Fanfics Brasil - Capítulo 68 Precocemente Mãe [revisada]

Fanfic: Precocemente Mãe [revisada]


Capítulo: Capítulo 68

9132 visualizações Denunciar




Ao entrar no quarto, encontra as amigas rindo de algo no notebook de Maite.


Maite: Até que enfim chegou ruiva. – encarando a amiga e arregalou os olhos. – O QUE FIZERAM COM VOCÊ? – disse levantando, vendo que Dulce estava abatida, com marcas roxas no pescoço e o lábio um pouco inchado. – Você não tinha saído daqui de vestido? – disse confusa. Dulce olhou a roupa e assentiu.


Anahí: Dulce aconteceu alguma coisa amiga? – se levantou. – Por que você está desse jeito?


Dulce: Desculpem a demora. – colocou a bolsinha na cama e deu uma olhadinha no bercinho, onde Laurinha dormia tranquilamente, sorriu boba ao ver sua filha, por um momento pensou que não iria vê-la outra vez. Apertou a mãozinha minúscula e se abaixou pra dar um beijinho.


Esteff: Tudo bem, mas onde é que você estava? Conversou com sua mãe, ela te deu uma surra por acaso? – tentou sorrir. Dulce respirou fundo e sentou na cama, as amigas a olhavam com curiosidade.


Dulce: Meninas me prometam que não vão contar o que eu disser aqui pra ninguém, por favor. – mordeu o lábio e as amigas se entreolharam confusas.


– Prometemos! – disseram em um uníssono.


Dulce: É que... – ela tragou a saliva e logo começou a chorar.


Anahí: Dulce você está começando a me assustar. – a encarou, séria. – Diz de uma vez por todas onde você estava, e o que aconteceu com você.


Dulce: Não era a minha mãe que estava me esperando, aquele endereço era do apartamento do Pedro. – elas soltaram um gritinho de espanto. – Ele enganou a Margareth e não faço ideia do que ele fez para faze-la pensar que era minha mãe, só sei que ele tentou me violentar.


Maite: QUE FILHO DA PUTA! – ela berrou. – COMO ASSIM ESSE PAU NO CU TENTOU TE ESTUPRAR?


Dulce: Fala baixo Maite. – ela abanou a mão, Maite cruzou os braços. – Pode acordar a Laura. – suspirou olhando as mãos. – Mas foi horrível.


Anahí: Eu não estou acreditando. – pôs a mão na boca. – Oh meu Deus minha amiga! – a abraçou. – Mas como você conseguiu escapar?


Dulce: Ele estava bêbado, telefonou para o Christopher e disse que ele iria escutar tudo o que ele fizesse comigo. – fechou os olhos, sentindo nojo. – Eu comecei a gritar "GPS" aproveitando que ele estava bêbado e não perceberia. – soluçou. – Quando ele desligou o telefone começou a me beijar, foi tão nojento, quando ele veio pra cima de mim eu chutei o pinto dele... – Maite deu uma gargalhada alta, todas olharam pra ela.


Maite: Foi mal amiga, mas eu não resisti. – dando um risinho. – Foi muito bem feito, espero que ele não possa mais comer ninguém. – Dulce sorriu de lado. – Continua contando, e depois?


Dulce: Bem ele começou a me xingar de puta, de vadia, de um monte de nomes e tentou me enforcar, dai eu peguei uma garrafa e acertei na cabeça dele. – enxugando as lagrimas. – Aí ele desmaiou e eu escapei.


Esteff: Minha nossa senhora! – arregalou os olhos. – Graças a Deus que você conseguiu escapar amiga. – a abraçou de lado.


Dulce: Se não fosse aquela garrafa talvez eu até estivesse morta. – engoliu o seco.


Anahí: Não fala isso nem de brincadeira amiga. – pôs a mão no peito. – Mas esse canalha ao menos foi preso?


Dulce: Sim, quando eu escapei o Christopher já estava chegando, ele conseguiu me localizar pelo GPS do meu chip, ele ligou e disse que a policia já estava a caminho, quando chegaram prenderam o Pedro. – suspirou. – Prenderam não, só o deteram. - corrigiu. - Por que não sabemos se ele vai ser condenado.


Maite: Como assim não vai ser condenado? – arregalou os olhos.


Dulce: Não sei amiga, disseram que ele estava embriagado, não estava consciente dos seus atos e um monte de coisas que o delegado explicou. Resumindo: as chances de ele ser condenado são poucas.


Maite: Mas que delegado filho da puta! – indagou. – Quero ver se fosse com a filha dele. – Dulce não pode evitar rir.


Anahí: Que droga hein amiga, não acredito que aquele doente mental tenha sido capaz de fazer uma merda dessas com você! – dizia revoltada, as outras assentiram concordando. – Vamos torcer pra esse calhorda apodrecer na cadeia por que não é possível...


Esteff: Vocês sabem como é a justiça, uma merda, injustiças você vê por aqui. – rolou os olhos. – Mas como você trocou de roupa? – disse confusa.


Dulce: Ah sim, meu vestido ficou todo rasgado e eu estava em um estado deplorável quando o Ucker chegou. – negando com a cabeça. – Antes de ir pra delegacia, ele me levou em casa para poder trocar de roupa. – sorriu de leve. – Ele foi tão atencioso comigo, tão fofo. – pensativa.


Anahí: Onw! – com os olhinhos brilhando. – Será que rolou algo bom no meio de toda essa confusão? – a olhou com os olhos verdes arregalados e um sorrisinho de lado.


Dulce: Bem... – sorriu. – Nos beijamos. – apoiando a cabeça no ombro de Estefânia, que deu um gritinho animado. – Mas foi coisa rápida, nada demais. – suspirou lembrando-se do choque dos lábios.


Maite: Olha, eu sei que eu não vou muito com a cara do Uckermann... – coçou a nuca. – Mas eu tenho que admitir que de um tempo pra cá ele se tornou um gatinho muito responsável. – mordeu o lábio. – Ele cuida de você de um jeito especial. – encarou Dulce. – Desde aquele dia que ele te "raptou"... – fez aspas com os dedos. – Contra a nossa vontade, sabia que você iria surtar quando acordasse, mas mesmo assim ele foi em frente. – riu. – Sei lá, desde esse dia eu tenho notado que ele está diferente, pra mim ele mudou muito.


Anahí: Oh meu Deus! – berrou gargalhando. – Vai acabar o mundo! – batendo palmas de leve. – Maite defendendo o Ucker?


Maite: Não estou defendendo ele! – enfatizou. – Mas que verdade seja dita, ele tem se superado cada dia mais, tem provado que ama a ruiva, cuida dela, se importa com ela, ajuda a cuidar do bebê e é um bom pai para a Laura, ninguém mais o vê com canalhices com essas vadias, está trabalhando e está dando um rumo para a vida dele, uma coisa e eu não ir com a cara do cara, outra diferente é ser hipócrita. Ele mudou sim! – Dulce suspirou e encarou a amiga.


Dulce: É verdade. – ela mordeu o lábio. – Christopher mudou muito. – lembrando-se da enorme mudança que ele enfrentou durante todo esse tempo. – Ele teve que amadurecer na marra.


Anahí: E amadureceu. – assentiu. – Christopher amadureceu e aprendeu na marra, eu acho que você já poderia dar outra chance a ele não é? – ela piscou enquanto levantava. Dulce engoliu o seco e deu um risinho de leve.


Dulce: Eu vou tomar um banho. – levantou também. – Eu estou muito cansada, vou dormir um pouco até a Laura acordar. – pegou sua toalha e entrou no banheiro.


Esteff: É impressão ou ela fugiu do assunto? – apontou o banheiro.


Maite: Não faço ideia. – deu de ombros. – Quem vai lá buscar os salgadinhos? – deu um risinho.


Esteff: Eu, eu vou! – disse afobada, se levantando. – Já volto! – sai.


Maite: Ô coisa boa... – riu. – Nem sei por que eu ainda pergunto. – Anahí lhe jogou o travesseiro na cabeça, rindo. – Ah sua vaca! – jogou outro travesseiro. 


Anahí desviou e ficaram conversando enquanto esperavam Esteff voltar para o quarto. 


Dulce saiu do banheiro, pôs sua roupa de dormir e ficou deitada na cama, olhando a novela que já tinha começado, estava avoada pensando em tudo o que Maite tinha dito. Christopher realmente estava mudando. 


Saiu de seus devaneios ao ouvir Esteff chegando com uma travessa de salgadinhos e um litro de coca. Todas comeram enquanto viam TV, conversavam sobre assuntos variados, para entreter Dulce. 


O que elas não sabiam era que esse incidente não estava ocupando tanto o consciente da ruiva, o que ela estava pensando fixamente mesmo era em Christopher e em como ele fora atencioso com ela durante todo esse tempo. Terminou de comer e foi escovar os dentes, iria dormir um pouquinho antes que Laura acordasse.


 


¨¨¨¨


Era uma da manhã quando a pequena começou a chorar no berço, Dulce se admirou ao ver que ela tinha dormido tanto, ótimo. Coçou os olhos morrendo de preguiça de levantar, fez um bico de choro e levantou preguiçosamente antes que o choro fino de Laura acordasse as amigas. Ninguém merecia acordar àquela hora com choro de bebê.


Dulce: Já mamãe. – pegou ela no colo. – Shii. – balançou de leve a deitando em seu colo. Esfregou o nariz, enquanto pegava a chuquinha com chá. – Oh meu Deus. – chorosa. – Deixa a mamãe dormir minha filha. – dirigiu-se até a porta para sair do quarto, já que o choro de Laura não estava dando nenhum indicio que iria parar. – É mamãe, eu estou com cólica. – dando um beijinho na bochechinha dela, que fazia um biquinho de choro e encarava a mãe. – Vamos lá para o jardim, pra não correr o risco de acordar ninguém. – apertando a mãozinha dela, enquanto se dirigiam ao jardim, aproveitar que lá era tranquilo.


 


Christopher saiu do banheiro e ouviu o chorinho fino que ele conhecia muito bem, foi até a janela e viu Dulce sentada em um banco coberto no jardim, tentando acalmar Laura que parecia atacada.


Ucker: Ah meu pai do céu! – ele rapidamente vestiu uma calça de moletom, uma camiseta e foi até Dulce.


 


A ruiva encarava a pequena, que estava deitada nas suas pernas, estava fazendo uma massagem na barriguinha dela, para aliviar a dor.


Dulce: Onw meu amor, não chora... – murmurou. – Senão a mamãe chora também. – disse com o coração apertado ao vê-la sofrer. Sentiu uma presença atrás de si e se virou rapidamente, respirou fundo ao ver Christopher ao seu lado.


Ucker: Relaxa. – ele levantou as mãos. – Sou eu.


Dulce: Você me assustou. – tragou a saliva, mordendo o lábio.


Ucker: Desculpa. – ele umedeceu os lábios. – Você está melhor? – ela assentiu, olhando Laura. – E o que a minha princesinha tem agora? – ele sentou ao lado dela.


Dulce: Está com cólicas. – sorriu de leve olhando a filha, respirou fundo ao sentir o perfume de Christopher tão próximo a si. – Ainda estava acordado?


Ucker: Sim, estava me preparando para dormir quando ouvi o chorinho dela, bem baixinho, mas eu ouvi, daí eu olhei na janela e vi você aqui. – riu de leve. – Você já tentou aquela massagem que a gente viu no youtube, algo com as perninhas pra cima e pra baixo? – ele perguntou confuso.


Dulce: Verdade! – assentiu lembrando. – Eu ainda não tentei. – ela disse sorrindo. – Eu lembro como é, coloca alguma coisa pra deixar o quadril mais alto. – colocou uma fralda embaixo da bundinha dela. – Prontinho, depois imita o movimento da bicicleta.


D&U: Como se o bebê estivesse pedalando. – disseram juntos ao lembrarem as palavras da pediatra e depois riram.


Ucker: Estamos bem informados. – encarando Laura que agora o olhava, mas ainda carregava o biquinho de choro. – Eu adoro quando ela faz esse biquinho de choro. – disse fazendo um bico e imitando a filha.


Dulce: É tão fofo não é? – riu sem parar de fazer os movimentos nas perninhas dela. 


Christopher assentiu, pegando a mãozinha dela. Não demorou e Laurinha já estava calminha, enquanto mamava no peito.


Ucker: Você esperava tudo isso? – sem tirar os olhos de Laurinha mamando.


Dulce: Tudo isso o que? – colocou o cabelo atrás da orelha, confusa.


Ucker: Ser mãe tão cedo. – subindo o olhar para encará-la. 


Dulce: Nunca esperei, mas ela veio... – sorriu com os olhinhos brilhando. – E não imagino mais a minha vida sem ela. – beijou a mãozinha de Laura. – E você?


Ucker: Não, eu nunca imaginei que pudesse acontecer comigo. – pensativo. – A gente ouve falar de gravidez precoce, mas é sempre com os outros, nunca com a gente. Eu fiquei desesperado, mas hoje em dia também não imagino mais a minha vida sem a minha filha.


Dulce sorriu. Alguns minutos depois Laurinha já estava dormindo, agarrada ao seio de Dulce.


Dulce: Parece que agora vamos poder dormir tranquilos. – ela sorriu tirando o seio com cuidado, para não acordá-la, cobriu-se e a apoiou em seu peito para que arrotasse.


Ucker: Acha que ela ainda acorda hoje? – Dulce negou, esperançosa.


Dulce: Eu acho que é melhor eu subir. – disse levantando. – Obrigada pela ajuda.


Ucker: De nada, eu acompanho você até lá em cima... – ela assentiu, e os dois caminharam até os dormitórios. 


 


Ao chegar à porta, ela se despediu dele e o mesmo deu um beijinho na cabecinha de Laura, que dormia e se despediu.


Dulce: Prontinho. – disse aliviada, colocando Laura no berço. 


Já eram duas e quinze da madrugada, se Christopher não tivesse lembrado da massagem milagrosa, sabe-se Deus que horas conseguiria acalma-la. 


Dulce: Christopher... – ela escorou-se ao berço de Laura e abraçou o próprio corpo. 


Sempre fora apaixonada por ele, mas todos os acontecimentos a deixaram com o coração em pedaços. Sentiu uma lágrima rolando e deitou-se na cama abraçando o travesseiro, ela não se sentia completa sem ele, não se sentia feliz sem ele, não se sentia protegida sem ele.


 


Maite: Não estou defendendo ele! – enfatizou. – Mas que verdade seja dita, ele tem se superado cada dia mais, tem provado que ama a ruiva, cuida dela, se importa com ela, ajuda a cuidar do bebê e é um bom pai para a Laura, ninguém mais o vê com canalhices com essas vadias, está trabalhando e está dando um rumo pra vida dele, uma coisa e eu não ir com a cara do cara, outra diferente é ser hipócrita. Ele mudou sim!


 


As palavras de Maite ecoaram em sua mente enquanto varias lágrimas se aglomeravam em seu rosto. Se até Maite, que nunca fora com a cara de Christopher admitira que ele estava mudado, era por que ele realmente estava mudado. Ela sabia que sim, ele tinha mudado muito e ela sabia disso. 


Ele já não era mais o mesmo galinha de antes, não era mais um hipócrita que falava as coisas da boca pra fora, ele tinha aprendido, aprendido a dar valor a ela, aprendido a respeitá-la como mulher e ela sabia disso, ela sentia. Será que finalmente não estava na hora de perdoar?


 


¨¨¨¨


No dia seguinte, as meninas despertaram com seu despertador natural, Laurinha. A pequena se contorcia e chorava no berço, incomodada.


Anahí: Oh meu Deus! – disse com voz de bebê enquanto levantava da cama e ia até o bercinho. – O que ela tanto berra hein? – sorriu pegando a pequena no colo, que logo fungou o rostinho no seio dela em busca de leite. – A dinda não tem leite meu amorzinho. – disse beijando a mãozinha dela, que parava de chorar aos poucos.


Maite: Com fome há essa hora Laurinha? – riu bocejando. – Me dá ela aqui Annie. – estendendo os braços, Anahí negou com a cabeça, afirmando claramente que não ia dar e a morena rolou os olhos. – Hunf! – bufou. – E essa aí? – apontou Dulce que estava ferrada no sono, nem sequer ouvia o chorinho de Laura.


Anahí: A coitada deve estar morrendo de sono. – suspirou, colocando Laurinha ao lado dela e a cutucando de leve no braço. – Dulce? – disse perto da ruiva. – Dulce acorda amiga, a Laurinha está com fome. - a ruiva suspirou virando-se, com preguiça.


Dulce: Ai minha filha. – chorosa, estendendo os braços, sem abrir os olhos.


Anahí: Ela já está na cama. – riu e Dulce abriu os olhos afastando a filha para perto dela e tirando o seio. 


Dulce: Pega mamãe. – oferecendo o seio e fechando os olhos. 


Laurinha chupou o biquinho iniciando sua mamada, e logo Dulce já estava cochilando outra vez. As amigas olharam e começaram a rir. 


Anahí: Vamos tomar banho primeiro, depois a gente a chama. – pegando a toalha e entrando no banheiro.


As meninas tomaram o banho e quando Estefânia saiu do banheiro, já que ela era a ultima, foram chamar Dulce. Laurinha já tinha soltado o peito e agora brincava com as mãozinhas enquanto a ruiva dormia como uma pedra.


Maite: Dulce acorda! – ela disse cutucando a ruiva, Dulce se virou para o outro lado, abaixando a blusa. Maite encarou as outras que prendiam o riso. – Dulce já são oito horas! – berrou e a ruiva deu um pulo.


Todas caíram na risada e a ruiva sentou-se meio grogue pelo sono, coçou o olho e encarou a filha.


Dulce: Que horas? 


Maite: Não são oito horas, mas já são quase sete. – disse a encarando. – Só estamos te acordando por que hoje tem prova de interpretação. 


Dulce: Oh meu Deus! – pôs a mão na testa. – Eu esqueci totalmente! – murmurou. 


Maite: Você está se sentindo melhor?


Dulce: Claro. – assentiu, pegando a filha e se levantando. – Não deveria ter dormido tanto. – suspirou entrando no banheiro.


Enquanto dava banho em Laurinha ela voltou a pensar no assunto que estava lhe tirando o sono durante a madrugada: Christopher. Mordeu o lábio e ficou pensando em sua vida, ficou pensando nele, estava tão mudado, tão gentil. 


Alguns minutos depois tirou a filha da banheira e a enrolou na toalha, saindo com ela do banheiro. Anahí já estava pronta, Maite se maquiava e Esteff se vestia. Foi até a cômoda de Laura e tirou uma fralda descartável, um mijãozinho rosa e uma travessinha da mesma cor, sentou-se na cama ouvindo a conversa animada das amigas e se pôs a arrumar a filha, passou a pomada, o talco e pôs a fraldinha nela, que sorria banguela para a mãe.


Dulce mandava beijinhos enquanto vestia o mijãozinho com cuidado. Levantou-se e pegou a escovinha para pentear os cabelinhos da neném e o fez perdida em pensamentos.


Anahí: A Dulce está tão calada hoje. – murmurou para Maite e em seguida se virou e viu a amiga colocando a travessinha em Laura. – Tão quieta, ela não é assim.


Maite: Vai ver está traumatizada por culpa daquele filho da puta do Recalde. – disse passando seu batom preto. 


Anahí: Não, eu acho que é outra coisa. – negou. – Ela está calada, ontem quando fomos dormir ela não estava assim. - analisou e Estefânia saiu do closet, com uma toalha nos cabelos.


Esteff: Dulce me empresta seu secador, esqueci o meu em casa. – disse se olhando no espelho e a ruiva nem ligou. – Dulce? – se aproximou e estalou os dedos na cara dela, que "acordou".


Dulce: Oi Esteff? – disse encarando a gordinha. – Perdão, eu estava um pouco distraída.


Esteff: Notei... – riu. – Me empresta o seu secador, eu esqueci o meu em casa.


Dulce: Claro amor. – sorriu de leve. – Está no meu armário, fique a vontade. 


Esteff entrou de volta para o closet  em busca do secador e Dulce levantou-se, para arrumar Laurinha dentro do carrinho.


Anahí: Dulce você está bem? – a loira perguntou, com leve preocupação.


Dulce: Claro Annie. – disse colocando a chupeta na boquinha da filha. – Porque está perguntando?


Anahí: Você não me parece normal, sei lá, com tudo o que aconteceu ontem... – Dulce a interrompeu.


Dulce: Não se preocupe. – pegando a toalha. – Não tem nada a ver com isso, eu só estou um pouco cansada, apenas. – disse entrando no banheiro.


Anahí a encarou, desconfiada e voltou a conversar com Maite. 


Cinco minutos depois Dulce saiu do banheiro apressada e entrou no closet, tinha tomado um banho às pressas, nem o cabelo ela tinha molhado pra não perder tempo secando, já estava muito atrasada. Eram sete e cinco, a aula começava sete e meia. 


Trocou-se com rapidez, vestindo uma saia jeans e uma blusa de alças branca, jogando uma jaqueta rosa por cima, pois estava um pouco frio e provavelmente choveria, em seguida calçou seu all star e passou apenas um lápis de olho e um gloss  nos lábios.


Anahí: Amém, agora só falta a Esteff. – cruzou os braços. – Como pode? Quando a Dulce acordou você já estava de banho tomado, ela ainda deu banho e arrumou a Laura, depois tomou o banho dela, se arrumou e já está pronta, e você ainda nada. – encarando a amiga, que se maquiava.


Esteff: Eu já estou quase acabando, só falta o blush, espera um pouquinho aí. – disse passando seu blush, com cuidado.


Maite: Estefânia, nós ainda temos que tomar café minha filha, eu estou varada de fome! – disse impaciente.


Esteff: Pronto exageradas! – a gordinha reclamou enquanto levantava. – Alguém morreu?


Elas riram e todas saíram em direção à cantina, teriam exatamente dezesseis minutos para tomar café, já tinham combinado que se atrasariam cinco minutos e a professora teria que entender.


 





Compartilhe este capítulo:

Autor(a): ardillacandy

Este autor(a) escreve mais 7 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

Sentaram-se à mesa e fizeram os pedidos, pedindo para Zoraida correr. Três minutos depois a moça chegou com os pedidos. Todas comeram em um clima divertido, só Dulce que não estava falando nada naquele dia, só falava o necessário e aquilo já estava deixando-as preocupadas.  Maite: Olha Dulce, se você n&atil ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 10662



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • steph Postado em 13/03/2024 - 02:37:35

    Olá tudo bem? Gostaria de convidar para ver a minha história, acabei de publicar. https://fanfics.com.br/fanfic/62268/minha-vida-tem-trilha-sonora-labirinto-a-mag ia-do-tempo

  • misssong Postado em 30/08/2023 - 20:47:03

    OI gente, tudo bem? Desde já peço desculpas por invadir assim o espaço da amiga escritora, para divulgar o meu primeiro trabalho aqui no site, espero que gostem. https://fanfics.com.br/fanfic/62162/365-dias-ao-seu-lado-original Muito obrigada pela atenção!

  • proarticlepost Postado em 07/06/2022 - 00:22:33

    https://www.proarticlepost.com

  • martinha2022 Postado em 25/05/2022 - 19:29:18

    Oi gente, convido vocês para conhecer minha fanfic, é vondy e vocês Vão amar... é bom clichêzinho, mas cheio de reviravoltas. https://fanfics.com.br/fanfic/61812/meu-namorado-de-infancia-vondy-hot

  • heling090 Postado em 27/08/2021 - 01:37:09

    Osmanthus fragrans tea is a kind of precious flower tea made from exquisite tea billet an https://www.thepopularsmart.com

  • carol_bsh Postado em 02/01/2021 - 14:49:16

    Oii gente, queria convidar vocês pra conhecer a minha fanfic: O melhor amigo do meu irmão - Vondy Poncho, na verdade, não é meu irmão. Minha mãe casou com o pai dele quando a gente tinha uns onze anos, e, desde então vivemos na mesma casa. Isso não é um problema, muito pelo contrário. A gente é bem amigo e se dá super bem. Temos gostos parecidos e a mesma roda de amigos. Ou quase a mesma... Christopher, (que vive me enchendo o saco), é o melhor amigo de Poncho, e vive em casa. Ou melhor, vivia. Agora ele tá voltando de um intercâmbio, ficou quase um ano na Austrália. O filho da puta deve tá mais gato do que saiu... E mais chato também, com certeza. Tenho postado todo dia, vão lá conhecer <3

  • anne_mx Postado em 18/10/2020 - 00:50:28

    São fanfics como essas que me fazem crer que amizade verdadeiras existem, ver todo o apoio da Any e da Mai com a Dul, eu faria exatamente a mesma coisa pelas minhas amigas, me senti como a Mai cada vez que ela defendia a Dul, mas também quando ela chorou no nascimento da Laurinha, me senti a Any quando defendeu a Dul ou a Esteff mas também quando ela cuidava da Laurinha, eu tô morrendo de amores, eu ficaria anos aqui falando sobre essa fic de tanto amor que tô sentindo <3

  • anne_mx Postado em 18/10/2020 - 00:47:44

    No começo, confesso que odiei, até falei assim comigo mesma: Vou continuar a ler só pra ver se ela vai terminar a web com o Christopher nesse relacionamento tão abusivo, só que puts, eu fui me apaixonando pelo crescimento dos personagens, Dulce de menina, se tornou uma mulher e mãe incrível e o Christopher que começou a web só pensando com a cabeça de baixo, terminou a web salvando a vida da Dul e da Clarinha e eu amo webs em que existe o crescimento do personagem como pessoa e essa é tão real que emociona muito, porque infelizmente os homens são mais imaturos que as mulheres e ver o Christopher lutando pela Dul e valorizando ela como mulher e como outro ser humano que também merece respeito foi tudo e ver a Dul valorizando o amor que sentia por ele e deixando de lado as inseguranças foi tudo, poderia passar anos aq falando dessa web q mexeu com meu coração, estou aqui no site há anos e não sei como nunca tinha lido Precocemente Mãe, agradeço por terem postado ela aq, mt amor p vcs <3

  • baah Postado em 24/06/2020 - 19:31:43

    Lá vamos nós de novo nessa web. Adoro.

  • grids Postado em 18/02/2020 - 01:43:37

    VOU FAZER IGUAL A GALERA DO YOUTUBE E PERGUNTAR ALGUÉM EM 2020? Essa fic é boa demais, sem condições, Duda Nordine é sinônimo de arraso né mores, um defeito não tem

    • mellorylamour Postado em 08/06/2020 - 20:34:20

      Coisas que a quarentena me proporciou.




Nossas redes sociais