Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Me Dê Isto ADP Levyrroni {One Shot} +18 (Finalizada) | Tema: Levyrroni


Capítulo: | 4 |

149 visualizações Denunciar


Maite não podia acreditar que estava fazendo isto. Ainda atordoada pelo beijo poderoso, aqui estava ela, totalmente nua na frente de magnífico e sensual, William, ridiculamente andando pela sala nua, com duas pequenas bolas rolando no interior de sua vagina e enviando faíscas incríveis de calor por todo seu corpo cada vez que ela dava um passo. Os olhos de William estavam devorando cada polegada de seu corpo.


–Hum, que tal um pouco mais de vinho?


Deus, ela precisava de algo, se ela iria se mover com aquelas bolas dentro dela. Ela já podia sentir mais sucos escorrendo de sua vagina e molhando suas coxas.


William levantou a pequena bolsa rosa de Encantos da Diana, e em seguida deu uma pequena mordida em cada um dos mamilos de Maite.


–Que tal nós passarmos agora para o quarto, onde nós dois estaremos mais confortáveis, e podemos beber o vinho lá dentro?


–C–Certo.


Seu olho de uma cor claros estavam fixos nos seus.


–Tendo outros pensamentos, May? Porque uma vez que nós entrarmos naquele quarto, o trem decola. Se você quiser mudar de ideia eu entenderei, mas está é a hora para me dizer.


May respirou fundo e disse.


–Não. Eu não estou mudando de ideia. O quarto é o nosso caminho.


Ela caminhou para o pequeno corredor, sabendo que os olhos de William estavam presos sobre suas nádegas, que balançava seus quadris um pouco. O Que foi mais difícil do que ela pensou, porque aquelas pequenas bolas estavam rolando ao redor de seu útero em sua vagina, e sua pobre vagina já estava clamando por poder gozar, ela pedia foda-me, foda-me.


Em seu quarto ela forçou-se a uma calma, que ela não sentia, e acendeu as velas que ela colocou em torno do quarto, os aromas de jasmim e mimosa enchendo o quarto. O aparelho de CD estava pronto com suas seleções de cabeceira, e ela apertou o botão para ligar o aparelho. Ela estava preste a virar para ver onde William estava quando ela sentiu seu corpo pressionando o dela por detrás e suas mãos em forma de taças agarrarem seus seios.


–Você tem os seios mais incríveis que eu já vi Maite. –ele murmurou. –Tão atrevidos e perfeitos. E seus mamilos… eu poderia brincar com eles a noite toda.


Como para dar ênfase ao que ele disse, ele tomou seus mamilos entre o dedo polegar e o dedo indicador e começou a puxar e enrolá-los como tinha feito mais cedo.


–Eu vou levá-los a minha boca e chupá-los até que você não aguente mais. E cada vez que eu apertá-los como agora... –ele apertou –Você sentirá isto diretamente no coração de sua pequena e nua buceta. Sente isto?


-Oh, sim.


Ela recostou-se contra ele, um calor corria por todo seu corpo, e sentido a ereção de seu pênis contra ela através da calça jeans. O perfume masculino preencheu suas narinas e os pelos encaracolados de seu tórax roçavam em suas costas.


–Tire suas roupas. Eu quero olhar para você, também.


–Em um minuto. –ele murmurou.


Então ele deu uma mordida suave na pele sensível onde seu ombro encontrava com seu pescoço, e ela sentiu um aperto em sua vagina. Quando ela ligeiramente se moveu as bolas em seu interior também se mexeram, e um calor alucinante partiu de seu interior por todo seu corpo novamente.


–Ficando mais quente, Maite?


Ele deslizou uma mão até sua vagina, separou os lábios com os dedos e entrou por sua fenda.


–Oh, sim. Quente pode começar a descrevê-lo para mim? Você está mais molhada que uma tempestade. Isto é bom, May. Eu gosto de uma mulher que pode inundar minha mão e minha boca. E meu pênis.


Ele moveu sua mão ao redor e correu seu suco com o dedo espalhando-o sobre a fenda de sua nadega.


–Você gosta disto? –Ele moveu seu dedo de cima até embaixo.


–Sim.


Ela moveu sua nádega contra ele. Então, ela percebeu que ele gostava quando ela dizia o que estava sentido e em mais de uma palavra, ela adicionou.


–Eu amo sentir seu dedo em meu ânus.


–Bem, não é real, mais nós vamos começar a cuidar disto agora mesmo. –Ele voltou a mordiscar em seu ombro. –Se eu fosse adivinhar, eu diria que você nunca transou por trás antes, então se nós formos fazer isto hoje à noite, nós teremos que ter certeza que você estará pronta.


Segurando-a com um braço ao redor de sua cintura ele se abaixou e puxou um de seus travesseiros para a extremidade da cama. Então ele a curvou acima disto, usando um pé para espalhar suas pernas bem largas. As bolas rolaram uma contra a outra e Maite sentiu sua vagina vazando novamente.


William se abaixou e esfregou seus dedos contra os lábios de sua vagina, juntando toda a umidade.


–Maite?


–Mmm? –Por que ele queria continuar conversando?


–Eu quero que você agarre as bochechas de sua nádega e as separe para mim. Eu preciso de ambas as mãos, e eu quero ter muito cuidado com esse ânus doce e virgem.


Maite respirou fundo, esticou seus braços para trás e puxou as bochechas de suas nádegas separando-as tão largo como ela podia, Oh. Meu Senhor. Bem, você quis isto, menina. E William certamente aprecia o que você está oferecendo para ele, sua vagina ficou ainda mais molhada conforme ela ouviu o silvar da respiração de William.


–Magnífico. Incrivelmente magnífico.


Em seguida seus dedos estavam lá, espalhando a umidade que ele tinha recolhido de sua vagina, espalhando esse suco por todo o anel de seu apertado ânus. Em seu primeiro toque uma excitação escura como um tiro de luxúria passou por ela. Eu finalmente vou fazer isto. Eu finalmente vou conseguir ter uma transa anal. E com um homem que eu poderia ficar na cama por toda minha vida.


Ela sentiu sua unha raspar ligeiramente contra a abertura, e em seguida sua mão se afastou.


–Não pare. –Ela meneou seu traseiro para ele e tentou se abrir mais. Ele estava planejando torturá-la, também?


William riu um som profundo, e áspero.


–Eu estou só pegando algum desses lubrificantes que estão em sua bolsa de brinquedos. Seu ânus é muito apertado, May. Eu não quero machucar você. –Então ele se debruçou acima dela e pôs sua boca perto de sua orelha. –Eu preciso começar a alargar você para meu pênis. A última coisa que eu quero é machucar você. Eu estou indo para dar prazer a seu ânus assim você implorará por mais.


Maite tremia com uma emoção escura que corria por sua espinha.


–Então eu vou abrir aquela nádega virgem com meus dedos primeiros. -William continuou. –Certifique-se que é bom e agradável. Então nós vamos trabalhar com a menor tomada que você comprou certo?


Ela concordou com a cabeça.


–Só pare de conversar e faça algo.


William riu novamente, um som morno.


–Você amará isto, May. Eu prometo a você.


Então ela sentiu algo fresco contra seu ânus, o dedo corrediço de William cuidadosamente dentro de seu canal escuro, espalhando o lubrificante ao redor. Ele moveu seu dedo dentro e fora, a sensação cravando uma necessidade dentro dela.


–Dois dedos agora, Maite. Deus, eu desejava poder me conseguir inteiro aqui. Você é tão fodidamente apertada. Eu não posso esperar para ter meu pênis aqui.


Ela o sentiu deslizar dois dedos dentro dela, então puxá-los para fora e de repente ela se sentiu estirada até o limite, a pele queimando.


–William?


–Três dedos, May. Só relaxe. Respire por sua boca. Eu não quero que a tomada de alvo a machuque quando entrar.


Ele fodia seu ânus com os dedos, movendo-os para estirar e soltar seus músculos.


–Isso é outro tratamento para você, Maite.


Ele retirou sua mão e no segundo seguinte ela sentiu uma palmada afiada em sua nádega Surra! Ela tinha lido tudo sobre como ela estimulava os nervos, mas ela não estava preparada para o fluxo de calor que se espalhou em sua vagina e clitóris.


Ela esperou pelo próximo tapa, e quando não veio, ela virou a cabeça, tentando vê-lo.


–Mais, -ela implorou. –Por favor.


Havia aquela risada novamente.


-Por que, Maite Perroni, eu acredito que você poderia ficar viciada em uma boa surra.


Ele aterrissou outro tapa, e ainda outro. Com cada tapa seu corpo empurrava as pequenas bolas em seu ventre, deixando sua vagina mais quente e mais molhada. Quando William deslizou seus dedos atrás em seu ânus, então a espancou novamente, ela sentiu correr pequenos tremores por todo seu corpo e sua vagina convulsionou-se. Ela agarrou a ponta da coberta de sua cama, chocada com o orgasmo que ela estava tendo sem nem usar um vibrador ou um pênis.


–Oh, querida. -Ele colocou um beijo em cada uma das bochechas de sua nádega. -Você é definitivamente uma pequena muito quente. Eu estou tão contente que você tenha guardado isto tudo para mim. -Ele aterrissou um último tapa. -Certo, morena vai respirar fundo para mim, não vai?


Ele apertou a tomada de alvo bem engraxado contra a roseta de seu ânus e começou a empurrar.


May tentou afastar-se, mas seu braço nas suas costas estava segurando ela no lugar.


-Não lute contra isso, May. Você pode suportar isso. Se você não puder tomar isto, você não poderá tomar meu pênis, e eu não poderei foder seu ânus. Você não quer que isso aconteça, não é?


Ela agitou sua cabeça e se forçou a relaxar. William retomou a pressão e então, com um último empurrão, a tomada era acomodada por toda sua extensão. Ele deu um último tapa em sua nádega, e May pensou que ela poderia desfalecer com sensações que a inundou.


-Sinta como é bom, morena?


May acenou com a cabeça.


-Não se mova. Só fique nesta posição por um minuto.


Como se ela pudesse fazer qualquer outra coisa. May estava concentrada em não permitir outro destes mini orgasmos alcançá-la. Ela ouviu sons atrás dela, e então o sentir de carne morna contra as bochechas da sua bunda. Seu membro! Ela tentou menear de volta contra ele.


-Uh uh. Não ainda.


Ele alcançou debaixo dela e a sacudiu, então de repente que as bolas em sua vagina colidida contra ela, enviando ondas de choque por seu ventre e fazendo seus músculos internos se apertarem. Ela deixou seus olhos viajarem em todo o cumprimento do corpo nu de William.


O cabelo escuro em seu tórax indo em direção do seu umbigo e terminava em um ninho de cachos acima de se seu pênis. E que pênis magnífico que era, inchado as proporções incríveis, as veias grossas pulsavam, a cabeça purpúrea escura brilhando com uma gota de pré-sêmem. Ela pensou sobre ter tudo aquilo dentro de sua vagina e de seu ânus e um calafrio de antecipação correu por seu corpo.


William correu o dedo pela cabeça de seu pênis, então esfregou seu dedo contra os lábios.


-Do jeito que gosta May?


Quando ela concordou com a cabeça e lambeu os lábios ele disse:


-Espere até que você me leve em sua boca e eu preencha com muito mais disto. Eu só não posso esperar para sentir esses seus pequenos lábios ao meu redor e sua língua a me acariciar. -Ele se inclinou para a frente e a beijou. -Mas hoje à noite é tudo para você, querida.


Enquanto ele falava sua mão suava e May viu em seus músculos tensos.


William estava tão quente quanto ela.


Ele a deitou de costas na cama, meio curvada com suas pernas separadas o mais longe possível e plantou seus pés no colchão. Ela ouviu um baque de leve e levantou um pouco a cabeça e viu William ajoelhado na frente dela.


Então ela sentiu seus dedos acariciando os lábios de sua vagina, esfregando a venda e em seguida deslizando dentro dela. Seus músculos apertavam-se embaixo dele e ele riu e retirou a mão.


-Que vagina doce, eu não sei se quero foder você primeiro ou comer você ou assistir você se masturbar com um desses vibradores que você comprou. O que você acha May? Qual você gostaria primeiro?


-Qualquer coisa, -ela ofegou. -Só faça algo.


Entre as pequenas bolas e seus dedos maus ela estava tão quente que ela não se importava com o que fosse primeiro.


-Bem, vamos tentar uma combinação. Relaxe, morena. Nós temos a noite toda.


William teria se masturbado se seus dedos já não estivessem ocupados explorando a úmida e rosada vagina depilada que seus olhos se deliciavam de ver.


Quem pensaria que o pequeno botão de pêssego da porta ao lado que ele cobiçava por tantos meses, seria tão quente e gostava do mesmo tipo de sexo que ele.


Então, tudo bem está será sua primeira vez, com este tipo de sexo, mas ela disse a ele que sonhava em fazê-lo com ele- sobre ele! – E ela tinha comprado todo aquele material. Ele iria fazer à noite tão memorável para ela que ela nunca mais iria querer deixá-lo. Seu pênis ficava duro só de pensar.


Ele ligou a tomada de alvo.


May gemeu e sua vagina ficou ainda mais molhada. Nossa, aqueles pequenos sons que ela fazia era suficiente para fazê-lo gozar só escutando aqueles gemidos de prazer, doce e silenciosos que saiam de seus lábios. Ele respirou fundo, lembrando a si mesmo para manter o controle. Ele estava determinado a controlar seu próprio orgasmo até que ele satisfizesse May de todo modo que ela sonhava. Se ele puder, claro.


-Certo, amor. Aqui vamos nós.


Alcançando a bolsa de compras rosa que ele tinha colocado ao seu lado, ele tirou o pequeno Foguete de Bolso; Uma boa coisa para começar. Ele podia arreliar e a atormentar com ele e ainda tinha uma mão e sua boca livre para usar nela. Ligando o aparelho, ele correu isto suavemente em torno dos lábios de sua vagina, prendendo-a no lugar com sua outra mão quando ela se mexeu ao seu primeiro toque. Ele sorriu quando viu o tanto de lubrificação que saia de sua vagina.


De cima abaixo ele correu isto, primeiro no lado de fora, então no lado de dentro. Ele podia ver os músculos em sua vagina começar a tremer e ele moveu sua outra mão seu dedo polegar alcançou seu clitóris. Movendo o Foguete em direção a sua abertura, ele começou a beliscar e enfatizar seu clitóris com o vibrador. May gemeu mais alto e tentou mexer seus quadris.


Ele estava fascinado assistindo a carne lisa de sua vagina ir mudando de cor se avermelhando, e quando ele deslizou o Foguete para dentro de seu corpo ela quase saltou sobre a cama. Ele soube que as vibrações estavam estimulando as bolas que ele partiu nela, e o empurrar de seus quadris disse a ele que ela estava subindo a extremidade de um orgasmo.


-Está bom, morena? -Quando ela não respondeu ele comprimiu seu clitóris novamente. -Vamos, May. Eu quero ouvir você me dizer exatamente como se sente ou eu pararei.


-Não, não, não. -Ela falou desesperada. -Não pare, não pare, não pare.


-Então me diga, morena. Isso faz sua pequena vagina parecer deliciosa e quente?


-Simmmm. -Seus quadris saltando. -Sim, faz. Eu posso sentir cada polegada deste vibrador dentro de minha vagina. Deus, William, estás bolas estão se remexendo dentro de mim, faz parecer que minha vagina vai explodir em chamas.


-Você é só gozo, bebê. Todo esse delicioso líquido que sai de você. Eu só tenho que provar. -Ele, retirou o vibrador, se inclinou e passou sua língua do início de sua fenda até o final, e então voltou a introduzir o vibrador. -Mmmm. Você tem um sabor de damascos, May. Damascos, deliciosos.


Ela se contorcia tanto que ele mal estava conseguindo segura-la. Ele segurou suas coxas separadamente com seus ombros largos, mas suas mãos seguravam o vibrador no local fazendo seu trabalho e seguravam May para não saltar da cama.


Sua vagina tremia e gotejava toda vez que ele passava o polegar por seu clitóris, fazendo com que ela desse outro pequeno grito.


-Por favor, William. Por favor, por favor, por favor.


Seu tórax estava levantando com seu esforço para respirar e um brilho suave de transpiração cobria sua pele. William quis lamber cada centímetro dela; Ela pareceu tão tentadora.


-Por favor, o que, morena? Deixar você gozar?


-Sim, sim, sim. Eu tenho que gozar. Oh, por favor.


-Certo, bebê. Vamos ver essa quente e pequena vagina se tornar selvagem.


Ele aumentou a velocidade no vibrador, empurrou mais fundo dentro dela de modo que chegou a tocar as pequenas bolinhas em seu interior, e com sua outra mão pressionou seu clitóris e o puxou.


May explodiu, em pequenos gritos que saiam de seus lábios, sua seiva saindo de tal modo que inundou a mão de William e vazou até seu ânus. Ela retirou as pernas de seus ombros na tentativa de fechar as pernas, mas ele a segurou totalmente aberta, observando cada pequeno espasmo através de sua lisa vagina.


O Foguete incansavelmente aumentava sua velocidade, levando-a cada vez mais rápido, até que finalmente William viu os tremores irem diminuindo de velocidade, as coxas de May diminuíram a pressão sobre os ombros de William e seu corpo começou a relaxar.


Quando suas coxas finalmente caíram separadamente e ela voltou a ansiar por ar ele desligou o vibrador, colocou-o sobre a cama, levou seus longos dedos para dentro dela alcançando as bolinhas de marfim para retira-las. Subiu na cama com ela, abraçando-a e beijando-a ainda com o gosto de seus sucos nos lábios.


-Saboreie você mesmo em mim, May, -ele persuadiu. -Saboreie o quanto você é doce.


Obedientemente ela correu a ponta de sua língua acima de seus lábios, então abriu sua boca para ele.


-Bom, morena? -Ele ergueu sua cabeça e lambeu ao longo de sua mandíbula.


Ela acenou com a cabeça. Seu corpo estava ainda tremendo com réplicas e ele podia sentir quanto seu coração estava acelerado.


-Sim. Oh, sim. É bom.


-Eu estou contente. Mas você sabe que é só o começo. Nós temos muitos mais brinquedos para usar. -Ele esperou até que ela se acalmar completamente, então sentou-se e a puxou com ele. -Que tal aquele vinho?


 


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): felevyrroni

Este autor(a) escreve mais 4 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

A cabeça de May estava girando e Will nem tinha colocado seu pênis nela. De todos os orgasmos que ela teve, aquele que ela deu a si mesma e as imitações baratas que ela teve com os caras que ela namorou nada se comparava com o que ela estava vivendo... E isto era só o início, ela não estava certa de como ela lidaria com escalad ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 4



Para comentar, você deve estar logado no site.



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...