Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Espero Por Você... AyA | Tema: Anahí, Poncho


Capítulo: Capítulo 19 - parte 2

80 visualizações Denunciar


oncho nem hesitou. Havia uma tranquilidade confiante em tudo o que ele fazia. Seus braços estavam em volta da minha cintura em menos de um segundo, levantando meus pés do chão com um abraço apertado. Dulce sabiamente tirou o copo da minha mão, antes que Poncho me girasse. Agarrei nos ombros dele enquanto via as paredes da garagem girarem junto.


— Puta merda, não acredito que você está mesmo aqui.


Parecia que ninguém realmente tinha acreditado que eu viria. Eu me senti acolhida e empolgada por ter tomado aquela decisão.


— Eu disse que viria.


Ele me apoiou no chão, mas não me soltou.


— Quando chegou?


— Sei lá. Agora há pouco — respondi, dando de ombros.


— Por que não veio dar oi? — A covinha estava lá, e eu me vi encarando-a.


— Você estava ocupado e eu não quis incomodar — admiti, notando que havia algumas pessoas olhando para nós.


Poncho baixou a cabeça e seus lábios roçaram minha orelha quando ele falou, enviando uma explosão de arrepios pela minha coluna.


— Você nunca é um incômodo para mim.


Meu coração deu um salto no peito, como se eu tivesse sido colocada no topo de uma montanha-russa. Virei levemente a cabeça, e nossos olhares se encontraram. Uma chuva de pensamentos veio à mente, e, quando as mãos de Poncho seguraram meus braços, eu me senti descendo aquela montanha-russa. Por um instante, os sons da festa pareceram ter sumido. As pupilas de seus olhos eram muito grandes, um incrível contraste com aquele castanho claro.


— Ei, Poncho! — gritou Jase. — Sua vez.


O momento se despedaçou, e soltei a respiração que não tinha notado que prendera. Os cantos de seus lábios subiram.


— Não vá muito longe. Balancei a cabeça.


— Ok.


Poncho voltou para o lado de Jase e pegou uma bola de pingue-pongue.


— Nossa — exalou Dulce, devolvendo meu copo. — Aquilo foi...


— Muito intenso — concluiu Christian. — Achei que vocês dois iam arrancar as roupas um do outro e começar a fazer bebês bem aqui nesse chão sujo e coberto de cerveja. Eu teria que começar a cobrar entradas para o que estava prestes a acontecer.


Olhei para ele séria e disse:


— Acho que você exagerou só um pouquinho nessa sua fala.


— Não tanto, se tivesse visto o que vimos — disse Dulce, abanando o próprio rosto. — Por mais quanto tempo você vai continuar enrolando esse cara?


Franzi os lábios, ainda séria.


— Não estou enrolando ninguém.


Dulce ergueu as sobrancelhas, mas não disse nada. Por sorte, a conversa seguiu adiante quando Jimmie apareceu e começou a brincar com as asas da fantasia dela. Nosso trio se transformou num quarteto, e, antes que eu pudesse perceber, havíamos criado nossa própria festa particular. Eu estava totalmente deslocada, mas continuava atenta à conversa. Notei, ao dar um gole na cerveja, que eu havia sido rotulada como a garota calada da festa, mas isso era melhor do que o rótulo que acabara recebendo na última festa.


O grupo tinha aumentado do lado de fora, a música estava um pouco mais alta e as pessoas começaram a dançar. De alguma forma, em meio àquela barulheira, uma risada alta e rouca chamou minha atenção.


Na entrada da garagem, estavam duas garotas que pareciam ter saído de um desfile da Victoria`s Secrets. Uma estava vestida como diabinha, que era basicamente uma camisola vermelha, um rabo em forma de seta e chifres.


Havia seios por toda parte. A outra era uma versão extremamente sexy da Chapeuzinho Vermelho. Muitas coisas aconteceram imediatamente após a entrada triunfal daquelas garotas.


Vários rapazes literalmente pararam o que estavam fazendo para olhar, tipo, no meio de suas conversas. O queixo de Jimmie foi ao chão. Até Christian não tirava os olhos delas, como se estivesse prestes a mudar sua preferência sexual. Meu estômago se contorceu quando vi a fantasia da Chapeuzinho Vermelho e procurei nem pensar que eu tinha usado uma fantasia igual àquela na tal festa de Halloween anos antes. Além do mais, aquele não parecia ser o melhor momento para ficar lutando contra o passado.


A Chapeuzinho Vermelho também era conhecida como Stephanie Keith, ou seja, Steph.


A garota era linda de um jeito que fazia qualquer outra se sentir malvestida e a mais feia do universo. A barra do vestido brilhante ficava logo abaixo do bumbum, e as pernas dela eram estonteantes. A fantasia era complementada por lábios vermelhos, maquiagem esfumaçada nos olhos e duas marias-chiquinhas.


Ela era gostosa.


E foi direto até Poncho.


Steph lançou os braços em volta dele, o que fez seu vestido subir, revelando a calcinha de renda preta, onde estava escrito ME BATA nas nádegas. Poncho não se livrou dela, ao contrário, virou-se de frente e deu seu famoso sorriso torto. Ela pegou a bola de pingue-pongue das mãos dele, conversando e rindo, enquanto sua amiga se jogava nos braços de Jase.


Algo ruim aconteceu lá no fundo do meu estômago, como se eu tivesse comido uma erva daninha. Por que Poncho não saía de perto dela em vez de segui- la ao redor da mesa?


Que pergunta idiota.


Que cara iria querer sair de perto de Steph?


Alguém trombou do meu lado, um pedido de desculpas foi murmurado, mas eu estava concentrada em Steph. Ela segurava a bola perto do peito, sorrindo maliciosamente, enquanto Poncho a seguia.


Dulce tomou o copo de mim e segurou minha mão.


— Vamos dançar.


Cravei os pés onde estava, piscando para ela.


— Eu não danço.


— Não. Nós vamos dançar. — Ela lançou um olhar por cima do ombro. Poncho, de alguma maneira, havia pegado a bola de Steph. — Porque, se não dançarmos, você vai ficar parada aí olhando para eles como a namorada irritada.


Merda. Ela tinha razão. Deixei que me arrastasse até um grupo de garotas que dançavam, por conveniência, perto da mesa de pingue-pongue. Dulce me segurou pela mão e começou a rebolar em volta de mim, cantando junto com a música. Levou alguns instantes para que eu superasse o medo de outra coisa que não fazia há anos, e eu meio que queria terminar minha cerveja.


Fechando os olhos, eu me deixei levar pela música e pela batida contagiante. Assim que isso aconteceu, meus quadris estavam remexendo e eu, sorrindo.


Depois de abrir os olhos, continuei de mãos dadas com Dulce enquanto dançávamos juntas. O grupo à nossa volta aumentou e, por cima do ombro de Dulce, eu vi Poncho.


Ele não estava prestando atenção a Steph. Estava olhando para nós — para mim.


Dulce era um gênio.


Ela olhou para trás e, depois, voltou-se para mim, mordendo o lábio.


— Eles que se danem.


Tombei a cabeça para trás e ri.


— Que se danem.


— Essa é a minha garota.


Jimmie se juntou a nós, vindo por trás de Dulce e colocando as mãos na cintura dela. Levantei as sobrancelhas, e ela deu de ombros, o que era nosso código para suspender por enquanto o soco na periquita. Meu cabelo estava grudado nas têmporas e minha blusa tinha subido mais. Christian se juntou a nós e, basicamente, dançava ao nosso redor agitando as mãos no ar. Eu estava tão entretida rindo dele que, quando mãos tocaram meus quadris, dei um pulo de vinte centímetros do chão.


Os olhos de Dulce arregalaram.


Olhei por cima do ombro e vi um rosto relativamente desconhecido. As bochechas do cara estavam vermelhas, com os olhos levemente vidrados, quando ele parou de pular.


— Oi — ele balbuciou, sorrindo.


— Oi. — Virei as costas para ele, fazendo uma careta para Dulce e dando um passo para a frente. Nisso, o Cara Bêbado me segurou com mais força.


— Aonde você vai? — disse ele. — Nós estamos dançando.


Virei-me de lado e o cara me seguiu, continuando atrás de mim. Meu estômago se contraiu e uma sensação estranha e arrepiante subiu pelas minhas costas, eriçando os pelos da nuca. Transportada para anos atrás, congelei por um segundo. Dulce, Christian, a festa — tudo — desapareceu. Eu o senti me puxar contra ele, com as mãos na pele da minha barriga. Sem qualquer aviso, a realidade pareceu ser transmutada.


Eu não estava mais ali.


Eu estava , com as mãos dele sob minha saia, e não conseguia respirar nem enxergar; o tecido rústico do sofá contra o meu rosto.


— Amorzinho — cochichou o cara em meu ouvido. — Dance comigo.


Amorzinho — dissera Blaine, com a respiração ofegante em meu ouvido. — Você não pode dizer que não quer isso.


A garagem se transformou num porão e voltou a ser garagem de novo. Tentei me afastar, com o coração pulsando tão rápido que parecia que eu ia vomitar.


— Me deixe em paz.


— Vamos lá, é só uma dança. — A mão dele na minha barriga, por baixo da minha blusa. — Você...


— Me deixe em paz. — Minha respiração ficou presa na garganta enquanto eu lutava. — Me deixe em paz!


Ouvi um grito de surpresa e um berro esganiçado. De repente, fui libertada das mãos do cara bêbado. Cambaleei para trás, dando um encontrão em alguém.


Com o coração acelerado, tirei o cabelo do rosto e levantei a cabeça. Meu Deus.


Poncho tinha prensado o cara na parede.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Alien AyA

Este autor(a) escreve mais 9 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Uma pequena multidão se formou em volta de Poncho e do cara. Alguns observando com real interesse, outros só zombando da luta. Poncho estava segurando o cara com apenas uma mão no peito dele. Ele colou o rosto no do rapaz, e a outra mão estava pronta para dar um soco. — Que merda é essa, cara? Você tem algum problema de audi&c ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 28



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • Nandacolucci Postado em 26/02/2020 - 18:13:30

    Já estou adorando a família do poncho... CONTINUAAAA

  • Nandacolucci Postado em 23/02/2020 - 01:05:10

    Meu amigo se só uns não beijo já deixou a Anny com esse fogo todo, imagina quando forem fazer o oba-oba kkkkkvai rolar incêndio.. CONTÍNUAAAAA

  • Nandacolucci Postado em 18/02/2020 - 22:43:41

    Ahhhhhh esse momento é meeeeeu, que encontro emm o poncho é um anjo sério <3 a Anny arrumou bem um cara para o primeiro encontro... Vão tomar chocolate quente são muito fofoooos *-* CONTÍNUAAAAA

  • Nandacolucci Postado em 17/02/2020 - 22:52:12

    AI O MOMENTO MAIS ESPERADO UHUUUUU. finalmente eles vão sair juuuntooos... CONTÍNUAAAAA AAAAAA

  • Nandacolucci Postado em 14/02/2020 - 21:02:04

    Aí mano esse Blaine é um babaca de marca maior, acabou com a vida da Anny :/..espero que ela consiga superar isso... CONTÍNUAAAAA

  • Nandacolucci Postado em 13/02/2020 - 17:09:14

    CONTINUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

  • Nandacolucci Postado em 12/02/2020 - 23:02:27

    Hmmm essa festa tá com cara de que vai ser babado... CONTÍNUAAAAA

    • Alien AyA Postado em 13/02/2020 - 22:24:21

      Com toda certeza será!!!

  • Nandacolucci Postado em 10/02/2020 - 23:28:46

    Aiii esses dois juntinhos é pra matar de tanta fofura...... E sobre as ligações preciso saber urgente oq é que está rolando... CONTÍNUAAAAA

    • Alien AyA Postado em 11/02/2020 - 18:07:47

      São muito lindos juntos *-*

  • Nandacolucci Postado em 07/02/2020 - 00:04:27

    Realmente um milagre não sair com esse homem kkkkk

  • Nandacolucci Postado em 05/02/2020 - 00:18:06

    Amo essa insistência dele..e que momento foi esse, se já tá assim agora imagina mas pra frente, vai pegar fogooo.. CONTINUAAAA

    • Alien AyA Postado em 06/02/2020 - 22:10:36

      Vai pegar mesmo kkkkk



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

Não conseguimos todo o dinheiro necessário para pagar o DataCenter.


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...