo de mais. “Ele só é
meio devagar em se acostumar com estranhos. Eu irei achá-lo. Não vão a 
lugar
algum.” Assim que Annie e eu ficamos sozinhas, eu disse,  “Sabe que eu vou te matar, certo?”


     Annie levantou suas palmas e deu um passo
para trás.  “Eu estava te fazendo um
favor. Derick é louquinho por você. Depois que você saiu, eu disse a ele que você
tinha, tipo, dez caras te ligando toda noite. Você devia ter visto a cara dele.
Mal continha a inveja.”


     Eu resmunguei.


     “É a lei da oferta e procura,” Annie disse.
“Quem pensaria que economia seria útil?”


     Eu enfiei minha palma contra minha testa.
“Eu preciso de algo.”


     “Você precisa do Derick.”


     “Não, eu preciso de açúcar. Bastante. Eu
preciso de algodão-doce.”  O que 
eu    precisava  
era  de   uma  
borracha   grande    o 
bastante   para  apagar  
toda  a evidência    do Ucker  
da  minha   vida. Particularmente     a  parte 
de  falar  com  a mente.
Eu estremeci. Como ele estava fazendo isso? E por que eu? A não ser...
que eu tivesse imaginado isso.
Bem como eu tinha imaginado bater em alguém com o Neon.


     “Eu   
também      precisava    de 
um    pouco    de 
açúcar,”   Annie    disse. 
“Eu   vi  um vendedor  
perto   da   entrada  
do   parque   ao  
entrarmos.   Eu   fico  
aqui   para   que  
o Zac   e   o   Derick   não  
achem   que   a  
gente   fugiu,   e  
você   pode   pegar  
o   algodão-


doce.”


     Do   
lado   de  fora,  
eu  retrocedi    para  
a  entrada,    mas  
quando    eu   achei  
o vendedor de algodão-doce, eu fui distraída por uma visão distante no
passadiço. O    Arcanjo    elevava-se     sobre  
o   alto  das  
árvores.    Um    serpentear     de  
canos fechados nos semáforos e que mergulhavam para fora de vista. Eu me
perguntei por    que   Ucker  
queria    se  encontrar.   
Eu  senti   um  
soco   no   meu   
estômago     e provavelmente   devia  
ter   aceito   isso  
como   resposta,   mas  
apesar   das   minhas melhores   intenções,  
eu   me   encontrei  
continuando   pelo   passadiço  
em   direção ao Arcanjo.


     Eu  
fiquei   com   o  
fluxo  do   tráfego  
a   pé,  mantendo  
meus      olhos   no  
rumo distânte do Arcanjo fazendo curvas no céu. O vento tinha mudado de
frio para gelado,   mas   não  
era   essa   a  
razão   de   eu  
me   sentir   cada  
vez   mais   enjoada.  
A sensação   estava   de  
volta   aquela   sensação  
fria   e   de  
parar   o   coração  
de   que alguém estava me
observando.
Eu   roubei  
um   olhar   para  
ambos   os   lados.  
Nada   anormal   na  
minha   visão 
periférica.   Eu  
girei   180º   graus.  
Um   pouco   para  
trás,   parado   em  
um   pequeno pátio de árvores, uma
figura encapuzada se virou e desapareceu na escuridão.


     Com o meu coração batendo mais rápido, eu
passei por um comprido grupo 
de    pedestres,    colocando     distância    entre  
eu   e  a  clareira.  Diversas   
passadas adiante, eu olhei para trás novamente. Ninguém se sobressaia me
seguindo.


     Quando eu encarei  à  
frente    novamente, eu   trombei     
em    alguém.


“Desculpe!”  eu   
falei   apressadamente, tentando     ganhar    
novamente       meu equilíbrio.


     Ucker sorriu maliciosamente para mim. “Sou
difícil de resistir.”


     Eu pestanejei para ele. “Deixe-me em
paz.”  Eu tentei dar um passo para o 
lado
dele, mas ele me pegou pelo cotovelo.


     “Qual o problema? Você parece prestes a
vomitar.”


     “Você tem esse efeito em mim,” eu
retruquei.


     Ele riu. Eu tive vontade de chutar suas
canelas.


     “Você precisa de uma bebida.” Ele ainda me
pegava pelo cotovelo, e ele me 
empurrou
na direção do carrinho de limonada.


     Eu afundei em meus saltos. “Você quer
ajudar? Fica longe de mim.”



 


 


 


 


 



Autor(a):
PROMOVA A SUA FANFIC:



Capítulo Anterior  |  Próximo Capítulo


Comentários da Fanfic (630)


Comentários do Capítulo:


® Todos os Direitos Reservados - © Copyright 2011 - Política de Privacidade