Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Os Opostos Se Completam | Tema: AyA Rebelde Opostos


Capítulo: Capítulo 101

261 visualizações Denunciar


Anahí narrando:



Assim que Alfonso trancou a porta, voltou feito um louco para a cama e se jogou em mim sem nem se tocar que seu peso não era algo tão leve assim, mas eu nem me importei. Não doeu, e mesmo se doesse, isso pouco me importaria naquele momento. Alfonso estava ali comigo, me beijando, tocando todo o meu corpo como antes, e era só isso que eu queria. Nosso bom e velho amor. Apenas nós dois longe do mundo e de todas as dores do lado de fora. Eu e ele.



-Eu te amo – sussurrei, como uma necessidade. Alfonso precisava saber que mesmo brigando ou indo embora, eu o amava e amaria para sempre. Não era uma coisa carnal, somente tesão ou desejo, o que sentia por ele era algo tão imenso, de alma, algo imensurável. Eu o amava mais do que imaginei amar alguém na vida. E sem dúvida alguma, eu não saberia mais viver sem ele.



Alfonso sorriu daquela maneira enorme, como se o mundo estivesse fazendo sentido para ele novamente, e então o meu mundo começou a girar novamente. Tudo se coloriu, e eu estava outra vez com aquela alegria no meu peito, que não dava para se explicar em palavras.



- Sabe que eu não te amo? – sussurrou, enquanto levantava minha camiseta – Não senti falta nenhuma desse seu corpo gostoso, do seu gosto, do jeito que se movimenta comigo na cama – mordeu o lábio inferior levando-me a sorrir.



- Bobo – selei nossos lábios – Sei que me ama, tá? E muito.



- Sim – concordou, e fechou a cara como se explicasse muito bravo – E se pensar em terminar novamente, te prendo nos pés da minha cama, ouviu bem? Vou bater pela primeira vez em uma mulher.



Dei risada e empurrei sua cueca para baixo. Alfonso se afastou para terminar de tirá-la a jogou longe.



- Em uma mulher não se bate nem com uma rosa, sabia? – beijei seu pescoço – Eu é que posso te bater se resolver bancar o orgulhoso novamente – beijei seu ombro e inverti nossas posições, sentando em cima do seu membro já ereto.



- Ai, branquinha – murmurou, mordendo o lábio inferior – Quer me deixar maluco?



Alfonso colocou as mãos em minha cintura e começou a me movimentar para instiga-lo. Eu ainda estava de calcinha, mas dava para um sentir o outro, e isso provocava uma chama pra lá de ardente entre nós. Eu estava quase chegando ao meu ápice ainda com as peças de roupa. A vontade era tão grande que simplesmente não dava nem para pensar ou esperar o momento certo. Eu tentava me segurar, mas estava cada vez mais difícil.



- Eu quero – Desabotoei o sutiã e curvei o meu tronco para beijar seu pescoço novamente. Continuei os movimentos, mas com um pouco mais de pressão. Alfonso girava seus olhos e mordia o lábio inferior como se implorasse para eu não judiar muito.



Desci lentamente, beijando todo o seu corpo, até chegar onde eu queria. Minha intenção era provoca-lo ainda mais, mas no momento em que segurei a base do seu membro, a única coisa que pensei foi em proporcionar à ele o maior prazer possível. Eu queria que ele gostasse ainda mais. Que ficasse com aquela noite na cabeça, e todas as outras também. Seus olhos eram fixos em mim. Sorri maliciosamente e passei a língua vagarosamente por toda a extensão de seu membro, tentando deixá-lo ainda mais fora de si. O coloquei na boca, mas logo tirei. Acariciei toda a extensão, e fiz movimentos de sobe e desce, enquanto o olhava nos olhos. Alfonso jogou sua cabeça para trás e sussurrou algo completamente inaudível. Mordeu seu lábio inferior e curvou seu corpo novamente, enquanto soltava suspiros fortes. O coloquei novamente na boca e continuei com os movimentos. Seus dedos enroscaram nos meus cabelos, tentando me ajudar com os movimentos. Alfonso foi muito delicado ao empurrar-me contra seu membro. Continuei àquilo até que seu corpo inteiro relaxou e eu senti o líquido passar pela minha garganta.



Confesso que detestei o gosto e achei nojento, mas considerando que se tratava do homem por quem meu coração batia alucinadamente, acabei por nem me importar.



- Pô, branquinha! – disse, enquanto suspirava afobado – Treinou em Londres ou o que, hein? Gostei disso não!



Dei risada e beijei seu membro levemente.



- Tão bobo – revirei os olhos – Acha que tive alguém lá, Alfonso? Se liga. O máximo que fiz foi ficar com o Joe aquelas vezes que você sabe. Depois que voltei, nem isso aconteceu.



Poncho se sentou e me puxou, fazendo-me ajoelhar ao meio de suas pernas. Enroscou seus dedos em meus cabelos e colou nossos lábios com certa selvageria, mas que no fundo ainda tinha muito carinho. Sorri entre o beijo e coloquei a mão em sua nuca, tentando puxá-lo ainda mais para mim.



- Detesto quando fala que beijou outro homem – disse, enquanto mantinha nossos lábios unidos.



A vontade que eu senti na hora, foi de bater nele e me levantar da cama. Alfonso com certeza tinha feito mais do que beijar Isabele, e isso não dava o direito de ficar bravo ao saber que tinha ficado com Joe, ou qualquer outro homem.



- E você nem transou com a Isabele, suponho – bufei – Estragou o clima, Alfonso! – sentei-me de costas para ele e abaixei a cabeça, sentindo uma raiva enorme tomar conta de mim.



Ficou um silêncio incomodo no quarto, e isso durou cerce de cinco minutos. Alfonso parecia tentar procurar as palavras certas para não estragarmos ainda mais nossa situação, e por mais que eu quisesse virar para ele e pedir para esquecermos Joe e Isabele e só pensar em nós, ainda estava chateada. Imaginei os dois juntos, e a garota tocando o corpo do meu amor, e confesso que não foi uma das melhores sensações.



- Ow amor! – abraçou-me por trás, colocando meus cabelos de lado para beijar minha nuca – Poxa, não vamos estragar isso, vai! O que rolou entre Isa e eu...



- ISABELE! – o interrompi – Saco, Alfonso!



- Ta, ciumentinha – beijou minha nuca – O que rolou entre IsaBELE e eu, ficou no passado. Foi por raiva, por ciúmes de você, foi por saudade. Eu queria você comigo, mina, mas não tinha. Estava ficando maluco, sacas? Você é a minha princesa, meu amor, minha mulher, minha vida... só você!



Respirei fundo e virei-me em sua direção, com os olhos marejados.



- Você é tão romântico às vezes – fiz bico – Não gosto de imaginar vocês dois. Poxa, você é meu! Essa garota não tinha que tocar em você, e nem você ficar dentro dela.



- É muito melhor estar dentro de você – sussurrou de modo enlouquecedor – Não sabe o quanto desejei que fosse você comigo. Eu não queria outra não, amor – pausou, e eu não respondi – Mas, você também tinha o Joe. Não tem direito de me cobrar nada não, mina.



Revirei os olhos e me sentei em seu colo, com uma perna de cada lado, passei os braços pelo seu pescoço e beijei seu rosto.



- Sou fiel ao que sinto – beijei seu queixo – Não consegui deixa-lo fazer nada. O máximo que Joe conseguiu foi tocar meus seios – dei de ombros, fazendo-o afastar o rosto e me olhar nervoso – Que é? Isabele tocou seu corpo inteiro!



Alfonso jogou-me no colchão e ficou por cima de mim, apoiando suas mãos ao lado do meu corpo. Seus olhos miraram os meus com tanta intensidade, que todo o meu corpo amoleceu sem esforço. Respirei fundo e ergui minha cabeça para alcançar seus lábios, mas ele afastou novamente seu rosto, nos mantendo uma distancia considerável.



- Esses seios são meus, sacou? Seu corpo é meu, mina! – bufou – Gostei não! Quero ninguém tocando o que é meu – beijou meu seio direito – Quero você se contorcendo assim só comigo – beijou novamente – Quero você morrendo de tesão, mas só por mim. Entendeu, mulher? – beijou meu seio esquerdo e chupou, fazendo-me tirar o corpo da cama, e deixar cair novamente – Assim mesmo. Só comigo!



Esbocei um sorriso meio mole, enquanto me sentia leve. Tive a sensação de estar saindo do meu corpo, de tão gostoso que era estar ali com ele, sendo beijada, sentindo cada parte do meu corpo sendo tocada por seus lábios ou mãos. Sua pele em contato com a minha, suas mordidas, beijos e chupadas... Tudo era tão gostoso que só me fazia ceder cada vez mais. Eu não havia gostado nada de ter tocado no nome da Isabele, mas por um instante tudo sumiu, e éramos apenas nós dois outra vez.



Alfonso desceu com beijos até minha calcinha, tirando tão lentamente que fazia meus ossos doerem. Eu o queria em mim, estava com saudades e não sabia se aguentaria tanto tempo. Somente com os olhares que ele lançava seria o suficiente para chegar ao orgasmo mais profundo. Acho que era tanta vontade, que não dava mais para esperar. Tudo piorou quando minha calcinha foi bruscamente puxada e seus lábios se aproximaram da minha intimidade. Alfonso abriu minhas pernas, as colocando em seu pescoço, dando mais acesso ao que ele queria. Primeiro soprou, me deixando com mais tesão. Depois, apenas deu pequenas pinceladas com a língua em meu clitóris, e eu quase não aguentei. Ergui meu tronco, e joguei as costas na cama novamente, soltando um gemido um pouco alto. Quando gritei seu nome, os movimentos foram aumentando, e eu simplesmente me perdi ali. Amacei tanto o lençol da cama que quase o rasguei com a força que colocava em meus dedos. Mordi o lábio inferior e curvei novamente o tronco, tendo uma visão melhor do que ele estava fazendo.



- Alfonso! – murmurei, quase não conseguindo – Há!



- Está gostoso, é? – passou a língua novamente em meu clitóris – Quer que eu pare, amor?



Soltei meu corpo na cama e mordi novamente meu lábio inferior.



- Se... Há... Se parar eu te bato! – fechei meus olhos – Há, Poncho! Está tão gostoso.



Alfonso soltou uma risadinha contra minha pele e voltou à minha intimidade, aumentando ainda mais o movimento, e terminando assim, por me enlouquecer completamente.



- É bom saber que proporciono esse prazer todo para a minha mina – mordiscou meu clitóris, tomando todo o cuidado para não me machucar – Goza pra mim, amor. Está demorando hoje, hein?



Eu estava me segurando ao máximo, para ser sincera. Queria aproveitar ao último, todo o prazer que ele estava me proporcionando. Queria seus carinhos, suas mordidas, seus beijos, seu toque. Queria tanto, que me torturava para não estragar o clima. Eu queria curtir mais um pouquinho.



- Estou quase – sussurrei – Ai, Poncho!



- Quero você, amor – colocou o indicador e fez movimentos circulares – Quero muito estar aqui dentro!



Falando daquela maneira mansa, como se tivesse controle de mim, não aguentei. Em segundos o meu corpo relaxou, e eu havia chegado ao orgasmo mais intenso que consegui. Alfonso voltou a ficar por cima de mim, e rapidamente se ajustou ao meio de minhas pernas, penetrando rapidamente. Havia carinho em seu gesto, mas o que prevaleceu foi sua vontade, sua talvez necessidade em me ter. Os movimentos que fazia era lento. Tão lento, que chegava a me torturar. Entrelacei as pernas em volta da sua cintura e o instiguei com o quadril, fazendo-o aumentar um pouco os movimentos.



- Calma – beijou meu queixo – Quero aproveitar você. Espera – mordeu meu lábio inferior – Não precisamos de pressa, amor.



- Não precisamos – joguei minha cabeça para trás e mordi o lábio inferior – Ai, amor, mas está lento demais – suspirei – Aumenta mais um pouquinho!



Alfonso aumentou um pouco mais os movimentos, e eu fechei os olhos com força para aproveitar ao máximo todo o prazer que estava me proporcionando. A cada movimento, ele aumentava um pouco mais, até deixar da maneira selvagem como sempre fazia. Após alguns minutos, invertemos as posições, e eu tive minha primeira experiência de costas à ele. Quase em conchinha. Alfonso abraçou meu corpo inteiro e se movimentou, levando-me a movimentar junto. Era uma coisa mais amorosa, mais lenta e seus carinhos em minha barriga, deixava tudo melhor. Aproveitamos um ao outro, em meio a palavras sussurradas no pé de ouvido, beijos meio desajeitados e muito carinho. Não demorou muito até que chegamos ao nosso ápice quase juntos. Nossos corpos amoleceram juntos, e relaxamos, ainda mantendo a mesma posição.



- Toma banho comigo? – beijou a minha nuca – Dorme comigo? Não sai mais daqui!
Sorri mesmo sem ele ter visto, e continuei tentando puxar meu ar, que parecia não existir. Fechei meus olhos e entrelacei nossas mãos.



- Posso dormir um pouquinho antes? – perguntei, sentindo Alfonso sair de dentro de mim, lentamente – Faz tempo que não durmo sentindo...



- Inteira? – interrompeu-me – Podemos dormir um pouco sim, branquinha! Desde que seja assim – nos cobriu com o lençol, e me apertou forte em seu corpo – Juntinhos. Colados.



- Eu te amo – foi a última coisa que disse. Em menos de cinco minutos, o meu corpo relaxou e eu finalmente consegui dormir como a dias não ocorria.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): anyeponcho

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).

Prévia do próximo capítulo

Enquanto isso, na sala... Ruth entrou feito um furacão pela porta da sala, sem nem se tocar de que Maite estava por ali assistindo um desenho animado cujo o nome nem ela mesma sabia. Apenas gostou das cores e do que se tratava a história deles. A garota estranhou completamente a reação de Ruth, mas não se atreveu a perguntar, e nem mesmo a ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 246



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • degomes Postado em 16/08/2019 - 07:06:00

    Contínua 🙏

    • anyeponcho Postado em 27/08/2019 - 11:29:34

      Continuei =)

  • AnaCarolina Postado em 11/08/2019 - 18:54:57

    Mas como assim gente? Me diz que esse exame foi alterado

    • anyeponcho Postado em 27/08/2019 - 11:30:28

      Será? Vamos saber o que aconteceu daqui a alguns capítulos... Só digo uma coisa: a história é AyA, então....

  • AnaCarolina Postado em 30/07/2019 - 09:17:33

    Aaaaah esse momento é todinho meeeeu Continua

    • anyeponcho Postado em 04/08/2019 - 16:52:08

      =) Foi pequenininho o poste, mas, mais tarde tem mais ;)

  • luananevess Postado em 28/07/2019 - 21:35:41

    Continua

    • anyeponcho Postado em 04/08/2019 - 16:51:23

      Continuando.... =)

  • AnaCarolina Postado em 07/07/2019 - 22:19:16

    Continuada <3

    • anyeponcho Postado em 18/07/2019 - 23:37:48

      Postei 2 vezes hoje &#128512;

    • AnaCarolina Postado em 07/07/2019 - 22:19:44

      Continua* hehehe

  • AnaCarolina Postado em 10/06/2019 - 18:36:10

    Caramba, que merda! Não vejo a hora de tudo se resolver de vez :'(

    • anyeponcho Postado em 14/06/2019 - 17:07:20

      Eu também :) Mas, infelizmente vai demorar um pouquinho pra acontecer

  • AnaCarolina Postado em 10/06/2019 - 13:59:58

    Oláaaa já já vou ler os capítulos e volto pra comentar <3

  • AnaCarolina Postado em 04/05/2019 - 00:05:27

    Cadê você?

    • anyeponcho Postado em 14/05/2019 - 20:49:51

      Volteiiiii!!! Passei por uns momentos ruins, mais agora estou de volta =)

  • AnaCarolina Postado em 09/04/2019 - 21:51:48

    Tadinha da Mai :(

  • AnaCarolina Postado em 31/03/2019 - 22:43:19

    Que bom que apesar de tudo o Ricardo entendeu e não demitiu ele... Continua



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...