Fanfics Brasil - Capítulo 342 - 2 Temporada Eu amo só você! - Ponny - 1ª/2ª/3ª Temporada

Fanfic: Eu amo só você! - Ponny - 1ª/2ª/3ª Temporada | Tema: A&A; Rebelde


Capítulo: Capítulo 342 - 2 Temporada

1320 visualizações Denunciar


 



A porta do quarto de Anahí cedeu facilmente com o contato da mão de Alfonso.



 



As retinas dele demoraram segundos para se ajustarem à escuridão do quarto e Alfonso não pode frear os pensamentos reprovadores sobre o fato da namorada não ter se certificado de trancar a porta antes de dormir. Um sorriso sacana iluminou o rosto dele enquanto travava a porta.



 



Seus passos foram decididos e em questão de milésimos de segundo ele já estava na beira da cama. Era tarde demais para fazer uma visitinha social, cerca de três horas da manhã e meia hora desde que eles se despediram daquele momento no lago, mas quem ligava?



 



Os seus dedos foram diretamente para o tornozelo macio e atingiram um ponto sensível que a fez revirar sob os cobertores.



 



– Caramba, Amor. – Ele disse, em alto e bom tom. – Como você consegue ser tão linda, mesmo neste breu todo? – Sorriu travesso.



 



Os toques e nem as palavras foram suficientes para que ela acordasse. A única resposta que ele teve foi um resmungo pedindo "silêncio nesta porr*!" e isso o fez rir com tanta felicidade que o seu coração ameaçou explodir.



 



Essa é a minha gata manhosa” pensou antes de se estender na cama ao lado dela. Ali, com seus braços firmemente ao redor de Anahí, era o seu lugar mais querido em todo mundo.



***



Pode-se dizer toda besteira que quiser. Dizer até mesmo que o céu é roxo. Que o sol é escuro. Mas nunca, jamais mesmo, diga que uma manhã chuvosa serve para qualquer outra coisa que não seja dormir.



 



E disso, Anahí tinha certeza.



 



Então por que raio ela estava despertando enquanto trovoadas se faziam ouvir lá fora?!



 



Ah sim, é porque uma mão muito grande está traçando círculos em minhas costas” pensou ela ao abrir os olhos.



 



– Pare de se mexer, tá roubando as cobertas todas pra você. – Disse uma voz rouca e masculina, e isso a faz gritar de susto.



 



Com toda a força em seus músculos nada impressionantes, Anahí afastou o indivíduo de perto de seu corpo, ainda gritando. Ela não abriu os olhos bem o suficiente para identificá-lo, mas seus punhos entraram em contato com o corpo do “desconhecido” o que o fez grunhir.



 



– Se afaste de mim, seu aproveitador! – Ela gritou e como uma ninja, o chutou. Alfonso não estava preparado para isso e não conseguiu desviar do golpe e foi atirado para fora da cama.



 



“Isso só pode ser brincadeira.” pensou ele.



 



– P*rra. – Ele blasfemou ao atingir o solo. – Anahí, abra os olhos.



 



Por alguma razão, ela o fez imediatamente. Talvez pelo tom duro de Alfonso ou por que finalmente o reconhecera.



 



– Poncho? – Ela sussurrou, testando a palavra.



 



– Sim, mi amor.



 



– Ai, Jesus. – Ela berrou, antes de pular para o chão e inspecionar o namorado em busca de ferimentos. – Desculpe, amor! O excesso de tequila c*gou minha cabeça.



 



– Sério? Nunca teria percebido. – Ele revirou os olhos e a puxou para debaixo dele no tapete. – Olha está ficando frequente te acordar e receber uma surpresa da sua parte.



 



– Essa é a intenção amor, só notou agora?



 



– Eu sou lento. – Ele deu de ombros e atacou a boca dela com os seus lábios.



 



Ou, pelo menos, tentou já que Anahí desviou melhor que o melhor dos goleiros e pulou para fora da dos braços dele, correndo para o banheiro e trancando a porta atrás dela.



 



– Se você pensa que vai ter algo desses lábios sem uma escova de dentes depois de um porre de tequila, está muitíssimo enganado. – Ela disse pela porta.



 



– Empata beijo do caralh*. – Ele murmurou.



 



– O que?!



 



– Nada não, amor.



 



– Ceeeerto. Melhor mesmo.



 



Seus amigos tinham razão, não precisava ser um gênio para perceber a coleira invisível em seu pescoço. Ele era um cachorrinho das vontades da namorada. Sorrindo, seus pensamentos foram interrompidos pelo martelar de uma batida insistente na porta.



 



– Amor? Atende a porta para mim? Deve ser a Mai ou a Dul. – Anahí pediu ao abrir uma fresta da porta do banheiro. Ele assente e se encaminha ate a porta



 



– Espera, você vai abrir a porta assim? – Ela fez uma careta



 



Os olhos azuis praticamente salivaram com a imagem do abdômen sarado e descoberto de Alfonso. A boxer acentuava perfeitamente a cintura truncada dele e aquela linha v fazia Anahí pensar que tudo ficaria bem no mundo.



 



– Amor, eu não trouxe roupas. – Deu de ombros. – Eu vim para sua cama, achei que essa era a última coisa que eu precisaria.



 



Anahí riu. Só que de escárnio.



 



– Você está tão presunçoso! – Ela apertou os olhos. – Se enrola naquela toalha ali.



 



– De jeito nenhum. – Ele disse um pouco até horrorizado.



 



Aquilo não era uma toalha. Aquilo era um álbum de princesas de garotinhas do quarto ano.



 



– Alfonso. – Anahí enrugou a testa, brava. – Se cubra e atenda aquela porta.



 



Ela não esperou respostas e voltou para sua arrumação. E como um bom cachorrinho que se tornou, Alfonso não discutiu.



 



– Eu tenho uma maldita vagin*. – Alfonso murmurou amargurado ao se cobrir com aquele negócio.



 



– O que disse? – Anahí berra lá de dentro.



 



– Eu disse que eu quero a sua vagin*. – Ele sorriu com o suspiro dela e caminhou para a porta.



 



Com certeza, não era Dulce. Muito menos Maite.



 



– Com licença, senhor. – Disse o segurança. – Fomos noticiados de gritos femininos vindos deste quarto. – Ele deu uma pausa para olhar a toalha rosa e fez uma careta. A toalha era feia mesmo. Kkkk – Faça o favor de me acompanhar enquanto uma equipe vasculha o quarto, por favor.



 



Aquilo só podia ser brincadeira.



 




Compartilhe este capítulo:

Autor(a): lenaissa

Este autor(a) escreve mais 3 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

  – É isso aí. – Alfonso resmungou para Anahí. – Estou, oficialmente, terminando com você!   Os passos de Alfonso eram incertos e furiosos pelo seu quarto no chalé. Ele não conseguia sintonizar sua mente ao que havia acontecido. A cena ficava se repetindo em seus pensamentos.   Havia coi ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 1118



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • degomes Postado em 23/11/2023 - 21:50:27

    Continua 🙏 Saudades dessa história 😢

  • degomes Postado em 12/06/2022 - 21:56:54

    Continua

  • Lohana Postado em 17/06/2021 - 23:34:04

    Quando vai continuar a história ?

  • degomes Postado em 07/05/2021 - 19:26:34

    Continua

  • Feponny Postado em 20/04/2021 - 00:12:08

    Continuaaaa

  • livia_thais Postado em 02/04/2021 - 23:40:38

    Aaah continuaaa por favor. Tava na espera

  • nayara_lima Postado em 14/02/2021 - 19:35:35

    FINALMENTE RENATA PENSEI QUE NÃO IA VOLTAR JAMAIS PRA DA UM FINAL .. NÃO ACEITO A MÃE DA ANNY MORRER NÃO ME MATA RENATA

  • nayara_lima Postado em 28/11/2020 - 05:11:04

    Estamos no final do ano e nada até agora :/

  • Feponny Postado em 06/05/2020 - 02:03:19

    Você vai voltar? A segunda acabou com o gostinho de quero maissss e agora? Voltaaaaa

  • bya.triiz Postado em 03/12/2019 - 17:19:28

    Reeee,por favor me colocar no grupo novamente!! Meu número e (71)992746852.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais