Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: - Mentiras | Tema: AyA


Capítulo: Capítulo - CDXXXIII

882 visualizações Denunciar


Anahí que estava com Manuela, Helena e as crianças na sala, vira quando Alfonso subira as escadas furioso, apressadamente, e no mesmo instante o seguiu, já sabendo que ele e Marcelo haviam brigando novamente, mas assim que ela chegara ao último degrau da escada, se assustara ao ver Alfonso acertando um soco no rosto de Alex, que nem ao menos teve tempo de tentar se defender, e parecia tão confuso quanto ela.


- Que merda é essa? – Gritou Alex levando sua mão ao seu rosto, demonstrando a dor que sentira, ainda sem entender o que estava acontecendo, já que fora pego de surpresa por um Alfonso furioso que batera na porta do seu quarto.


- Alfonso. – Anahí o chamou antes que ele perdesse a cabeça e batesse novamente em Alex.


- Que merda foi essa? – Alex gritou novamente, no momento em que Ruth saiu do seu quarto e Manuela subiu as escadas, apressada, ambas assustadas com o grito de Alex.


- Marcelo me mostrou o testamento dele, há cinco anos sem nenhuma alteração...


- É só o meu trabalho, eu não tenho nada a ver com isso. – Alex se justificou, já sabendo sobre o que Alfonso estava falando.


- Eu sei, mas ou eu socava o Marcelo ou o advogado dele. – Respondeu Alfonso.


- O que está acontecendo? – perguntou Ruth, sem entender o porque da briga de Alex e Alfonso.


- Marcelo contou para Alfonso que ele não foi deserdado. – Contou Alex.


- Alfonso não foi deserdado? – perguntou Manuela surpresa. – Vocês sabiam disso? – Ela perguntou indignada.


- Não olhe para mim como se eu tivesse culpa de alguma coisa. – disse Alex. – Marcelo é meu cliente, eu não poderia falar sobre isso nem se eu quisesse.


Verdade era que inúmeras vezes Alex se sentira tentado em contar a verdade para Alfonso, e tentar acabar de uma vez por todas com a briga entre o seu irmão e Marcelo, mas ele sabia que seu trabalho exigia aquele tipo de sigilo.


- Você sabia disso? – Manuela redirecionou sua pergunta para Ruth.


- Eu sabia. – Confessou Ruth, sabendo que não teria como se justificar.


- Porque você nunca contou a verdade para ele? – perguntou Manuela, indignada. – Porque você deixou que ele pensasse que não pertencia mais a essa família, deixou que ele pensasse que foi deserdado...


- Manuela, não. – disse Alfonso, a puxando, enquanto ela ainda gritava com a Ruth.


- Ela está errada! – Manuela gritou. – Ela sempre o acobertou! Ela devia ter ficado do seu lado! Ela é igual a ele!


Alfonso afastou Manuela encerrando a briga acabou, e logo se afastou dela antes que ela tentasse conversar para saber como ele estava se sentindo, já que nem ele sabia responder àquela pergunta.


Alfonso foi até seu antigo quarto, sendo seguido por Anahí que esperava que ele dissesse algo, que ele desabafasse sobre como estava se sentindo, mas ele não estava pronto para isso.


- Eu odeio essa casa. – Isso fora tudo o que Alfonso disse, se sentando a sua cama e Anahí soube naquele momento, que não adiantaria lhe perguntar nada, já que ele não a responderia.


Já era quase uma hora da manhã quando Anahí acordou assustada, com Alfonso se mexendo e balbuciando algo que ela não conseguia compreender, e assim que ela abrira os olhos ainda sonolenta, percebera que Alfonso estava tendo um pesadelo novamente.


Era quase incompreensivo entender o que Alfonso dizia, ela apenas entendeu que ele negava algo para em seguida se desculpar, e mesmo dormindo, parecia desesperado, Anahí conhecia bem essa sensação, sabia como era ter pesadelos e reviver momentos que desejava esquecer.


- Poncho. – Ela o chamou, sem se aproximar muito dele. – Alfonso. Meu amor acorda. – Ela pediu e Alfonso se remexera ainda mais, suando frio.


Demorara até que Alfonso finalmente acordara, assustado, percebendo que novamente havia voltado a ter um pesadelo.


Anahí ficara calada, sem saber o que dizer, com medo de tentar conversar com Alfonso, já que ela sabia que ele se esquivava quando ela queria saber como ele estava se sentindo.


Alfonso era um homem fechado, não falava sobre sentimentos ou sobre o que lhe afligia, guardava tudo para si mesmo e, por mais que demonstrasse ser um homem cheio de si, Anahí sabia que ele também tinha sérios problemas de auto estima, já que ele nunca se achava bom o suficiente.


Alfonso se levantou da cama sem dizer nada, só o que ele queria agora era possuir o corpo de Anahí a fazendo gritar extasiada por ele, mas ele não o faria, já que havia aprendido que sempre que descontava sua raiva assim, Anahí acabava se sentindo confusa e depois ficava mal com isso.


Alfonso entrou no banheiro do seu quarto e tirou a calça que vestia, mudou a temperatura do chuveiro para que a água caísse o mais quente possível e entrou debaixo do mesmo, respirando fundo e sentindo a dor da água escaldante em sua pele que estava fria, a água estava quente o suficiente para fazer com que seu corpo doesse, já que essa era a forma que ele encontrara de se punir por sentir demais.


Anahí entrou no banheiro esfumaçado e quente e viu Alfonso parado debaixo do chuveiro, respirando fundo, com o abdome rígido, deixando a água quente queimar suas costas, que já estavam vermelhas.


- Alfonso. – Ela o chamou, temendo se aproximar.


- Preciso de um tempo, Anahí. – Ele disse, sem ao menos se virar para encará-la.


Anahí abriu a porta do box do chuveiro e ao levar sua mão esquerda até as costas de Alfonso, se assustou com a temperatura da água que caia escaldante sobre o corpo de Alfonso, mas ao tentar desligar o chuveiro, Alfonso segurou sua mão, só agora se virando para encará-la e ele pode ver o quanto ela estava assustada.


Anahí tentou se soltar de Alfonso e desligar o chuveiro, mas quando viu que ele não a deixaria fazer isso, ela se afastou dele, tirando sua roupa e entrando de baixo do chuveiro com ele, sentindo sua pele queimar, e só então Alfonso se dera por vencido, desligando o chuveiro ao ver a pele clara de Anahí ganhar um tom avermelhado.


Anahí levou suas mãos ao peitoral de Alfonso o obrigando a se virar e encará-la, e quando viu o desejo em seus olhos, soube do que ele precisava e o que o faria esquecer de seu pesadelo.


Alfonso já podia ver as pernas dela entrelaçadas em sua cintura enquanto ele a penetrava fundo, a fazendo gemer seu nome em seu ouvido e arranhar suas costas, isso era exatamente o que ele precisava agora, estar fundo dentro dela, mas ele havia prometido para si mesmo que não usaria mais o sexo com Anahí para tentar se esquecer de sua realidade, já que ele sabia como ela se sentia depois disso, então assim que ela levou sua mão esquerda até a nuca dele e o puxou, Alfonso se desvencilhou dela, saindo do box e puxando uma das toalhas brancas penduradas a sua direita.


Alfonso se vestiu rapidamente, sob os olhares atentos e confusos de Anahí, que o seguira para fora do banheiro, vestindo apenas um roupão, e quando ele saiu do seu quarto, ela o seguiu, sem falar nada, se esforçando para acompanhar o passo rápido dele, até saírem da mansão e irem direto a sala onde Alfonso costumava treinar quando ainda morava lá, e onde Anahí o vira respirar fundo antes de começar a socar um saco de pancadas até quase machucar suas mãos.


Alfonso aprendera que sentir demais era errado, que não devia se levar por suas emoções, então sempre que qualquer sentimento o invadia, ele procurava uma forma de se punir, para que não sentisse mais, Alfonso aprendera a substituir o seu emocional, por dor.


O barulho do primeiro soco que Alfonso dera no saco de pancadas fora alto, assustando Anahí, que pensava em como o pararia, já que Alfonso parecia não se importar com nada ao seu redor.


- Alfonso, por favor, não faça isso. – Ela pediu se aproximando dele, mas fora como se ele não a escutasse.


Anahí entendia a frustração de Alfonso, ela podia perceber o quanto ficar sabendo que não fora deserdado o chateara, não pela mentira que Marcelo contara, sim por ele pensar que com dinheiro resolveria sua briga com Alfonso.


- A última vez que eu vi, suas mãos estavam avaliadas em 1,5 milhões de dólares. – Comentou Marcelo entrando na sala, vestindo seu pijama de seda, Marcelo era um homem elegante, que exalava dinheiro apenas com o jeito de se vestir e se portar. – Você tem certeza que vai querer acabar com elas assim, socando um saco de pancadas? – Ele perguntou, se preparando para a fúria de Alfonso e sabendo que merecia tudo o que ele tivesse para dizer, contanto que isso fizesse com que seu filho finalmente o perdoasse.


- Acredite, não era exatamente um saco de pancadas que eu gostaria de socar. – Respondeu Alfonso após acertar um último soco no saco de pancadas.


- Ótimo, é isso o que você precisa? Então faça. – Respondeu Marcelo, erguendo suas mãos, como se estivesse entregue. – Porque eu já não sei mais o que fazer para você me perdoar, eu sei que eu errei, sei que eu mereço o seu desprezo, mas eu preciso que você me perdoe!


Quando Alfonso caminhara em direção a Marcelo, furioso, Anahí pensou que ele acabaria fazendo uma besteira, mas assim que ele passara ao lado do seu pai e cruzara a porta, ela pode respirar aliviada, já que nunca sabia o que esperar de Alfonso quando ele se zangava.


- Você não o conhece direito. – disse Anahí, se assegurando que seu roupão estivesse bem fechado. - Se o conhecesse jamais teria feito o que fez hoje. – Comentou.


- Eu só queria que ele soubesse que ele nunca deixou de ser meu filho, tudo o que eu disse sempre foi da boca pra fora.


- Se você realmente quiser que ele te perdoe você precisa focar no que vocês dois têm em comum, e no ponto fraco do Alfonso, faça pelos filhos dele o que você não fez por ele, só assim ele esquecerá tudo o que aconteceu entre vocês. – Ela disse antes de se afastar de Marcelo.


Quando Anahí entrou no quarto, Alfonso estava parado de costas para a porta do quarto, com as mãos no rosto, respirando fundo, tentando se controlar para não se deixar vencer pelo que estava sentindo.


- O que é isso? – Perguntou Anahí, quando Alfonso pegara dois comprimidos em um pequeno vidro que só agora Anahí notara sobre o móvel.


- É pra eu poder dormir. – Alfonso se limitou a responder e logo em seguida colocara os comprimidos na boca.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): alinerodriguez

Este autor(a) escreve mais 4 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

Anahí acordou cedo para dar o remédio para o Enzo e depois que não conseguiu voltar a dormir, acabou indo até a cozinha, onde os funcionários da mansão logo lhe prepararam um café da manhã, mesmo ela insistindo que poderia se virar sozinha. - Bom dia. – Disse Manuela entrando na cozinha sonolenta e se sentando a ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 4015



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • camilaaya Postado em 24/11/2019 - 20:21:02

    Aii, que lindos Ansiosa por mais

  • camilaaya Postado em 13/11/2019 - 16:08:34

    Ansiosa já pelo epílogo

  • vicunhawebs Postado em 11/11/2019 - 17:23:58

    Nossa nem acredito que acabou. Perfeita do começo ao fim

  • camilaaya Postado em 11/11/2019 - 14:29:51

    Vai ter epílogo? Ñ acredito que depois de anos ela chegou ao fim Ñ estou preparada para isso. Essa fic Ponny é uma das poucas que li que realmente vale a pena. Sentirei sdds

  • emily.ponny Postado em 08/11/2019 - 20:27:27

    Preciso desse casamento pra ontem !!!! E Alfonso acho bom você se desfazer em lágrimas quando vê Anahi !!

  • vicunhawebs Postado em 06/11/2019 - 18:09:42

    Tô com medo do que vai acontecer

  • emily.ponny Postado em 05/11/2019 - 12:01:52

    Que não aconteça nada nessas despedidas de solteiro!! Meu casal tá muito feliz pra acabar com isso

  • vicunhawebs Postado em 04/11/2019 - 19:55:33

    Que família linda. Perfeitos. Mais

  • emily.ponny Postado em 31/10/2019 - 21:58:11

    Finalmente o pedido !!! Estou chorosa haaaaa

  • vicunhawebs Postado em 23/10/2019 - 14:30:50

    Tá tudo perfeito



AVISO

BAIXE O APP PARA ANDROID - https://fanfics.com.br/download/FanficsBrasil.apk

 

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...