Fanfics Brasil Fanfics Brasil
Cadastro

Fanfic: Felicidade clandestina-bruxa | Tema: Felicidade clandestina


Capítulo: .

27 visualizações Denunciar


    Ela era gorda, baixa, com  uma berruga enorme. Tinha um nariz gigante, enquanto nós todas ainda tinhamos um narizinho. Como se não bastasse, e exibia uma varinha como se fosse bruxa. Mas possuia o que qualquer futura bruxa queria ter:uma mãe dona de uma loja de poções:


 Pouco aproveitava. E nós menos ainda:até para aniversário, em vez de uma poção barata, ela nos entregava em mãos um vidro vazio da loja da mãe. 


  Mas que talento tinha para a crueldade. Ela toda era pura vingança, girando a varinha. Como essa menina devia nos odiar, nós que éramos imperdoavelmente bonitinhas, esguias, altinhas de cabelos livres. Comigo exerceu com calma ferocidade o seu sadismo. Na minha ânsia de aprender, eu nem notava as humilhações a que ela me submetia: continua a implorar-lhe para que sua mãe ensinasse a fazer poções. 


   Até que veio para ela o magno dia de começar a exercer sobre mim uma tortura chinesa. Como casualmente, informou-me que a mãe dela ia abrir um curso e que podia levar uma colega.


 Era um curso completo , meu Deus, era aulas para se ficar impressionada. Disse-me que eu parasse pela sua casa no dia seguinte.


Até o dia seguinte eu me transformei na própria esperança e alegria:eu não vivia, nadava devagar num mar suave, as ondas me levaram e me traziam.


No dia fui à sua casa, literalmente correndo. Ela não morava num casebre como eu e sim numa casa. Não me mandou entrar. Olhando bem para meus olhos, disse-me que não haveria aula hoje e que eu voltasse amanhã para buscá-lo. Boquiaberta, sai devagar, mas em breve a esperança de novo me tomava toda e eu recomeçava na rua a andar pelas ruas de Konoha. Dessa vez nem caí:guiava-me a promessa da aula, no dia seguinte víria, os dias seguintes seriam mais tarde a minha vida inteira, o amor pelo mundo me esperava, andei pelas ruas de Konoha e não caí nenhuma vez.


 Mas não ficou simplismente nisso. O plano secreto da filha da dona da loja de poções era tranquilo e diabólico.no dia seguinte lá estava eu à porta de sua casa;com um sorriso e o coração batendo . Para ouvir a resposta calma: as aulas não  começaram, que eu volte mais tarde , no decorrer da vida, o drama do "dia seguinte" com ela ia se repetir com meu coração batendo.


  E assim continuou. Quanto tempo? Nao sei. Ela sabia que era tempo indefinido, enquanto o fel não escorresse todo seu corpo grosso. Eu já ia começará a adivinhar que ela me escolhera para eu sofrer, às vezes adivinho. Mas, adivinhando mesmo, às vezes acerto: como se quem quer me fazer sofrer esteja precisando danadamente que eu sofra.


  Quanto tempo? Eu ia diariamente à sua casa, sem faltar um dia sequer. Às vezes ela dizia: pois as aulas já foram pela manhã e ja que veio a tarde, já havia acabado. E eu, que não era dada a olheiras, sentia as olheiras se cavando sob os meus olhos espantados.


  Até que em um dia, quando eu estava à porta de sua casa, ouvindo humilde e silenciosa a sua recusa, apareceu sua mãe.  Ela devia estar estranhando a aparição muda e diária daquela menina à porta de sua casa. Pediu explicações a nós duas. Houve uma confusão silenciosa, entrecortada de palavras pouco lúcidas. A senhora achava cada vez mais estranho o fato de não estar entendendo. Até que essa boa mãe entendeu. Voltou-se para sua filha e com enorme surpresa exclamou: mas essas aulas nunca ocorreram.


 E o pior essa mulher decoberta horrorizada da filha que tinha. Ela nos espiava em silêncio: a potência de perversidade de sua filha desconhecia e a memina loura em pé à porta, exausta, ao vento das ruas de Konoha. Foi então que,finalmente se refazendo, disse firme e calma disse para sua filha: "você  vai parar de Mentir já". E para mim . "E para você pegue essa autorização,  traga e na semana que vem começa ". Entenderam? Valia mais do que dar a aula:"semana que vem começa " é tudo o que uma pessoa, grande ou pequena ousaria ter.


     Chegando em casa ,não entreguei oara minha mãe. Fingia que não  o tinha , só para ter o susto de ter.criava falsas dificuldades para aquela coisa clandestina que era a felicidade.  A felicidade sempre ia ser clandestina. Parece que eu já pressentia . Como demorei! Eu vivia no ar ar... Havia orgulho e pudir em mim. Eu era uma bruxa "delicada".


Não era mais uma menina com um bilhete :era uma bruxa com seu amante.



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): ramonduarte

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).




Loading...

Autor(a) ainda não publicou o próximo capítulo



Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 0



Para comentar, você deve estar logado no site.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais