Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -
- Links Patrocinados -

Fanfic: Namorado Por Acaso - Vondy (Adaptada) | Tema: Vondy


Capítulo: Capítulo 41

228 visualizações Denunciar


E se eu disser que já passamos da metade da história? Ainnn, acaba nãaaao!


Dulce


— Então, por que pegamos outra rota? — indaguei, e ele sorriu, atento à estrada.


— Não estamos indo para o resort.


— Ah, é? — perguntei, curiosa.


 — Uhum. — Os dedos dele ficaram mais firmes no volante.


— E você vai me dizer?


Ele estalou os lábios.


— Hum, não. Eu ri.


— Tá bom, vou só confiar em você.


Ele abriu os vidros do carro, e o vento bateu forte devido à velocidade. Coloquei o braço para fora, fazendo ondas com a mão, curtindo a batida gostosa da música que estava tocando.


Estávamos no ápice da tarde, sem nem um sinal da noite chegando tão cedo. A estrada que ele pegou era como subir uma serra, e eu conseguia ver o mar a certa distância. Quanto mais longe o carro ia, mais perto chegávamos da água. Dei uma olhadinha no GPS. Segundo o aplicativo, faltava meia hora para chegarmos ao destino.


— Então, amanhã é o nosso último dia — Ele falou sobre a música.


JP Cooper cantava All This Love, sua voz sensual embalando nós dois, e eu ignorando propositalmente a letra, já que falava sobre o fim de um relacionamento. Lancei um olhar para Alexander, e percebi que estava concentrado na direção.


— É — sussurrei, o coração apertado. — Mas, assim, você pode postar as fotos que tiramos hoje... semana que vem. Me marcar e tudo, se quiser. Ah, melhor ainda! Hoje nós podemos trocar de roupa no resort e tirar várias fotos diferentes, para você ter um acervo de imagens nossas. Também vamos nos ver em Nova York. Mais fotos, e você pode usá-las para continuar afastando a Belinda, já que ela é tão... atenta às suas redes sociais.


Só de pensar naquela mulher procurando-o quando eu estivesse fora... Francamente.


E só de mentir para Alexander que eu não estava apaixonada por ele até o pescoço...


Deus.


Ele me deu uma olhadinha rápida, de canto de olho, e voltou a atenção para a direção.


— É uma forma de continuar a mentira, certo? — Seu Pomo de Adão subiu e desceu.


— Suponho que sim. Se você quiser... Ou até encontrar realmente alguém e começar a...


Cariño — me interrompeu.


Ele me olhou.


— Eu não vou encontrar. — Sorriu daquele jeito irresistível que fazia seus olhos cor de mel sorrirem também.


— Oh, certo. Você diz isso agora — joguei, amarga. — Mas pode acontecer.


— Não.


 Meu coração deu uma acelerada estúpida.


— Estamos perto — avisou, e o carro foi desacelerando até parar no acostamento.


— Por que parou?


Estávamos em um pico elevado da estrada, com o mar a muitos metros de nós, a água batendo nas rochas. Sozinhos, sem ninguém para nos ver. Ele destravou as portas e saiu do carro. Assim, de repente. Arregalei os olhos, observando-o pelo vidro da frente. Ele abriu os braços, o vento balançando sua camisa polo, deixando-o quase sem roupa, os cabelos negros uma verdadeira bagunça.


 — Vem — gritou lá de fora.


Saí do carro, sem entender nada.


— O que você está fazendo?


Ele abaixou os braços, e suas pálpebras se fecharam.


— Você começou a falar da importância de as pessoas acreditarem na mentira que nós somos.


— Eu não disse com essas palavras...


Seus olhos se abriram e focaram em mim. Parei de falar. Ele deu um sorriso de canto de boca, fazendo meu coração saltar.


— E eu já disse a você que não estava encenando quando te beijei no casamento. E te dei provas na piscina de que eu iria longe contigo, mas não porque tínhamos uma plateia.


— Certo, mas nós perdemos a cabeça, né? A gente tinha bebido e... a atração, claro, existe também, mas...


— Olhe esta vista, Cariño — me interrompeu.


Meu corpo parou de coordenar a respiração com os batimentos cardíacos, era como se tudo em mim corresse na mesma velocidade que o carro estava pouco antes de pararmos.


Fiz o que ele me pediu e observei o cenário.


Era uma estrada e, além dela, só a natureza nos presenteava. Uma queda de muitos metros, com certeza. O mar lá embaixo batia com força nas rochas e não havia nada no horizonte além do oceano tocando o céu muito azul, poucas nuvens e um vento bem forte batendo em nós.


Imersa na paisagem, não vi quando ele veio para trás de mim, mas senti suas mãos na minha cintura. Ele segurou com delicadeza minha regata, seus dedos espreitando embaixo do tecido, subindo... me arrepiando bem mais do que o vento que bagunçava nossos cabelos. Ele subiu as mãos até deixar uma apoiada sobre meu estômago e a outra no meu umbigo. O rosto dele desceu, a respiração ao pé do meu ouvido.


— Você vê alguém aqui além de nós dois? — sussurrou, rouco.


— N-não. — Minha voz tremeu.


Minhas mãos espalmaram seu peito quando ele me virou para ele, de repente. Os olhos mel estavam pegando fogo e senti os batimentos na garganta quando vi a ponta da língua dele espreitar pelo lábio inferior, umedecendo-o. Suas mãos agora estavam nas minhas costas, me trazendo ainda mais para ele.


— Você bebeu?


Seu nariz desceu em direção ao meu.


Engoli em seco.


— Só água.


 — Você vai encontrar mais alguma desculpa?


— Não — murmurei.


O sorriso dele foi largo e malicioso, e estremeci por inteiro. Perdida, não entendi o que ele queria fazer, até sentir a alça da minha regata descer com um puxão. Seus lábios quentes beijaram meu ombro, e meu estômago deu um giro quando sua língua espreitou ali. Cerrei as pálpebras, jogando a cabeça para o lado oposto de onde ele estava, me oferecendo. Toquei sua cintura, apertando, pedindo que nunca parasse.


Ele soltou uma risada rouca, que vibrou direto no meu umbigo, descendo, esquentando... Seus lábios subiram, experientes, tomando tudo da minha pele, alcançando o pescoço. Senti os beijos em câmera lenta conforme ele os distribuía, conforme meu corpo se rendia, meus dedos subindo por baixo da sua camisa, os pelos dele, o calor, os músculos fortes. Sua boca chegou ao meu maxilar, punitiva. Onde o calor tinha tocado, agora só restava o frio pelo vento forte. Os mamilos apontaram, ansiosos, minha calcinha se tornando incômoda. Gemi quando a ponta da sua língua passou no meu queixo, e abri meus lábios, querendo que me beijasse.


— Me beija?


O sim veio com o sabor e a atitude dele, sua língua girando com pressa em torno da minha, sua mão subindo por baixo da minha roupa, até agarrar minha nuca e me guiar. Ele mordeu meu lábio inferior, puxando-o para bem longe, para depois reivindicar mais uma vez para si. A língua macia girou completamente pela minha, dessa vez, sem pressa, me fazendo experimentar do paraíso ao inferno, um beijo profundo, que ia longe, que tocava tudo.


Beijar aquele homem era como descer em queda livre e saber que ninguém me faria pular assim. Ele bebia a minha boca, devorava, faminto, consumindo cada centímetro, quase como se estivesse me marcando, exigindo...


Que eu fosse sua e de mais ninguém.


Meu cérebro se tornou incapaz de raciocinar quando a ponta da sua língua alcançou o céu da minha boca, inchando meus lábios... todos eles. Minha perna automaticamente subiu para a sua cintura, e ele a agarrou com a mão livre. Ele me pegou só com a parte de trás da coxa e a outra mão na minha cintura, meus olhos fechados, confiando nele. Uma estrutura firme tocou minha bunda, e me sentei em algo que parecia ser o capô do carro. Ele se abaixou, agarrando meu rosto com uma mão, e se afastou para respirar.


Pisquei, tonta, imersa no calor que nem aquele vento todo conseguiu aplacar.


— Começou com um acordo por aparências, sei disso. — A voz dele se sobressaiu ao vento, rouca, os lábios cheios ainda mais inchados e vermelhos do beijo. — Mas não tem ninguém aqui. Somos só nós dois. E tudo que quero está bem na minha frente, Dulce. Nem que seja só uma vez. — Sua boca se aproximou da minha, o calor de suas palavras tocando-me. — Nem que seja só por hoje, vamos tornar esse namoro realidade.


—  Também quero  você,  Mi Vida. — Puxei seu rosto para o meu, a pulsação vibrando dentro de mim, encantada com cada uma de suas palavras. — Depois a gente se preocupa...


— Aham — ele concordou, me dando um beijo suave na boca. — Mas não vamos fazer isso aqui, Cariño.


Alexander me puxou pela cintura, tirando-me do carro, e me colocou no chão. Os cabelos bagunçados dele, a blusa torta, a respiração perdida...


Nunca o vi tão lindo em toda a minha vida. Ele deu a volta e entrou no carro. Meus joelhos tremeram quando dei um passo, mas consegui sentar no estofado de couro. Ajeitei a alça da regata. A música voltou a tocar, o carro a andar, como se nada tivesse acontecido.


A mão dele veio para a minha coxa, atraindo minha atenção. Ele abriu um sorriso, encarando a estrada, sabendo que estava sendo observado.


— Eu sei que vamos conversar depois, mas... não vou conseguir esquecer isso que vamos viver, Mi Vida — soltei, em uma só respiração.


— Não estou pedindo que esqueça. Só estou pedindo que viva isso comigo, Dulce.


— Então, vamos viver.


Ele acelerou no horizonte inesquecível.


Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Primasvondy

Este autor(a) escreve mais 14 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Só pra deixar Vcs com um gostinho de quero maaaaais! caprichem nos comentários que amanhã tem fogo no parquinho! Christopher Vamos viver. Pelo menos uma vez. Chegamos ao hotel e fiz tudo no piloto automático, como se fosse um robô. A única coisa que prestei atenção foi que parecia mesmo ser diferente de todos os out ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 858



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • Srª Von Uckermann Postado em 15/01/2021 - 17:42:40

    Aaaaaaa nossa senhora do coraçãozinho acelerado, ele é tãoooooooo romântico! Tô apaixonadaaa ❤

  • Srª Von Uckermann Postado em 15/01/2021 - 17:33:39

    Conselho de amiga ariana: vai transar. Lidamos com o coração partido depois. || Como ariana digo que é realmente um conselho que eu daria hahhahaa

  • ana_vondy03 Postado em 15/01/2021 - 15:25:16

    Aiii cara, tão perfeito! Continuaaa amoreee S2

  • aucker Postado em 15/01/2021 - 14:10:03

    Essa conversa vai render muitas coisas ...

  • retobias2121 Postado em 15/01/2021 - 11:34:56

    Continuaaaa

    • Primasvondy Postado em 15/01/2021 - 13:29:22

      Siiim

  • _vondy Postado em 14/01/2021 - 20:22:07

    fogo*

    • Primasvondy Postado em 15/01/2021 - 11:04:52

      Esse fogo deles... aí ai

  • _vondy Postado em 14/01/2021 - 20:21:46

    volteeeeei... mas minha gente que fofo foi aqueles dois? ADOREEEEI. agora espero que ucker dê um basta na berlinda, dios!! tô amando, posta maaaais

    • Primasvondy Postado em 15/01/2021 - 11:04:38

      Belinda precisa urgente de um freio

  • binha1207 Postado em 14/01/2021 - 19:53:24

    Espero que essa conversa...não seja um desastre pro nosso casal.... Posta mais... Seja soberana e nos presentei com mais uns capítulos....

    • Primasvondy Postado em 15/01/2021 - 11:04:19

      Serei soberana hahaha

  • Srª Von Uckermann Postado em 14/01/2021 - 18:14:42

    Finalmente ele vai conversar com a múmia... Espero de coração que a Dulce não veja e dê em merda... Posta mais!!!!

    • Primasvondy Postado em 15/01/2021 - 11:04:02

      Ele precisa dar um ponto final nessa bruacaaaa

  • aucker Postado em 14/01/2021 - 17:32:27

    Essa conversa com Belinda ...

    • Primasvondy Postado em 15/01/2021 - 11:03:29

      Ela tá precisando de um freio



AVISO

Ajude o Fanfics Brasil a se manter no ar. http://pag.ae/7UPKhhi9u

Doar PagSeguro

 


Últimas postagens do Blog


  • 8 dicas para se tornar um escritor de sucesso
    Fanfic é bom para passar o tempo, se desligar um pouco, ou - se você é um escritor especialmente auspicioso - ganhará uma tonelada de dinheiro. É que supostamente ganhou cerca de US$ 80 milhões, graças a 50 Tons de Cinza. Então, o que é...
  • Feliz dia do leitor
    Parabéns a todos os leitores(as) de fanfics pelo dia do leitor e principalmente aos criadores de conteúdo que proporcionam uma boa leitura. Você Conhece a Origem do Dia do Leitor? O Dia do Leitor foi criado em homenagem à fundação do jornal cearense O POVO...