Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: O Duque É Um Leão *AyA*Ponny* | Tema: Ponny, AyA


Capítulo: Cap 10

185 visualizações Denunciar


Capítulo Seis


Anahí tinha sido uma caçadora por tempo suficiente para reconhecer os sons de um animal quando os ouvisse.


Incapaz de dormir, estava reclinada na cama e olhava para a pedra do teto quando ouviu pela primeira vez o arrastar de um casaco grosso.


A velocidade e a intensidade da vibração contaram pequenas coisas sobre a criatura ao qual o ruído pertencia.


A vibração era mais lenta do que a de um cão. Ela nunca tinha possuído um, mas havia muitas expedições de caçada as raposas que trouxeram seus cães fiéis para persegui-las ou a outros pequenos mamíferos.


Ela tinha visto e ouvido cães suficientes para saber a intensidade e a velocidade das patas, e a criatura no corredor não combinava com ela.


Honestamente, o fato lembrava-lhe mais um urso. Lento, desajeitado, pesado, mas com um grande poder de força.


Ela estava certa de que, seja lá o que fosse, era enorme, e era poderoso.


A maldição estava contida dentro de uma criatura tão temerosa que os homens arrancavam seus olhos só de olhar para ele. Esta mesma besta estava fora de sua porta agora, agitando-se?


A mansão era grande, mas sabia que seria apenas uma questão de tempo antes que seus caminhos se cruzassem.


Por um momento, ela ficou petrificada em sua cama, olhando para o teto enquanto sua mente corria.


Ela queria ver essa criatura que se disfarçava de homem, mas estava pronta? Havia a chance de não sair do encontro com vida.


Ela o escutou movendo-se pelo corredor. Se ela não estivesse ouvido, tinha certeza de que teria passado sem ser detectado.


A besta sabia como se mover em silêncio, mas o clique de suas garras na pedra o denunciava.


Estava claro que ele tentava se mover silenciosamente, mas estava acostumada a ouvir os sons da floresta para caçar, e a mansão estava silenciosa, o que fazia mais fáceis de decifrar sons.


Ela tomou sua decisão.


Cuidando para mover-se lentamente e não fazer barulho, ela se afastou da cama e se arrastou em direção à porta.


No momento que ela trabalhou na maçaneta para abri-la, o animal estava no final do corredor.


Não havia velas acesas, e tudo que ela podia ver era a sua forma escura dentro das sombras, mais escura do que a passagem.


Era como se as sombras fossem atraídas para ele, o lado mais escuro da escuridão se agarrava à sua pele.


Um arrepio percorreu sua espinha, mas ela se recusou a ser abalada.


Ela saiu para o corredor e seguiu-o à distância, dependendo das sombras e dos passos silenciosos que tomou para mantê-la escondida.


Se a besta a visse, ela tinha certeza de que morreria.


Ele se moveu pelo corredor e virou na esquina, e ela o seguiu.


Finalmente, ele parou em frente a uma das portas da rosa.


Ela queria desesperadamente saber o que estava além dela.


Por que ela foi proibida? Não fazia sentido.


Quando a besta girou a maçaneta, ela se arrastou atrás dele e esperou a uma curta distância enquanto ele ia para dentro. Ele deixou a porta entreaberta e a luz da lua atravessou-a para fornecer luz ao corredor.


Ela queria ver o que estava no jardim, mas, mais do que tudo, queria ver com que tipo de criatura ela estava comprometida.


Sabendo que ela enfrentaria consequências por fazer isso, ela atravessou a porta e entrou no jardim após a besta.


Um galho estalou debaixo de seu pé, e a besta girou.


Seu olhar disparou para procurar seus olhos.


Instintivamente, ela sabia que era o movimento errado. O contato com os olhos era um sinal de agressão aos animais, e se a criatura fosse feroz, era um erro mortal.


Mas nada aconteceu.


Durante algum tempo ficaram congelados, olhando nos olhos um do outro.


O luar abafou a cor, mas tinha certeza de que eles eram escuros e bonitos.


Se fosse imaginá-los no rosto de um homem, eles teriam sido perfeitos.


Na cara da besta diante dela, eles eram abafados por quão temível e terrível era.


O pêlo vermelhado e emoldurando seu rosto, algumas seções longas e grossas como uma juba. A mandíbula da criatura se projetava para frente e formava um focinho, suas presas brilhavam perversamente à luz da lua. Seu nariz lembrava-lhe de um gato, só que muito, muito maior.


Ela não teve coragem de olhar para baixo em seu corpo e determinar o resto de seus detalhes, mas sabia que ele era incrivelmente alto. Com sete ou mais pés, ele era formidável.


Ela não chorou, nem desmaiou, ou de nenhuma outra forma se sentiu muda, diferente de uma reação inicial de desgosto.


Ela certamente não desejava arrancar seus olhos, como o padre Millard a levara a acreditar que ela faria.


A criatura era intimidante, aterrorizante, sim, mas ela tinha visto coisas terríveis na natureza. Animais feridos e mutilados, ou outras monstruosidades, e por enquanto, ela nunca tinha visto nada como ele antes, não estava apavorada.


Depois do que ela tinha sofrido, entendeu o que era ser olhado com desprezo e maldade, e ela não desejava fazer com que outro ser vivo se sentisse assim.


— O que você está fazendo aqui? — ele perguntou por fim.


O som de barítono de sua voz retumbou mais baixo do que qualquer homem que ela tinha ouvido antes, sacudiu sua alma e deixou-a abalada.


Por um segundo, tudo o que podia fazer era olhar para ele, sua inteligência desaparecida.


— Eu queria ver o jardim. — disse ela.


Era, pelo menos, uma verdade parcial.


Ela queria ver o jardim e a besta nele. Ambos foram proibidos.


— Você não deveria estar aqui. — as palavras que ele falou eram humanas, exceto pelo tom profundo.


Ela se perguntou qual o milagre, tentando imaginar quanto tempo levou uma criatura como ele para se familiarizar com palavras humanas.


— Eu sei. — ela disse suavemente.


Nenhum deles tentou se mover, e quanto mais tempo eles ficassem congelados, mais esperança ela tinha que poupasse sua vida.


— Foi errado da minha parte. Seu mordomo me informou sobre as regras. Eu as quebrei.


Enquanto falava, não conseguia parar de olhar.


Havia uma surpresa em seu olhar, mas também havia algo mais, algo que suavizou suas íris escuras e iluminando suas feições hediondas.


Naquele momento, ela foi capaz de desviar o olhar de seu rosto para descer pelo seu corpo.


A criatura estava em duas pernas, mas não eram humanas. Curvadas e articuladas como um animal, nunca tinha visto nada parecido como elas.


Suas pernas terminavam em patas, com garras, e suas mãos ainda tinham algo que se parecia com os dedos, também com garras. Ombros largos e um peito poderoso, disse a si mesma que a criatura era extremamente poderosa.


Atrás dele, mergulhando no chão, havia uma cauda delgada que terminava em um tufo de pelo, como um pincel.


A pele escura e grossa cobria todo o seu corpo.


— Você tenta a sorte... — a besta rosnou. — Você pensou que eu não iria percebê-la, me seguindo tão de perto?


— Eu entendo.


Não havia sentido em mentir. Ela acreditava honestamente que teria conseguido espreitar o animal e o jardim antes de voltar para a mansão. Tudo o que ela precisava era de alguns segundos.


O galho não lhe proporcionou isso.


A besta levantou seus lábios, expondo seus dentes afiados. Com um suspiro, ela deu um passo para trás em direção à porta.


Então, seria isso?


— Mulher arrogante... — ele rosnou. — Não é permitido vir aqui. Ou você acha que as regras não se aplicam a você?


— Não. — ela respondeu, o ombro dela bateu na moldura da porta. — Eu simplesmente queria satisfazer uma curiosidade. É a natureza humana querer fazê-lo.


 


 


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Mila Puente Herrera ®

Este autor(a) escreve mais 102 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

Foi uma desculpa fraca, mas era a verdade. Se o animal quisesse matá-la por causa disso, ela supôs que merecia. Antes de chegar, seu objetivo tinha sido a fuga. Se ela tivesse se concentrado nisso, ela teria ficado longe do jardim, e poderia ter tido uma chance de deixar a mansão com vida. O difícil teria sido se esgueirar em outra direç& ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 37



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • ponnyforever10 Postado em 24/09/2018 - 23:09:44

    AAAAA se casaram <33333. Amei a fic *---*

  • ponnyforever10 Postado em 22/09/2018 - 11:10:46

    Aii que nojo desses homens, ainda bem que Poncho salvou elas. Não acreditoooooo :(((

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 24/09/2018 - 22:35:05

      RIDYCULOS DEMAIS :@ Pois é, ainda bem <3

  • ponnyyvida Postado em 22/09/2018 - 03:03:41

    O comentário de baixo é meu tá ?! Hihi

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 24/09/2018 - 22:34:35

      FB e esse bug eterno...

  • Postado em 22/09/2018 - 03:02:48

    Meuuu Deusss como assim ?! Ele não pode morrer agora, não não :( Ele salvou ela *_* Awnt, são realmente uns bolinhos <3 Continuaaaa

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 24/09/2018 - 22:31:57

      Não pode msm :/ Salvou sim *--* Sãaaao <3

  • ponnyforever10 Postado em 20/09/2018 - 22:53:12

    Aii ele é tão gentil <333, a história das rosas *----*. Anahi é um amor vai ajudar ele *------*.

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 21/09/2018 - 23:15:51

      É sim *---* Triste mas fofa :/ Vai sim, será que dá certo?

  • ponnyyvida Postado em 20/09/2018 - 15:12:02

    Ainda bem que o site voltou, eu tava ficando louca já kakak Necessitava dessa fanfic <3 Ownt, eles tiveram a primeira conversa deles "normal" ;) Que fofo os dois *_* Continuaaaa

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 20/09/2018 - 22:23:15

      SIM, eu SURTEI a cada minuto dele fora do ar ¬¬ A primeira de muitas :3 Eles são uns bolinhos,.. :3

  • ponnyforever10 Postado em 19/09/2018 - 22:37:40

    Ele salvou o pássarinho *-------*. Ele ta tão feliz que ela não tem medo dele>3333

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 20/09/2018 - 22:21:49

      Salvou sim *---* O bichinho...

  • ponnyforever10 Postado em 19/09/2018 - 17:02:34

    Poncho assustou ela hein até eu assustei com os nomes das rosas sendo das mulheres pq sera :0. Ela não se assustou com a forma dele *--*

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 19/09/2018 - 22:13:29

      KKKKKKKKK Sim, é meio macabro, mas você vai descobrir o pq... SIM *--*

  • ponnyforever10 Postado em 15/09/2018 - 11:43:53

    Ele observando ela *----*. Eitaa finalmente ela viu ele quero só ver a reação dela :0

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 17/09/2018 - 00:05:54

      Sim :3 Olha aí... Vem mais :3

  • ponnyyvida Postado em 15/09/2018 - 04:02:27

    Aaaaa não creio que você parou bem nessa parteeeee :| Scrr, necessito saber o que aconteceu dps dissooo. A Any veio pra salvar ele *_* Posta maaaais <3

    • Mila Puente Herrera ® Postado em 17/09/2018 - 00:04:13

      Parei :3 Olha aí... Veio sim *--*



AVISO

BAIXE O APP PARA ANDROID - https://fanfics.com.br/download/FanficsBrasil.apk

 

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...