Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: - Mentiras | Tema: AyA


Capítulo: Capítulo - CDXLIII

422 visualizações Denunciar


Alfonso saíra tarde do hospital, devido a uma cirurgia que aparecera quando ele já estava indo embora, por isso ele enviara uma rápida mensagem para Anahí, já que ela sempre o esperava acordada.


“Chegarei tarde, não espere por mim acordada. Te amo” – Escreveu Alfonso antes de entrar no centro cirúrgico.


Quando Alfonso chegara em casa, quase 01 hora da manhã, escutou o barulho da TV ligada e logo soube que Anahí havia ignorado sua mensagem e que o estava esperando, no entanto a encontrara dormindo no sofá, por isso desligara a TV e a pegara no colo para levá-la até o quarto.


- Era pra eu te esperar acordada, mas eu acabei dormindo. – Ela sorriu despertando. – Pode me colocar no chão, eu estou enorme, não sei como você consegue me levar no colo. – Disse, quando Alfonso começou a subir as escadas.


- Você não pesa nada pequena. – Ele sorriu quando ela passou seus braços em volta do pescoço dele.


Na manhã seguinte, Alfonso acordara e ficara observando Anahí que ainda dormia, Alfonso a amava de uma forma que pensou que nunca amaria nenhuma outra mulher, Anahí fazia com que ele se sentisse uma pessoa normal, era como se ela ignorasse o fato dele vir de uma das famílias mais importantes do mundo, e ele amava isso nela.


- Bom dia. – Ela sorriu quando o azul de seus olhos se encontrou com o verde dos olhos de Alfonso.


- Bom dia. – Ele levou sua mão até o rosto dela, a acariciando, fora então que Alfonso se lembrara que havia perdido sua aliança no centro médico. – Pequena, preciso te contar uma coisa, mas para isso você precisa prometer que não ficará brava.


- Eu não posso prometer nada, o que você fez? – Perguntou, já imaginando várias coisas que poderiam ter acontecido.


- Perdi a aliança. – Ele disse levantando sua mão, que agora estava sem a aliança em seu dedo.


- Certo, e isso foi porque você não queria usá-la ou há uma explicação para isso? – Ela perguntou, sabia que Alfonso não era fã de alianças, mas não imaginava que ele daria um jeito de perdê-la tão rapidamente.


- Eu não posso entrar no centro cirúrgico com a aliança, então a tirei e não me lembro onde guardei. – Ele foi sincero.


- Tudo bem, eu não esperava que você realmente a usasse, mas não imaginei que você a perderia logo no primeiro dia de uso.


- Eu não a perdi de proposito, se eu não a encontrar compro uma outra. – Ele disse, se levantando da cama quando viu a hora em seu despertador.


Assim que chegou no centro médico Alfonso fora direto ao vestiário e assim que começou a se trocar, a enfermeira Laura entrou e ficou parada o observando.


- Precisa de algo? – Perguntou Alfonso.


- O que? – Ela perguntou distraída. – Ah, não. – Ela balançou sua cabeça negativamente. – Mas você precisa. – Ela disse tirando a aliança de Alfonso do seu bolso. – Soube que você estava procurando isso.


- Laura, você está sempre me salvando. – Ele disse quando ela lhe entregou a aliança, a qual ele guardou em seu armário. – Onde você a achou?


- No centro cirúrgico 2, então pensei, quem é o idiota que deixa uma aliança jogada, e claro, só podia ser você.


- Eu sei que eu já te disse isso milhares de vezes, mas eu te devo uma. – Ele disse, terminando de se vestir.


- Qualquer dia eu vou cobrar. – Ela sorriu e saiu junto com ele do vestiário.


“Achei a aliança, me desculpe por ter perdido”. – Alfonso escreveu uma rápida mensagem para Anahí antes de começar a trabalhar.


O mês passara depressa, e Alfonso conseguira ir para a Alemanha apenas duas vezes em curtas viagens de três dias no máximo, ele também tentava estar mais presente, já que Anahí reclamara que ele não estava participando da vida dela e dos pequenos o suficiente.


Assim como acontecia todos os anos, Ruth Herrera e Marcelo Rodriguez cediam sua mansão para o evento beneficente da fundação de Manuela e William que ajudava mulheres vítimas de agressão doméstica e outros tipos de violência, embora Alfonso detestasse esse tipo de eventos onde pessoas esbanjavam seu dinheiro demonstrando o quão milionários eram, ele sempre participava pela Manuela e pelo William que trabalhavam duro na fundação, William por motivos pessoais e Manuela porque acreditava que mulheres deveria sempre ajudar outras mulheres a se reerguerem.


Alfonso chegou na mansão dos seus pais na sexta feira anoite, ele concordara em ficar hospedado na mansão até o dia do evento e Ruth ficava feliz em ver que aos poucos ele estava tentando se reaproximar.


As 18h assim como combinado, Alfonso fora junto com Anahí, as crianças e Manuela, até a mansão onde William morava com seus pais e depois que Anahí soube quem era a mãe de William, ficara nervosa, e ansiosa para conhecê-la.


- Por que você não me disse antes que ele é filho da Isadora Gutierrez? – Perguntou Anahí ainda incrédula. – Por que você não me apresentou ela no casamento da Dulce?


- Por que ela não foi, ela estava em um trabalho voluntario em algum país da américa do sul. – Ele respondeu antes de se identificar na portaria.


- A tia Isa é sensacional, ela me inspira todos os dias a seguir ajudando outras mulheres. – Disse Manuela, que começara sua fundação com William depois de uma longa conversa com Isadora.


Assim que Alfonso estacionara seu carro em frente a enorme mansão, William viera segurando em seu colo um Yorkshire marrom, e era cômico ver que um homem tão grande como William tinha um cachorro tão pequeno de estimação, mas o que mais chamava atenção na cena era a mão de William que estava machucada.


- Que bom que vocês chegaram, mamãe está louca para conhecer a Anahí. – Ele deu o cachorro para Clara segurar. – Christopher e Dulce já estão lá dentro com a prole deles e estão bravos com vocês porque eles só ficaram sabendo hoje que serão tios.


- Não fale da tia Isa para a Anahí, ela está em estado de choque desde que descobriu quem é a sua mãe. – Comentou Manuela.


- Você é perdida Anahí. – William riu. – Eu gosto disso.


Fora então que Anahí a viu atravessando a enorme porta, Isadora era uma mulher bonita que não aparentava a idade que tinha, era alta, com longos cabelos escuros e olhos claros e tinha escrito os melhores livros de autoajuda que Anahí havia lido depois de sua separação.


- Pensei que eu teria que ir até a casa dos seus pais para te ver. – Disse Isadora, que não gostava de Marcelo, por isso evitava ir até a mansão vizinha, comparecendo somente em grandes eventos, onde saberia que conseguiria se controlar e não começaria uma briga.


- Desculpa Isa. – Alfonso a abraçou.


- Você está tão lindo, estou tão orgulhosa de você. – Ela sorriu, sempre tivera muito carinho por Alfonso, sem contar que o vira crescer junto com William.


- Bondade sua. – Disse Alfonso.


- Clara está tão grande, me sinto tão velha quando eu a vejo. – Comentou Isadora.


- Nem me fale, por mim ela ficaria desse tamanho para sempre. – Ele disse e Anahí sorriu, gostava do jeito como ele falava de Clara.


- Esse mocinho deve ser o famoso Enzo, William sempre diz que mudou de ideia e que aceita ter um filho se ele for igual ao Enzo.


- Ele não teria essa sorte, se o William tivesse um filho ele seria o capeta. – Disse Manuela.


- Não fale mal dos meus futuros filhos. – disse William, dando as mãos para as crianças e as levando até a casa.


- E você deve ser a famosa Anahí. – Isadora se virou para falar com ela e Anahí travou, sem saber o que responder. – Eu estava ansiosa para te conhecer.


- É um prazer te conhecer. – Ela disse, quando finalmente sentiu que não gaguejaria.


- O prazer é todo meu, cuidei desse menino como se fosse meu filho. – Ela disse, abraçando Alfonso. – É bom ver que ele encontrou alguém que o faz bem.


- Viu Anahí, não foi tão difícil assim conhecê-la. – Disse Manuela e Anahí corou envergonhada.


- Eu adoro os seus livros. – Explicou Anahí.


Isadora, Alfonso, Anahí e Manuela ficaram conversando por mais um tempo do lado de fora da casa, até que Milena, a irmã de William saiu de casa para chamá-los.


O clima na mansão da família Gutierrez era tranquilo, diferente do clima na mansão dos Herrera Rodriguez, onde sempre havia alguém brigando, era por isso que quando mais novo, Alfonso sempre fugia para a mansão ao lado.


Christopher e Dulce deixaram o pequeno Juan com William e logo começaram a encher Alfonso e Anahí de perguntas, afinal, eles haviam sido os últimos a saber que Alfonso e Anahí estavam esperando gêmeos.


- Você tem noção que você terá quatro crianças na sua casa? – Perguntou Dulce. – Eu tenho só 01 filho e já fico louca.


- Nem me fale, eu já estou querendo doar o Bryan. – Disse Milena.


- Você é tão maternal. – Disse Alfonso ironicamente. – Por falar nele, cadê o seu pequeno?


- Ficou com o pai, eu mereço uma semana de descanso. – Respondeu Milena.


- Você é uma péssima mãe, Milena. – Disse William que estava brincando com as crianças.


- Eu sou uma ótima mãe, só não deixo de viver minha vida só porque tenho um filho. – Rebateu Milena.


Quando Juan começou a chorar, William aproveitou para devolvê-lo para o Christopher e foi até o seu bar, precisava de uma bebida forte para passar a dor em sua mão e esquecer a burrada que havia feito.


- Que merda você fez na sua mão? – Alfonso aproveitou que William havia se afastado para se aproximar dele.


- Nada. – William se limitou a dizer.


- Cadê a Maite? – Ele perguntou já que ambos viviam grudados.


- Não sei, não estamos nos falando. – Ele respondeu após tomar sua dose de Whisky em um único gole.


- O que aconteceu? – Perguntou Alfonso, William sempre o escutava desabafar, então ele estava disposto a fazer o mesmo pelo seu amigo.


William ficou em silencio por um tempo, depois respirou fundo, tomando coragem para falar para Alfonso o que havia acontecido.


- Isso foi o que eu ganhei por socar a parede do quarto da Maite. – Ele finalmente disse, mostrando sua mão para Alfonso.


- E por que você foi tão idiota a ponto de socar uma parede? – perguntou Alfonso.


- Maite e eu brigamos feio, e caso você não saiba, a morena sabe ser bem cruel quando quer, tanto que ela jogou na minha cara que eu não sei levar nada a sério porque sou traumatizado por causa do meu pai biológico, ela ainda por cima teve a coragem de me chamar de Marcel, e disse que já está mais do que na hora de eu deixar o passado para trás, como se fosse uma coisa fácil de se esquecer ver a sua mãe levando uma surra todos os dias, ela não sabe da metade do que foi a minha infância, ela não tinha o direito de tocar nesse assunto. Ela disse que eu tenho características que não são nem do meu pai nem da minha mãe, que eu devo ter herdado do meu pai biológico. – Ele tomou mais um gole do seu whisky e em seguida se serviu mais uma dose e serviu uma dose para Alfonso. - Não que eu ache que isso seja ruim, não me leve a mal, mas eu sou incapaz de gritar com uma mulher, eu simplesmente não consigo, e por mais que eu quisesse, e que por dentro eu estivesse gritando mentalmente para a Maite calar a boca, eu não consegui, então eu simplesmente soquei a parede, só assim ela calou a boca, mas isso foi a pior coisa que eu poderia ter feito. – Ele disse e era visível o quanto ele se sentia culpado por isso.


- Isso a assustou? – Alfonso perguntou, entendia os dois lados daquela briga.


- Você não tem noção do quanto. – Ele tomou mais um gole de sua bebida. - Minha mãe diz na maioria dos livros dela que se o cara soca a parede quando está com raiva é melhor fugir porque o próximo alvo é você. – Ele respirou fundo. – Eu soquei a merda da parede. – Ele disse arrependido.


- O que a Maite disse foi cruel, e eu sei que você não a machucaria, eu conheço você melhor do que qualquer outra pessoa conhece, eu sei que você seria incapaz de encostar em uma mulher desse jeito, mas eu sei isso, não sei se a Maite sabe disso, você já conversou com ela depois do que aconteceu?


- Não, nós não conversamos, eu dei as costas e sai de lá, mesmo sabendo o quão assustada ela estava, eu só não queria ficar perto dela. – Ele contou. – Eu soquei a merda da parede.


- Will, você nunca bateria em uma mulher, eu sei disso e você sabe disso, mas você precisa resolver as coisas com a Maite, mesmo que seja para colocar um ponto final em tudo.


- Os dois pombinhos podem deixar o namoro para depois? – Perguntou Milena ironicamente.


- Ciúmes Milena? – Perguntou Alfonso ironicamente.


- Não meu querido, eu tenho bom gosto. – Ela disse, piscando o olho esquerdo. – Sobre o que os pombinhos estavam conversando?


- Se fosse para você saber teríamos te incluído na conversa. – Respondeu Alfonso.


- Crianças, sem brigas. – Disse Maurício, quem William considerava seu pai.


Depois do jantar, onde conversaram sobre quando William, Alfonso e Christopher eram crianças, ambos foram até a sala e Milena, como sempre fazia, aproveitou para provocar os três, já que havia crescido com eles e também considerava Alfonso e Christopher seus irmão.


As crianças estavam jogando videogame na sala de jogos do William e o pequeno Juan havia adormecido, dando espaço para que os adultos conversassem na sala principal, por isso Milena aproveitara para contar sobre quando pensou que William e Alfonso eram um casal.


- Will sempre foi ciumento, ele não me deixava chegar perto do Alfonso na adolescência, eu não sei como ele pode achar que eu ia querer alguma coisa com o Poncho, sério, sem chances, nunca fez meu tipo, sem contar que ele sempre foi um idiota, ele dizia que minha bonecas estavam possuídas e na época eu acreditava. – Ela contou, olhando furiosa para Alfonso.


- O sentimento é recíproco. – Disse Alfonso.


- Mas depois, quando o Poncho e o Will foram crescendo, eu comecei a entender um pouco desse ciúme excessivo do Will, porque eu comecei a achar que os dois tinha um caso. – Ela contou e Christopher gargalhou. – É sério, mamãe também achava a mesma coisa.


- Bom, vocês estavam sempre grudados, e o William detestava a ex do Alfonso, sem contar que qualquer comentário ou piadinha homofobica tirava o Alfonso do sério, então eu pensei que talvez o Will estivesse apaixonado. – Comentou Isadora e dessa vez fora William e Alfonso que gargalharam.


- Nós conversamos sobre isso várias vezes, tínhamos certeza que o Will era gay. – Comentou Maurício.


- William eu sempre soube que você era apaixonado por mim. – Disse Alfonso rindo.


- É sério, nós realmente achávamos que vocês tinham um caso, até porque depois do casamento do Alfonso o William chegou em casa arrasado, como se o amor da vida dele tivesse se casado. – Disse Milena.


- Nós já sabemos onde essa história termina e o que aconteceu depois disso. – Disse William, antes que Milena contasse sobre a conversa que ambos tiveram naquele dia.


- Relaxa, o Poncho já está praticamente casado, o que aconteceu antes é passado, não tem problema falar sobre isso. – Disse Milena. – No dia do casamento do Poncho, quando o William chegou devastado, eu fui conversar com ele, porque eu pensei que ele estava triste porque o Alfonso estava se casando e ele era apaixonado pelo Alfonso, então eu fui lá, como toda boa irmã, dizendo que ele poderia me contar qualquer coisa, que não importava o que tivesse acontecido eu estaria do lado dele, que ele tinha o direito de ser feliz com quem quisesse, e então ele me solta a bomba “Eu amo a Angelique”, sério, eu estava preparada para ter um irmão gay, isso partiu meu coração. – Ela disse e Alfonso e William se olharam, um esperando qual seria a reação do outro, já que eles haviam prometido nunca mais tocar naquele assunto.


- É por isso que eu te amo Milena, sempre colocando as cartas na mesa. – Disse Christopher rindo.


- Naquele momento eu soube que Will não era gay, mas por mais que eu tentasse explicar para a mamãe que o Will não estava apaixonado pelo Poncho, ela não acreditava, dizia que o casamento do Alfonso era só uma fachada, acho que isso até ajudou a aumentar a raiva que ela sentia do Marcelo, ela dizia que o Poncho estava no armário por culpa dele.


- Bom saber que nossa família nos aceita e que agora poderemos viver nosso amor. – Disse William, abraçando Alfonso.


- Alfonso, eu sei que eu sempre te peço isso quando você vem aqui, mas você pode por favor tocar o piano? – Ela pediu envergonhada, querendo encerrar aquele assunto.


- Claro, essa será especial para o William, - Ele disse, após erguer a tampa do piano e se sentar no pequeno banco na frente do mesmo, e logo em seguida começou a tocar uma música romântica, fazendo com que todas na sala descem risada.


Em seguida Alfonso começara a tocar Mozart e Anahí precisou concordar com Isadora e Maurício, era lindo vê-lo tocar.


- Ele é tão talentoso. – Disse Isadora. – Eu queria tanto que o William soubesse tocar piano.


- Depois de hoje eu também quero que o Enzo aprenda a tocar piano. – Comentou Anahí.


- Papai está tocando piano. – Clara viera correndo até Alfonso. – Toca Let it go, por favor. – Ela pediu.


- Eu não estava preparado para passar essa vergonha em público. – Disse Alfonso, começando a tocar Let it go no piano, e quando Anahí percebeu a música que ele estava tocando, teve certeza que Alfonso era o melhor pai que ela poderia ter escolhido para seus filhos.


Em seguida, quando Clara havia parado de lhe pedir músicas, Alfonso começara a tocar o hino do Manchester no piano, o que deixara Enzo e William empolgados, cantando juntos o hino.


- Foi um prazer te conhecer. – Disse Isadora, já do lado de fora da mansão, antes de Anahí entrar no carro de Alfonso.


- O prazer foi todo meu. – disse Anahí.


- Volte mais vezes, sei que você está ocupado com a pesquisa, mas as vezes é bom tirar um tempo para passar com a família. – Ela abraçou Alfonso. – Por mais que eu deteste o seu pai, eu espero que vocês possam se entender de uma vez por todas.


- Eu também espero. – Alfonso foi sincero.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): alinerodriguez

Este autor(a) escreve mais 4 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Assim que chegaram na mansão dos seus pais, Manuela decidiu despertar as crianças que já estavam quase dormindo e começar a brincar de pega-pega com eles na sala, mesmo com Alfonso pedindo para que ela parasse. - Acabou a brincadeira, vamos dormir. – disse Alfonso, mas fora como se ele estivesse falando com as paredes, já que os tr&e ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 4004



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • ginja2011 Postado em 10/10/2019 - 22:52:34

    Ainda bem que ele chegou a tempo!

  • camilaaya Postado em 05/10/2019 - 22:24:39

    Ah, eu sabia

  • ginja2011 Postado em 05/10/2019 - 15:23:03

    Agora o bicho pegou, chega rápido Alfonso!!

  • camilaaya Postado em 03/10/2019 - 23:05:37

    Ñ sei, tenho pra mim que Alfonso ñ vai ver o nascimento dos gêmeos

  • taibm Postado em 03/10/2019 - 08:29:01

    Nao para nao

  • izabelaSpaniColungaPortillaHer Postado em 03/10/2019 - 06:35:26

    fazia tempo que não lia essa fanfic, muito boa. o poncho foi idiota com a Anahí, mas pelo menos ele resolveu mudar e perdoar o Marcelo, esse Lourenço tá mexendo em casa de maribondo, kkkkk.. Posta mais!!!!

  • taibm Postado em 01/10/2019 - 22:08:29

    Amandooo continua

  • daicavalcante Postado em 27/09/2019 - 19:30:14

    Posta mais

  • taibm Postado em 24/09/2019 - 17:32:58

    Por que parou? Parou por que? Continuaaa

  • camilaaya Postado em 23/09/2019 - 21:51:52

    Sdds de ler capítulo novo, ñ acredito que já esteja quase na reta final, ñ estou preparada para o fim dela. Estou relendo ela no momento



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...