Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Os Opostos Se Completam | Tema: AyA Rebelde Opostos


Capítulo: Capítulo 153

245 visualizações Denunciar


Anahí narrando:



Se a vida fosse como eu queria, você estaria aqui...



Essas foram as palavras que eu pensei em dizer, mas fui bruscamente interrompida pelo “tu” da linha. Alfonso tinha desligado cruelmente o telefone na minha cara. Aquilo doeu muito. Meu coração ainda recebia a informação de que ele tinha sido grosso mais uma vez, e minhas lágrimas vieram com ainda mais força, dando-me a impressão de que eu inundaria aquela casa a qualquer momento.



A vida realmente não estava sendo como eu queria. As coisas complicavam a cada dia, e ao invés da saudade amenizar, apenas doía mais. Eu me arrependi por não ter feito o exame, mas o que iria resolver fazer naquela altura do campeonato? Mamãe me lembrava todos os dias que eu tinha feito a coisa certa, e a única coisa que pensei, foi em não ver o que eu já sabia. Que Alfonso era realmente meu irmão. Se minha mãe falava que era, quem era eu para desacreditar? Eu não queria ver a frase “positivo” no papel. Acho que seria ainda pior... Mais doloroso. Se é que era possível doer mais do que já doía todos os dias quando abria meus olhos e a realidade me dizia que Poncho não era mais meu, e nem seria. Só meu irmão, e eu teria que me contentar com isso até o fim da vida.



Os dias foram passando com uma velocidade incrivelmente lenta. Eu estava no tédio, mas arrumando todas as coisas para voltar ao terceiro colegial. Comprei o material escolar em uma das melhores papelarias, e até me distrai um pouco, pois adorava ver canetas diferentes e os modelos dos cadernos e fichários. Comprei coisas até que não precisava, mas que achei realmente uma graça. Mamãe tinha ido comigo, e almoçamos no restaurante aquele dia. Fazia muito tempo que eu não sorria como naquele dia. Encontrei-me com Bingo na hora de seu almoço, mas não nos falamos muito. Quis perguntar sobre Alfonso, mas quando ameacei, mamãe me lançou um olhar quase mortal, e eu desistir, engolindo em seco e guardando a vontade em uma caixinha, no fundo do meu coração. A única coisa que eu soube, é que Miguel estava com saudades, mas também não falei nada. Minha mãe me deixava inibida para falar sobre os dois.



O meu primeiro dia de aula, foi bom. Victória, estava na mesma classe que eu, e sentamos juntas. Não era a mesma coisa que estar com Angelique... Ela era minha melhor amiga, e completamente diferente da sua irmã desmiolada, mas valeu por ter me distraído. Como eu conhecia bastante gente daquela classe, não tive preocupação para me adaptar, eu já estava para lá de adaptada. Até os professores me reconheceram e já brincavam comigo como faziam no ano anterior. Eles me chamavam de loirinha brava.



Duas semanas de aula, uma semana que entrei novamente na academia de dança que ficava pertinho da escola, e eu consegui tirar pelo menos um pouquinho do Poncho da minha cabeça. Fazia quase um mês que não o via e não recebia notícias sobre ele, mas achei melhor assim. Com o tempo, o que restou foi a saudade. Aquela dor toda, foi diminuindo. Claro que lembrar que eu não poderia ter o amor da minha vida ainda era bem doloroso, mas já não era tão desesperador como antes. Às vezes evitar ver a pessoa era o melhor a fazer. Melhor para o psicológico. Eu só conversava com o Cris, pois passei a almoçar na casa da Angel todos os dias, para evitar o Fábio o máximo que podia. Papai estava de mudança para um apartamento em outro bairro, e ver meu tio só doía mais. Era como esfregar na minha cara que ele conseguiu destruir minha família, e todo o resto de mim.



Eduardo estava sendo um alicerce para mim. Jamais pude imaginar que depois de anos separados, ele fosse aparecer e se tornar um amigo essencial. Ele me levava todos os dias até a academia de dança depois do almoço, e estava pensando em se mudar de vez para a Zona Sul. Até apartamento barato, um emprego, e uma faculdade, ele já procurava, e sinceramente eu estava gostando. Não queria que ele partisse novamente.



A verdade é que, pode até ser maldade dizer isso, mas ele era minha válvula de escape. Alfonso jamais seria substituído. Da maneira como eu o amava, não iria amar mais ninguém e o vazio que deixou no meu coração, não iria ser mais preenchido. Mas, Duca estava sendo importante para mim. Me ajudava nas lições que tinha dificuldade, fazia palhaçada para me fazer rir, jogávamos baralho quando não tínhamos o que fazer, ficávamos horas conversando na varanda de seu quarto até eu sentir sono, olhávamos as estrelas... Realmente era um refúgio, e eu não queria me ver se ele também.



Era uma quarta-feira, e eu sai da escola com a Victória tagarelando sobre o Pedro. Ela estava em dúvida se ficava ou não. Tinha vontade, apesar do medo de estragar a amizade deles, mas ao mesmo tempo, via Bingo com uma garota que ouvi por alto que o nome era Catarina, e sentia ciúmes. Não o queria mais também não queria que ele ficasse com outras. Isso era patético. Fiquei ouvindo calada, perdida em pensamentos e me perguntando onde chegaria na vida sendo tão imatura assim. Paramos na porta para esperar o Duca como fazíamos todos os dias, mas tive uma surpresa quando vi o carro do meu pai Ricardo parado do outro lado da rua.



Esperei que descesse, e então correu em minha direção. Me abraçou com força, erguendo-me em seus braços e quase me tirando todo o ar que ainda me restava. Eu o via todos os dias, mas vê-lo me buscar me deixou incrivelmente feliz e contente. Ele disse que estava ali, pois iríamos almoçar fora. Deixou Victória em sua casa, e então seguimos para outro lugar que reconheci sendo a Zona Norte.



Senti meu corpo inteiro se tencionar, e um frio passar por minha espinha. Tentei puxar o ar dos pulmões, mas não consegui. Estava quase sem ar só de imaginar o que estaríamos fazendo ali naquela hora da tarde, quando tanto papai quanto Poncho, deveriam estar trabalhando. Fechei os olhos com força e virei meu rosto na direção de Ricardo. Ele fingia estar com sua total atenção na rua, mas percebi que me olhava de soslaio.



-O que estamos fazendo aqui? – eu não estava entendendo. Eu tinha passado tanto tempo tentando esquecer Alfonso, e agora estava entrando na rua de sua casa. Comecei a ficar irritada.



Ricardo estacionou o carro no portão da casa de Ruth e desligou, voltando sua atenção para mim.



- Eu fiz uma coisa há semanas atrás e... Espero que me desculpe – engoliu em seco – Any, eu peguei um fio de seu cabelo em sua escova. Não aguento não saber se é minha filha ou não, e Alfonso também precisa saber a verdade. Aliás, vocês dois. E se não forem irmãos?



- E se formos? – interrompi irritada. Eu não queria ter aquela desilusão, não queria tocar no assunto novamente, depois de todo aquele tempo tentando esquecer – Alfonso me tratou mal a última vez que nos falamos, não quero saber pai. E outra... E se formos irmãos? Para que mexer nessa história de novo? Para trazer mais sofrimento?



Papai tocou minha mão esquerda que estava apoiada em minha coxa, e apertou com força.



- Você vai mesmo acreditar na sua mãe? Vai deixar o medo de ser irmã de Alfonso, te guiar? E se não for? Você tem uma chance, porque não se agarra á ela? – abaixou a cabeça – Se esse exame der positivo, você vai seguir em frente como fez nas ultimas semanas, amor. Vai continuar os estudos, a aula de dança, suas amizades e o Duca que está sendo um ótimo amigo. Mas se der negativo? Parou para pensar? Você pode ser minha filha, se mudar comigo e com Ruth para o meu apartamento, e ficar com o amor da sua vida. Tem certeza que vai jogar isso fora por medo?



Papai tinha razão o medo tentava me impedir de ser feliz. Eu ainda tinha probabilidades enormes de ser irmã do Alfonso, mas depois do discurso de Ricardo, meu peito se encheu de esperança. Eu tinha fé, e tinha chances. Olhei para o rosto de papai que agora me encarava com ternura e receio, e sorri, certa do que queria. E eu queria enfrentar meus próprios fantasmas para tentar ser feliz.



- Tudo bem, pai. Eu quero ver o resultado – respirei fundo – Cadê?



Papai sorriu e puxou-me com força, abraçando-me o corpo inteiro.



- Está com o Alfonso. Ele soube do meu plano, e está quase arrancando os cabelos de ansiedade – gargalhou um pouco – Vêm, vamos acabar logo com isso, meu anjo!



E então descemos, prontos a encarar a realidade que me esperava em escritas. O exame era minha única chance, e eu respirei fundo, pensando que em minutos, eu poderia ter o meu amor comigo de novo. Sorri para o meu pai, e ele chamou Ruth que logo abriu o portão e me recebeu com um abraço tão aconchegante, que desejei morar nele.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): anyeponcho

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).

Prévia do próximo capítulo

  - Entrem – disse docemente – Alfonso estava na sala encarando o envelope. Se não abrirem logo acho que ele terá um infarto. Sorri e tomei a liberdade de entrar na frente, deixando meu pai e a Ruth ali na área. Passei pela porta, e Alfonso subiu seus olhos, encarando-me de uma maneira doce, esperançosa. Seu sorriso foi enorme, ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 246



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • degomes Postado em 16/08/2019 - 07:06:00

    Contínua 🙏

    • anyeponcho Postado em 27/08/2019 - 11:29:34

      Continuei =)

  • AnaCarolina Postado em 11/08/2019 - 18:54:57

    Mas como assim gente? Me diz que esse exame foi alterado

    • anyeponcho Postado em 27/08/2019 - 11:30:28

      Será? Vamos saber o que aconteceu daqui a alguns capítulos... Só digo uma coisa: a história é AyA, então....

  • AnaCarolina Postado em 30/07/2019 - 09:17:33

    Aaaaah esse momento é todinho meeeeu Continua

    • anyeponcho Postado em 04/08/2019 - 16:52:08

      =) Foi pequenininho o poste, mas, mais tarde tem mais ;)

  • luananevess Postado em 28/07/2019 - 21:35:41

    Continua

    • anyeponcho Postado em 04/08/2019 - 16:51:23

      Continuando.... =)

  • AnaCarolina Postado em 07/07/2019 - 22:19:16

    Continuada <3

    • anyeponcho Postado em 18/07/2019 - 23:37:48

      Postei 2 vezes hoje &#128512;

    • AnaCarolina Postado em 07/07/2019 - 22:19:44

      Continua* hehehe

  • AnaCarolina Postado em 10/06/2019 - 18:36:10

    Caramba, que merda! Não vejo a hora de tudo se resolver de vez :'(

    • anyeponcho Postado em 14/06/2019 - 17:07:20

      Eu também :) Mas, infelizmente vai demorar um pouquinho pra acontecer

  • AnaCarolina Postado em 10/06/2019 - 13:59:58

    Oláaaa já já vou ler os capítulos e volto pra comentar <3

  • AnaCarolina Postado em 04/05/2019 - 00:05:27

    Cadê você?

    • anyeponcho Postado em 14/05/2019 - 20:49:51

      Volteiiiii!!! Passei por uns momentos ruins, mais agora estou de volta =)

  • AnaCarolina Postado em 09/04/2019 - 21:51:48

    Tadinha da Mai :(

  • AnaCarolina Postado em 31/03/2019 - 22:43:19

    Que bom que apesar de tudo o Ricardo entendeu e não demitiu ele... Continua



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...