Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: A Melhor Amiga Da Noiva {adaptado} Portinon | Tema: A&D


Capítulo: [ 31 ]

39 visualizações Denunciar


Anahi Narrando... 


 


 


 


Saí correndo dali o mais rápido que eu
consegui. As lágrimas já desciam por minhas bochechas sem que eu percebesse, corri para meu quarto e bati a porta com força. Sentei-me no chão e coloquei minha cabeça entre as pernas, chorando mais ainda.


— Você fala com ela?


Ouvi a voz de Ruby e em seguida a voz
da Diana.


— Falo sim, e você fala com a Lea.


Ela disse e depois eu não ouvi mais a
voz de Ruby. Ouvi a porta ser aberta, me ajeitei e limpei meu rosto do jeito que deu.


— Não, Anahí, não!


Diana pediu séria, tirando minhas mãos
do meu rosto. Respirou fundo enquanto me
analisava e secava minhas lágrimas.


— Ela vai me deixar, ela escolheu ele. Eu
perdi o amor da minha vida, Di.


Falei com a voz embargada, sentindo
minha garganta arder e a vontade de chorar voltar. Diana negou com a cabeça.


— Ela não escolheu ninguém, você nem
chegou a falar com Dulce para ela ter escolhido ele. Então agora, você mocinha, vai levantar daí, tomar um banho porque mais tarde você vai conseguir a sua garota, anda.


Ela praticamente ordenou e me levantou
do chão. Fui para o banheiro, seguida por ela e me despi.


— Anahí você está agindo como se
alguém tivesse morrido.


Ela riu sem humor e eu suspirei. E alguém morreu, eu morri, sem Dulce quem eu sou? Ninguém.


Decidi não falar nada porque era capaz
dela me encher de tapas. Tomei um banho longo e Diana apareceu um tempo depois no banheiro quando eu estava me secando, ela estava com um pijama em suas mãos.


— Toma, se veste e depois eu vou te colocar para dormir, ok?


Ela falou com aquela voz suave que me
acalmou instantaneamente. Assenti e peguei o pijama, o vesti e escovei meus dentes antes de ir para o quarto.
Cheguei no quarto e ela me esperava
deitada na cama, fez sinal para eu deitar ao seu lado e assim eu fiz.


— Descansa que mais tarde eu vou te
levar em um lugar para você fazer umas coisas.


Ela disse enquanto eu me aconchegava
em seu peito, eu levantei meu rosto para olhar para ela.


— Que coisas?


— Você vai ver, agora dorme.


Apenas concordei e voltei a deitar minha
cabeça em seu peito. Eu não sabia o que ela
estava aprontando, porém se fosse algo que me desse a chance de ter Dulce, eu faria sem pensar duas vezes.


Eu não sei em qual momento exato eu
peguei no sono, ou quanto tempo eu dormi, só sei que fui acordada pelo barulho da porta sendo aberta e segundos depois Diana entrando com uma caixa de sapato em suas mãos.


— Até que enfim.


Ela disse colocando a caixa em cima da
cômoda. Me sentei na cama, esfreguei meus olhos antes de me espreguiçar lentamente.


— Dormi demais?


— A tarde inteira, tá bom pra você?


Ela perguntou rindo e eu ri também.


— Levanta daí e vai tomar um banho.


— Você está igual a Dulce.


Falei sorrindo e ela arqueou uma
sobrancelha.


— Você já disse isso antes.


— Eu sei, só que agora está mais parecida ainda.


Eu disse enquanto levantava e tirava
minha blusa.


— Como assim?


Perguntou confusa e eu ri.


— Tá chata igual a ela.


Soltei uma risada antes de correr para o
banheiro ouvindo os resmungos dela. Tomei um banho rápido e saí do banheiro enrolada na toalha.


— Coloca uma roupa e depois encontra
comigo lá embaixo.


Ela avisou e eu assenti. Coloquei um short jeans escuro, uma regata por dentro do
short e meu suspensório, calcei meu coturno e fui até o espelho. Passei meu batom vermelho e lápis de olho. Só isso mesmo, não iria fazer nenhuma make já que eu nem sei onde eu essa louca vai me levar.


Desci as escadas e vi que Diana me
esperava com um sorriso no rosto.


— Ficou linda.


Me elogiou e eu sorri em agradecimento.


— Eu sei.


Me gabei e ela revirou os olhos.


— Vamos, senhorita narcisista.


Rimos e fomos em direção a saída. Já
no lado de fora ela foi em direção á um
daqueles carrinhos de golfe e sentou no banco do motorista.


— Ok, para onde estamos indo?


Perguntei confusa enquanto sentava ao
lado dela.


— Você vai gostar.


Ela disse simples e piscou pra mim,
suspirei me ajeitando melhor no banco. Ela
estava aprontando alguma coisa, tenho certeza que não está sozinha. Algum tempo depois, nós chegamos ao que parecia ser uma cabana, bem bonita por sinal.


— De quem é?


Perguntei enquanto olhava tudo em volta.


— Da família Herrera.


Ela deu de ombros e estacionou o
carrinho. Claro que é deles, pensei revirando os olhos.


Descemos do carro e eu logo vi Ruby sair de lá de dentro, eu sabia que Diana não
estava sozinha nessa.


— Lesba alfa.


Me cumprimentou num tom de deboche
e eu bufei. Ela tinha parado com isso.


— Não começa.


Pedi séria e ela fez sinal de rendição.


— Tudo pronto?


Diana perguntou e ela assentiu.


— Estou só esperando a Lea.


No momento em que ela disse isso, a
pequena saiu de dentro da cabana também.
Tudo bem, que merda é essa que está
acontecendo aqui?


— O que é tudo isso? O que está
acontecendo?


Elas me olharam e deram sorrisos
travessos, fazendo-me arquear a sobrancelha.


— Estamos te dando uma ajuda.


Lea disse e piscou.


— Exatamente.


Ruby concordou e fez o mesmo, minha
confusão só aumentava.


— Pega a sua garota.


Diana veio até mim e disse sorrindo.
Dulce estava ali dentro? Senti meu coração
meu coração acelerar automaticamente.


— Ela tá aqui?


Perguntei repentinamente animada, as
meninas negaram com a cabeça e eu franzi o cenho... então?


— Não, mas ela vai vir.


Diana garantiu e eu suspirei aliviada.


— Nós já vamos... — Ela disse e me deu
um beijo na testa. — Tá na hora de você pegar a sua garota.


— Eu vou, só espero que ela me queira.


Admiti cabisbaixa e Diana negou com a
cabeça.


— Ela te ama. E você vai mostrar a ela
que sente o mesmo.


— Nos encha de orgulho.


Ruby e Lea falaram juntas, todas rimos.


— Pode deixar.


Falei confiante e elas sorriram, fazendo
um positivo com os polegares. Me despedi das meninas e respirei fundo antes de entrar na cabana. Abri a porta lentamente e meu queixo caiu ao ver o ambiente todo decorado.


Havia diversas pétalas espalhadas pelo lugar e até as minhas preferidas, que estavam espalhadas sobre a cama. Andei até perto da cama e vi um envelope assinado por Diana e Ruby.


``Aproveite a noite e use proteção``


Assim que eu peguei o bilhete uma
camisinha caiu no chão. Fiquei incrédula, mas não consegui segurar o riso, elas são tão idiotas. Virei o papel e tinha mais coisa escrita ali, só que agora por Lea.


``Tem luvas dentro da gaveta no criado
mudo para os seus dedos, não quero ser tia
agora.``


Comecei a rir sem parar enquanto ia até
o criado mudo, abri a gaveta e realmente tinha uma caixa de luvas ali, com mais um bilhete em cima, agora assinado pelas três.


``A camisinha é para sua língua e as luvas
para os seus dedinhos, juízo e nada de filhos as duas, usem a proteção.``


Sério, quantos anos elas têm? Sentei na
cama rindo e guardei tudo dentro da gaveta.


Fiquei um tempo olhando em volta daquele
lugar, ouvi um barulho de carro do lado de fora. Será que é ela? Meu Deus! Corri para me esconder atrás da parede de frente para a cama, quem olhava da porta não me veria, mas eu iria ver quem chegasse. E foi quando a porta foi aberta e ela apareceu. Ela estava com a mesma expressão que eu quando entrei aqui. Era ela. Ela está aqui. É a minha chance. Respirei fundo e tomei coragem para ir até ela. Aproveitei que ela estava de costas e pedi:


— Por favor! Não foge mais de mim.


Ela se virou com os olhos arregalados e
me olhou surpresa.


 


Dulce Narrando.... 


 


Ficamos minutos nos olhando, horas talvez. Ela estava mesmo ali? Ela está linda,aliás.
Olhei-a de cima a baixo e engoli a saliva
que se formou em minha boca, senti uma
enorme vontade de agarra-la, mas eu não posso me entregar outra vez. Quem ela acha que é?


— Que merda é essa, Anahí?


Perguntei séria e pude ver ela estremecer
com o meu tom de voz.


— E-eu... é... foram as meninas.


Ela se justificou desconcertada e eu
suspirei. Claro que foram elas, Anahí jamais faria isso, não sozinha.


— Claro que sim. Liga para uma delas e
manda alguém vir me buscar aqui agora.


Exigi e ela engoliu em seco. Eu estava
com raiva, apavorada, assustada e com um coisa que poderia ser comparada com desejo... É normal sentir tantas sensações assim?


Eu só queria sumir dali logo, ficar o mais
distante possível dela. Eu olhava para ela e via imagens dela com Shay o que me dava mais raiva ainda, misturada com um nojo dela, que eu poderia facilmente mata-la... Se eu conseguisse, claro.


— Dul se ac...


Ela começou com certo receio tentando
me acalmar. Que ódio eu sentia dela quando ela fazia isso. Olhei para ela com os olhos vermelhos de raiva, Anahí engoliu em seco de novo.


— CALA A BOCA... — Mandei e ela recuou assustada. — Cala essa maldita boca,sua vagabunda! Eu não quero ouvir sua voz.


Falei ríspida e ela abaixou a cabeça,
sentindo o efeito das minhas palavras, por um momento eu me senti péssima, e uma dor incômoda no peito por estar tratando-a daquela forma. Mas eu estava enfurecida, só de lembrar que a gente... Merda nós duas transamos e ela me faz aquilo? Não, não mesmo, isso eu não perdoo.


— Me desculpa.


Ela pediu baixo, num tom de voz choroso
e levantou o rosto me olhando nos olhos. Ela estava com os olhos vermelhos por estar segurando o choro, suas bochechas estavam levemente coradas e seu olhar estava vazio, culpado... sem vida, os meus olhos azuis preferidos. Desviei o meu olhar, não posso fraquejar.


— Me desculpa por você ter visto aquela
cena com a Shay, só que eu...


Ela continuou tentando se desculpar, mas
eu a cortei outra vez. Soltando uma risada
irônica, eu a encarei com fúria.


— Só que você o que, Anahí? Não teve
culpa? Faça-me o favor, não seja tão ridícula assim.


Virei de costas para ela segurando as
lágrimas teimosas que queriam descer. Ouvi ela soltar um suspiro pesado e eu continuei na mesma posição.


— Dulce, chega! — Ela explodiu de
repente, me surpreendi, virei-me e olhei para ela surpresa. Ela estava com os punhos cerrados fortemente e soltava o ar de seus pulmões pesadamente. Engoli em seco e suspirei, poucas vezes eu a vi com raiva... E ela vira o cão com raiva. — Eu não tive culpa de porra nenhuma, eu deitei na cama e nem vi quando ela entrou e me
agarrou falando coisas sem sentido, logo depois você entrou no quarto e entendeu tudo errado.


— E você deixou ela te beijar. — Ri
sarcasticamente. — Por acaso está escrito otária na minha testa? Você não presta, Anahí. Fala como se eu não soubesse como você é, eu te conheço a quase onze anos, porra!


Gritei e nem percebi quando havíamos
ficado perto uma da outra. Nossas respirações pesadas se misturando, nossos olhos soltando faíscas.


— Eu não sou mais aquela, acredita em
mim.


Ela pediu olhando em meus, pressionei
os lábios. Ela estava sendo sincera, eu sabia
disso, conheço ela. Mas quem me garante que não é um truque?


— Mudou do dia para noite?


Perguntei com sarcasmo e ela bufou sem
paciência.


— Porra, você me conhece á anos, sabe
muito bem quando eu estou falando a verdade. E não, Dulce, eu não mudei do dia para noite.Eu mudei, desde a porra do dia em que eu percebi que estava gostando de você.


Falou tudo de uma vez sem nem respirar
direito, eu arregalei os olhos com sua última frase. Ela disse que gosta de mim ou?


— Você o quê?!


Perguntei atônita e ela suspirou.


— Eu gosto de você, Dul.


Seus olhos marejaram e os meus também. Ela gostava de mim. Meu Deus.


— Acredita em mim, por favor... eu não
quero te perder.


Ela veio até mim e colou nossas testas,
não conseguimos segurar o choro. Chorávamos juntas e eu sentia milhões de explosões dentro de mim.


— Como eu posso acreditar em você?


Perguntei com a voz embargada e ela me
deu um longo selinho, que me fez suspirar e
sentir aquelas tantas sensações mais do que conhecidas por mim.


— Confie em mim, eu daria a minha vida
por você.


A sinceridade em sua voz, o modo que
ela me olhou nos olhos, tudo estava mexendo comigo. Meu coração parecia que iria saltar de dentro do peito. Eu estava acreditando que ela estava mesmo dizendo aquelas coisas pra mim.


Nos olhamos por uns segundos, sem
conseguir me conter eu a beijei. Ah! Como eu senti falta daquele beijo dela e olha que não tem nem uma semana que eu o provei pela última vez. O gosto de menta com chocolate que ela tem me deixava num êxtase total, eu não sei dizer porque e nem como ela sempre tem aquele gosto na boca, mas eu sinceramente amo ele.


Ela me pegou no colo e eu entrelacei
minhas pernas em volta de sua cintura, fomos esbarrando pelos móveis enquanto ela caminhava, sorríamos entre o beijo sempre que ouvíamos algo caindo no chão. Senti algo macio tocar minhas costas e deduzi ser o colchão. Anahí separou nossas bocas por um segundo e me olhou sorrindo, fiz o mesmo e voltamos a nos beijar.


— Está quente aqui, sabia?


Ela disse ofegando e eu mordi o lábio,
realmente estava bem quente.


— Vai ficar mais ainda.


Sussurrei de forma provocante e sorri ao
ver suas pupilas dilatarem. Consegui efeito que eu queria, eu queria enlouquecer ela.


— Eu te amo.


Ela disse de repente entre o beijo, abri os
olhos e parei tudo na hora. Ela disse mesmo
aquilo ou eu ouvi coisas? Me afastei dela, olhando-a com os olhos levemente arregalados. Ela sorriu timidamente e
eu senti meu coração quase parando. Ela nunca tinha dito aquilo, somente sua mãe já tinha ouvido um eu te amo dela. Eu senti uma lágrima escorrer por minha bochecha esquerda, onde ela rapidamente secou com os lábios, dando um beijo suave sobre a região.


— Eu espero que essa lágrima seja de
felicidade.


Ela riu e eu reprimi o soluço que ia sair.
Sim, eu estava quase chorando... mas dessa vez era de felicidade. Sabe quando você parece tocar o céu sem sair do lugar? É exatamente assim que eu estou me sentindo agora.


— V-você disse o que eu ouvi mesmo?


Perguntei ainda sem acreditar e ela riu.


— Sim, meu amor... — Se inclinou para
frente, me dando um selinho em seguida, depois ela foi em direção ao meu ouvido para sussurrar:


— Eu te amo.


Não aguentei, tinha que beija-la outra vez,
agora com cem vezes mais vontade. Ela me
ama, era tudo que eu precisava ouvir.
Ela se afastou um pouco de mim ficando
de joelhos, eu puxei seus suspensórios para
baixo, tirando-os de seus ombros. Segurei na barra de sua blusa e puxei-a para cima, Anahí jogou a peça de roupa para longe e em seguida fez o mesmo com a minha. Voltamos a nos beijar com mais desejo que antes, cada vez que nos afastávamos, a falta que sentíamos do contato se tornava quase insuportável.


Ela abriu minhas pernas para se encaixar
melhor entre elas. Sem descolar nossas bocas, ela tirou meu tênis e o jogou para algum canto, fez o mesmo com o outro e voltou a se endireitar ali. Fez pressão em minha intimidade, fazendo-me soltar um gemido entre o beijo.


Minhas mãos foram até o zíper do seu short, rapidamente o abri, ela pegou o recado e se afastou mais uma vez para retira-lo, fez o mesmo com o meu e sorriu maliciosamente enquanto analisava meu corpo.


— Linda... — Me deu um selinho. - Perfeita... — Deu uma mordida leve no meu queixo. — Completamente perfeita. E toda minha .


Frisou a última palavra e eu sorri, sim,
agora eu poderia dizer com toda a certeza do mundo... Eu sou dela.


— E você... — Sem que ela percebesse eu inverti as posições, o que fez ela morder o lábio sensualmente. — É só minha.


Falei no ouvido dela e pude ouvir o longo
suspiro seguido de um meio gemido que ela
soltou.


— Só sua.


Ela concordou comigo, sua voz saiu de
forma completamente provocante em meu
ouvido também, imediatamente senti meu corpo reagir aquelas palavras. Em pouco tempo estávamos completamente sem roupas, nossos corpos já estavam cobertos por uma cama de suor, e olha que só trocamos amassos quentes até agora.


Abri as pernas dela delicadamente e me
ajoelhei na cama para poder olhar o corpo
daquela mulher que era digna de um altar,
tamanha era a perfeição dela... Não somente a beleza do corpo, mas tudo nela é lindo, desde o sorriso tímido dela ao brilho nos olhos. Adoro a forma que ela segura a minha mão, o jeito que me faz sentir mais... viva.


Eu estava admirando ela completamente abobada, eu sou completamente apaixonada por ela, só agora eu percebi que no fundo eu sempre a amei.


Alisei com a ponta dos dedos seu colo, o
vale entre seus seios, sua barriga chapada, seu ventre e sua virilha, bem em cima de sua tatuagem. É uma das minhas partes favoritas no corpo dela.


— Você ama minha tatuagem, não ama?


Ela perguntou rindo e eu a olhei.


— Amo também.


Respondi e ela arqueou uma sobrancelha.


— E o que mais você ama?


Perguntou com interesse e eu deitei por
cima dela de novo para falar bem próximo a ela.


— Eu amo seus olhos, suas mãos e a forma que você me toca. Adoro seu sorriso
sonolento pela manhã, sua voz rouca e o fato de você sempre acordar linda. Eu amo o jeito que você me olha quando me elogia, eu amo a forma que sempre cuida de mim, amo também quando você faz pequenas coisas para mim tipo me lembrar do meu remédio, cuidar de mim quando eu estou doente, ou simplesmente quando deixa
de comer aquelas comidas gordurosas que você gosta somente para me acompanhar na salada.. — Ela sorriu acariciando meu rosto, me olhava com os olhos brilhando e de forma admirada pelas coisas que eu dizia. — Eu amo quando você beija minha testa, me faz sentir protegida. Eu amo tudo em você, eu poderia ficar horas aqui falando... Eu amo você.


Disse por fim e seu sorriso alargou, ela
selou nossos lábios longamente.


— Eu amo você.


Ela disse e eu senti meu coração falhar
outra vez. Eu sempre reagiria assim cada vez que ela me dissesse aquilo? Sim, eu reagiria sempre assim. Voltamos a nos beijar de forma apaixonada, suas mãos desceram até o meu quadril. Ela pressionou meu corpo de encontro ao dela e eu soltei um gemido longo, separando nossas bocas quando nossas intimidades se tocaram.


Ela suspirou e repetiu o movimento, peguei seu recado e me ajeitei melhor entre suas pernas. Me movi para cima e para baixo, ela
arranhou meus ombros com o pouco de unha que tinha.


— Rebola pra mim, Dulce.


Ela pediu entre gemidos e eu o fiz.
Comecei a rebolar com vontade friccionando com mais força nossos sexos. Levantei seus joelhos para me permitir uma movimentação melhor e acho que acertei, pois ela jogou sua cabeça para trás soltando um alto gemido. Gemíamos juntas, vez ou outra nos beijávamos.
Senti meu corpo começar a estremecer e o dela estremecer junto com o meu, aumentei o ritmo em meu quadril, roçando nossos sexos mais rapidamente. Em pouco tempo nós chegamos ao ápice juntas.


Me aconcheguei em seu peito, Anahí
passou o braço por minhas e ficou me fazendo carinho enquanto esperávamos nossas respirações normalizarem.


— Eu estou louca... — Ela disse de repente, fazendo-me olha-la sem entender. Ela
sorriu antes de continuar. — Eu estou louca por você, Dul. Eu não consigo mais fugir disso, esse amor que eu sinto por você cresce mais a cada dia, a cada segundo, a cada batida do meu coração é uma nova forma de eu te amar porque agora eu sinto como se ele batesse por você, somente para você. Eu quero você cada dia mais e parece que eu vou enlouquecer com isso,
eu sinto como se eu fosse explodir a qualquer momento por te amar tanto. Eu nunca na minha vida achei que iria sentir isso por alguém, ainda mais por você, minha melhor amiga. Mas quer saber de uma coisa? Eu não me arrependo e muito menos lamento por te amar, porque eu
tenho certeza que no mundo não há ninguém que seja tão perfeita pra mim quanto você é. Eu não poderia querer pessoa melhor para amar do que você e sim, eu te amo mais que tudo.


Nessa hora já estávamos chorando. Eu
nunca achei que ouviria ela dizer isso tudo para alguém, ainda mais para mim. Eu nem sabia o que responder, eu só queria gritar para o mundo todo o quanto eu estava feliz e completa agora.


— Eu nunca amei tanto alguém na minha
vida quanto eu te amo, Anahí.


Falei com sinceridade e ela sorriu. Eu
estava feliz, aliás acho que felicidade é pouco, mas por um segundo eu senti uma forte insegurança. E se eu não fosse bastante pra ela?


E se ela não me quisesse mais daqui a uns
meses? E se... ela um dia descobrisse que não me ama tanto assim?


Senti um desespero tomar conta de mim
enquanto várias perguntas surgiam na minha mente, ela pareceu perceber e me fez olhar em seus olhos, o efeito foi imediato... Eu me acalmei na hora, como sempre acontecia.


— Eu sei que eu não sou a melhor pessoa do mundo e possivelmente eu não mereço alguém como você... — Tentei interromper, mas ela não deixou. — Eu não sou perfeita isso é fato, mas por você eu vou tentar
ser.


— Como espera que eu acredite nisso?


Perguntei ainda me sentindo insegura e
ela selou nossos lábios antes de responder:


— Porque eu amo você e eu vou provar
isso todos dias da minha vida.


E foi somente o que eu precisava ouvir
para me entregar de vez. Não teria Alfonso, não teria essas outras garotas que ela já saiu, não teria nada, nem ninguém para nos atrapalhar agora. Eu sou dela, e ela é minha
Nada pode mudar isso. Voltamos a nos beijar, em pouco tempo nossos corpos reacenderam. Ela inverteu as posições comigo e começou a beijar meu pescoço. Eu gemia, ronronava e arranhava suas
costas. Ela continuou descendo os beijos pelo meu corpo e ficou um tempo passando a ponta de sua língua em meu ventre, me arrepiando.


— Não provoca, Anahí...


Pedi num fio de voz e olhei para baixo,
vendo ela sorrir de forma travessa.


— O que você quer?


Perguntou roucamente enquanto
ameaçava alisar meu clitóris, me mexi frustada na cama e ela riu.


— Anahí, faça qualquer coisa, pelo amor
de Deus... Só, só me faz gozar pra você.


— Bem gostoso.


Ela falou eroticamente enquanto se
ajeitava na ponta da cama, ficando com o rosto de frente para minha intimidade.


— Isso... bem gostoso.


Repeti perdida em diversas sensações
que somente Anahí me traz. Ela colocou suas mãos em minha coxa e pôs um pouco de força para que eu não as fechasse. Curvei minhas costas no momento em que ela passou a língua em todo o meu sexo. Olhei para baixo e quase gozei somente em vê-la me chupando. Era tão irreal aquilo que se fosse um sonho, por favor...
Que eu não acorde antes de gozar.


— Mais forte.


Pedi soltando um alto gemido enquanto
ela rodeava lentamente meu clitóris. Sua boca se fechou em torno do meu ponto de prazer e ela começou a movimentar a língua ali, como se estivesse me dando um beijo de língua. Eu roçava meus pés em suas costas, bagunçava seus cabelos, gemia o seu nome sem parar. Sentia como se estivesse no céu.


Ela me penetrou com sua língua e eu
soltei um grito. Agradeci por não estar na casa do Alfonso, ou todo mundo ouviria isso. Nem mesmo lembrar dele me fez perder o tesão que eu estava sentindo. Anahí soltou uma das minhas coxas e posicionou seus dedos em minha entrada, ficou fazendo movimentos circulares ali enquanto sua língua brincava com
meu clitóris. Tapei a boca para não gritar outra vez quando dois dedos dela me
penetraram fundo. Sentia ela gemer enquanto me chupava, pois sentia vibrações em meu sexo o que só aumentava o meu tesão. Olhei para baixo e pude ver que ela se masturbava e foi ao ver aquilo que eu tive uma ideia.


— Anahí...


Chamei ofegante e ela murmurou em
resposta.


— Deixa eu te chupar também... por
favor.


Pedi e ela tirou sua boca de mim, me
olhando com surpresa.


— Você está me pedindo o que eu acho
que você está?


Ela perguntou sugestiva e eu assenti
timidamente.


— Oh meu Deus!


Ela exclamou animada retirando seus
dedos de dentro de mim, ela subiu e deitou ao meu lado.


— Vem, fica por cima, quero apertar
bastante essa sua bunda gostosa.


Falou de forma maliciosa e eu senti meu
corpo dar um espasmo involuntário, é incrível como eu reagia a ela. Ela deitou melhor na cama e eu me deitei por cima dela na posição contrária. Eu nunca havia feito um sessenta nove na minha vida, seria a primeira vez e quem melhor que o amor da minha vida pra me mostrar como é isso?


— A visão daqui é muito deliciosa.


Ouvi ela dizer enquanto alisava minhas
nádegas e eu mordi o lábio para reprimir um gemido. Não aguentei mais esperar, me inclinei para frente e suguei com força seu clitóris, arrancando um alto gemido surpreso dela.


Ela abraçou minha cintura e puxou meu
corpo um pouco para baixo, me invadiu com sua língua experiente e eu quase não consegui continuar chupando ela. Parecíamos estar em uma competição em que dava mais prazer a quem.


E sinceramente? Eu não me importaria em
perder. Não demorou muito para que
começamos a estremecer juntas, soltava
gemidos contínuos abafados pelo sexo dela
enquanto rebolava em sua boca. Penetrei-a com um dedo e ela fez o mesmo comigo. Nos penetramos mutuamente com rapidez e força, fazendo nossos gemidos aumentarem. Senti minha intimidade se fechar nos dedos dela e o mesmo acontecer com ela. Estávamos gozando,juntas, outra vez. Gozamos intensamente uma para outra. Lambi e suguei todo seu líquido e
ela fez o mesmo comigo.


Me deitei por cima dela ainda ofegante e
ela me acomodou em seus braços. Eu ouvia as batidas frenéticas do seu coração, tinha certeza que o meu estava do mesmo jeito.


— Isso foi incrível.


Ela disse e eu sorri.


— Realmente.


Concordei e ela me apertou contra o seu
corpo.


— Dul...


Ela me chamou e eu levantei meu rosto
para olha-la.


— Oi, meu amor.


Disse um pouco sonolenta e ela sorriu.


— Você vai ficar comigo?


Ela perguntou meio receosa e eu sorri.


— Fico com você pelo resto das nossas
vidas, meu amor. Eu amo você.


Seu sorriso aumentou e ela me deu mais
um beijo.


— Eu amo você muito mais, pequena, boa
noite.


Ela me cobriu com o cobertor e eu fechei
os olhos.


— Boa noite amor.


Falei baixinho antes de pegar no sono.
Eu não poderia estar mais feliz, eu estava
nos braços da mulher que eu amo e finalmente em anos eu me sentia... Completa, de verdade. 


 


 


 


 


... 


 


 


 


 


 


Eu ouvir um Ameeemm rsrs Será que agora vai???  Não perca os próximos episódios. 


Beijos nenês


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Lene Jauregui

Este autor(a) escreve mais 30 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

Anahi Narrando....        Abri os olhos, um enorme sorriso estavaem meu rosto, porém ele morreu quando eu não senti ninguém ao meu lado. Me sentei na cama rapidamente, tive que segurar o lençol em meus seios pois ainda notei que ainda estava nua. Olhei em volta já sentindo um certo desespero por não ver Dulce ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 54



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • cliper_rafa Postado em 13/10/2019 - 00:59:37

    Como não se apaixonar por elas? Eu me apaixonei pelas duas de uma forma. Continua maravilhosa

  • k9 Postado em 12/10/2019 - 17:37:54

    Que lindas!!! Super apoio uma segunda temporada. Continuaaaaa

  • k9 Postado em 12/10/2019 - 12:32:58

    Cadê vc?????!

    • Lene Jauregui Postado em 12/10/2019 - 12:39:54

      Postei amoré.... Desculpa a demora...

  • cliper_rafa Postado em 10/10/2019 - 23:19:54

    Caraaaalhooo, porra Dulce como cê fez isso vey, esqueceu das consequências dos seus atos, julgou tanto a Anie por ser imprudente e vc foi igual. Agora correr atrás do seu perdão

    • Lene Jauregui Postado em 12/10/2019 - 12:19:32

      Pois é amoré, Dul não pensou nas consequências quando aceitou esse beijo.... Vamo ver cm vai ser agora....

  • k9 Postado em 10/10/2019 - 12:06:33

    Preciso de maaaais kkkk

    • Lene Jauregui Postado em 12/10/2019 - 12:18:06

      Vou já postar amoré....

  • k9 Postado em 09/10/2019 - 17:53:46

    Ahhhhh que lindas!!! Quase morri do coração. Hahaha. Pfv continuaaaa

    • k9 Postado em 10/10/2019 - 12:05:34

      Hahahahahah que aflição! Posta maaaaiss Acho besteira da Anahí chorar.. hahaha a Dulce ia casar ué.

    • Lene Jauregui Postado em 09/10/2019 - 21:00:21

      Não morra não my amor, quero vc vivinha rs... Elas são lindas juntas, não é amore? Impossível não se apaixonar por esse casalzão.

  • cliper_rafa Postado em 09/10/2019 - 13:58:30

    Que?! Comassim vou ficar na curiosidade? Continua rápido please

    • Lene Jauregui Postado em 09/10/2019 - 14:05:14

      *Continuei

    • Lene Jauregui Postado em 09/10/2019 - 14:04:42

      Já continente my amor.... Espero que gostes...

  • k9 Postado em 09/10/2019 - 11:39:28

    Pqp! Hahahaha Cara, a Anahí tem que falar logo, Dulce vai acabar casando! Posta mais pfvvvv

    • Lene Jauregui Postado em 09/10/2019 - 13:02:17

      Ela vai falar amoré... O próximo capítulo será o mas esperado..

  • k9 Postado em 09/10/2019 - 04:37:32

    Putz... Anahí tem que falar logo!!! Continuaaaaa

    • Lene Jauregui Postado em 09/10/2019 - 10:01:46

      Capítulo postado baby... É não me mate tbm..

  • cliper_rafa Postado em 08/10/2019 - 23:13:21

    Eu preciso de mais, prfv

    • Lene Jauregui Postado em 09/10/2019 - 10:01:05

      Atualizado my amor... Não me mate rsrs



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...