Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro

Fanfic: Estúpido Desejo - Vondy - Adaptada - Finalizada | Tema: Romance/Hot/Comedia


Capítulo: Capítulo 97

2054 visualizações Denunciar


DULCE


É estranho como tudo anda tão bem nesses últimos meses. É estranho que depois de tantas tempestades, tenhamos conseguido nos manter protegidos. E em paz. Acredita que faz semanas que não atiro nada em Christopher? Pois é, e mesmo assim não posso dizer que a vida anda monótona. Não anda mesmo.


Minha barriga está enorme, mal consigo andar, mas incrivelmente consigo transar, muito! Lembra aquela fase de querer sexo a todo momento? Então, ela ainda não passou. Acredito que o fato do meu noivo ser o Christopher, ajuda muito. Que homem!


O que mais posso dizer sobre nossa vida? Ah sim, Ale. Minha filha está enorme, saudável e acha que está em uma escola de samba. Chuta dia e noite, não sei de quem herdou tanta energia.


Christopher está cada dia mais turrão, não aceitou bem nos casarmos só depois do nascimento da Ale, acho que não acredita que eu vou me casar com ele, mas, apesar de ainda sentir pânico da palavra casamento, eu pretendo mesmo fazer isso. Não sou burra, de maneira nenhuma vou deixar um homem como Christopher, lindo, rico e bem dotado, escapar. Além do mais, até eu adestrar outro homem, como fiz com ele, daria tanto trabalho! Brincadeira, eu realmente o amo.


No fim das contas, eu aceitei a promoção na U.C.A., e sabe quem é minha assistente? A Mônica. Ela é uma péssima assistente, muito preguiçosa. Só não a demito porque descobri que ela tem uma filha pequena. Somente por isso estou tendo todo o trabalho de adestrá-la. Não, você não leu errado, ela é uma cadela, precisa ser adestrada. Acredita que ela ainda manda mensagens para o Christopher? Aproveito-me disso para arremessar nela todas as coisas que não estou arremessando nele. Erro a mira, é claro. Divirto-me apenas por assustá-la. Ao contrário do que pensei, o meu setor não é uma bagunça total. Tenho ótimos funcionários que me respeitam e até têm medo de mim, não entendo o porquê.


Falando na V.D.A., Chris está como um bobo apaixonado. Namorando firme, ou tentando pelo menos. Rio da cara dele cada vez que me pede conselhos sobre seu relacionamento. Está muito apaixonado mesmo, quem em sã consciência pediria conselhos amorosos para mim? Se bem que, posso escrever um livro: Como domar um pervertido. Ia ser muito útil a vocês, mulheres.


E o Poncho está viajando com a Annie, e eles não foram juntos como namorados, foram juntos por causa de uma proposta estúpida, que apostei com o Christopher que vai acabar bem. Se eles não se matarem antes, é claro!


E você acredita que sou uma excelente dona de casa? Sei dar ordens como ninguém. Descobri que adoro isso. Mas que fique claro que as funcionárias da minha casa se animaram muito mais a me agradar depois que dobrei o salário delas. Sou esperta, fazer o quê?


Quem mais está me dando trabalho é minha mãe. Ela adorou Christopher, até demais. Queria comprar uma casa para ela na Cochinchina, mas a ingrata não gostou da sugestão. O lado bom é que Christopher descobriu que ela odeia falar de sexo. Então sempre falamos disso quando ela está por perto, e suas visitas passaram a não demorar muito, e serem menos frequentes também.


-O que está fazendo há tanto tempo na frente desse computador? -pergunta Christopher beijando minha cabeça.


-Atualizando seu fã clube sobre a nossa vida. -ele abre seu sorriso safado.


-Você sabe que não são minhas fãs, são fãs do Chriszinho, seu Chriszinho.


Abro um sorriso e toco meu menino por cima da calça. Nem estranho ao notar que já está acordado.


-Vem comigo. -ele diz com aquela voz rouca e me estende a mão. Imediatamente o sigo. Ele me leva ao terraço da casa. Ali, forrado no chão, há um lençol repleto de almofadas, cercado por velas. Uma cesta de frutas está no meio dele. Tão romântico! Sim, há o risco de alguém nos ver, mas isso me excita ainda mais.


Ele não espera que eu diga nada. Guia-me gentilmente até o lençol, se ajoelha a minha frente e tira minha sandália. Massageia cada um dos meus pés e vai subindo as mãos pela minha perna, até alcançar a coxa, ele arranha minha coxa e sinto meu corpo todo arrepiar.


-Christopher!


-Já está implorando? -ele diz sorrindo.


Abaixa minha calcinha lentamente, estou meio tonta quando o ajudo a tirá-la. Me apoio no ombro dele enquanto ele deposita um beijo suave no meio das minhas pernas. Agarro o seus cabelos e o obrigo a se levantar. Mal consigo falar, ao pedir:


-Preciso. Dentro. Agora!


Ele me deita nas almofadas, e abre a calça. Vejo que tira os sapatos e as meias, mas não espero que termine de tirá-los, puxo sua calça para baixo, puxando seu quadril de encontro ao meu. Assim que ele me preenche, sinto uma dor forte e dou um berro. Respiro fundo enquanto a dor passa. Christopher tem um sorriso enorme no rosto. Acho que o imbecil está pensando que gritei tão alto por causa do Chriszinho. Abro a boca para esclarecer que estou sofrendo quando ele me penetra de novo e uma nova dor me atinge. Grito ainda mais alto e mordo o ombro dele com força.


-Uau Dulce! Hoje você está selvagem!


-Christ... -tento falar, mas ele me penetra e sinto a dor novamente. Belisco ele enquanto grito e ele para de se mover de novo.


-Amor, eu adoro que você grite, mas está parecendo uma atriz pornô.


Imbecil. Imbecil. Imbecil.


Meu Deus, será que o sexo vai doer agora? Falta uma semana para a Ale nascer, não posso ficar sem transar até lá. Abro a boca para dizer a Christopher para sair de dentro de mim, mas ele faz isso. Afasta-se e começa a tirar a camisa. É quando sinto algo molhar o lençol. Christopher deixa a camisa presa entre os braços e a cabeça e arregala os olhos.


-Dulce, amor. Você acabou de fazer xixi?


IMBECIL!


Finalmente consigo falar:


-A bolsa estourou seu imbecil, me leva para o hospital!


Vejo o rosto de Christopher perder a cor e ele parece não estar respirando.


-Christopher Uckermann! Não ouse desmaiar agora! Preciso que me leve a um hospital.


Ele concorda com a cabeça e tenta vestir a blusa de volta, mas ela fica presa na cabeça dele e ele começa a gritar:


-Anda! Passa logo! Dulce, calma amor! Anda!


-Christopher! -grito mais alto. -Venha aqui!


Ele se aproxima e desenrolo a blusa. Ele a veste rapidamente e enfia os sapatos de qualquer jeito nos pés, corre para um lado, para o outro e preciso gritar de novo.


-Hospital, Christopher!


-Claro, chamar uma ambulância.


-Ambulância, não! Levanta-me e me leva para o carro.


-Ok. -ele diz desesperado.


Corre até mim e me levanta no colo, me leva correndo até um de seus carros.


-A bolsa, amor. -peço.


-Eu vi que estourou.


-Não sua anta, a minha bolsa e a do bebê!


-Ah!


Ele volta correndo para dentro de casa e retorna pouco depois com as bolsas. Entra no carro e sai como um louco. Noto que está suando.


-Isso só era para estar acontecendo na semana que vem. -diz desesperado.


-Relaxa Christopher, fica calmo. Vai dar tudo certo.


Chegamos à maternidade e ele corre até uma cadeira de rodas, me deposita nela e sai correndo. Tiro a chave do carro do bolso dele e aciono o alarme, coisa que ele não se lembrou de fazer. Ele já entra na maternidade fazendo um escândalo, e sou levada imediatamente a um quarto.


Só quando sou depositada na cama e Christopher entra correndo atrás é que reparo como ele está. Então tenho uma crise de riso. Ele e a enfermeira ficam me encarando, como se eu fosse louca, mas não consigo parar de rir. Christopher está com um pé calçado e o outro não, a blusa de trás para frente e a calça aberta.


-Amor, olha como você está. -digo rindo. Meu riso dura até que a enfermeira pergunta:


-Senhorita Saviñón, por que está sem calcinha? -meu riso para, meu rosto esquenta e é Christopher quem está rindo agora.


-Vamos amor, explica para ela por que está sem calcinha. -ele diz fechando vagarosamente o zíper da calça. Reparo que a enfermeira está com os olhos vidrados no movimento dele.


-Eu, hum...estava apertada? -ela finalmente me encara, o rosto corado e de repente, começa a rir.


-O médico já virá atendê-la. -diz saindo do quarto.


Christopher fica uns cinco minutos rindo da minha cara, até o médico entrar. Que. Homem. Lindo. Sei que estou vidrada no médico, mas não consigo desviar o olhar. O homem é alto (muito alto), os braços musculosos cobertos por tatuagens, e com enormes olhos verdes. Lindo!


-Olá senhorita Saviñón. -ele diz beijando minha mão.


-É senhora Uckermann. -diz Christopher. -Quer dizer, quase senhora Uckermann.


O médico lindo cumprimenta Christopher e volta a atenção para mim. Ele começa a falar sobre o tempo e levanta o lençol que cobre minhas partes de baixo.


Ah meu Deus! Esse homem lindo vai mexer ali? Agora? Na frente do Christopher?


Olho para Christopher que está com os olhos arregalados e no segundo seguinte, o médico enfia os dedos em mim, sem o menor cuidado e fica apalpando lá dentro, como se eu fosse uma carne exposta em um açougue.


-Quatro centímetros, aguenta só mais um pouquinho. -ele pisca os olhos para mim e sai do quarto.


Eu aguento realmente só mais um pouco, pois logo as dores voltam, quase quebro os dedos do Christopher, o mordo, puxo seu cabelo, arranho seus braços. E ele fica o tempo todo tentando me acalmar. Grito como uma louca e fico chamando o açougueiro. Por fim um enfermeiro se cansa do meu escândalo e entra no quarto. Imediatamente Christopher pede:


-Será que você pode chamar um anestesista? Ela está sentindo muita dor.


-É normal quando as contrações vêm. Ela não pode tomar anestesia, só no caso do parto ser por cesariana.


O quê? Vou ter que ficar sentindo dor? Agarro a mão do enfermeiro e aperto com toda força.


-Está doendo! Chama um anestesista ou a porcaria do açougueiro! -ele arregala os olhos e tenta tirar a mão, mas aperto ainda mais.


-Vou chamar o médico! Vou chamar o médico! -ele diz com cara de dor.


-Viu como é ruim sentir dor? -ele assente e solto sua mão, então ele sai correndo.


-Eu sempre disse que você tem a mão pesada. -diz Christopher rindo. A dor me atinge novamente e grito:


-Christopher! -ele massageia um pouco a mão antes de colocá-la nas minhas. Começo a apertá-la e falar: -Você me paga por toda essa dor!


-A culpa não é minha!


-É sim, o bebê estava em você antes de estar em mim! Para que você colocou em mim?


-Calma, amor, calma! Já vai passar.


Finalmente o açougueiro aparece, agora nem o acho bonito mais. Ele sem cerimônia enfia a mão em mim e diz:


-Está na hora, vamos tirar seu bebê.


Finalmente! Não há palavras que possam explicar o que senti quando meu pacotinho foi depositado no meu braço. Esqueci imediatamente toda a dor que passei, todo o medo de não dar conta, quando aquela coisinha pequena encostou a cabeça na minha e parou de chorar. Nunca pensei que pudesse existir um amor assim.


Quando Christopher a pegou, as lágrimas desciam por seu rosto como uma torneira aberta. Ele a beijou mil vezes, e dizia que a amava. Nossa pequena princesinha.


******


Hoje Ale tem dois meses, é tão esperta e risonha!


Christopher ganhou um senhor tapa quando disse todo contente para Poncho e Chris que Ale não tinha herdado meu mau humor. Retruquei que tomara que não herdasse então a estupidez dele, e os padrinhos babões caíram na risada.


Vou me vangloriar agora, nunca derrubei meu bebê. Nem uma vez, nem dando banho. Christopher, quase a matou afogada na primeira vez que foi dar banho e só não ri mais da cara dele, porque a pequena chorou muito. Vou retirar um pouco minha glória ao confessar que todos os móveis da casa, contém leite. Sim minha gente, eu tenho tendência a virar a mamadeira. Não sei o que acontece, ela sempre escorrega da minha mão e espirra leite em todo canto. Por isso prefiro dar o peito. E também porque adoro a forma como ela fica me olhando quando está mamando.


Tirando as mamadeiras que não gostam da minha mão, e Christopher que definitivamente não sabe dar banho em uma criança, estamos nos saindo bem. Bem até demais. Ale está grande, fofíssima e sempre risonha. Hoje a trouxemos a U.C.A., para que os funcionários pudessem conhecê- la. Ela foi a sensação. Vesti nela um macacão vermelho com pequenas joaninhas desenhadas, seu cabelo castanho, a pele clara e os olhos do pai combinam perfeitamente com vermelho. Não teve quem não babou por ela. E olha que nem estou dizendo isso por ser uma mãe coruja. Fico impressionada em como uma coisa tão linda e pura pode sair de um p/au, mas o brilho da minha princesa foi ofuscado por causa de Christopher.


Estamos saindo da U.C.A., Ale esta adormecida no colo de Poncho, que não tem nojo da baba dela, (só para constar), Christopher à minha frente e eu andando de cabeça baixa. Quando o elevador do nosso andar se abre, três músicos saem de dentro dele, um com um saxofone, um com um violão e o outro com um violino.


-Mas o que...


Antes que eu possa terminar de falar, Christopher se ajoelha aos meus pés. Isso mesmo meninas, babem, eu disse que ele se ajoelha aos meus pés. Não diz nada, olha nos meus olhos. Não sei o que fazer, sei o que ele pretende, mas Ale ainda não cresceu, não sei se devo correr ou agarrá-lo. Olho para os lados e vejo que todos me olham, mais que isso, todas me olham. Mortas de inveja. Meu Deus! Estou no meu momento "deusa total". O homem mais lindo, delicioso e pervertido do mundo está ajoelhado aos meus pés.


-Eu já esperei demais. -ele sussurra enquanto abre a caixinha com as alianças enormes de ouro.


Ouço apenas duas coisas, o burburinho de admiração e meu coração batendo feito um louco.


-Eu te amo, você é minha vida. Isso resume tudo. E mesmo assim, não expressa quase nada do que sinto por você, vai muito além disso; muito além das palavras, dos risos e das vezes que fazemos amor. Vai muito além de sentir sua falta no minuto que você se afasta. Muito além de sonhar com você quase todas as noites e de saber que sou o homem mais sortudo do mundo, só porque posso acordar ao seu lado todas as manhãs. Eu te amo. É simples assim, é tudo isso.


Não sei o que dizer, não sei como agir. Eu o amo tanto! E ele é a melhor coisa que me aconteceu, graças a ele eu tive o melhor que poderia sonhar em ter. Sei que as lágrimas teimosas correm por meu rosto, e minha voz não sai.


-Dulce Saviñón, aceita se casar comigo?


Olho para ele, meu amado pervertido, o homem da minha vida. Abro meu melhor sorriso, que o faz arregalar os olhos, e digo em alto e bom tom:


-Não. -ele sorri.


-Não?


-Não mesmo. Vai ter que fazer melhor que isso.


Ele sorri novamente, me puxa para seus braços, ali no chão, e me beija. Quando nos afastamos, há algo pesado em minha mão.


-Christopher Uckermann, por que tem duas alianças enormes no meu dedo? -ele sorri e responde.


-Porque você é minha. Case-se comigo Dulce, não é uma opção.


Olho para ele, toco seu rosto que amo tanto, e digo com toda minha alma:


-Não.



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): AnazinhaCandyS2

Este autor(a) escreve mais 23 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

DULCE Nós estamos mesmo aqui. Nesse lugar cheio. Com esse homem a nossa frente, falando sem parar. Não consigo escutá-lo, estou muito nervosa, e ansiosa. Estou mesmo aqui? Estou mesmo fazendo isso? -Não acredito que estamos fazendo isso. -sussurro. -Dulce, segure a minha mão, cale a boca e sorria. -Christopher diz baixinho. -Acho que es ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 526



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • Giullya Postado em 17/03/2019 - 22:24:08

    Oii diva, estava lendo aqui essa história ai pah cheguei ao fim dela e fui ver quem escrevia, tinha que ser vc né pra fic estar um arraso desses! Parabéns arrasou demais, amei do começo ao fim. Sdd bjo <3

  • Tia_Olaf Grey♥ Postado em 07/08/2018 - 21:26:52

    Venho aqui divulgar minha primeira adaptação, se chama: No limite do seu desejo - Mal sabe Anahi que nesta casa há entre os filhos um misterioso moreno de olhos verdes sedutores, tatuado, arrogante e controlador, que segue sua vida conforme traça seus desejos. O Advogado Criminalista Alfonso Herrera será sua perdição e a fará viver dentro de seus limites. Mas será que Anahi terá amor e forças suficientes para conseguir viver no limite de seu desejo? Link: https://fanfics.com.br/fanfic/58362/adaptada-no-limite-do-seu-desejo-aya-18-anah i-alfonso-aya

  • yan10 Postado em 22/03/2018 - 19:06:40

    Acompanhe essa historia de amor e traição que tá mexendo com todos os leitores, FEMME FATALE https://fanfics.com.br/fanfic/57883/femme-fatale-rebelde

  • Dul ☮ Postado em 19/03/2018 - 13:22:25

    Nossaaaaaaa! Eu ameiiiii. Li em uma semana essa fi, não vejo a hora de ver a próxima. Beijos &#10083;&#65039;

  • vondytasiempre Postado em 01/03/2018 - 08:52:41

    Gente visitem la minha fanfic https://fanfics.com.br/fanfic/57802/irresistivel-vondy-e-um-pouco-ponny-hot-rebe ldevondy

  • MissMistake_Vondy Postado em 22/02/2018 - 14:59:32

    AAAAAAAAAAAAAH não acredito que acabou :( melhor fanfic que eu ja li ... dei muitas risadas dul maluquinha é a melhor <3 PARABÉEEEEEEENS

  • vondy_forever15 Postado em 17/02/2018 - 07:18:52

    finalmente..... agora eu sei oq é ter raiva odio e felicidade td ao mesmo tempo kkkkk leitoraa nova.... já to amando

  • linevondy Postado em 14/02/2018 - 13:39:46

    Quero mais linda, me avise quando tiver outra fic ADORO Suas fics! Muita luz e muito amor e o melhor pra ti <3 Beijo lindona *-*

  • linevondy Postado em 14/02/2018 - 13:38:58

    Awntttttttt vontade de chorarrrrrrr

  • linevondy Postado em 14/02/2018 - 13:38:27

    Vou sentir muitas sdds dessa fic, desse casal e dessa autora maravilhosa *-*


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais