Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: - Mentiras | Tema: AyA


Capítulo: Capítulo - CDXLIV

420 visualizações Denunciar


Assim que chegaram na mansão dos seus pais, Manuela decidiu despertar as crianças que já estavam quase dormindo e começar a brincar de pega-pega com eles na sala, mesmo com Alfonso pedindo para que ela parasse.


- Acabou a brincadeira, vamos dormir. – disse Alfonso, mas fora como se ele estivesse falando com as paredes, já que os três continuaram a correr na sala. - Eu vou contar até três e se vocês não pararem de correr eu vou levar vocês no colo.


- Tá com o papai. – Gritou Clara e logo ela, Enzo e Manuela saíram correndo da sala.


- Acho que é sua vez de pegar. – Disse Anahí rindo.


Demorou até que Alfonso e Anahí conseguissem convencer as crianças a pararem de correr e finalmente irem dormir, e depois de colocarem as crianças no quarto de hospedes, Anahí e Alfonso foram até o quarto que era dele quando ele morava na mansão para que finalmente pudessem descansar.


- Tenho boas lembranças desse quarto. – Anahí sorriu maliciosamente e Alfonso a abraçou por trás beijando seu pescoço. – Achei sexy te ver tocando piano hoje, acho que você deveria comprar um para colocar em casa, já tenho até algumas ideias do que podemos fazer em cima dele.


- Amanhã mesmo eu compro um piano. – Ele disse, a fazendo rir enquanto se virava para ficar de frente para ele.


- O Will e a Maite estão bem? Estranhei ela não ter ido hoje. – Perguntou Anahí.


- Eles estão brigados. Ao que parece a Maite gosta de falar sobre coisas que ela não sabe nada a respeito. – Ele respondeu.


- Está falando isso por quê? – Perguntou curiosa.


- Maite comparou o William com o pai biológico dele, ela nem conhece o cara. – Respondeu Alfonso.


- Por falar em pai, por que a Isadora não gosta do Marcelo? – Perguntou curiosa, desde que escutara Milena dizer que Isadora tinha raiva de Marcelo, ficara curiosa para saber o que havia acontecido.


- Quando eu era pequeno, as vezes eu fugia para a casa do William e o Marcelo ia me buscar, mas a Isadora entrava na minha frente e não deixava ele me levar, então eles acabavam brigando e isso a assustava. Isa não teve uma vida fácil, o ex marido dela é um canalha, então qualquer pessoa que fale alto ou brigue, a assusta.


Na manhã seguinte quando Anahí acordara, procurara por Alfonso na cama, mas não o encontrara, então olhara em seu relógio e vira que já eram quase 10 horas da manhã e Alfonso dificilmente ficava na cama até esse horário.


Depois de tomar um banho rápido para despertar, Anahí pegara a primeira roupa que encontrara em sua pequena mala, um vestido azul escuro curto e simples, mas que ressaltava a cor dos seus olhos, secara seu cabelo e o deixara solto, se sentindo estranhamento bonita naquela manhã, embora desconfiasse que isso fosse devido a gravidez, já que ao contrário do que algumas mulheres pensavam, a gravidez servira para que ela se achasse mais bonita e gostasse do que via no espelho.


Depois de ir até o quarto onde as crianças haviam dormido e ver que elas já estavam acordadas, Anahí descera até a cozinha, embora raramente tomasse café da manhã já que era o período do dia em que mais se sentia enjoada, no entanto queria achar Alfonso ou as crianças.


Assim que entrou na cozinha Anahí viu Alfonso dando café da manhã para as crianças enquanto conversava com uma bela mulher, alta, com curvas que se destacavam pela roupa que ela usava, cabelos escuros brilhantes e cacheados e uma pele bronzeada que destacava seus olhos verdes.


- Bom dia pequena. – Disse Alfonso, assim que a viu parada na porta da cozinha.


- Bom dia. – Ela caminhou até ele e selou seus lábios aos dele.


- Pequena, essa é a editora da Ruth, a Antonella, Antonella, essa é a Anahí, minha namorada. – Ele as apresentou quando percebeu que Anahí a estava analisando.


- E futura editora do Alfonso também. – Ela disse depois de abraçar Anahí e lhe dar um beijo na bochecha. – É um prazer conhecê-la, Alfonso sempre fala de você.


- O prazer é meu. – Anahí sorriu por educação, Antonella parecia ser bem mais nova do que Alfonso havia dito.


O dia passara rápido, com Alfonso, Antonella e Ruth conversando sobre os artigos que ele havia escrito e sobre sua nova pesquisa, Marcelo e Alex estavam na sala conversando sobre negócios, já Anahí estava com as crianças junto a Manuela sentados no tapete da sala, montando um castelo de Legos, enquanto Manuela falava sem parar sobre o quanto estava ansiosa para o evento, o que a fizera sentir falta de Helena, no entanto a mesma também merecia alguns dias de descanso longe das crianças.


- Marcelo. – Ruth o chamara entrando na sala junto a Alfonso e Antonella. – Você sabia que o Alfonso será capa da Medical healthcare?


- Não está nada certo ainda. – Dissera Alfonso.


- Você será o primeiro residente publicado pela Medical Healthcare. – Disse Marcelo orgulhoso.


- Não se eles insistirem em me fazer perguntas pessoais. – Comentou Alfonso. – Ainda não está nada certo, eles me fizeram o convite, mas querem uma entrevista e querem 5 perguntas pessoais, o que eu acho desnecessário, por isso estamos negociando.


- Alfonso, você aceitando esse convite a editora te dará o que você pediu, e você precisa concordar que não estamos falando de um contrato qualquer.


- Ainda não li as alterações do contrato e não falei com o William sobre isso. – Disse Alfonso, já que era William quem cuidava de seus contratos.


- Você deveria contratar um assessor. – Disse Ruth. – E deveria ouvir meus conselhos e se mudar para a Alemanha, sua vida é lá agora.


- Já conversamos sobre isso hoje, eu não vou me mudar. – Ele disse, embora precisasse concordar com a Ruth às vezes.


- Alfonso será capa de uma revista? – Manuela perguntou empolgada enquanto montava as escadas do castelo junto com as crianças e Anahí, que se perguntava o porquê de Alfonso não ter lhe contado sobre isso.


- Não está nada certo ainda. – Ele voltou a dizer, sua família se empolgava fácil.


- Não deixe essa oportunidade passar, você será o primeiro residente publicado na Medical, não importa quais perguntas eles te façam, valerá a pena. – Disse Ruth, que ainda não havia se conformado com o quanto Alfonso havia mudado, já que ele não parecia mais priorizar sua carreira acima de tudo.


- Vovô. – Clara chamou enquanto tentava juntar duas peças de Lego. – Eu não consigo montar. – Ela disse e Marcelo sorrira, Clara poderia ter chamado qualquer pessoa naquela sala, no entanto o chamara.


- Poncho. – Anahí aproveitou que Marcelo se juntara as crianças para chamar Alfonso para conversar.


- O que foi pequena? – Ele perguntou se afastando com ela.


- Eu só queria saber quando foi que você passou a compartilhar mais coisas com a Antonella do que comigo que sou sua namorada. – Ela disse, não podia negar que sentia ciúmes de vê-lo com Antonella.


- Do que exatamente você está falando? – Ele perguntou confuso.


- Ela já sabia sobre a revista, não sabia? E você nem se preocupou em comentar isso comigo, embora você pense que eu não me importo com a sua carreira, eu me importo.


- Antonella estava comigo quando me ligaram, é só por isso que ela soube, eu não contei para ninguém, não está nada certo ainda. – Ele disse, sem prestar muita atenção ao assunto, já que observava Marcelo rindo e brincando com Enzo e Clara.


- Quando você me contou sobre ela você poderia ter mencionado o quanto ela é bonita. – Reclamou Anahí.


- Não a acho tudo isso. – Ele respondeu, ainda observando Marcelo, mas sabendo que não deveria concordar com Anahí dizendo que Antonella era uma mulher bonita.


- O que tanto você olha na sala? – Ela perguntou curiosa, começando a se incomodar por Alfonso não olhar para ela enquanto ambos conversavam.


- Marcelo. – Ele respondeu.


- O que tem o Marcelo? – Perguntou confusa.


- Ele está sentado no chão da sala brincando com as crianças, isso me assusta. – Ele foi sincero, afinal, nunca havia visto Marcelo se comportando como um pai de verdade e agora ele parecia querer fazer isso pelos seus netos.


- Mas isso é bom, não é? – Ela perguntou confusa, nunca sabia o que esperar de Alfonso e Marcelo. – É um sinal de que ele está mudando de verdade. – Ela tentou incentivar Alfonso que precisava de pouco para perdoar Marcelo.


- Talvez. – Ele respondeu desconfiado.


- Alfonso, seu pai mudou, dê uma chance a ele. – Ela disse, esperando que Alfonso finalmente deixasse seu orgulho de lado e perdoasse Marcelo.


- Tem alguma coisa errada nisso. – Ele disse desconfiado, não acreditava que Marcelo pudesse ter mudado tanto.


- Não há nada errado, ele se arrependeu do que fez e de tudo o que te disse, ele só está tentando ser um bom avô e um bom pai.


- Talvez seja um pouco tarde demais para isso. – Ele disse, finalmente se virando para Anahí. – Não confio em deixá-lo sozinho com as crianças. – Disse, antes de caminhar em sentido a sala, sendo seguido por Anahí.


- E você Enzo, o que quer ser quando crescer? – Marcelo perguntou e Alfonso parara perto do sofá, observando até onde Marcelo iria com aquela conversa.


- Jogador de futebol, ou médico igual ao Poncho. – Ele respondera.


- Médico? – Ele perguntou animado. – Isso é ótimo, mas tem que estudar bastante, você gosta de ir para a escola? – Perguntou, fora então que Alfonso soube que aquela conversa não acabaria bem.


- Marcelo, podemos conversar? – Perguntou Alfonso e todos que estavam na sala souberam que novamente ambos brigariam.


- Alfonso, ele só estava puxando assunto com as crianças. – Manuela tentou justificar, já sabendo o porquê Alfonso desejava conversar com Marcelo.


Marcelo se levantara do chão e seguira Alfonso até seu escritório, sem dizer nada, mas sabendo que não deveria ter perguntado para as crianças qual profissão eles desejavam seguir, já que isso só servira para que Alfonso se lembrasse do inferno que ele havia tornado sua vida desde que ele lhe dissera que queria ser médico, assim como Enzo também dissera.


- Se você quiser continuar a ver meus filhos, não volte a ter esse tipo de conversa com eles. – Dissera Alfonso sério, após fechar a porta do escritório de Marcelo.


- Eu sinto muito, eu não fiz por mal, só estava tentando conversar com eles...


- Não me importa se você só estava tentando puxar assunto, eu só não quero mais ouvir você falando com eles sobre qual profissão eles vão escolher. – Ele o interrompeu. – Você precisa parar de tentar colocar os seus sonhos nas costas dos outros, porque quando não chegamos onde você queria é terrível a sensação de ter falhado. – Alfonso desabafou.


- Eu me orgulho de você Alfonso, você foi muito além do que eu imaginava. – Disse Marcelo sincero.


- Não, o Alfonso que você projetou era extremamente irreal, eu nunca vou chegar onde você planejou e isso é frustrante, é frustrante saber que eu não serei o que você queria que eu fosse, mas eu era só uma criança quando você veio cheio de planos dizendo o que eu deveria fazer e onde eu deveria chegar, você jogou tanta responsabilidade nas minhas costas e me culpou cada vez que eu não consegui atingir suas metas irreais de perfeição. Você não vai fazer o mesmo com os meus filhos. – Ele parou para respirar fundo, lutando contra a vontade de chorar. Aliviado por finalmente dizer ao Marcelo tudo o que pensava. – Você jogou todas as suas frustrações em mim e esperou que eu alcançasse o que você não alcançou, mas esses nunca foram os meus sonhos, sempre foram os seus.


- Você não sabe o quanto eu me arrependo disso, eu me orgulho de você Alfonso, você se tornou bem mais do que eu esperava, e eu não digo apenas sobre o seu profissional, você é uma pessoa admirável. – Confessou Marcelo.


- Eu queria ter ouvido isso antes. – Ele disse, antes de sair do escritório, se sentindo aliviado por finalmente ter desabafado sobre a forma como Marcelo o fizera sentir durante todos esses anos.


- Está tudo bem? – Perguntou Anahí que esperava por Alfonso no corredor, mesmo sabendo que Alfonso provavelmente descontaria sua raiva nela.


- Está. – Ele se limitou a responder e Anahí estranhou o fato de Alfonso não parecer irritado.


Depois de passar mais um tempo com as crianças na sala e terminar de montar o castelo de Legos, Alfonso e Anahí colocaram os pequenos na cama, já na hora de dormir e depois foram até o quarto de Alfonso, onde depois de tomarem banho juntos, se deitaram para dormir.


Pouco tempo depois de Anahí pegar no sono ela acordou assustada com Alfonso se debatendo, provavelmente tendo mais um de seus pesadelos, o que já era comum sempre que ele se desentendia com Marcelo.


- Alfonso. – Anahí o chamou preocupada. – Poncho, meu amor, acorda. - Ela tentou não se aproximar muito dele que se remexia e suava frio. – Meu amor acorda.


Alfonso acordara assustado, percebendo que novamente tivera um pesadelo, se sentando na cama sem olhar para o lado, sabendo que Anahí logo perguntaria como ele estava se sentindo.


- Está tudo bem? – Ela perguntou preocupada, acariciando seu rosto, Alfonso ainda suava frio e sua respiração estava pesada.


- Está tudo bem, não precisa se preocupar. – Ele respondeu, enquanto se perguntava o que fazer para que esses pesadelos finalmente tivessem um fim.


- Quer conversar sobre isso? – Ela perguntou.


- Eu não sou uma criança Anahí, não preciso conversar sobre os meus sentimentos, nem que você segure minha mão e diga que está tudo bem. – Ele disse irritado, já que detestava se sentir fora de controle.


- Eu sei que você não é uma criança, mesmo assim você precisa de alguém ao seu lado, você precisa de alguém que te diga que tudo vai ficar bem...


- Você não me conhece direito. – Ele retrucou a interrompendo.


- Eu te conheço mais do que você imagina. – Ela rebateu, sabia que Alfonso se sentia sozinho quando não conseguia controlar seus sentimentos. – Eu sei que você gosta de dormir do lado direito da cama, sei que você detesta atrasos, mas que vive se atrasando, sei que ama comida italiana e que cozinha tão bem quanto a sua avó, sei que você não entende de cores e que ama tudo o que tenha a ver com altura, sei que você detesta trabalhar na ala pediátrica, sei que as vezes você escuta música clássica, sei quem são os seus melhores amigos, sei que você considera a Helena sua mãe e que por mais que você tente, as vezes você simplesmente não consegue chamar a Ruth de mãe, e eu sei o quanto essa merda dessa briga com o Marcelo acabou com você, sei que você ainda sente por isso e acredite, por mais que tenham te ensinado o contrário, sentir não é algo ruim. – Ela disse, e assim que terminou, Alfonso finalmente se permitira chorar, o que a deixara se reação, com medo de que suas ações fizessem com que Alfonso se afastasse envergonhado.


- Eu não consigo perdoá-lo, eu sinto muito por isso, mas eu não posso perdoá-lo. – Ele desabafou.


- Tudo tem seu tempo Poncho, você não precisa perdoá-lo agora se você não consegue.


- Eu preciso de ar. – Ele disse após enxugar suas lágrimas e se levantar da cama e Anahí decidiu deixá-lo sair sem falar nada, já que Alfonso nunca havia se aberto tanto a ponto de chorar na sua frente.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): alinerodriguez

Este autor(a) escreve mais 4 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Após um tempo absorvendo o que havia acontecido e como Alfonso reagira, Anahí decidira que já havia dado o espaço que Alfonso precisava, então descera as escadas para procurá-lo, preocupada, já que Alfonso sempre tentava se punir por sentir demais e ela sabia que era isso o que ele devia estar fazendo agora. - Você sabe ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 4004



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • ginja2011 Postado em 10/10/2019 - 22:52:34

    Ainda bem que ele chegou a tempo!

  • camilaaya Postado em 05/10/2019 - 22:24:39

    Ah, eu sabia

  • ginja2011 Postado em 05/10/2019 - 15:23:03

    Agora o bicho pegou, chega rápido Alfonso!!

  • camilaaya Postado em 03/10/2019 - 23:05:37

    Ñ sei, tenho pra mim que Alfonso ñ vai ver o nascimento dos gêmeos

  • taibm Postado em 03/10/2019 - 08:29:01

    Nao para nao

  • izabelaSpaniColungaPortillaHer Postado em 03/10/2019 - 06:35:26

    fazia tempo que não lia essa fanfic, muito boa. o poncho foi idiota com a Anahí, mas pelo menos ele resolveu mudar e perdoar o Marcelo, esse Lourenço tá mexendo em casa de maribondo, kkkkk.. Posta mais!!!!

  • taibm Postado em 01/10/2019 - 22:08:29

    Amandooo continua

  • daicavalcante Postado em 27/09/2019 - 19:30:14

    Posta mais

  • taibm Postado em 24/09/2019 - 17:32:58

    Por que parou? Parou por que? Continuaaa

  • camilaaya Postado em 23/09/2019 - 21:51:52

    Sdds de ler capítulo novo, ñ acredito que já esteja quase na reta final, ñ estou preparada para o fim dela. Estou relendo ela no momento



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...