Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro

Fanfic: Estúpido Desejo - Vondy - Adaptada - Finalizada | Tema: Romance/Hot/Comedia


Capítulo: Capítulo 96

2019 visualizações Denunciar


CHRISTOPHER


3 meses depois...


Calmo, escuro. Tudo está tranquilo. Não, espera, algo encostou-se à minha perna. Que diabo é isso? A coisa está subindo. Subindo direto para...


-Chriszinho.


O sussurro de Dulce me faz abrir os olhos e acender a luz, mas ela já está com meu p/au na boca, sugando como uma desesperada, então não tenho mais forças para fazer nada. Deixo-me levar na sensação da sua boca. Quando go/zo, ela sorri satisfeita e deita em cima de mim, sua barriga arredondada não a atrapalha, pelo contrário, adoro a sensação de senti-la.


-Oi. -ela diz com um sorriso. Olho para o relógio de cabeceira e são três e meia da manhã.


-O que foi? Não conseguiu dormir? -pergunto preocupado.


-Sim, mas acordei.


-Está se sentindo bem?


-Estou, mas me sentiria melhor se você estivesse dentro de mim.


Ela não precisa falar duas vezes, eu a viro de costas na cama e em dois segundos estou dentro dela. Começo bem devagar, mas ela implora que eu acelere. Quando nego, ela crava as unhas nas minhas costas, e acabo cedendo, essa mulher me enlouquece! Quando go/zamos, ela adormece imediatamente nos meus braços.


Luz está entrando no quarto; o sol. Já deve ser de manhã. Há algo roçando minha barriga.


-Mas o que...


Não tenho tempo de terminar a pergunta, pois enquanto abro os olhos, Dulce já está montando no meu p/au, bem acordado pelo toque dela. Sintome deslizar para dentro dela e agarro seu quadril, guiando seus movimentos. Essa mulher me enlouquece! Quando goz/amos ela me deseja um bom dia e vai tomar um banho.


Almoço gostoso, e ao meio da tarde, estou analisando alguns papéis em minha sala quando a porta bate me fazendo jogá-los para o alto.


-Mas que mer/da está...


Corto a frase ao meio ao ver Dulce invadindo minha sala, já abrindo o zíper do vestido.


-Christopher! -implora.


Não é necessário que ela peça, sei exatamente o que quer. Viro a cadeira na direção dela e abaixo o zíper da calça enquanto ela monta em mim. Mais uma vez tento pegar leve, mas ela não deixa, cavalga em mim rápido, com força e chegamos rapidamente ao clímax. Ela me procura mais duas vezes, antes de irmos embora. Estou adorando essa coisa de hormônios.


Quando chegamos em casa, noto que ela corre para o banheiro. Vou atrás, e mal abro a porta, ela pula em mim, passando as pernas pela minha cintura, quando a seguro pela bu/nda. Entre beijos, ela diz:


-Isso não é normal. Será que preciso de um médico?


-Para quê? -pergunto sugando um seio dela. -ela geme e depois parece se esforçar para responder.


-Quero transar com você o tempo todo. É desesperador. Acho que deve haver algum remédio, tratamento ou terapia que diminua essa vontade.


-De jeito nenhum! -eu a coloco sobre a pia e a penetro. -Eu adoro esses hormônios, nada de inibir os pobrezinhos. -então meto com força para que ela não reclame mais.


Nós jantamos e ela estava radiante, sorriu, brincou e conversou numa boa. Até que na hora da sobremesa seu semblante mudou. Ela parecia preocupada, depois percebi que parecia estar sentindo dor. Segurei sua mão por cima da mesa.


-Amor, está tudo bem?


Ela assentiu, mas largou o sorvete pela metade e correu. Peguei as taças e subi atrás dela. Quando abri a porta, ela estava nua, ajoelhada na cama, me olhando.


-Eu sabia que você entenderia. -ela disse.


-Ah sim, entendo perfeitamente.


Eu me aproximo e a empurro na cama, o que arranca uma gargalhada dela. Então começo a beijar seus pés.


-Não Christopher, preciso de você, agora!


-Nada disso. Já demos um milhão de rapidinhas hoje, agora quero amar você.


-Me fo/de primeiro, me ame depois.


Dou uma risada e mordo seu pé, o que a faz se contorcer. Adoro a forma como ela está ainda mais sensível.


-Não senhora, vamos fazer isso bem devagar.


-Pervertido filho da mãe!


-Não reclama, baby. Porque você sabe que posso te fazer engolir cada palavra.


Antes que ela retruque, meu dedo gelado está no meio das suas pernas, lambuzo tudo com sorvete. Ela geme com a sensação do gelo e geme mais ainda, quando chupo tudo. Cada pedaço coberto de sorvete. O melhor sabor do mundo. Mal termino e ela go/za.


-Isso amor, vamos ver quantas vezes você é capaz de aguentar?


-Não, não faça isso, Christopher!


Mas já estou passando sorvete em seus seios e minha boca rapidamente cobre cada um deles, sugando tudo. A noite vai ser ótima.


******


Ela aparece linda como sempre, mesmo com aquela roupa horrorosa do hospital. Sorri para mim ao deitar e descobrir a barriga. Aproximo-me e seguro sua mão.


-Hoje vai dar para ver, amor.


Essa deve ser a quarta ultrassom que fazemos para saber o sexo do bebê, ele sempre está com as perninhas fechadas. Torço para que seja uma menina, pois sei que será bem comportada.


-Enfim papais, o bebê está com as perninhas bem abertas. -diz o doutor.


Bem abertas? Talvez não deva mesmo ser uma menina. Filha minha de jeito nenhum terá as pernas bem abertas.


-O que vocês querem? -ele pergunta fazendo hora. Dulce aperta minha mão e responde ansiosa:


-Saber o sexo?


O doutor sorri, continua olhando para a tela e não diz o que é. Noto que Dulce está ficando nervosa conforme vai apertando minha mão. Olho bem para a tela, consigo ver perfeitamente as perninhas abertas, procuro pelo piu piu da criança, que sendo meu filho deveria estar em evidência, mas não o encontro.


-É uma menina! -digo. Dulce olha para a tela confusa.


-Como você sabe?


-Simples. Não estou vendo o p/au dele, que deveria estar bem ali no meio. -Dulce faz uma careta e o médico ri.


-Acertou papai, vocês terão uma menina.


Dulce finalmente relaxa o aperto em minha mão e seus olhos estão marejados. Os meus também. Eu a beijo e repito o que digo cada vez que toco sua barriga e a bebê chuta:


-Obrigado, amor. -ela beija minha mão e o médico volta a nos mostrar o rosto da nossa filha.


Como sempre, saímos da consulta direto para o shopping. Agora que sei que é uma menina, já sei que cor comprar as roupinhas. Entro em um corredor repleto de rosa e saio pegando tudo. Imediatamente Dulce grita e vai tirando tudo do carrinho.


-Christopher Uckermann, o que acha que está fazendo? Minha filha não vai andar feito um projeto de Barbie toda vestida de rosa!


-Mas rosa é a cor que as meninas usam. -defendo.


-É mesmo? Você já me viu de rosa?


Busco na memória e é provável que já tenha visto, mas como não consigo me lembrar, ela deve usar bem pouco. Pensando por esse lado, a maioria das roupas que a Dulce usa é preta.


-Você vai vestir o bebê todo de preto?


-É claro que não! Minha filha vai usar todas as cores, mas, principalmente essa. -ela diz levantando um macacão vermelho.


Gosto disso. Gosto de imaginar minha filha, linda como a mãe, de vermelho. Dulce fica maravilhosa de vermelho. Saio pegando tudo vermelho que vejo e jogando no carrinho. Dulce mais uma vez vai tirando tudo do carrinho e escolhendo o que vamos levar.


-Todas as cores, lembra? E não precisamos de tantas roupas. Bebês crescem rápido e nem vamos conseguir usar todas elas.


-Tudo bem, você está certa. -ela abre um sorriso enorme, se aproxima de mim e me beija.


-Eu amo quando você diz isso. -ela se encosta em mim e meu p/au imediatamente acorda. Mer/da. Controle-se amigo, isso aqui é uma loja de bebês.


Uma vendedora se aproxima e nos oferece coisas para o quarto. Deixo que a Dulce decida o que quer levar. É aí que ela oferece um quadro de parede personalizado. Dulce acha lindo.


-Olha isso Christopher, é lindo! Eu vou querer um! -a vendedora sorri satisfeita.


-E qual é o nome do bebê?


Antes que eu diga que ainda não escolhemos, pois quero convencer Dulce a colocar o nome da minha mãe, ela responde:


-Alexandra.


-Um lindo nome. -diz a vendedora.


-O que você disse? -digo puxando Dulce para meus braços. -Qual o nome da nossa filha?


-Alexandra. -ela repete calmamente com um sorriso. -Se não tiver problema para você, é claro.


Minha mãe, minha filha. Nem sei descrever a pu/ta sensação que me toma. Processo aquilo antes de apertar a Dulce em meus braços. Nem precisei pedir, e mesmo assim ela soube exatamente o que eu queria. Não sei como agradecer a ela, a primeira forma de mostrar o que estou sentindo me toma com força total.


-Onde tem um banheiro? -pergunto a vendedora.


-Como? -ela pergunta.


-Um banheiro, provador, depósito, qualquer lugar onde eu possa ter privacidade. Depressa! Estou desesperado aqui! -a vendedora pisca os olhos confusa e explico: -Preciso fazer amor com minha noiva agora! -ela arregala os olhos e em seguida olha para o meio das minhas pernas e fixa o olhar ali.


-Christopher! Moça, ele está brincando! E não olhe para o meio das pernas dele! -grita Dulce.


A vendedora imediatamente se afasta, vermelha como um tomate e diz que vai providenciar o quadro e depois pegar nosso endereço. Assim que ela se afasta, abraço Dulce.


-Christopher, pelo amor de Deus! O que eu faço com você? -pressiono minha ereção na bun/da dela e sussurro.


-Você sabe o que fazer, amor. E não estou brincando. Vamos pagar essas coisas e ir embora logo ou eu abro suas pernas aqui mesmo.


-Isso é uma loja de bebês! Não acredito que pense em sexo estando em um lugar assim.


-E como os bebês são feitos? Do sexo. Sexo puro, não tem outro jeito.


Ela sorri e me beija e assim que pagamos e passamos nosso endereço, eu praticamente a arrasto até o carro. Vamos cometer atentado ao pudor hoje, não dá para esperar chegar em casa. Acho que essa coisa de hormônios que fazem querer transar toda hora também pega nos pais, afinal de contas.


*******


A casa está pronta, as pessoas, escondidas. Não faço ideia de qual será a reação da Dulce, e torço para que não esteja de mau humor, e nem chegue em casa tirando a roupa, como tem feito nesses últimos dias. De jeito nenhum quero o Chris e o Poncho vendo minha noiva nua.


Vou explicar o que está havendo. Mesmo depois de resolver a confusão com a Vernee, e de sabermos que ela foi obrigada pelo pai a se casar com um velho milionário asqueroso para não perder sua adorada mesada, Dulce ainda não quer se casar comigo. Eu sei que ela me ama, sei que já deu um passo enorme vindo morar comigo, mas preciso que ela seja minha legalmente. Quero meu sobrenome no nome dela. Quero que ela seja apresentada sempre como a senhora Uckermann. É tão errado querer isso?


O problema é que ela ainda não superou seu trauma pela palavra casamento. Do jeito que estamos, ela pode dar uma de louca e ir embora a qualquer momento, mas, se estivermos casados, sei que isso vai pesar caso ela pense em tomar uma atitude dessas. Preciso ter essa certeza. Sim estou parecendo um maricas desesperado e inseguro, mas por/ra, eu amo essa mulher, mais do que a mim mesmo, e não quero de maneira nenhuma correr qualquer risco de perdê-la. Não posso. Preciso que ela seja minha.


As pessoas escondidas pela casa, a música leve que está soando e a festa que preparei, não fazem parte de um pedido de casamento, mas sim, de um pedido de noivado. Embora esteja com uma aliança no dedo, ela não me disse sim quando a aceitou. Disse que era uma aliança de compromisso.


Chris me aconselhou a dar um passo de cada vez, deu certo para ele, tem que dar para mim também. Então vou fazer isso. Vou pedi-la para ser minha noiva, e quando ela aceitar, pedi-la em casamento. Um maldito passo de cada vez.


Vejo pela janela o farol do carro dela encostar na entrada da casa. Todos fazem silêncio, ela abre a porta e como eu previ, vai abrindo a blusa. Imediatamente acendo a luz, todos gritam surpresa, ela arregala os olhos e fecha a blusa rapidamente, colocando os botões nas casinhas erradas. Aproximo-me dela sorrindo e corrijo os botões. Por que tinha que chamar tanta gente? Seria muito mais fácil convencê-la na cama.


-O que é isso? -ela pergunta olhando as pessoas, desconfiada.


-Nossa festa de noivado.


-Fes- festa de noivado? -seguro seus ombros e beijo sua testa e cada lado de seu rosto.


-Acalme-se, isso não é um pedido de casamento. É um pedido de noivado.


-Não entendi. O que essa aliança está fazendo no meu dedo?


-Lembra que quando a aceitou só o fez porque não era de noivado? Era de compromisso? -a compreensão brilha em seus olhos e ela assente. -Agora vou te dar a de noivado.


-Eu...eu...


-Calma. Não precisa dizer nada. Isso não é um pedido de casamento. -garanto.


-Você está me enrolando. Para que as pessoas ficam noivas se não para se casarem?


Todos começam a rir, mas estou calmo, mesmo que ela esteja aparentemente determinada a me dizer não.


-Eu quero me casar com você, nunca escondi isso, mas não estou te pedindo que seja agora. Estou te pedindo a garantia de que será um dia. Você entende?


A expressão dela muda totalmente, de desconfiada, para emocionada e ela assente. Tiro as alianças novas do bolso e estendo a caixinha para ela. Annie se aproxima e tira a bolsa de seu ombro.


-Dulce Saviñón, hoje convidei todos os nossos amigos e familiares, para serem testemunhas do que quero que você me prometa. Para que assim você não possa escapar. Eu te amo muito, desesperadamente. Você sabe disso, todo mundo sabe disso.


-Está na sua cara de bobo. -diz Chris e todos riem.


-Eu sei, está mesmo, e m/erda, estou muito feliz por isso. Dulce, você é minha vida. Não basta dizer que a amo, nem que preciso de você, nem que você é quem me faz rir e quem me faz ser melhor. Nem que você me deu o melhor presente do mundo. -digo tocando sua barriga enorme. -Vou resumir isso tudo nessa frase, você é minha vida. Não posso ficar sem você. Não tem jeito. Não dá. Por favor, aceite meu não pedido de casamento. Aceite ser minha noiva.


Seus olhos agora escorrem lágrimas, ela coloca as mãos no rosto e por um momento fico tenso, acho que terei realmente que carregá-la para a cama e convencê-la do modo a lá Dulce, mas ela pula em meu pescoço e sussurra.


-Sim, eu aceito.


Quero beijá-la e fazer amor com ela. Quero arrastá-la agora mesmo para nosso quarto. Mas, antes que possa pensar em como mandar toda essa gente que só serviu de testemunha embora, ela diz:


-Com uma condição.


-Mer/da.


-Não diga palavrão, Christopher, não estrague o momento. -ralha Annie.


Olho para ela, a mulher que tem minha vida nas mãos e aguardo o que quer que ela vá impor para aceitar ser minha. Sei que farei qualquer coisa.


-Só vamos nos casar depois que a Ale nascer, e estiver grandinha. -faço uma careta, mas ela se explica. -Christopher não dá tempo de arrumarmos tudo agora, ela vai nascer em dois meses e não vou me casar às pressas com a barriga desse tamanho. Vamos deixar que ela nasça e cresça um pouco para podermos viajar em lua de mel, com ela. Tudo bem para você?


Parece razoável com ela falando assim, mas por que tenho a sensação que é uma maneira de adiar o casamento?


-Dulce, isso não é nenhum plano para não se casar comigo, não é?


-Não, juro que não. Eu o amo Christopher, mais que tudo. Vou me casar com você, só não agora.


Tudo bem, isso vai ter que servir por agora, mas não pretendo de jeito nenhum desistir de tê-la como esposa. E em breve, nada de depois que a bebê nascer. Ou no máximo assim que a bebê nascer.


-Tudo bem.


-Eu aceito. -ela diz em alto e bom tom. -Eu te amo, Christopher Estúpido Uckermann.


-Eu te amo mais ainda Dulce Louca Saviñón.


Ela sorri e me beija. E logo estamos sendo abraçados e nossos amigos nos parabenizam. Rodo a festa ouvindo piadas de Chris e Poncho sobre como virei um capacho. Tenho o prazer de dizer bem alto que transo dez vezes mais que os dois juntos e eles calam a boca. Procuro por minha noiva e a encontro em um canto, aparentemente tensa, perto da mãe. Vou até ela imediatamente, e ouço apenas o final do que está falando.


-Não sei se posso fazer isso. Não quero ser uma mãe como você.


Ela está com medo. Apesar de sempre parecer estar certa sobre tudo, e saber exatamente o que fazer, está perdida. Como eu não vi isso antes? Esse medo? Como ela não vê o quão maravilhosa é? Tudo bem que há uma chance mínima de ela machucar acidentalmente a criança algumas vezes, mas para isso estarei sempre ali, ao lado das mulheres da minha vida.


Envolvo sua cintura com meus braços e beijo sua cabeça. Ela se recosta em mim e sua mãe responde:


-Você não será como eu Dulce, será uma mãe maravilhosa. Sempre foi maravilhosa. Sempre cuidou de mim, quando eu é que deveria estar fazendo isso. Não tenha medo menina, nada nunca derrubou você. Um bebê será fichinha.


Ela sorri, abraça a mãe e sinto como está aliviada. Eu as abraço e por/ra! Nunca fui tão feliz!


 



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): AnazinhaCandyS2

Este autor(a) escreve mais 23 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

DULCE É estranho como tudo anda tão bem nesses últimos meses. É estranho que depois de tantas tempestades, tenhamos conseguido nos manter protegidos. E em paz. Acredita que faz semanas que não atiro nada em Christopher? Pois é, e mesmo assim não posso dizer que a vida anda monótona. Não anda mesmo. Minha barrig ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 526



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • Giullya Postado em 17/03/2019 - 22:24:08

    Oii diva, estava lendo aqui essa história ai pah cheguei ao fim dela e fui ver quem escrevia, tinha que ser vc né pra fic estar um arraso desses! Parabéns arrasou demais, amei do começo ao fim. Sdd bjo <3

  • Tia_Olaf Grey♥ Postado em 07/08/2018 - 21:26:52

    Venho aqui divulgar minha primeira adaptação, se chama: No limite do seu desejo - Mal sabe Anahi que nesta casa há entre os filhos um misterioso moreno de olhos verdes sedutores, tatuado, arrogante e controlador, que segue sua vida conforme traça seus desejos. O Advogado Criminalista Alfonso Herrera será sua perdição e a fará viver dentro de seus limites. Mas será que Anahi terá amor e forças suficientes para conseguir viver no limite de seu desejo? Link: https://fanfics.com.br/fanfic/58362/adaptada-no-limite-do-seu-desejo-aya-18-anah i-alfonso-aya

  • yan10 Postado em 22/03/2018 - 19:06:40

    Acompanhe essa historia de amor e traição que tá mexendo com todos os leitores, FEMME FATALE https://fanfics.com.br/fanfic/57883/femme-fatale-rebelde

  • Dul ☮ Postado em 19/03/2018 - 13:22:25

    Nossaaaaaaa! Eu ameiiiii. Li em uma semana essa fi, não vejo a hora de ver a próxima. Beijos &#10083;&#65039;

  • vondytasiempre Postado em 01/03/2018 - 08:52:41

    Gente visitem la minha fanfic https://fanfics.com.br/fanfic/57802/irresistivel-vondy-e-um-pouco-ponny-hot-rebe ldevondy

  • MissMistake_Vondy Postado em 22/02/2018 - 14:59:32

    AAAAAAAAAAAAAH não acredito que acabou :( melhor fanfic que eu ja li ... dei muitas risadas dul maluquinha é a melhor <3 PARABÉEEEEEEENS

  • vondy_forever15 Postado em 17/02/2018 - 07:18:52

    finalmente..... agora eu sei oq é ter raiva odio e felicidade td ao mesmo tempo kkkkk leitoraa nova.... já to amando

  • linevondy Postado em 14/02/2018 - 13:39:46

    Quero mais linda, me avise quando tiver outra fic ADORO Suas fics! Muita luz e muito amor e o melhor pra ti <3 Beijo lindona *-*

  • linevondy Postado em 14/02/2018 - 13:38:58

    Awntttttttt vontade de chorarrrrrrr

  • linevondy Postado em 14/02/2018 - 13:38:27

    Vou sentir muitas sdds dessa fic, desse casal e dessa autora maravilhosa *-*


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais