Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Beautiful Obsession [ Vondy ] Finalizada | Tema: DyC


Capítulo: Nove

186 visualizações Denunciar






                 Pov Dulce


 


 


Christopher ficou no escritório o resto do dia. Eu estava na sala, largada no sofá enquanto assistia alguma coisa. Anahí  me deixava tão à vontade que parecia que eu morava com ela a anos, se fosse só Christopher ali eu não sentiria essa liberdade toda, mas graças a Deus ela estava ali. Tanto para conversar comigo e me deixar à vontade, quanto para me fazer esquecer um pouco das crianças que eu sentia tanta saudade. Ela era como a melhor amiga que eu nunca tive.


No canal estava passando Bob Esponja. Anahí havia feito cachorro-quente para o almoço e Christopher não tinha descido para comer, alegando a ela que estava sem fome alguma. Eram 20h agora e Anahí estava descendo as escadas com uma roupa que me fez levantar para admirar. Um vestido azul escuro quase preto que destacavam suas curvas e lindas sandálias pretas, os cabelos estavam soltos em suas lindas ondas e a maquiagem realçava seus olhos claros. Os anéis e o colar davam um toque especial e brilhante, junto com a clutch*.


- Uau! Você está linda! - falei com os olhos arregalados


- Obrigada! Eu sei. - se gabou rindo 


- Aonde vai? - perguntei


- Uma boate no centro da cidade. - respondeu - Ei, vamos junto comigo! 


- Eu acho melhor não, não gosto de festas. - falei envergonhada, Anahí parecia ser uma garota que adorava esses lugares e eu era o contrário. 


Nunca tinha ido nesses lugares. Tinha certeza que ficaria perdida lá, e é claro que Anahí estaria fazendo coisas mais importantes do que cuidar de mim em uma boate. Por outro lado, a ideia de sair daquela casa me trazia um alívio e felicidade sem igual.


- Ah, nada a ver, vai se trocar, vamos! Eu te ajudo a escolher a ro...


- Ela não vai a lugar nenhum. - a voz rouca me fez olhar para trás assustada.


Christopher tinha aparecido não sei de onde. O terno sempre impecável dessa vez desprezava camisa e gravata, ele usava apenas uma camiseta preta lisa por baixo do terno também preto. A calça também não era social, mas combinava bem com o look, terminando com um sapato preto e o relógio de ouro inseparável.


- Sério que você pretende deixar ela trancada aqui pra sempre, Christopher? Ela precisa sair! - disse Anahí 


- Você pode ir, ela fica. - olhou pra mim


- Mas...


- Anahí, eu não vou repetir. - ele disse e ela bufou


- Desculpe Dulce, ele é um chato. 


- Relaxa, eu acho que não me adaptaria bem a esses lugares mesmo, nunca fui muito de ir à festas. - respondi sorrindo


- Você parece mesmo que curte lugares mais tranquilos. - riu - Mas eu ainda te levo em uma das minhas festas, isso eu prometo! Nem ele - apontou para Christopher - Vai atrapalhar.


Eu ri do olhar nervoso que ela lançou para ele em seguida.


- Bom, até mais Dulce, não me espere acordada! - ri, ela me deu um beijo estalado na bochecha - Até mais, homem das cavernas.


- Se chegar bêbada, por favor, não me acorde com seus barulhos, irmãzinha. - disse com um sorriso sarcástico. Anahí mostrou a língua para ele e saiu da casa, em meio a alguns risos meus.


Assim que porta se fechou me sentei novamente no sofá, abraçando meus joelhos. Estava frio, mas a minha preguiça de colocar uma roupa mais quente era bem maior. Eu estava distante de Christopher, que não tinha expressão alguma a não ser uma ponta de confusão no olhar.


- Bom saber que está aceitando minha companhia. - ele disse, depois de alguns minutos


- Não estou aceitando nada, eu estava aqui primeiro, não vou sair só por sua causa. - respondi sem olhá-lo, mas percebendo que ele me olhava falar - E aliás, a casa é sua.


Pelo canto do olho percebi um sorriso sarcástico com uma pitada de ironia. Revirei os olhos, irritada. Eu odiava o jeito dele, por mais que o deixasse mais sexy. Se é que fosse possível ele ficar mais sexy. Droga, o que eu estou pensando? Eu não acho ele sexy, para com isso Dulce!


Bob Esponja já tinha acabado a um tempo. Estava passando Padrinhos Mágicos agora e eu não conseguia evitar rir. Nas poucas vezes que a televisão da escola ficava em canais de desenho tinha me apaixonado por eles, eram engraçados e fofos ao mesmo tempo. Eu estava rindo de uma das bobagens de Cosmo sem me lembrar que Christopher estava ali, até olhar para o lado sem querer e perceber que ele não só estava bem mais perto de mim, como me olhava fixamente e sorria de vez em quando.


 - O que foi? - respondi olhando-o séria, assim que entrou no comercial


- Qual a sua idade? - ele perguntou. Senti ironia na sua fala. É claro que tinha ironia na fala, ou não seria Christopher Uckermann falando.


- Você deve saber, já que sabe cada passo que eu dou desde sei-lá-quando. 


- Sim, sei. Mas eu quero ouvir você falar.


- 17. - respondi - 17 anos. Algum problema? Aliás, não sei quantos anos você tem. Vamos lá, qual sua idade?


- Idade suficiente para não rir de desenhos animados, aliás, você também está um pouco velha para isso.


- Ninguém é velho demais pra rir sinceramente, Christopher.


- Rir sinceramente?


- As únicas vezes que eu vi você sorrir foram em tom de ironia e sarcasmo. Isso não é rir de verdade.


- É sim.


- Não é. - respondi - Eu estou rindo dos desenhos porque é engraçado, você ri das coisas para debochar das pessoas. Não sei se é algum tipo de defesa ou você só é louco mesmo, mas sei que não tem sinceridade e nem graça de verdade.


Ele se levantou, retirando-se da sala. Subiu novamente e eu adivinhei que teria ido ao seu escritório. Fiquei na sala até o desenho acabar, mas minha cabeça estava em Christopher. Será que eu fui dura demais? Grossa demais?


Eram 21h quando não estava passando mais desenho algum e eu decidi ir vê-lo. O tédio se instalava em toda a casa e de certa forma eu estava com medo de ficar sozinha numa casa tão grande. Eu não acreditava em fantasmas, mas tão pouco duvidava que eles existiam.


Cheguei na frente da grande porta de madeira escura e dei três toques leves. A porta estava entreaberta, mas eu não abriria sem antes bater. 


- Entra. - a voz dele soou fazendo meus pelos se arrepiarem por todo o corpo.


Empurrei a porta lentamente e entrei. O short que Anahí tinha pego ficava realmente muito curto em mim. Acabava exatamente no fim da bunda e a regata solta acabava um pouco acima do meu umbigo. Christopher passeou os olhos lentamente pelo meu corpo, mas percebi ele se forçando a olhar para baixo novamente, para as folhas em sua mão e na mesa.


- Oi. - falei simplesmente, minha voz saiu trêmula e ele percebeu isso, mas não disse nada, nem um sorriso sarcástico ou algo assim


- Precisa de alguma coisa? - ele perguntou, sem tirar os olhos do papel


- Digamos que sim. - respondi - Companhia.


Dessa vez ele riu.


- Pensei que só suportasse minha companhia porque a casa é minha.


Uma pontada de culpa me invadiu. Eu já achava que tinha sido grossa demais com ele e agora a confirmação pelo próprio. Cruzei os braços procurando algum modo de parar de tremer, mas não funcionou.


- Me desculpe. - falei, olhando para baixo


- Não precisa se...


- Não, preciso sim. Eu... eu fui grossa com você. Eu nem te conheço, mal te vejo, como podia ter falado com tanta certeza que você não sorri sinceramente? Eu te respondo: não podia. - passei meu peso de um pé para o outro, sem conseguir olhar em seu rosto - E ainda dizer que sua companhia é dispensável... Ah, eu sou uma idiota. Não liga pro que eu falo, eu não sei o que eu falo. É sério, me desculpe. 


Se tinha uma coisa que eu odiava mais que tudo no mundo era decepcionar alguém, não importa quem esse alguém fosse. Eu me sentia extremamente mal, pegava toda a dor que a pessoa, supostamente, estava sentindo pra mim e juntava com a que eu já estava sentindo, como se até a culpa da 2° Guerra Mundial fosse minha e, se um dia houvesse uma 3°, seria minha culpa também. A essa altura lágrimas teimosas já desciam grossas pelo meu rosto e eu tentava contê-las com as mãos, mas não era o suficiente.


- Dulce? - ele se levantou - Ei, calma. 


- Eu te decepcionei, eu sempre decepciono as pessoas. Elas ficam mal, a culpa é minha. Por isso meus pais me deixaram, eu tenho certeza! - falei em meio as lágrimas - Agora eu estou igual uma idiota chorando na sua sala e te atrapalhando. Ah meu Deus, me desculpe. Eu vou pro meu quarto, te deixar em paz, eu...


- Não, não. - ele levantou meu rosto, fazendo-me mirar fixamente para seus olhos dourados - Não fala isso, a culpa não é sua. De nada disso. 


- Claro que é, é por isso que sou orfã, é por isso que as coordenadoras me batiam. Eu sou um desastre, não era pra eu ter nascido. Eu sempre estrago tudo, eu sou um...


- Dulce, para! - ele me sacudiu, sem me machucar, mas me fazendo parar de falar. Suas mãos apertavam meus braços nas laterais firmemente, mas quase que delicadamente, sem doer - Não é culpa sua ser orfã e aquelas mulheres eram monstros, nada disso é culpa sua. O mundo seria um lugar ainda pior se você não tivesse nascido, acredite em mim. Eu estou bem, você não me decepcionou, de forma alguma. Eu... eu precisava daquilo. Não chore - ele limpou meu rosto com as costas das mãos - Por favor, não chore.


Ele estava tão perto de mim que eu perdi o ar, mas ao mesmo tempo, olhar fixamente para o dourado de seus olhos faziam com que eu não precisasse do oxigênio a nossa volta. Ele segurou meu rosto calmamente e eu senti a sua outra mão deslizar pelo meu corpo até a cintura. Ele aproximou mais seu rosto do meu, quase me fazendo arfar. Sua respiração era quente e lenta, tinha cheiro de menta com resto de cigarro, a combinação perfeita. Sua mão deslizou até a minha bunda e eu fechei os olhos quando ele apertou levemente a mesma, fazendo-me gemer baixo. Não vi, mas ele sorriu, aproximando-se ainda mais. Ele roçou seus lábios nos meus e logo os selou. Eu não tive tempo de pensar em não permitir a passagem de sua língua, ela já estava lá, se encontrando com a minha e por um momento eu pensei estar flutuando. Christopher beijava sintonicamente e devagar, mas sem deixar que a selvageria do beijo não fosse percebida. Eu já havia beijado antes, é claro, mas por algum motivo eu tinha a certeza que de nenhum beijo seria mais delicioso do que aquele. Ele deslizou sua outra mão pelo meu corpo inteiro, juntando-a com a outra em minha bunda e a apertando os dois lados da mesma ao mesmo tempo. Soltei mais um gemido entre o beijo que não foi quebrado e senti meus braços enlançando o seu pescoço, enquanto ele dava o impulso, fazendo minhas pernas enrolarem em sua cintura. Ele andou comigo, me sentando em algo duro que eu logo percebi ser a mesa. Algumas coisas da mesma caíram a seus pés, mas ele parecia não ligar enquanto sugava o meu lábio inferior e alisava minhas coxas com as mãos, apertando-as de vez em quando.  Ele desceu os beijos por todo o meu pescoço, chupando e lambendo aonde havia feito isso. 


- Porque você tem que ser tão gostosa? - ele perguntou ofegante, voltando a me beijar em seguida


Eu só percebi realmente o que estava acontecendo, quando a alça da regata estava caída e os beijos de Christopher desciam mais de encontro aos meus seios.


- Christopher! - gritei, empurrando seus ombros


Ele me lançou um olhar confuso e eu o empurrei para trás, arrumando a alça e saindo de cima da mesa enquanto gritava comigo mesma em mente pelo que estava deixando acontecer.


- O que v...


Parei de ouvir sua voz ao bater a porta do escritório com força enquanto corria para o meu quarto. Tranquei a mesma e desabei na cama, chorando. Droga, o que foi que eu fiz? Você beijou Christopher Uckermann, foi isso que fez uma voz em minha cabeça disse Sua grande tola! Ele só quer seu corpo! 





 


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Lene Jauregui

Este autor(a) escreve mais 30 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

                   Pov Dulce     Chorei até não ter mais lágrimas. Sentia meu rosto inchado e quente, mas não me importei. Levantei-me, olhando no relógio. 21h40. Estava com um pouco de fome, mas nada muito exagerado. Me sentei na cama e só naquele momento percebi ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 49



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • ana_vondy03 Postado em 17/04/2020 - 16:11:33

    Naaaao, estou triste que acabou! Mas me diz, vem história nova por aí?? Adorei poder acompanhar essa!!

    • Lene Jauregui Postado em 17/04/2020 - 22:25:54

      Vem sim amoré, logo logo estou de volta. Um beijo

  • biavondy15 Postado em 16/04/2020 - 20:58:36

    Essa fanfic é maravilhosa, estou simplesmente apaixonadaaa

  • ttm Postado em 16/04/2020 - 20:48:42

    continua amore

  • biavondy15 Postado em 16/04/2020 - 14:54:56

    Posta mais hoje, eu vou enlouqueceeeeeeeeeeer To amando!!!!!!!!!!!

  • ttm Postado em 16/04/2020 - 12:25:45

    continuaaaa

  • lariiidevonne Postado em 16/04/2020 - 12:07:30

    Mais, mais, mais e maaaaaaais! Posta mais PF haha :)

  • dada Postado em 16/04/2020 - 11:55:39

    Cont..

  • ana_vondy03 Postado em 15/04/2020 - 18:34:44

    Aaa continuaaa amoreee S2

  • lariiidevonne Postado em 15/04/2020 - 16:08:52

    Continua por favor :)

  • ttm Postado em 15/04/2020 - 13:45:28

    continua



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...