Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Os Opostos Se Completam | Tema: AyA Rebelde Opostos


Capítulo: Capítulo 100

308 visualizações Denunciar



Enquanto isso, em um restaurante pela zona norte:



Ruth estava sentada em uma mesa de madeira com detalhes em vermelho, esperando um homem alto por quem tanto estava encantada. Ela imaginava já ter visto ele antes, e com o homem acontecia o mesmo. Porém, eles nunca se tocavam o que poderiam ser um na vida do outro. Pensavam que se conheceram apenas em um dos encontros com seus filhos, onde os olhares não escondiam o desejo que sentiam logo no “primeiro encontro”. Primeiro encontro depois de 18 anos, na verdade.



Ricardo tinha tido um dia cheio. Não pelo emprego, mas pelas preocupações que carregava. Era um peso tão grande, que às vezes sentia que algo desabaria em sua cabeça em breve. Era Anahí que tinha saído de casa, era Regina e Fábio, que ainda desconfiava que algo entre eles acontecia debaixo do seu próprio teto, era Alicia que começava a perturbá-lo com algumas infantilidades, e era o sentimento por essa mulher simples da zona norte, que ele não queria admitir. Não por ela ser simples, e sim por ele não achar certo. Ele era casado, tinha um compromisso – por pior que fosse – e queria fazer as coisas corretamente e com calma. Queria colocar um fim no relacionamento com Regina, mas teria de ir com calma por causa dos últimos acontecimentos.



E lá estava ela o esperando, enquanto Ricardo estava preso no trânsito ainda na zona sul. Ele pegou o seu celular e a enviou um SMS avisando que se atrasaria. Ruth respondeu com “tudo bem, querido. Eu espero”, e continuou sentada o esperando.



Eles já tinham conversado sobre seus sentimentos, mas Ricardo disse que precisava de um tempo para dar um jeito em sua vida e no relacionamento. Estava tudo muito conturbado por causa de Anahí, e ele realmente precisava que Ruth tivesse paciência. A mulher gostava tanto dele, que entendeu seu lado, e aceitou seu tempo. Mas, quando se viam era difícil não trocarem pelo menos alguns carinhos no rosto e selinhos. Ambos se permitiam, pois sabia que apesar de ainda ser casado, o casamento do homem já não era o mesmo há anos. Uma vez até se permitiam, pois sabia que apesar de ainda ser casado, o casamento do homem já não era o mesmo há anos. Uma vez até se permitiram ir além do que poderiam, e se viram em um quarto de motel chique na zona sul, matando a saudade mútua. Mas foi uma única vez, e combinaram que não se repetiriam até que Ricardo realmente se resolvesse com Regina.



Uma hora depois, e o homem chegou correndo ao local que já conhecia, e se sentou à mesa, surpreendendo Ruth. Eles sorriram um para o outro, e Ricardo beijou sua mão carinhosamente, acariciando com o polegar em seguida.



-Desculpe-me querida. Acabei pegando um trânsito imenso perto do meu escritório – explicou, enquanto laceava a gola da camisa social com o indicador da mão livre.



- Tudo bem, meu anjo – sorriu – Mas, você foi trabalhar hoje?



- Fui pegar alguns documentos, só. Preciso ocupar minha mente de noite. – suspirou – Está difícil dormir com a culpa que sinto por causa da Anahí ter saído de casa. Eu me sinto um péssimo pai.



A mulher soltou suas mãos e as levou até a gravata, onde desfez o nó, olhando atenciosamente para não terminar por apertar. Tirou a gravata do seu pescoço, e a dobrou cuidadosamente, colocando-a em cima da mesa.



- Querido, converse com ela – acariciou seu rosto – Anahí é uma boa pessoa, e vai saber entender o seu lado. Hoje fui buscá-la na casa de uma amiga, e a fiz conversar com o Alfonso. – entortou os lábios – Os dois são teimosos demais. Sofrem, mas um é mais orgulhoso que o outro.



Ricardo deu um sorriso sereno e aproximou seu rosto do da mulher. Inevitavelmente selou os lábios, e se afastou ainda sorrindo.



- Desculpe, mas eu vim pensando nisso o tempo todo – acariciou seu rosto – Seus beijos me acalmam, me relaxam. Sei que não é certo, mas eu precisava.



- Eu também – disse, envergonhada – Querido, se resolva com sua esposa. Já tem meses que estamos assim...



- Eu sei – a interrompeu docemente – E eu detesto não poder te tocar, amor. Quero repetir o que fizemos a dois meses. – sorriu maliciosamente, e a mulher encostou sua testa na dele – Vou dar um jeito, tá? Eu prometo. É que preciso conversar com a Any. Essa situação de tê-la distante... – não completou a frase, mas nem precisou.



Ruth com toda sua atenção e cuidado, jamais deixaria que Ricardo pensasse mais nele ou em qualquer outra pessoa, antes de sua filha. Primeiro resolver as coisas com Anahí, depois resolver o relacionamento deles. Isso era o seu pensamento desde o começo, e não trocaria por causa da vontade de que ele fosse somente seu.



- Eu sei, meu amor – selou seus lábios – Anahí vêm em primeiro lugar, assim como meus filhos, também. Não se preocupem tá? Eu sei esperar – sorriu – Não digo que é fácil saber que é de outra, mas eu vou te esperar.



Ricardo negou com a cabeça e beijou delicadamente seu rosto.



- Posso estar casado com a Regina, mas sou seu – a olhou no fundo dos olhos – Seu. Entendeu? – selou seus lábios – Eu te amo. Eu te amo como nem Regina me fez amá-la durante os anos que passamos juntos.



Ruth beijou o rosto do Ricardo e permitiu que uma lágrima solitária escorresse de seu rosto.



- Eu também te amo – sorriu – Fábio não era tão carinhoso assim. Eu amo seus cuidados comigo.



- Sempre vou cuidar de você – disse firme. Mas logo assimilou o nome que a mulher havia dito, e a olhou de cenho franzido, mudando completamente a expressão de seu rosto – Disse Fábio?



Ruth o olhou sem entender por tanta surpresa, e ergueu as sobrancelhas.



- Sim – afirmou confusa – Disse alguma coisa errada, amor?



O homem soltou suas mãos e encostou as costas na cadeira, ainda pensando em algumas coisas. Talvez fosse só coisa de sua cabeça. Talvez não fosse nada, apesar de estar surpreso pelo nome. Bom, haviam vários Fábios no mundo, assim como Ricardo ou Ruth. Isso não seria nada de mais, e poderia apenas ser paranoia de um velho cansado e entristecido.



- Não, amor – relaxou os ombros – Tenho um irmão que se chama Fábio. Apenas achei coincidência.



- Ah, mas é um nome comum, amor – sorriu – E além do mais, já disse que ele sumiu do mapa há cinco anos. Deve ter mudado de cidade, ou foi extorquir do seu irmão que... – ela parou por um instante, sentindo um choque de realidade bater em seu cérebro. Seu corpo inteiro estremeceu ao lembrar que talvez Fábio fosse pedir dinheiro para o seu irmão que nadava em dinheiro, e que por coincidência ou não, tinha o mesmo sobrenome que Ricardo.



Ela arregalou os olhos e deixou uma lágrima sair de seus olhos facilmente. Ricardo limpou suas lágrimas mesmo sem entender, e a puxou para o seu peito, a acolhendo com todo o amor que sentia.



- O que houve, querida? Estou preocupado – afagou os cabelos de sua amada, enquanto ainda esperava que recuperasse o fôlego para poder se explicar.
Ruth se afastou delicadamente e negou com a cabeça, ainda olhando Ricardo como se fosse a pessoa errada, ou estivesse chegado em um momento errado. E talvez fosse isso realmente. Se tivesse chegado antes de Fábio, tantas coisas poderiam ser melhor.



- Ricardo Portilla – sussurrou, enquanto sua ficha caia lentamente, fazendo-a chorar por imaginar estar completamente apaixonada por seu cunhado – Como não me toquei antes? – negou com a cabeça – Ruth Herrera Portilla, esse é o meu nome, Ricardo. – disse ela, e o homem ergueu as sobrancelhas sem entender – Ruth Herrera Portilla. Casada com Fábio Portilla há 18 anos, e há 5 ele sumiu para tentar a vida em outro lugar. Isso não te lembra nada?



Ricardo estava com o raciocínio lento por causa das noites mal dormidas e o estresse do dia-a-dia, estava sem entender por alguns instantes o que ela queria dizer, e até pensou que a mulher estivesse confundindo-o com outro cara. Mas, conforme foi pensando e assimilando suas palavras, a ficha foi caindo para ele também, que se lembrou de tudo em questão de segundos. O nome da esposa de seu irmão era Ruth, e ele havia chegado em sua casa fazia exatamente cinco anos. Ou seja: só poderia ser o mesmo Fábio. Não tinha jeito de ser outra pessoa. Seria coincidência demais.



- Mas, - a olhou espantado – Não pode ser! Como isso... Nós... – ele respirou fundo e curvou seu corpo sobre as próprias pernas, ainda tentando entender por que tinham que se apaixonar. Logo eles. O que o destino queria provar com aquele reencontro?



- Você não tem a carinha de menino que tinha antes – engoliu em seco – Faz tanto tempo que não nos víamos, que nem imaginei que fosse você – respirou fundo – Acho que é melhor pararmos por aqui.



- Não! – apressou-se em dizer – Eu também não imaginei, amor. Aliás, eu a conheci com Regina quando Fábio ainda era seu marido. – engoliu em seco – Não quero te perder. Não faz isso com a gente, por favor.



A mulher realmente não queria deixa-lo, mas não achava certo ficar com o irmão de seu ex-marido. Havia tantas perguntas em sua cabeça, que não tinha como tomar alguma decisão que fosse antes de tudo ser esclarecido. Em meio a lágrimas, Ruth tentava perguntar onde estava Fábio, mas não conseguiu. Ricardo, por sua vez, tudo o que conseguia era consola-la e prender as lágrimas para não demonstrar fraqueza na frente de uma mulher, ainda mais aquela por quem estava apaixonado.



Cerca de meia hora chorando, Ruth levantou repentinamente e meio atordoada, caminhou até a porta sem saber muito bem o que fazer. Ricardo a seguiu e a abraçou por trás, com todo o carinho que sentia por ela. As lágrimas dela parecia incessáveis, e Ricardo era tão calmo naquele momento, que nem parecia o pai de Anahí. O cara sério e severo que sempre foi com a menina.



- Aonde o Fábio está? – perguntou, Ruth – Você sabe, Ricardo?



Mesmo com medo do que poderia acontecer depois, caso se reencontrassem, Ricardo não poderia mentir e nem deixar de responder aquela pergunta. Ela tinha direito de saber sobre Fábio, tinha direito de conversar com ele e até pedir explicações não dadas quando ele decidiu sair de casa. E isso Ricardo não poderia negar. Por mais que quisesse.



- Em casa – suspirou, sentindo uma dor no peito como jamais antes – Fábio não explicou direito o motivo de ter ido parar em casa. Disse que vocês tinham se separado, e que você não deixava ele ver os filhos.



- O quê? – virou de frente para Ricardo, incrédula – Não é verdade, você sabe...



- Eu sei, meu amor – a interrompeu – Sempre acreditei no que disse, mesmo sem saber que o cara que havia te abandonado, era o meu irmão. E agora que sei, acredito muito menos nele. Não se preocupe, tá? Eu conheço os dois, e sei quem tem mais tendência a mentir.



Ruth abraçou Ricardo com força, e encostou sua testa em seu peito, ainda sem saber o que fazer. Os pensamentos estavam conturbados, mas o que ela queria mesmo, era se perder com Ricardo em um lugar só dos dois, e só voltar no dia seguinte quando tudo estivesse mais calmo. Infelizmente não poderia fazer isso. Tinha uma casa, dois filhos, a Mai e a Anahí para tomar conta. Tinha muitas responsabilidades, e não poderia encarar a vida como uma garotinha assustada. Tinha que peitar de frente aquela situação.



- Se quiser conversar com ele, eu te levo até a minha casa – por mais que não quisesse, e tivesse medo de perder Ruth, tinha que ser maduro. Seu peito doeu ao oferecer sua ajuda, mas ele precisava fazer isso. Sentia no fundo de seu peito, que era a coisa certa a se fazer.



- Eu quero – disse ela – Mas não hoje. Acho melhor eu ir para casa e esperar a ficha cair – ergueu o rosto e olhou para Ricardo – Depois nos vemos. Eu ligo quando minha cabeça estiver mais organizada.



- Tudo bem – disse contrariado, ainda sentindo medo do que poderia acontecer depois da descoberta. – Mas, se não me procurar logo, vou á sua casa – respirou fundo – Fábio me prejudicou muito na vida, e até jpa teve caso com a Regina, eu te contei. Tirar você da minha vida, eu não vou admitir! – segurou delicadamente o rosto de Ruth – Você está deixando meus dias mais alegres, não vou deixar que Fábio tire a minha felicidade.



Ruth o abraçou forte, sentindo um alívio por um lado, e um aperto no peito por outro. Selou seus lábios no do homem, mesmo sem saber ao certo se desistiria do homem ou não. Ela o amava, e sabia disso. Mas por outro lado, a história com seu ex-marido era tão conturbada que não sabia o que seria ao vê-lo novamente. Tudo era incerto demais para dar alguma esperança ao Ricardo.



- Depois conversamos – disse ela – Preciso ir.



Ricardo selou novamente os lábios do dela, e a soltou, deixando-a finalmente ir para casa. Até pensou em oferecer uma carona, mas ambos precisavam ficar sozinhos para encaixar os neurônios que haviam saído fora do lugar com a descoberta. Eles precisavam desse pequeno tempo.


.......................................


Sei que estou em falta com vocês, perdão! Minha vida tem sido uma loucura, acontecendo muita coisa. Vou tentar postar com mais frenquência. 


Aguardem que muitas revelações vem por ai!!! Fortes emoções !!!


xoxo


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): anyeponcho

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).

Prévia do próximo capítulo

Anahí narrando: Assim que Alfonso trancou a porta, voltou feito um louco para a cama e se jogou em mim sem nem se tocar que seu peso não era algo tão leve assim, mas eu nem me importei. Não doeu, e mesmo se doesse, isso pouco me importaria naquele momento. Alfonso estava ali comigo, me beijando, tocando todo o meu corpo como antes, e era só ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 246



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • degomes Postado em 16/08/2019 - 07:06:00

    Contínua 🙏

    • anyeponcho Postado em 27/08/2019 - 11:29:34

      Continuei =)

  • AnaCarolina Postado em 11/08/2019 - 18:54:57

    Mas como assim gente? Me diz que esse exame foi alterado

    • anyeponcho Postado em 27/08/2019 - 11:30:28

      Será? Vamos saber o que aconteceu daqui a alguns capítulos... Só digo uma coisa: a história é AyA, então....

  • AnaCarolina Postado em 30/07/2019 - 09:17:33

    Aaaaah esse momento é todinho meeeeu Continua

    • anyeponcho Postado em 04/08/2019 - 16:52:08

      =) Foi pequenininho o poste, mas, mais tarde tem mais ;)

  • luananevess Postado em 28/07/2019 - 21:35:41

    Continua

    • anyeponcho Postado em 04/08/2019 - 16:51:23

      Continuando.... =)

  • AnaCarolina Postado em 07/07/2019 - 22:19:16

    Continuada <3

    • anyeponcho Postado em 18/07/2019 - 23:37:48

      Postei 2 vezes hoje &#128512;

    • AnaCarolina Postado em 07/07/2019 - 22:19:44

      Continua* hehehe

  • AnaCarolina Postado em 10/06/2019 - 18:36:10

    Caramba, que merda! Não vejo a hora de tudo se resolver de vez :'(

    • anyeponcho Postado em 14/06/2019 - 17:07:20

      Eu também :) Mas, infelizmente vai demorar um pouquinho pra acontecer

  • AnaCarolina Postado em 10/06/2019 - 13:59:58

    Oláaaa já já vou ler os capítulos e volto pra comentar <3

  • AnaCarolina Postado em 04/05/2019 - 00:05:27

    Cadê você?

    • anyeponcho Postado em 14/05/2019 - 20:49:51

      Volteiiiii!!! Passei por uns momentos ruins, mais agora estou de volta =)

  • AnaCarolina Postado em 09/04/2019 - 21:51:48

    Tadinha da Mai :(

  • AnaCarolina Postado em 31/03/2019 - 22:43:19

    Que bom que apesar de tudo o Ricardo entendeu e não demitiu ele... Continua



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...