Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Beautiful Obsession [ Vondy ] Finalizada | Tema: DyC


Capítulo: Seis

263 visualizações Denunciar






                  Pov Dulce


 


 


Entrei na grande sala novamente e me sentei no sofá, ainda congelando de frio. O terno de Christopher serviu para me esquentar um pouco e, de quebra, ainda tinha seu delicioso e embriagante perfume em abundância ali. "Preferiria sentir enquanto estava perto de seu corpo e não com uma peça de roupa" pensei, mas logo tratei de espantar aquele pensamento. Eu o odiava e seria sempre assim.


Alguns minutos depois Christopher entrou também. Provavelmente tinha ficado lá fora para terminar o cigarro. "Pelo menos é educado e não fuma em casa." pensei, me lembrando de como eu odiava cheiro de cigarro. Atacava meus pulmões me fazendo sentir uma falta de ar terrível. Na verdade, eu tinha asma, mas não tinha ataque asmático desde os seis anos. Enquanto Christopher se colocava a minha frente com as mãos nos bolsos e uma expressão seria e incrivelmente sexy, me peguei pensando se ele sabia disso sobre a minha vida também ou o que mais saberia. Será que tinha alguma coisa que ele não tinha conhecimento sobre mim?


- Bem, vamos direto ao assunto... - ele se sentou a minha frente, na quina mesinha de centro, analisando descaradamente minhas pernas desnudas. 


- O que? - perguntei desafiadoramente - Que eu não vou fugir? Se eu fosse você teria menos certeza disso, mas enfim, acabou? Posso dormir agora?


Ele riu suavemente, mas seu tom era mais sarcástico do que qualquer uma das outras vezes, o que me deixou furiosa.


- Não vou discutir com você sobre um assunto tão tolo e óbvio. - seu tom debochado me fazia querer pular em cima dele e agarrar seus cabelos arrancando-os e fazendo Christopher gritar de frustração, raiva e susto. - Antes do seu showzinho no jantar, eu precisava te falar umas coisas.


Dei de ombros, olhando para o lado. Ele soltou uma risada debochada. Eu odiava parecer uma criança birrenta na sua frente, queria que ele me respeitasse, mas impor isso era impossível. Seus olhos, seu jeito de sorrir, tudo nele debochava de mim como se eu fosse uma criança de 9 anos que brigava dizendo que "era adulta" quando estava na cara que ela não chegava nem perto de ser. Bufei e Christopher continuou.


- Não sei exatamente o que você acha de mim, mas também não me importo, só quero que saiba que pode me pedir o que quiser. - olhei-o confusa e ele se levantou, colocando as mãos nos bolsos da calça novamente - Essa é sua casa agora. Quando quiser, pode ir a geladeira e comer o que quiser ou em qualquer um dos armários, e também circular pela casa inteira, a não ser nos fins de semana e feriados. Nesses dias eu quero que fique dentro de casa, a não ser que eu peça para você sair, mas presumo que não. Seu notebook chegará em poucos dias, junto com algumas outras coisas que eu encomendei, eu espero, então terá livre acesso a internet também. Se precisar de mais roupas ou qualquer outra coisa, eu peço que não hesite em me pedir, eu te atenderei. Anahí te fará companhia, pelo que ela me disse, se deu bem com você. - ele pausou, se virando para mim - Alguma pergunta?


- Porque ta fazendo tudo isso? Quero dizer, por mim?


Christopher não respondeu nada e se sentou novamente, mas agora no sofá que tinha ao lado do que eu estava sentada. Ele levou um dedo a boca, alisando seus lábios enquanto passeava seus olhos por todo o meu corpo. Seu olhar exalava malícia e eu saquei na hora tudo aquilo, como se um clic viesse a minha mente e me fizesse entender tudo. Cobri minhas pernas com seu terno, fazendo-o sair do transe e me olhar estranhamente. Quase pude ver um pingo de raiva em seus olhos dourados, mas ele não disse nada.


- Não vai responder? - perguntei


- Não, obrigado. - ele disse simplesmente


- Como eu previ, mas quer saber? Não precisa, eu sei exatamente qual é o seu joguinho, Christopher Uckermann. - me levantei, segurando seu terno ao lado do meu corpo e ele me olhou meio surpreso, mas levantou-se também, ficando perto até demais de mim. Não dei nenhum passo para trás, afim de encará-lo nos olhos.


- Ah, é? - ele me surpreendeu, me puxando pela cintura.


Meu corpo bateu no seu bruscamente, fazendo-me sentir todo o seu peito muito bem definido por debaixo da camisa branca, enquanto sua mão acariciava minha cintura delicadamente, mas ainda sim firme. Seu toque quase me fez arfar, mas me segurei. Sua respiração era refrescante e doce, com um leve aroma de cigarro recém absorvido, o que, normalmente, me faria sentir repulsa, mas com Christopher só me fez ter vontade de me aproximar mais e tomar seus lábios perfeitamente desenhados por algum anjo de talento excepcional. A visão era a mais bela que eu já tinha visto em minha vida. Seus olhos ficavam ainda mais penetrantes quando olhado de perto. Um dourado perfeito e nítido, uma cor que eu nunca tinha visto antes e sabia que não encontraria igual nunca mais. Suas sobrancelhas eram perfeitamente desenhadas, combinando com os olhos e tom mel de seu cabelo, que deveria ser macio. Seu rosto tinha o formato perfeito, e a forma como ele contraía o maxilar deixaria qualquer uma sentir um formigamento no meio das pernas, exatamente como estava acontecendo comigo agora. As sutis pintas, sobretudo a mais linda, se é que se pode achar a porra de uma pinta linda, era a que ele tinha perto do canto da boca. Ele era a própria perdição ao vivo e a cores, em corpo e alma. Eu queria tomar seus lábios loucamente, mas me segurei. "Esse paraíso não é pra você, Savinon. Ele não pode te fazer se entregar tão fácil" pensei, voltando a realidade, e o empurrei, fazendo-o cair sentado no sofá atrás de si.


- Se você acha que eu vou ser fácil e deixar você fazer o que quiser com meu corpo pode tirar o cavalinho da chuva! E sabe porque? Porque eu tenho nojo de você e te odeio com todas as forças do meu corpo e alma, Christopher Uckermann! Nunca mais toque em mim! - gritei, saindo a passos firmes da sala


- Eu não vou precisar te tocar a força, Savinon. - ele riu se levantando, me fazendo parar no meio da escada para virar e encará-lo. Ele se virou para mim e olhou diretamente para os meus olhos do andar debaixo - Você vai implorar para ser tocada por mim e quando isso acontecer eu não vou ter um pingo de piedade de você. - ele riu - Vou fazer você gemer meu nome até suas cordas vocais falharem.


Arregalei os olhos assustada e ele riu sarcasticamente. Me virei rapidamente para terminar de subir as escadas, mas ele me chamou novamente.


- Ah, Dulce! - ele gritou, mas eu não me virei. Definitivamente não queria me perder nos olhos cor de avelã dele agora - Linda bunda.


- Vai pro inferno! - gritei, enquanto terminava de subir as escadas, indo para o meu quarto.


Bati a porta e me joguei na cama, percebendo só agora que ainda estava com o terno de Uckermann. Soltei-o na cama ao meu lado. A peça de roupa ainda exalava seu maravilhoso perfume. Virei o rosto pensando em tudo que Christopher tinha me falado. Ele tinha admitido que ia me estuprar, mas... não, mas nada! Ele tinha admitido que faria isso e que não teria pena dos meus gritos ou do que eu implorasse. Ele queria meu corpo e era só, igual deveria fazer com todas as vadiazinhas que provavelmente rodeavam a sua vida medíocre. Eu não acredito nisso! E ele ainda pode querer fazer isso comigo a qualquer hora e em qualquer dia, eu estou em suas mãos. Mais assustador do que ser abordada na rua e um babaca qualquer fazer isso com você, é estar na casa desse babaca (que no caso não tem cara de babaca e sim do homem mais gostoso e sexy, rude e sarcástico, a estrada do pecado inteira) sob cuidados especiais e completamente sujeita a sua bipolaridade e loucura, ainda mais por eu não saber muito sobre esses assuntos. Será que ele sabia que eu nunca...? Deveria saber.


Oh droga, eu estava realmente fodida. Em um sentido apenas, por enquanto.





 


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Lene Jauregui

Este autor(a) escreve mais 30 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

                  Pov Christopher     Eu já estava dormindo tranquilamente em minha cama. Por algum motivo acordei e segundos depois a claridade da porta se abrindo adentrou o meu quarto, junto com o barulho da mesma ao se abrir, o que era estranho, já que ela não fazia barulho algu ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 49



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • ana_vondy03 Postado em 17/04/2020 - 16:11:33

    Naaaao, estou triste que acabou! Mas me diz, vem história nova por aí?? Adorei poder acompanhar essa!!

    • Lene Jauregui Postado em 17/04/2020 - 22:25:54

      Vem sim amoré, logo logo estou de volta. Um beijo

  • biavondy15 Postado em 16/04/2020 - 20:58:36

    Essa fanfic é maravilhosa, estou simplesmente apaixonadaaa

  • ttm Postado em 16/04/2020 - 20:48:42

    continua amore

  • biavondy15 Postado em 16/04/2020 - 14:54:56

    Posta mais hoje, eu vou enlouqueceeeeeeeeeeer To amando!!!!!!!!!!!

  • ttm Postado em 16/04/2020 - 12:25:45

    continuaaaa

  • lariiidevonne Postado em 16/04/2020 - 12:07:30

    Mais, mais, mais e maaaaaaais! Posta mais PF haha :)

  • dada Postado em 16/04/2020 - 11:55:39

    Cont..

  • ana_vondy03 Postado em 15/04/2020 - 18:34:44

    Aaa continuaaa amoreee S2

  • lariiidevonne Postado em 15/04/2020 - 16:08:52

    Continua por favor :)

  • ttm Postado em 15/04/2020 - 13:45:28

    continua



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...