Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: A Garota Sem Passado | Tema: Caleb McLaughlin e Sadie Sink


Capítulo: Completamente Abertos

83 visualizações Denunciar


Mal consegui dormir, as circunstâncias não me permitiram. Gaten viria em casa hoje já que Millie e Noah sairiam, assim evitando que eles descobrissem. No fundo eu e Gaten sabíamos que ao menos parte daquilo era real, por isso mantínhamos em segredo.


Segredos. Eu ainda não havia me cobrado de que eu e Caleb já nos envolvemos amorosamente. Não poderia ser um simples beijo, afinal por que eu guardaria aquele momento se não fosse significativo? Fui tão cega esse tempo todo. Fora esse o motivo de Arthur se afastar e o mesmo pelo qual Millie me alarmar. Mas por quê? Sendo minha amiga, por que estaria me afastando de Caleb? Principalmente quando ela certamente sabia que tínhamos um relacionamento. De repente, muitas coisas fizeram sentido, assim como muitas deixaram de fazer. 


As lembranças que recuperei naturalmente quando vi seu rosto, e ao mesmo tempo, por que logo depois de me salvar, tentou me afastar? Nós havíamos terminado antes do ocorrido? Era hora de parar de ignorar todas estas pequenas coisas, e procurar pelos seus porquês.


Gaten chegou pouco depois do almoço, logo que Millie e Noah saíram para fazer compras juntos. Tio Mitchell trabalharia até mais tarde hoje, ou seja, teríamos tempo de sobra para descobrir o necessário sobre os Guardiões.


— Millie e Noah já foram? – Gaten diz subindo as escadas. – Que pergunta idiota, ouça esse silêncio. – Ele diz entrando no meu quarto. – Costumávamos dormir aqui em festas do pijama. – Deixa escapar um pequeno sorriso enquanto observa o novo visual do quarto.


— Deveriam me contar as coisas com mais frequência. – digo enquanto me sento na mesinha, tentei não soar tão magoada estava, afinal a culpa não era deles.


— O que quer dizer? – Gaten se aproxima.


— Nada, só... – Transformo minha feição. – Conseguiu algo novo?


— Na verdade, sim. – Ele abre seu laptop com destreza e acessa uma página, me sento ao seu lado na cama. – Consegui encontrar o escritor da página, ele está registrado como "Senhor PRR".


— Acha que é alguma sigla? – Pergunto.


— Provavelmente, escritores não costumam usar seus nomes completos, as vezes, nem os verdadeiros. – Gaten continua abrindo guias como o profissional de informática que é. – Cheguei a este email, não é um contato pessoal e muito menos de marketing. É um anônimo. – Ele morde os dedos sorrindo orgulhoso e contente de si. – Eu não queria me contatar sem antes mostrar para você.


Na tela do computador estava o perfil de um email sem fotos, números de contato, local ou qualquer tipo de informações úteis. Ao menos, não era privado, ou seja, poderíamos nos comunicar com ele.


— E está esperando o que? Vá em frente. – digo com ansiedade.


— O que deveríamos perguntar? – Gaten posiciona o laptop na mesa e se senta na cadeira, se aproximando da cama onde eu estava sentada.


— O que estamos procurando? – Pergunto. – Necessariamente.


— Do que os Guardiões são capazes, certo? – Ele diz receosamente.


— Resumidamente, sim. – digo, dando de ombros insatisfeita.


— Eu diria que estamos procurando o motivo do qual eles podem fazer o que fazem, como fazem, e se é possível inverter esse processo.


— Você quer dizer devolver...


— Os sentimentos ou lembranças de volta ao protegido, já que o futuro e morte devem ser restritos deles. – Ele completa.


— Perfeito. – Sorrio, realizada desta vez.


Gaten escreve uma pequena lista das perguntas, com saudações no começo e fim, agradecendo antecipadamente ao anônimo caso ele pudesse nos saciar. Assim que o email foi enviado eu continuei encarando Gaten, estranhamente. A sincronia de nossas perguntas era demais para uma simples coincidência. Desde que encontrei a foto em minha câmera, comecei a desconfiar e questionar se tudo ao meu redor era realmente o que eu pensava ser, e se deveria deixar que minhas paranoias tomassem um pouco da minha realidade, porque eram as que mais faziam sentido no final.


— Gaten. – O chamo. – Qual é o real motivo de estar nessa? – Ele fica em silêncio. – Eu quero dizer, você não quer que ninguém mais saiba, e parece tão confuso e preocupado. É como se tudo fosse real. – disse simplesmente tudo o que eu sentia. – Eu não sei...


— Tudo bem. – Ele me interrompe. – Eu sei que pode parecer louco para você, principalmente depois de tudo o que você vem passado, mas eu acredito, tudo bem? – Gaten confessa. – Eu acredito em tudo isso, porque é o mais próximo que eu cheguei de uma informação lógica do que pode estar acontecendo... Comigo. – Ele diz um pouco alterado.


— Ei. – Pouso minha mão cuidadosamente sobre a sua. – Eu não acho isso louco, na verdade, penso o mesmo. – Ele me encara com empatia. – Seria pedir demais sermos completamente abertos um com o outro quando se tratar disso? Seria mais fácil chegar a um consenso, não acha? – Ele suspira se preparando para tirar um peso dos ombros.


— Bem, tudo começou alguns dias antes de você ter voltado. – Gaten confessa. – Eu não desconfiava de nada até tocar as mãos de Sabrina quando ela chorava pelo término com o namorado, e sentir esse... Choque em meu peito, e ela, de repente parar de chorar. – Ele respira fundo. – Aquele sentimento continuou por dias, quase semanas, mas apenas até ela voltar com ele. – Gaten tomou folego. – E depois que você voltou... – Gaten deu uma longa pausa, se preparando para algo. – Eu sabia que era arriscado, mas eu tentei tocar suas mãos tantas vezes para tomar essa sensação de vazio que eu sabia que você sentia, mas você nunca deixava ninguém tocá-las. Foi então que eu suspeitei e comecei a procurar por isso.


— Gaten, você tentou... – Deixei uma lágrima cair de meu olho. – Eu não sei se um obrigado é suficiente, mas por enquanto é tudo o que eu posso te dar. Não tenho alguém melhor para confiar.


— Não tem nada nesse mundo que eu não faria para ver você feliz, Sadie. – Gaten sorri. – E se sentir que não é a hora para me dizer isso, tudo bem.


— Eu disse "completamente abertos". Estaria sendo injusta com você. – Enxuguei uma lágrima do meu rosto. – Depois de acordar do coma na clinica, eu conheci um garotinho, Thomas. Passava a maior parte do tempo com ele. Thomas tinha um câncer maligno no cérebro que acabou o causando autismo. – Uma outra lágrima correu pela minha bochecha. – Um dia eu toquei sua mão e... – Um gemido escapou da minha garganta. – Eu o vi morrer. Passei dias dormindo do lado de fora do seu quarto, até que aconteceu. Mas o pior de tudo é que eu não pude fazer nada. Perguntava todos os dias para sua mãe e os enfermeiros, mas eles nunca tinham a coragem de dizer o que eu já sabia. E como eu contaria algo assim a mãe dele? Eu só pensei que houvesse chegado ao auge da loucura, nunca contei sobre isso à ninguém.


— Sadie. – Gaten me puxa contra seu peito. – Eu não acredito que passou por tudo isso sozinha, os médicos nunca nos deixavam te ver, embora te deixássemos flores todos os dias.


— Vocês... – Sorrio.


— Nunca deixamos de te visitar, mesmo que pela janela.


— Eu não fazia ideia até vê-los na escola. – Admito.


— Sadie. – Gaten, de repente desvia o assunto. – Qual foi a primeira lembrança que recuperou?


Hesitei. Eu devia isso a Gaten, afinal eu tinha pedido sinceridade.


— Um nome. – digo de olhos fechados.


— De quem?


— Caleb. – disse rapidamente.


— Tem acontecido? – Gaten encara profundamente meus olhos, estava me estudando.


— Sim. – Tento não desviar o olhar. 


— Você já descobriu, não é mesmo? – Ele deixa um sorriso sacana no rosto.


— Noite passada, na verdade. – Me levanto da cama.


— Ele não queria que ninguém dissesse, eu sinto muito. – Gaten encolhe os ombros.


— O que? Por quê? – Pergunto indignada.


— Eu não sei realmente, deixamos de nos falar depois dessa discussão.


— Discussão?


— Nós todos estávamos em choque com tudo o que havia acontecido com você, mas Caleb sempre pareceu saber de algo mais que todos nós, afinal ele era seu namorado, vocês deveriam ter segredos. – Gaten aponta o óbvio.


— Espere um segundo, todos éramos amigos? Incluindo Finn e Caleb?


— Sim, na verdade foi assim que você e Caleb começaram a... Você sabe. – Ele ainda estava na negativa, indiferente de mim. – Se me permite perguntar, quanto você sabe?


— Nunca o suficiente, eu garanto. – digo roendo as unhas.


— Tudo bem, mas como você descobriu sobre Caleb?


— Olhe, eu ainda não sei como funciona, mas tem algo que acontece com as "nossas" mãos. – As estendo. – Thomas foi a única experiência como aquela que eu tive, nunca ousei tocar nas mãos de outra pessoa de novo, até ele tocar as minhas e algo diferente acontecer...


— Você só tocou as mãos de Caleb desde o ocorrido com Thomas. Mas o que aconteceu, então? – Gaten se levanta.


— Eu não sei dizer ao certo, as vezes vejo coisas surreais, as vezes parecem memórias reais. – Uma ideia surge.


Corro até meu armário, retiro a câmera Canon dele e procuro desesperadamente a foto.


— Aqui. – Mostro a foto onde eu e Caleb nos beijávamos na cachoeira Hartley. – Você Millie, Finn e Noah estavam conosco neste dia?


— Sim, isso foi na trilha do ano passado. – Gaten observa mais atentamente a foto. – Em 12 de Outubro, especificamente, por quê?


— Eu sabia. – Me levanto da cama convicta da minha teoria.


— Sabia o que? – Millie e Noah perguntam em uníssono adentrando o quarto.


Gaten esconde a câmera atrás das costas e eu fecho seu laptop em um mesmo segundo. Os sorrisos amarelos em nossos rostos não foram convincentes, eu admito.


— Olha, o que quer que vocês dois esquisitos estivessem fazendo não nos importa mais. – Millie joga quatro roupas embaladas sobre a cama.


— O que significa isso? – Gaten aponta.


— Meu Deus, vocês são esquisitos mesmo. – Millie diz fazendo careta e desembrulhando as roupas dos sacos.


— Hoje é a noite mais especial do ano, manés. – Noah diz indignado.


— Halloween. – Millie nos mostra as fantasias.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a):

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).

- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Um penteado simples, roupas feitas a partir de trapos, uma bota preta e um sabre de luz. A não ser pelo cabelo ruivo e as sardas aparentes, eu era a Rey perfeita. Millie nunca deixava de me impressionar com seu senso artístico. Se foram duas horas até que todos estivéssemos prontos. Noah e Millie deram vida aos ícones Princesa Leia e Han So ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 0



Para comentar, você deve estar logado no site.



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...