Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Pequenas Mentirosas - Vondy, Ponny, Levyrroni | Tema: Vondy, Ponny, Levyrroni


Capítulo: Capítulo 62: Um certo professor de inglês é um narrador tão pouco confiável

43 visualizações Denunciar


Na quinta-feira, Dulce hesitou à porta da sala de aula de inglês, quando Maite passou.


– Oi. – Dulce agarrou-lhe o braço. – Você recebeu alguma...


Os olhos de Maite moveram-se de um lado para outro, como aqueles grandes lagartos que Dulce havia visto em exposição no Zoológico de Paris.


– Bem, não – respondeu ela. – Mas estou realmente atrasada, então... – Ela saiu correndo pelo corredor. Dulce mordeu o lábio com força. Ok.


Alguém pôs a mão em seu ombro. Ela deu um gritinho e derrubou a garrafa de água, que bateu no chão e saiu rolando.


– Opa. Só estava tentando passar.


Pablo estava de pé, atrás dela. Ele estivera ausente da escola na terça e na quarta-feira, e Dulce estava imaginando se ele havia se demitido.


– Desculpe – murmurou ela, as bochechas coradas de um vermelho vivo.


Pablo vestia as mesmas calças de veludo amassadas que havia usado na semana anterior, um paletó de tweed com um pequeno buraco no cotovelo e sapatos de cadarço Merrell. De perto, ele cheirava levemente a “vela masculina” de açafrão e ylang ylang da Seda France, de que Dulce se lembrava da sala de estar dele. Ela havia visitado o apartamento dele apenas seis dias antes, mas parecia que duas vidas haviam se passado desde então.


Dulce entrou pé ante pé na sala de aula, atrás dele.


– Então, você estava doente? – perguntou ela.


– Estava – respondeu Pablo. – Estava gripado.


– Sinto muito. – Dulce se perguntou se iria ficar gripada também.


Pablo olhou para a sala de aula vazia e chegou mais perto dela.


– Então. Escute. Que tal começar de novo? – A expressão no rosto dele era profissional.


– Bem, está certo – grunhiu Dulce.


– Nós temos um ano à nossa frente – completou Pablo. – Então, vamos esquecer o que aconteceu?


Dulce engoliu em seco. Ela sabia que o relacionamento deles era errado, mas ainda tinha sentimentos por Pablo. Ela expusera sua alma para ele e não podia fazer aquilo com qualquer um. E ele era tão diferente.


– É claro – respondeu ela, embora não acreditasse totalmente no que dizia. Eles tinham tido uma... Verdadeira conexão.


Pablo assentiu levemente com a cabeça. Então, bem devagar, ele estendeu a mão e tocou a nuca de Dulce. Um arrepio subiu pela espinha dela. Ela prendeu a respiração, até que ele tirou a mão de seu pescoço e se afastou.


Dulce sentou-se na carteira, a mente trabalhando sem parar. Aquilo seria algum tipo de sinal? Ele havia dito para esquecer, mas não se sentia daquela forma.


Antes que ela pudesse decidir se deveria dizer alguma coisa para Pablo, Christopher Uckermann deslizou para a cadeira ao lado da de Dulce, e a cutucou com sua caneta Montblanc.


– Então, fiquei sabendo que você anda me traindo, Finlândia.


– O quê? – Dulce se sentou direito, em alerta. Sua mão voou para o próprio pescoço.


– Chace Crawford estava perguntando por você. Você sabe que ele está com a Anahí, não sabe?


Dulce tocou as costas dos dentes com a língua.


– Chace... Crawford?


– Ele não está mais com a Anahí – interrompeu James Freed, sentando-se na cadeira à frente da de Christopher. – Oka me contou. Anahí deu um fora nele.


– Então, você gosta do Chace? – Christopher tirou o cabelo dos olhos.


– Não – respondeu Dulce, automaticamente. Embora ela continuasse pensando na conversa que tivera com Chace no carro dele, na terça-feira. Foi legal falar com alguém sobre as coisas que estavam acontecendo em sua vida.


– Bom. – Christopher passou a mão pela testa. – Eu estava preocupado.


Dulce revirou os olhos.


Anahí entrou rebolando na sala enquanto o sinal tocava, colocando a enorme bolsa Prada em cima da mesa e caindo dramaticamente na cadeira. Ela lançou a Dulce um sorrisinho.


– Oi. – Dulce se sentiu um pouco tímida. Na escola, Anahí parecia terrivelmente fechada.


– Ei, Anahí, você não está mais saindo com o Chace Crawford? – perguntou Christopher em voz alta.


Anahí olhou fixamente para ele. Suas pálpebras tremiam.


– Não estava dando certo entre a gente. Por quê?


– Por nada – interrompeu Dulce, rapidamente, embora estivesse se perguntando por que Anahí havia terminado com Chace. Eles eram como duas ervilhas em uma típica vagem de Rosewood.


Pablo bateu palmas.


– Muito bem – disse. – Além dos livros que estamos lendo para aula, eu quero fazer um pequeno projeto paralelo sobre narradores pouco confiáveis.


Devon Arliss levantou a mão.


– O que é que isso significa?


Pablo começou a caminhar pela sala.


– Bem, o narrador nos conta a história em um livro, não é? Mas... E se o narrador não estiver nos dizendo a verdade? Talvez ele esteja nos contando sua própria versão distorcida da história, para fazer com que você vá para o lado dele. Ou para assustar você. Ou, talvez, ele seja louco!


Dulce estremeceu. Aquilo a fazia pensar em A.


– Vou dar um livro a cada um de vocês – disse Pablo. – Em um trabalho de dez páginas, vocês vão argumentar contra ou a favor da confiabilidade do narrador.


A turma inteira grunhiu. Dulce descansou a cabeça na palma de uma das mãos. Talvez A não fosse inteiramente confiável. Talvez A não soubesse realmente de nada, mas estivesse tentando convencê-los do contrário. Quem era A, afinal? Ela olhou ao redor, pela sala de aula, para Amber Billings, enfiando o dedo em um buraquinho na meia; Mason Byers, secretamente checando o placar do jogo dos Phillies no telefone celular; e Anahí, anotando o que Pablo estava dizendo, com a caneta-tinteiro púrpura. Alguma daquelas pessoas poderia ser A? Quem poderia saber sobre Pablo, seus pais... E A Coisa com Megan?


Um jardineiro passou rapidamente em um cortador de grama John Deere do lado de fora da janela e Dulce deu um pulo. Pablo ainda estava falando sobre narradores mentirosos, fazendo pausas para dar golinhos na xícara de café. Ele lançou um sorrisinho de leve para Dulce, fazendo o coração dela acelerar.


James Freed se inclinou, cutucou Anahí e apontou para Pablo.


– Então, eu ouvi falar que o Lyle é o maior garanhão – disse ele num sussurro, mas alto o suficiente para que Dulce, e o restante da fileira dela, ouvisse.


Anahí olhou para Pablo e franziu o nariz.


– Ele? Eca.


– Aparentemente, ele tem uma namorada em Nova York, mas a cada semana está com uma garota diferente em Hollis – continuou James.


Dulce se endireitou na cadeira. Namorada?


– Onde foi que você ouviu isso? – perguntou Christopher a James.


James sorriu.


– Você conhece a srta. Polanski? A monitora de biologia? Ela me contou. Ela fica conversando com a gente no fumódromo, às vezes.


Christopher bateu na palma da mão de James.


– Cara, a srta. Polanski é gata.


– Falando sério. Você acha que eu poderia levá-la à Foxy? – quis saber James.


Dulce sentiu como se alguém a tivesse atirado em uma fogueira. Uma namorada? Na sexta à noite, ele tinha dito que não saía com ninguém havia muito tempo. Dulce se lembrava de ter percebido os jantares congelados em porção única, típicos de solteiro, no refrigerador dele; seus oito mil livros, mas uma taça de vinho somente; e suas plantas murchas e tristes. Ele não parecia ter uma namorada.


James poderia ter se enganado com os fatos, mas ela duvidava disso. Dulce estava fervendo de raiva. Anos antes, ela poderia ter pensado que apenas os garotos típicos de Rosewood gostariam de fazer joguinhos, mas havia aprendido muito sobre garotos na Islândia. Às vezes, os garotos aparentemente mais inocentes eram os mais astutos. Nenhuma garota poderia olhar para Pablo, o sensível, desmantelado, doce, afetuoso Pablo, e desconfiar dele. Ele fazia Dulce se lembrar de alguém. Seu pai.


Ela se sentiu repentinamente enjoada e então se levantou, pegou o crachá de acesso ao corredor e saiu correndo pela porta.


– Dulce? – chamou Pablo, soando preocupado.


Ela não parou. No banheiro das meninas, correu para a pia, passou sabão cor-de-rosa nas mãos e esfregou o ponto do pescoço em que Pablo havia tocado. Estava voltando para a sala de aula, quando o telefone celular tocou. Ela o tirou da bolsa e apertou ler.


Dulce safadinha! Você deveria saber melhor do que ninguém que não se deve correr atrás de um professor. São garotas como você que destroem famílias perfeitamente felizes. — A


Dulce gelou. Estava no meio do corredor principal da escola, que estava vazio. Ouviu um barulho e se virou. Ela estava de frente para o armário de troféus, de vidro, que tinha sido transformado em um verdadeiro santuário a Angelique Boyer. Lá dentro, havia várias fotos de aulas em Rosewood Day, os professores sempre tiravam toneladas de fotografias durante o ano, e a escola normalmente as dava de presente aos pais quando seus filhos se formavam. Lá estava Angel, com um sorriso banguela no jardim de infância, e vestida como peregrina na peça de teatro do quarto ano. Havia até mesmo alguns dos seus trabalhos escolares, como uma maquete representando o fundo do mar, do terceiro ano e uma ilustração do sistema circulatório, do quinto.


Um quadradinho rosa-shocking chamou a atenção de Dulce. Alguém havia colado um Post-it no vidro do armário. Os olhos dela se arregalaram.


P.S.: Você está se perguntando quem eu sou, não está? Eu estou mais perto do que você imagina. — A


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Dulce Coleções

Este autor(a) escreve mais 52 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

– Diga xis! – gritou Scott Chin, o fotógrafo do livro do ano de Rosewood Day. Era quinta-feira à tarde e a equipe de natação estava no parque aquático, para as fotos em grupo antes de a reunião com os alunos da Tate ter início. Ale havia participado de equipes de natação por tanto tempo que nem se imp ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 176



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • ana_vondy03 Postado em 25/05/2020 - 15:30:30

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 28/05/2020 - 00:40:55

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 23/05/2020 - 14:16:13

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 24/05/2020 - 20:26:25

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 21/05/2020 - 13:38:26

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 22/05/2020 - 20:27:11

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 19/05/2020 - 14:14:49

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 20/05/2020 - 20:18:34

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 15/05/2020 - 20:31:26

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 18/05/2020 - 19:46:39

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 14/05/2020 - 07:05:42

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 14/05/2020 - 22:03:01

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 05/05/2020 - 21:47:25

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 11/05/2020 - 18:25:44

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 02/05/2020 - 03:52:55

    Aiai, continuaaa amoreee S2 (perdão pelo atraso na leitura, mas é q eu ando meio perdida kkkk)

    • Dulce Coleções Postado em 05/05/2020 - 19:19:27

      Hahaha eu tbm dei um atrasado na escrita

  • ana_vondy03 Postado em 05/04/2020 - 22:05:58

    Vixii, continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 10/04/2020 - 20:28:14

      Continuando amore

  • ana_vondy03 Postado em 01/04/2020 - 01:08:21

    Continuaaa amoreee S2

    • Dulce Coleções Postado em 05/04/2020 - 19:39:19

      Continuando amore



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...