Fanfics Brasil - Aidan Dia 07 Criminal Holmes (+16, +18)

Fanfic: Criminal Holmes (+16, +18) | Tema: Romance, Policial, Drama, Suspense


Capítulo: Aidan Dia 07

295 visualizações Denunciar


Aidan 


Provavelmente, eu desaprendia o fluxo da caminhada. Numa decisão de iniciar a corrida, interrompi rapidamente com as câimbras. Eu enferrujei o meu corpo totalmente. Meu descanso continuou meio demorado no banco da praça, visualizei o horário no pulso, desgastaria mais calorias antes do meio dia. Eu tive mais pressa em entrar no banheiro do que examinar a pata do Pietro na minha invasão na porta. Sem pouco descuido, o shampoo acabou ensaboando os meus olhos. Não era bem um tratamento completo, mas desta vez eu resolvi remover os pelos, o meu maxilar desencadeou a irritação fora do banheiro. A disposição do meu fastio foi forte para completar a refeição. Empurrei tudo com sabor insípido no final. O reabastecimento da ração de Pietro duraria até a noite, miseravelmente ele começou a adiantar a escassez das tigelas. A próxima etapa, parti para aromatizar frescamente a boca, ainda embalsamado de perfume o ajuste na tela da janela foi a última supervisão. 


Arquei com medidas de proteção no trânsito. Jamais eu surgiria na largada em primeiro, enquanto isso o celular ainda continuava desfalecido no banco. Eu não tinha a certeza de que aconteceria realmente um encontro. Nada seguiu um planejamento, inesperadamente o ordenado estabelecido no Delta City. "É pra você se acostumar de que eu sou real." Eu queria muito acreditar nisso, mas eu tinha as minhas incertezas sobre ela. Encontrei uma vaga no estacionamento depois do labirinto de arbustos pequenos. Investiguei a estrutura empresarial gigante, pessoas ingressando na porta automática, eu fiz a mesma coisa depois da senhora de chapéu marrom. Não passou muito tempo para eu sofrer na contenção dos meus nervos, falta de sorte de não optar por uma jaqueta por cima da camisa branca. Eu vivia escolhendo cores quentes para as vestimentas, mas dessa vez eu era exclusivamente cores frias, minha calça e tênis marrons cada um com diferenças de tonalidade. 


A passagem do tempo não trouxe muitos problemas. Eu até visualizei o enxame indeciso pela praça de alimentação. Tudo me levava a crer na enganação. Minha ronda seguiu em outra área, a distância do primeiro andar me arrepiava, me senti incompetente ao lado da menininha que foi flagrada pelo pai em se pendurar na cerca. O toque foi totalmente amplificado no meu celular. Talvez, eu estivesse me alterado na informação do trajeto e só acomulava minutos na chamada. Pelo visto a última dica, ela entendeu certo, se aproximava a escada rolante. Um redemoinho assumiu o controle do meu estômago me fazendo sentir tudo na pele. 


- Você me convida e chega atrasada. 


O enlaço no meu pescoço me fez experimentar a semelhança de um gado desnorteado do rebanho. Mínima serventia faria o cropped escuro, enquanto a maior parte da pele dela estava entregue nas minhas mãos. 


- Você é mais alto do quê aquele dia. Não vou exagerar ficando de ponta de pé. 


- Se me deixar sentar tudo se resolve. 


No centro da praça não havia muita movimentação. As pessoas eram mais adeptas a reparação cara a cara nas vitrines das lojas. Durante a risada dela, a minha espinha protestou num efeito eriçado por todos os lados. Não demoraria para a crise álgida me atacar.


- Ainda estou tentando me acostumar com o frio. - Me aferrolhei com a força dos braços.


- E deve estar odiando ser branquelo.


- Eu nunca fui, de onde eu vim se via o sol todo o dia e mais quente. Já de você, eu diria que é uma criatura insensível. - Nenhuma reação era exibida nos braços dela. Além da ossada, toda pele se assimilava a uma múmia exumada.


- Não julga tanto, estou evitando de estrebuchar na sua frente.


Não foi de imediato que eu pensei em tocar no ombro dela. Cheguei a concluir que não haveria sensação alguma sobre os meus dedos. Quem sabe, tudo em diante serviu para adiantar alguma estratégia dela. Num estouro de uma goma de mascar, ela foi disparada diretamente fixa no meu tronco. 


- Já pensou que assim é uma forma de você se esquentar? 


- Eles podem nos ver como um casal. 


Eu devo ter perdido a percepção do mundo real, a minha boca esquentou e os casulos se romperam na minha barriga. No desato, eu encarei até se possível os poros do rosto dela mais de perto. 


- Você estava muito frio. 


- Se eu estou muito frio é porque você só tem pele. - Não achei correto ela arrimar a cabeça no meu peito, a audição vigilante na minha respiração e em algum batimento estranho. - Eu vou acreditar que você bebeu alguma coisa antes de vim.


Mais uma vez, eu fui ludibriado pelo o rompimento dos casulos. 


- Está sentindo algum gosto na minha boca?


A astúcia dela era infecciosa, a minha língua osculou rompendo a minha santidade. 


- Você que me deu o passe livre. Um ticket sem volta. 


- Gostei de você. 


- Diz assim tão depressa?


- Tá, fiz alarme demais. 


Era mais uma nostalgia da fase da vida, constantemente nosso frio foi pausado com as osculações e com o joguete da nossa pubescência. Eu tinha dado mais conforto ao meu animal silvestre, apertado e mimoseado. Se transformando em um vínculo de imbecilidade com algumas gargalhadas. Nem tanto tempo de evacuação, eu já sofria um degelo dentro do carro, apaziguei as repreensões minimizando o ar condicionado. 


- Aparece de surpresa por lá. Vai ser legal saber que você conheceu bem o meu endereço. 


- No mesmo dia eu saio preso e algemado.


- Eu vou sofrer da síndrome do estocolmo. Não vou ter nenhum medo de você me raptar. 


A cada trajeto, a lua continuava nos vigiando. Me enterneci pela força tão fêmea no meu braço durante a pausa no semáforo. A essa altura, ela já estaria com o mapeamento completo das sensações do meu coração. 


- Eu quero ir ao banheiro. Para em algum lugar. 


- Desde quando você está arquitetando planos para me seduzir?


- É só uma urgência fisiológica. - No fundo, eu interpretei a zombação no rosto dela. 


- Isso foi uma boa desculpa. 


Eu comecei a entulhar a minha solidão na cama. Nenhum respingo de chuveiro ou descarga repercutia. Ela preparava a lascívia escondida. Tão longe da veracidade, o chamado do meu nome ainda incerto tinha utilidade para recolher a toalha da prateleira. Ela praticou a obscenidade nos meus mamilos no quarto. Não houve ritmo certo para o meu libido. Naquela agitação de cúpula, ela encaixou muito bem as nossas zonas eróticas. 


- Como você ainda está solteiro?


- Estou aderindo a esperar pela pessoa certa?


- A pessoa certa está na sua frente. - Deixe a minha mão rastejar no interior da peça íntima dela, encontrei uma nádega quente. 


- Eu estou tentando entender onde é que eles colocam o preservativo. 


- Vai ficar enchendo a cabeça antes de beber? - O desmonte dela de cima de mim tornou mais visível o fardo na cor fria da calça. 


- Estou impedido de bebidas, por enquanto o mais saudável é a água. 


Reparei ela movimentar os braços na mesa. Ainda continuava um rabisco surreal nas costas, eu atribuí tato nos meus olhos, exatamente eu a aliciava sem cansaço. A gentileza dela foi brindar com o meu copo de água. Uma, duas, a quantidade de sorveduras aumentava. Larguei o copo no criado mudo. A estendida na cama foi a minha entrega. 


Eu passei por todas as fases da fantasia. Vivendo a explosão da luz até sentí-la elevando sobre mim feito uma incubus. 



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): merophe

Este autor(a) escreve mais 3 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

Lennon Sexta Semana  Dia 02 Não deveria ser surpresa, eu havia recebido a alta definitiva. Nenhuma recomendação me foi passada para a mobilização, mas a cabeça de Aidan era isenta de receptores para os argumentos. Escutei a descarga tonificar o despejo d`água, no vislumbre do espelho retangular ele se reuniu à du ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 14



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • tigremisma Postado em 07/06/2022 - 18:23:17

    O crush que eu quero ❤️❤️

  • rarinhabelha Postado em 07/06/2022 - 17:39:08

    Lennon as vezes chega a ser um porre. Viu.... Maxx, dio amo.

    • merophe Postado em 07/06/2022 - 19:12:42

      Kkkkkk

  • rarinhabelha Postado em 07/06/2022 - 15:59:55

    Linda amizadeeee desses doix

  • abacatiminha Postado em 07/06/2022 - 14:22:31

    Eu amo o japinha ^^

  • teleteti Postado em 07/06/2022 - 14:05:14

    Essa história é um novelo, todo mundo é enrolado um no outro. Não tem por onde correr pow. É a praga!

    • merophe Postado em 07/06/2022 - 19:11:46

      Gosto de enredo assim, todo mundo envolvido.

  • tigremisma Postado em 07/06/2022 - 13:17:25

    Eu gostei dessa mina. Ela é doidona demais.

  • rarinhabelha Postado em 20/05/2022 - 22:52:58

    Ooohh, mas o que é isso?! Maldade...

  • rebeccatwonty Postado em 14/05/2022 - 13:55:24

    Acidente do caramba!! Tô sentindo que as coisas vão ficar pior aqui.

  • mariandyn Postado em 13/05/2022 - 10:15:19

    A narrativa é perfeita.

  • mariandyn Postado em 13/05/2022 - 00:57:58

    É difícil de deixar de acompanhar a história, tem uma sequência de eventos muito boa.

    • merophe Postado em 14/05/2022 - 01:23:24

      Eu trabalho sempre duro pra isso.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais