Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Me Dê Isto ADP Levyrroni {One Shot} +18 (Finalizada) | Tema: Levyrroni


Capítulo: | 6 |

75 visualizações Denunciar


O vinho, junto com o aroma calmante das velas e as melodias suaves da música no CD play, foram acalmando os nervos de May. Inclinada no forte corpo de William, dava-lhe um sentimento estranho de conforto juntamente com o desejo sexual.


Ela curvou sua cabeça suficientemente para esfregar seu rosto nos cabelos encaracolados de seu tórax, então moveu sua boca e mordiscou-lhe os mamilos várias vezes, Ela nunca antes tinha se sentido tão exausta e ao mesmo tempo com tanta excitação. Até no esgotamento seu corpo exigia mais, queria mais.


William segurou suas bochechas com as mãos em forma de xícaras e afastou seu rosto para longe.


-Eu disse a você, que teríamos tempo para mim mais tarde. Eu estou por demais excitando e com dificuldade para me controlar, você sabe como é.


-Então foda-me agora, William.


Ela esfregou seu peito descendo sua mão para áreas mais suculentas.


-Eu não quero esperar mais. Para sentir você dentro de mim.


-Sim, você aguenta.


Ele levantou seu rosto e lhe deu um profundo e duro beijo, sua língua devorando cada recanto de sua boca, sugando-a antes de deixá-la ir.


-May, esta é a melhor noite de sexo que eu já tive em minha vida e eu não quero apressar isto. Nós dois quase não usamos nem metade daquela sua bolsa de brinquedos. Eu sei que esta é sua celebração de aniversário, mas maldição, eu não estou certo qual de nós está tendo o melhor presente.


Ela deu uma risadinha e engoliu o resto do vinho.


-Tudo bem. Eu não quero apressar nada, então. Mas eu estou tão quente para você.


Nossa, era realmente ela que estava conversando? Era o vinho ou William fazendo ela sente assim?


-Não mais que eu estou por você, bebê.


Ela virou o rosto em seu ombro.


-Você vai pôr a terceira tomada agora?


Ele riu.


-Quem pensaria que Maite Perroni seria tão quente a espera de ter seu traseiro saqueado. Você realmente gosta disto?


-Mm Hmm. E William?


-Sim?


-Você me espancará primeiro e colocará seus dedos em mim novamente? -Seus braços apertaram-se ao redor dela e pelo canto de seu olho ela pode observar seu pênis ficar ainda mais ereto.


-Jesus, May. Sim, mas tenha piedade de meu pobre Pênis. Não diga coisas assim muito altas, certo?


-Mas eu quero que você goze, também.


-Eu gozarei, quando for ao momento. Este é o seu presente de aniversário, entretanto, e eu quero que você experimente todas as coisas que você imaginou.


Ela sorriu.


-Obrigado.


Ela beliscou um de seus mamilos e sorriu quando ele pulou. -Só faz isto, certo? Dê-me isto agora, William. Eu quero ver se eu posso suportar isso.


Ele beijou sua fronte.


-O prazer é meu. Vai ser um pouco diferente desta vez.


Antes dela poder perguntar a ele o que ele queria dizer, ele engatou-se para trás na cama e a colocou sobre seus joelhos.


-Mais um pequeno zumbido, certo?


A tomada começou a vibrar em seu ânus novamente, e quando o primeiro tapa queimou nas bochechas das nádegas, o calor queimou o seu caminho através dela e da emoção escura que pulsava em sua vagina.


Ela nunca acreditaria que uma surra podia fazer que ela se sentisse tão quente e necessitada. Ela esperou pelo próximo bofetão, e quando não veio ela disse, -Mais, William. Eu quero mais. Não pare.


Os tapas não tinham nenhum ritmo especifico, de modo que ela não poderia antecipar quando seria o próximo, apenas a fome por eles. As bochechas de seu ânus estavam queimando com um calor sexual incrível, sua vagina doía e ela sentiu os sucos que começava a correr dela novamente. Senhor, onde estava vindo tudo isso?


-Eu estou desligando o vibrador, May, e vou retirá-lo. Respire profundamente.


Em seguida o vibrador tinha sido retirado, mas as palmadas recomeçaram.


Desta vez com a mão esquerda, com a sua mão direita ele começou a remexer em suas coxas e os dedos mergulharam em sua vagina latejante.


Ele começou a remexer seus dedos dentro dela e intercalar com as palmadas, mas os movimentos não eram coordenados, então ela não podia antecipar qualquer um. Mais e mais rápido veio os tapas, e os dedos mergulhando mais profundamente e mais difícil.


Ela começou a se curvar sobre ele, exigindo as palmadas em seu traseiro, e remexer de seus dedos em sua vagina, e da queimação que começava a fazer relaxar mais uma vez. William removeu seus dedos e ela quis gritar para ele os pôr de volta.


Então ela sentiu o frescor do lubrificante em seu ânus, as palmadas pararam, mas ele deslizou dois dedos, logo depois o terceiro todos muito bem lubrificados. E os outros dedos voltaram a remexer em sua vagina. Num ritmo acelerado.


Agora em vez das palmadas trabalharem atormentando sua vagina era os dedos que a fodia. Que a estava levando a loucura. As mãos empurrando forte e rápido, ela começou a empurrar-se para ele, tentando empalar-se em ambos os dedos, enquanto se dirigia para outro clímax.


Sua mão saiu de sua vagina, para pegar seu clitóris e puxá-lo, arrastando-o para baixo e puxando-o, e esse foi o ponto que a levou a ter outro orgasmo, sacudindo-a, apertando sua vagina no ar.


-Seus dedos, -ela gritou. -Empurre seus dedos de volta em mim.


-Em um minuto. -Sua voz estava áspera com a luxúria.


Com ela curvada e se remexendo em seu colo, ele separou as bochechas de seu traseiro e com um único movimento enterrou nela a maior tomada que May tinha comprado. May gritou e se contorceu, xingando-o enquanto sua vagina implorava necessitada. Ele deslizou quase sua mão inteira dentro dela e ela o inundou, seus músculos apertando-se conforme ela chegou a mais um clímax.


Quando o último e pequeno vislumbre diminuiu, William a ergueu colocando-a na cama e se deitando ao seu lado e a abraçou. Ele deu pequenos beijos no canto de sua boca, -Você gostou, docinho? Você gosta assim?


-Sim. Eu amei isto. -Ela meneou seu traseiro. -Eu não posso acreditar que você conseguiu introduzir aquela grande tomada dentro de mim.


Ele deu um beijo em seus lábios.


-Seu ânus que era tão apertado, está ficando bonito e solto agora. Quando eu coloquei três dedos e você nem vacilou, então eu soube que não haveria problema. -Ele sorriu. -Conseguir que meu pênis entre lá depois desta tomada será uma coisa fácil.


-Sabe, é tão estranho. Eu gozei tão forte tantas vezes, mas me sinto pronta para fazer tudo de novo.


-O sexo luxurioso consegue seus sucos fluindo, bebê. Você pode ficar nessa excitação sexual a noite toda.


Ela olhou para ele.


-Você faz muito isso? Com muitas mulheres?


Ele balançou a cabeça.


-O que eu fiz antes não conta. O importante é hoje à noite, é isso que conta. E para mim é como se estivesse fazendo pela primeira vez. Você é tão receptiva, May, e tão ávida. E você não me olha censurando por eu gostar de fazer estas coisas com você.


Ela franziu a testa.


-Você está brincando? Você fez tudo que eu quis. Você é a pessoa que eu estava procurando. Eu estava preocupada com o que você pensaria de mim, bem, sabe que você seria...


-Aborrecido? Desligado? -Ele balançou a cabeça. -Inferno, não. Se eu soubesse que você gostava deste tipo de material, e queria fazer isto comigo, eu teria batido a sua porta.


Ela puxou sua cabeça para a sua, e o beijou sua boca aberta, torcendo a língua dela com a dele. -Eu estou contente por ter tido coragem de perguntar a você se queria festejar meu aniversário comigo, estou tendo um aniversário maravilhoso.


-E não está terminado. -Ele se sentou e a puxou com ele. -Agora é tempo para experimentar outro brinquedo. Você está pronta para isto?


-Oh, sim. -Ela estremeceu em antecipação. -O que nós vamos fazer agora?


-Eu penso que nós devíamos destacar o Sr. Coelho. Já usou um antes?


Ela negou com a cabeça.


-Diana me disse que era melhor que o vibrador que ela tinha.


-Se Diana escolheu isto para você então você amará isto. Ela conhece seu material. -Ele a colocou com as pernas na borda da cama novamente e ajoelhou na frente dela. -Mas primeiro, um trato para o William.


Ele estendeu os grandes lábios de sua vagina e em um segundo ela sentia sua língua lambendo-a de ponta a ponta em seguida seus dentes mordiscava cada pedaço de seus lábios.


-Eu amo essa vagina lisa, May. Você terá que se depilar com cera constantemente para mim.


-Isso significa que nós vamos fazer isto novamente? - Oh, Deus.


Se apenas. Ela não quis nada além de continuar a explorar o lado mais escuro do sexo com o homem de suas fantasias.


-Não pensa que eu vou deixar outro saborear isto, não é? O William aqui tem algumas ideias de sua autoria para experimentar. Especialmente se pudermos ir juntos as compras na Delicias de Diana. Agora deite-se e deixe-me ter um banquete.


Ele começou a lambê-la novamente, de seu ânus até seu clitóris, girando sua língua na abertura de sua vagina, endurecendo-a e empurrando do lado de dentro, engolindo o liquido que vinha em sua direção. Dentro e fora ele apunhalou com sua língua, mas cada vez que ela se movia para ele, se retirava e chupava seu clitóris. Então voltava para sua vagina novamente, percorrendo cada polegada da carne inchada.


-Por favor, William. -Deus, tudo que ela podia fazer era implorar-lhe.


-Por favor, o que, delícia?


-Eu preciso vir. Por favor. Me dê isto.


-Então vamos colocar o Sr. Coelho para trabalhar. Deite-se e brinque você mesma com essa linda vagina, eu quero assistir você se tocar.


Mantendo seus olhos em William, May, plantou seus pés firmemente na cama, suas coxas escancaradas, e deslizou seus dedos por sua vagina. Ela estava encharcada e escorregadia. Ela não tinha certeza se poderia atingir um orgasmo tão seguido do último, seu corpo ainda estava longe de estar satisfeito.


A música suave estava ainda tocando, acalmando-a em um estado de semi relaxamento, só pairando na extremidade da necessidade. Preguiçosamente moveu os dedos dentro e fora de sua vagina, provocando-se, se preparando para o Sr coelho. Diana tinha explicado como as orelhas do coelho acariciavam seu clitóris sempre sem parar, enquanto o vibrador a fodia, e ela não podia esperar sentir esta sensação.


-Deus. -A palavra xingada fora da boca de William em uma respiração longa. -Eu podia me sentar aqui e assistir você tocar seu clitóris para sempre. Ou eu com sua deliciosa buceta. E nós nem chegamos a sério fodendo ainda. -Ele suspirou.


-Bem. Certo doçura. Encontre Sr. Coelho. Ele está muito faminto para enterrar ele mesmo em sua doce, deliciosa, tentadora vagina.


May sentiu o vibrador deslizar em cima em sua vagina, enchendo cada polegada sua. O Coelho era muito maior que o dedo que ela normalmente usava, ela agora se sentiu estirada no limite. Era isto que sentiria quando William finalmente pôr seu membro dentro dela?


-Sente isto, May?


-Uh huh. -Ela sentiu seu dedo colocando as orelhas de coelho em seu clitóris o plástico segurando se fazia sentir um doce roçar gentil. Pareceu estranho, mas bom. Agora ela desejou que ela comprasse um muito tempo atrás.


-Certo. Sr. Coelho já está pronto, fixo, vai começar.


William ligou o vibrador no mínimo para começar e as sensações começaram a fluir por ela. Enquanto o pênis de plástico dançava dentro de sua vagina, fixando a carne que estava ao mesmo tempo em brasas e molhada de seus sucos, as pequenas orelhas acariciavam seu clitóris sem parar, até que ela pensou que não aguentaria mais.


As vibrações da tomada ligada em seu ânus, estavam estimulando aquele canal tão escuro estavam levando sua vagina à loucura.


-Toque em seus seios, May, -William ordenou com uma voz suave. -Puxe os seus mamilos. Estique-os ao máximo e os belisque com as pontas de seus dedos. Sim, assim. Belisque eles até que eles machuquem. É a dor do prazer. Bom. Só assim.


Tomando seus mamilos entre o dedo polegar e o dedo indicador, ela fez como ele mandou, beliscando eles duros, chocada com o raio de calor que foi direto para seu útero. Ela os puxou novamente o máximo que pode e o mais apertado possível, apreciando o sentimento das vibrações que o coelho disparou através dela. Ela fechou seus olhos e começou a mover seus quadris, fodendo com o vibrador.


Ela ouviu um gemido suave e ergueu suas pálpebras pesadas para ver William de pé entre suas pernas, olhando para ela com os olhos queimando de desejo, gentilmente acariciando seu pênis latejante. Uma perola minúscula de liquido vazou e ele esfregou sobre toda a cabeça de seu pênis com o polegar. Ela empurrou os quadris mais para cima.


-Mais, May?


Quando ela acenou com a cabeça, ele chegou entre suas pernas e passou o Coelho para a velocidade mais alta. Fogos feitos liquido correu por suas veias a consumindo e atingindo cada terminação nervosa de seu corpo. Ela apertou seus mamilos tão forte quanto ela podia e o coelho zumbia entrando e saindo cada vez mais rápido de seu corpo, tentando chegar ao topo desta escalada de desejo que a estava levando a loucura. Seu corpo inteiro parecia vibrar Sua vagina com uma fome alucinada tragava todo o dedo que a estava preenchendo.


Então William pegou seus tornozelos, puxou suas pernas para cima de seus ombros, e bateu nela, bateu forte em cada uma das bochechas de seu traseiro. Com o terceiro tapa seu clímax explodiu, seu corpo que já estava agitado tremeu e tremeu, derramado por toda parte seu suco que escorria cada vez mais de sua vagina em torno do coelho, ela gritava por misericórdia, e ainda assim as palmadas continuaram, de um lado para o outro, até que finalmente os espasmo diminuíram e as tensões começaram a deixar seu corpo.


William abaixou suas pernas e a esticou na cama, desligou o coelho e deslizou-o de seu corpo. -Eles ficam cada vez melhor, não mesmo, delícia?


-Mmm. Melhor. -Ela lambeu seus lábios. Se eles conseguirem ser melhor ela poderia morrer de prazer.


Ele riu e a puxou-a para cima, então ela apoiou-se contra os travesseiros. William encheu as taças com o restante do vinho e entregou uma para ela. -Feliz aniversário Maite. Beba tudo. O principal está para começar.


 


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): felevyrroni

Este autor(a) escreve mais 4 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

  William se afastou para admirar sua obra, levemente acariciando seu pênis. As mãos de May foram algemadas juntas e os punhos amarrados a cabeceira da cama. Seus tornozelos estava presos em um par de apoios, as pernas bem abertas amarradas em cada canto no final da cama em toda sua extensão. Ele colocou três almofadas sob seu estomago, assim ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 4



Para comentar, você deve estar logado no site.



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...