Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: - Mentiras | Tema: AyA


Capítulo: Capítulo - CDXLIX

736 visualizações Denunciar


Horas mais tarde, Anahí estava descansando no quarto de Alfonso, já que não havia dormido nada de madrugada e agora, depois de ter conversado com Alfonso e sido sincera sobre a forma como se sentia, era como se ela finalmente tivesse tirado um peso de suas costas e finalmente pudesse descansar sem maiores preocupações.


Alfonso ainda estava sonolento devido a medicação que havia tomado, mas como Anahí não havia dormido nada naquela noite, ele se oferecera para passar o resto da tarde com as crianças, antes que o evento finalmente começasse e ele tivesse que dividir sua atenção entre os convidados, Anahí e as crianças, mesmo agora ele sabendo que não poderia dar um passo em falso, já que já havia errado com Anahí e agora se arrependia disso.


As crianças jogavam bola em uma das quadras e Alfonso as observava, pensando no que havia conversado com Anahí sobre deixar seu orgulho de lado e finalmente aceitar a proposta de Marcelo, o que ele sabia que embora difícil, seria o certo a se fazer.


- Como você está? – Perguntou Marcelo, se aproximando, ainda com receio de como Alfonso reagiria.


- Estou bem, um pouco sonolento, mas bem. – Ele respondeu.


- Por que não vai descansar um pouco? – Perguntou se encostando ao muro da quadra.


- Anahí precisava descansar um pouco, ela não dormiu nada essa noite e alguém tinha que ficar com as crianças.


- Se você quiser ir descansar eu posso ficar com eles, não será trabalho nenhum. – Marcelo se ofereceu, mas quando Alfonso coçou sua nuca parecendo incomodado com algo, ele soube que aquela não havia sido uma boa ideia. – Eu prometo que não vou mais tocar naquele tipo de assunto com as crianças...


- Eu sinto muito por ter reagido daquela maneira, você não fez nada demais, apenas estava conversando com as crianças. – Ele o interrompeu, sabia que era hora de levar em consideração o que Anahí havia dito e por fim tentar se entender com Marcelo, mesmo que isso fosse difícil.


- Por muitos anos eu te dei motivos para reagir assim. – Respondeu Marcelo, estranhando a reação de Alfonso. – Foi bom você ter desabafado, dito como eu fiz você se sentir.


- Eu sei... Eu sei, mas acho que já está na hora de tentar esquecer tudo o que aconteceu, só que eu preciso fazer isso no meu tempo, não no seu.


- Eu entendo, não vou forçar as coisas, esse já é um começo. – Disse Marcelo, sentindo que finalmente Alfonso tentaria esquecer tudo o que havia acontecido entre eles.


- Isso não é fácil pra mim, mas eu preciso te pedir um favor. – Ele preferiu ser direto.


- O que você quiser. – Respondeu, sabia que agora faria qualquer coisa que Alfonso lhe pedisse.


- Preciso que você converse com o dr. Frank e peça para ele transferir a pesquisa para o centro de pesquisa HR, você me ofereceu isso quando a Clara estava internada, e eu pensei muito sobre isso, minha família está aqui, então eu preciso ficar por aqui.


- Hoje mesmo eu falo com o Frank, mas agora eu acredito que ele vá pedir pra você terminar a primeira fase da pesquisa na Alemanha e só depois disso ele vá autorizar a transferência.


- Tudo bem, termino a primeira fase em no máximo dois meses, posso aguentar mais um pouco.


- Você está fazendo o seu melhor, Poncho, não é fácil fazer seu nome na medicina e conciliar seu trabalho com a sua família. – Ele bateu de leve nos ombros de Alfonso, queria abraçá-lo, mas sabia que isso seria demais para ele. – Vou ligar para o dr. Frank e depois te falo o que ele decidiu.


- Obrigado. – Ele agradeceu, ter pedido aquele favor para Marcelo não fora tão difícil quanto ele imaginava. – Mas antes de ligar para o dr. Frank, você acha que consegue ficar um pouco com as crianças? Preciso conversar com a Ruth. – Disse, precisava de uma vez por todas enfrentar sua mãe.


- Vai enfrentar a fera? – Perguntou e Alfonso assentiu. – Boa sorte.


Alfonso não sabia como começar aquela conversa com Ruth, mas sabia que deveria fazê-lo se quisesse resolver sua situação com Anahí, afinal, como ela mesma fizera questão de lhe dizer, sua família a sufocava.


Alfonso bateu na porta do escritório de Ruth, onde sabia que a encontraria trabalhando e assim que ela disse que ele podia entrar, ele respirou fundo e entrou esperando que aquela conversa não terminasse em uma briga.


- Podemos conversar? – Ele perguntou entrando no escritório.


- Claro. – Ela sorriu se ajeitando em sua cadeira, Alfonso nunca pedia para conversar com ela, por isso quando isso acontecia, ela se animava. – O que aconteceu?


- Eu não sei direito como começar essa conversa sem que isso termine em briga. – Ele disse, se sentando na cadeira à frente da dela.


- Comece me falando sobre o que você quer conversar. – Ela disse calmamente.


- Eu estou feliz com a Anahí, estou feliz em ser pai novamente, essa decisão só cabe a mim, não importa o que você pense sobre isso ou o que qualquer outra pessoa pense sobre isso. – Ele disse, sabendo que havia sido mais rude do que planejara.


- Eu sei disso, mas eu também sei o quanto essa pesquisa é importante pra você e sei que se você tiver que escolher você irá escolher ser um pai presente...


- O que é o certo a se fazer. – Ele a interrompeu.


- Sei que é o certo, o problema é que você me respeita quando você é o dr. Herrera do que quando você é apenas o Alfonso.


- Não entendi onde você quer chegar com isso. – Ele foi sincero.


- Você respeita a dra. Ruth, você se preocupa com a opinião dela, agora comigo, sua mãe, você não me quer por perto, não me respeita, o dr. Herrera respeita a dra. Ruth, mas o Alfonso não respeita a Ruth. – Ela respirou fundo, tentando encontrar uma forma de dizer a Alfonso como ela se sentia. – A única forma de te ter por perto é sendo a dra. Ruth e você sendo o dr. Herrera, se você escolher ser apenas o Alfonso, eu não estarei por perto.


- É você quem decide se estará por perto ou não, agindo da forma como você está agindo você só vai se afastar.


- Então me queira por perto, eu sou sua mãe, Alfonso eu não sou uma estranha, eu não me lembro da última vez em que você me chamou de mãe. Eu sei que eu deixei as coisas chegarem a um ponto quase irreversível com o seu pai, sei que eu poderia ter enfrentado ele antes, quando ele começou com essa obsessão pela sua carreira e sei que eu sou tão culpada quanto ele...


- Eu não te culpo por isso. – Ele foi sincero.


- Então pelo que é que você me culpa? Por que é que você não me tem como sua mãe?


- Eu não te culpo por nada, você é minha mãe...


- Não sou, não pra você, pra você a sua mãe é a Helena, e acredite, eu sou muito grata a ela, mas eu sou sua mãe Alfonso... – Ela disse tentando segurar suas lágrimas. – Eu não devia ter deixado você sair de casa tão novo.


- Você é minha mãe, é a avó dos meus filhos e eu te quero por perto, mas não para você ficar falando das oportunidades que eu estou perdendo, não te quero por perto para você frisar o que eu deveria fazer com a minha carreira.


- Tenho medo de você largar as pesquisas e então não me procurar mais. – Desabafou.


- Eu não vou largar as pesquisas, e não vou sumir, você sabe onde eu moro, você é bem-vinda quando quiser.


- Eu te amo Alfonso, e estou feliz de finalmente ser avó de gêmeos. – Ela sorriu levando sua mão a mão de Alfonso. – Se você quiser largar a pesquisa ou não quiser assinar o contrato com a Antonella, isso é uma escolha sua, não vou mais me intrometer.


- Eu não vou largar a pesquisa, eu conversei com o Marcelo e ele vai tentar trazer a pesquisa para o centro de pesquisas HR, e quanto ao contrato com a editora, eu vou assinar, mas não com a Antonella.


- Fico feliz que você tenha aceitado a proposta do seu pai. Tem algum motivo pessoal para não querer assinar com a Antonella? – Perguntou curiosa.


- Ela já é sua editora, quero dar a oportunidade para alguém que assim como eu esteja começando. – Ele disse, já que não poderia lhe contar a verdade.


- Isso é ótimo, mas você já falou com ela sobre isso? Ela veio pra cá disposta a voltar com o contrato assinado.


- Ainda não, eu tomei a decisão hoje.


- Fale com ela antes de você ir embora amanhã cedo, não a faça ficar esperando por esse contrato.


- Vou falar com ela agora. – Ele se levantou de sua cadeira e Ruth voltou a segurar em sua mão, também se levantando.


- Foi bom ter essa conversa com você. – Ela disse e Alfonso assentiu, antes de Ruth dar a volta na mesa e o abraçar. – Tenho tanto orgulho de você.


- Preciso ir procurar a Antonella e voltar para a quadra, deixei o Marcelo com as crianças e nós sabemos que a Clara é um terror.


- Ela não é tão terrível assim. – Ruth riu.


- Você diz isso porque não mora com ela. – Ele disse, antes de dar um beijo na testa de sua mãe e sair da sala à procura de Antonella.


Assim que Alfonso encontrara Antonella na cozinha, conversando com Alex que parecia extremamente interessado no que ela lhe dizia, Alfonso a chamou para conversar e dera a mesma desculpa que havia dado para Ruth, de que ele preferia alguém que estivesse começando para assinar seu contrato, mas ela logo soube que ele estava mentindo, mesmo que ele tentasse negar.


- Você está fazendo isso pelo que aconteceu entre a gente, não está? – Ela perguntou desconfiada.


- Eu já nem me lembro mais disso, estou apenas querendo dar a chance para alguém que assim como eu esteja começando.


- Vou fingir que acredito nessa sua desculpa, vou falar com a editora que nossa estrela tem mais uma exigência e pedir para que eles mandem alguém que esteja no começo da carreira.


Mesmo com Alfonso de volta à quadra para brincar com as crianças, Marcelo não saíra de lá e até entrara na brincadeira com os pequenos, o que sempre surpreendia Alfonso, que nunca havia jogado futebol com o seu pai.


- Alfonso. – Manuela entrara na quadra correndo. – Preciso de um enorme favor seu.


- Do que você precisa? – Perguntou, jogando a bola para Enzo e indo até Manuela.


- O cabeleireiro e a maquiadora chegaram, preciso que você vá acordar a Anahí. – Pediu.


- Sério? – Perguntou passando a mão em seu rosto. – Isso é mesmo necessário? Ela está cansada, precisa dormir.


- Você está com medo de ir acordá-la? – Manuela riu.


- Não é medo, é só que eu não sei se nós estamos bem. – Foi sincero.


- Você pisou muito na bola? – Ela perguntou.


- Se você chama conversar com a ex e ficar bebendo com outra mulher de pisar na bola, então sim, eu pisei. – Confessou.


- Ela ficou muito brava? – Perguntou.


- Não tanto quanto eu merecia. – Foi sincero.


- Você tem sorte, se fosse comigo eu iria embora com os meus filhos e nunca mais deixaria você se aproximar. – Disse Manuela.


- Me lembre de avisar a Veronica para que ela nunca cometa um deslize. – Disse Alfonso.


- Ela já sabe, ela não é idiota igual a você, agora vá acordar a Anahí.


Depois de pedir para Marcelo ficar mais um pouco com as crianças, Alfonso fora até seu quarto para acordar Anahí, mas assim que entrou no mesmo, ela já estava acordada, deitada na cama, com as mãos em sua barriga, conversando com os gêmeos, e Alfonso preferira não interromper, ficara parado ao lado da porta a observando.


- Vocês precisam se acalmar. – Ela disse acariciando sua barriga. – Eu já dei chocolate pra vocês, o que mais vocês querem?


- Agora que eles não vão ficar quietos. – Alfonso sorriu. – Chocolate os estimula. – Disse, se aproximando de Anahí.


- Eles estão inquietos o dia todo. – Ela contou.


- Mais que o normal? – Perguntou preocupado.


- Não faça essa cara, fiz um ultrassom hoje e está tudo normal, o Lorenzo também ficou preocupado quando eu disse que os bebês estavam agitados.


- Esse cara é um idiota. – Disse Alfonso.


- Eu o achei bem gentil. – Confessou.


- Com certeza ele foi bem gentil com você. – Disse ironicamente.


- Não entendi a ironia, mas vou ignorar porque acho que os bebês estão lutando na minha barriga. – Ela disse, pegando a mão de Alfonso e a levando até os pontos em que ele poderia sentir os bebês se mexerem e ele sorriu, se esquecendo de qualquer desentendimento que tivera com ela naquele dia.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): alinerodriguez

Este autor(a) escreve mais 4 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

Algumas horas mais tarde, Alfonso havia acabado de arrumar as crianças e estava terminando de vestir se terno Kiton – que Alfonso preferia nem imaginar o quanto havia custado –, enquanto Anahí estava com Manuela e Ruth, terminando de se arrumar. Alfonso ouviu as batidas na porta e antes que pudesse se virar para ver quem era, Ruth entrou, quase pro ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 4004



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • ginja2011 Postado em 10/10/2019 - 22:52:34

    Ainda bem que ele chegou a tempo!

  • camilaaya Postado em 05/10/2019 - 22:24:39

    Ah, eu sabia

  • ginja2011 Postado em 05/10/2019 - 15:23:03

    Agora o bicho pegou, chega rápido Alfonso!!

  • camilaaya Postado em 03/10/2019 - 23:05:37

    Ñ sei, tenho pra mim que Alfonso ñ vai ver o nascimento dos gêmeos

  • taibm Postado em 03/10/2019 - 08:29:01

    Nao para nao

  • izabelaSpaniColungaPortillaHer Postado em 03/10/2019 - 06:35:26

    fazia tempo que não lia essa fanfic, muito boa. o poncho foi idiota com a Anahí, mas pelo menos ele resolveu mudar e perdoar o Marcelo, esse Lourenço tá mexendo em casa de maribondo, kkkkk.. Posta mais!!!!

  • taibm Postado em 01/10/2019 - 22:08:29

    Amandooo continua

  • daicavalcante Postado em 27/09/2019 - 19:30:14

    Posta mais

  • taibm Postado em 24/09/2019 - 17:32:58

    Por que parou? Parou por que? Continuaaa

  • camilaaya Postado em 23/09/2019 - 21:51:52

    Sdds de ler capítulo novo, ñ acredito que já esteja quase na reta final, ñ estou preparada para o fim dela. Estou relendo ela no momento



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...