Fanfics Brasil - Quinto Como é que te esqueço?

Fanfic: Como é que te esqueço? | Tema: Dragon ball


Capítulo: Quinto

86 visualizações Denunciar


 


Vegeta olhava para a movimentação de pessoas atravessando a rua no momento em que o pai freou o carro parando em um farol vermelho. Seus pensamentos vagueiam agora para os minutos anteriores onde estava com Bulma dentro do quintal da casa dela quase em ruínas. Ele cogitou por um momento a idéia de entregar as cópias do processo ao olhar aqueles olhos azuis amedrontados e se ver perdido nos lábios proeminentes e convidativos dela. O perfume doce que exalava dela ficou gravado em sua memória, assim como as palavras duras que saíram de sua boca.


 


“ ㅡ Aqui está o preço da sua ignorância...”


 


A respiração ofegante dela poderia dizer muitas coisas naquele momento junto a surpresa de ser pega desprevenida, aquilo de certa forma mexeu profundamente com ele que se viu pensando nela apegando se aos detalhes físicos da mulher em que ela havia se tornado. Linda.


 


A voz ansiosa do pai ao volante o arrancou de seus devaneios. ㅡ Eih Vegeta estou falando com você!


 


ㅡ Ãnh? O que?


 


ㅡ Está no mundo da lua garoto?


 


ㅡ Desculpe eu estava pensando...


 


ㅡ Pensando em quê?


 


ㅡ Deixa pra lá...


 


ㅡ Quem essa garota esta pensando que é? Logo o pai dela vai estar em frente aos tribunais, espero que esse assunto entre nós fique finalmente resolvido de uma vez por todas...isso significa mais dinheiro na mão... ㅡ disse Sr Vegeta esboçando um sorriso sarcástico nos lábios.


 


ㅡ Olha eu não acredito que eles tenham dinheiro pra nos pagar, o senhor não viu o estado da casa onde estão morando agora?


 


ㅡ Eu não quero saber! Isso não é problema nosso.


 


ㅡ Escuta, o que houve de verdade para o senhor desfazer a sociedade que tinha com o senhor Briefs? ㅡ perguntou Vegeta estreitando os olhos.


 


Ele notou o olhar do pai mudar enquanto olhava para o trânsito a frente. Um breve silêncio se instalou dentro do carro antes dele responde-lo. ㅡ Eu não quero me aborrecer mais com esse assunto... ㅡ disse Sr Vegeta engatando a primeira marcha e acelerando o carro.


 


Vegeta não era bobo, percebeu o pai ficar desconfortável com a pergunta dele, então desviou a atenção para o desenrolar do cenário da cidade passando diante dos olhos.


 


Bulma entrou em casa e lançou as folhas em cima da mesa e puxou uma cadeira arranhando o velho piso da cozinha sentando se inconformada nela. Sem acreditar no que estava acontecendo com ela e a família, deixou algumas lágrimas caírem perdidas sobre a mesa. ㅡ Isso só pode ser um pesadelo, o que eu vou fazer agora?


 


As horas pareciam se arrastar durante o dia, Bulma permanecia de cabeça baixa debruçada sobre os papéis do processo, quando ouviu o som de chaves girando na porta anunciando que um de seus pais haviam chegado em casa. Rapidamente ela tenta esconder os papéis atrás das costas ao ver a mãe entrar na cozinha. ㅡ Oi querida? Você está bem? Alguma notícia do carro?


 


ㅡ Não! Infelizmente não...


 


Sra Briefs franziu o cenho ao perceber que Bulma escondia algo atrás dela e resolveu se aproximar devagar olhando diretamente nos olhos da filha. ㅡ O que você está tentando esconder aí atrás?


 


Bulma sabia que mais cedo ou mais tarde teria de contar o que estava acontecendo e resolveu abrir logo o jogo para a mãe que a olhava intrigada. ㅡ Veja. ㅡ disse ela de forma direta entregando os papéis nas mãos da mãe que começou a examinar o que havia nele.


 


ㅡ Bulma! Filha! Ele processou você...agora mais essa meu Deus! O que seu pai vai dizer sobre isso?


 


ㅡ Aí mamãe...assim que o papai saiu o Vegeta chegou aqui com o pai dele e me entregou...e agora mamãe?


 


ㅡ Querida, o que você fez não foi certo, o acusou sem provas, isso não se faz, eu acredito que ele ficou magoado com você e fez isso.


 


ㅡ Mamãe o Vegeta não é mais aquele garotinho que brincava comigo, as coisas mudaram ele cresceu e possivelmente deve ser igual ao pai, um grosso arrogante!


 


ㅡ Filha e se você pedisse desculpas, quem sabe ele retira esse processo...


 


 ㅡ O quê? A senhora quer que eu vá pedir desculpas?


 


ㅡ Sim, filha admita que errou e vá falar com ele... Bulma filha vem cá... ㅡ disse Sra Briefs convidando a filha pra sentar no sofá. ㅡ ...olha eu tenho certeza que Vegeta não é como o pai dele...tabom...ele pode ser impulsivo, mas acho que o pai o influencia, peça desculpas e quem sabe ele volta atrás e resolva tirar o processo...


 


Bulma pensou na possibilidade e espremia os lábios enquanto encarava a mãe a sua frente. ㅡ Não sei mamãe, não sei... ㅡ ela disse pegando as folhas das mãos da mãe levantando se do sofá e seguindo para o quarto.


 


 


...


 


O relógio marcavam exatamente vinte e uma hora quando um táxi parou em frente à casa de Bulma. Yamcha descia dele aspirando a brisa fria da noite enquanto pegava seus pertences no porta mala do taxi. O carro partiu deixando um rastro de poeira enquando ele ensaiava tocar a campainha da casa. Um toque apenas e Yamcha viu a luz do corredor estreito se acender acompanhado pelo som de chaves abrindo o portão.


 


ㅡ Bulma meu amor senti sua falta... ㅡ disse ele ao abraçar a namorada.


 


Ele segurou o rosto dela entre as mãos e a beijou lentamente. Durante o beijo, Yamcha percebeu que Bulma tentava se afastar dele discretamente para enxugar as lágrimas que molhavam o rosto dela. ㅡ O que houve? Porque está chorando, tudo isso é saudade?


 


ㅡ Yamcha eu preciso de você... ㅡ ela disse voltando a abraça-lo.


 


ㅡ Meu amor, eu também preciso de você...e não sabe o quanto... ㅡ ele disse todo convencido sentindo as mãos delicadas dela lhe abraçando.


 


Yamcha inflou o ego, ao pensar que Bulma estava chorando por ter sentido falta dele. E na certeza do que achava, ele ergueu o rosto dela para ele novamente voltando a beija-la, mas sentiu as mãos dela o afastar; atitude que o deixou intrigado. ㅡ O que houve?


 


Bulma apenas segurou a mão dele o conduzindo para dentro de casa. Ao entrar, Yamcha viu Sra Briefs terminando de colocar a mesa para o jantar, ela ergueu os olhos para ele, e o recebeu com um largo sorriso o convidando para sentar se a mesa. ㅡ Querido sente-se deve estar faminto...eu sinto muito pelo que houve com seu padrasto...


 


ㅡ Obrigado Sr Briefs... ㅡ agradeceu Yamcha sentando se a mesa.


 


Bulma senta a mesa cruzando as mãos na frente do rosto preocupada com o que ia dizer ao pai sobre o processo quando chegasse em casa. ㅡ Bulma o que houve? ㅡ perguntou Yamcha novamente.


 


ㅡ Aí Yamcha...aconteceu tanta coisa, eu fui assaltada, levaram meu carro...e eu acabei acusando alguém...e esse alguém acabou de me processar por danos morais... ㅡ disse Bulma desanimada.


 


ㅡ O quê? Meu amor, porque não me ligou? ㅡ perguntou Yamcha levantando se da cadeira e ajoelhado se diante de Bulma.


 


ㅡ Eu não queria te chatear com isso, você já estava com problemas demais...


 


ㅡ Mas você é minha namorada, tudo que acontece com você me interessa...e aí? Quem processou você?


 


Neste momento Bulma olhou para a mãe que os olhava conversando e desviou os olhos para Yamcha novamente. ㅡ O Vegeta.


 


Ele levantou se devagar do chão onde estava e procurava as razões para aquela resposta. ㅡ O Vegeta? Aquele seu amiguinho de infância? Filho do homem que ferrou com vocês?


 


ㅡ Sim...


 


ㅡ Mas que droga!


 


ㅡ Eu fiz uma acusação direta, eu o acusei de ter roubado meu carro, foi isso... agora ele me processou, vou ter que responder...ㅡ disse Bulma sem perceber o pai entrando em casa ouvindo a conversa alheia.


 


ㅡ O quê, Vegeta processou você? ㅡ perguntou Sr Briefs depositando sua velha maleta no chão. ㅡ Era só o que faltava agora hein Bulma!


 


Sra Briefs caminhou em direção ao marido tentando acalma-lo dizendo que Bulma iria conversar com Vegeta sobre o assunto. Sr Briefs apenas cumprimentou Yamcha e seguiu cabisbaixo direto para o quarto. Bulma sabia que havia arranjado problemas e agora teria de resolver da mesma forma em que se meteu neles. O jantar seguiu silencioso. Já era tarde da noite, e Yamcha decidiu dormir na casa da namorada.


 


Um canto no quartinho dos fundos foi improvisado para ele dormir. Ele se sentiu um pouco incomodado com aquilo, pois queria mesmo passar a noite na cama com Bulma.


 


O tic tac do velho relógio na sala ecoava por toda a casa durante a madrugada. Yamcha levantou se da cama dobrável em que estava e se dirigiu a cozinha a procura de algo para beber, assim que voltou de lá, parou no corredor em frente a porta do quarto de Bulma.


 


“ Será que ela está dormindo?”


 


Sem pedir permissão para entrar, ele abriu a porta sem fazer barulho e adentrou caminhando lentamente para dentro do quarto dela. Conforme aproximava se da cama notou que Bulma estava deitada de bruços apenas usando um minúsculo baby-doll. Aquela visão lhe encheu os olhos fazendo seu corpo reagir instantaneamente. E sentindo a excitação pulsar dentro de suas calças, deitou se ao lado dela a abraçando.


 


Bulma levou um baita susto, ao sentir um peso em suas costas e rapidamente tratou de sair da cama. ㅡ Yamcha? O que está fazendo aqui? Ficou maluco quer me matar do coração?


 


ㅡ Desculpe não era minha intenção...eu queria dormir aqui com você...


 


ㅡ Dormir? ㅡ ela perguntou olhando para o volume nas calças do namorado.


 


ㅡ Olha Yamcha, por favor estamos começando a namorar agora...eu preciso que você respeite a casa dos meus pais e a mim também...eu não sei como foi seus outros relacionamentos, mas comigo é diferente ouviu? ㅡ disse Bulma com as mãos na cintura.


 


ㅡ Eu não ia fazer nada que não quisesse...só pensei que você estivesse com saudades...


 


ㅡYamcha por favor vou pedir a você que volte para o seu cantinho eu não estou com cabeça pra nada agora...está bem...?


 


ㅡ Tá bom...eu volto se me der um beijinho...


 


Bulma deixou um sorrisinho sem graça transparecer em seus lábios e aproximou se dele dando apenas um selinho. Não satisfeito com isso Yamcha a abraçou querendo intensificar o beijo. ㅡ Não, não... para! Meus pais podem aparecer...


 


Contrariando, ele saiu do quarto dela voltando para o quartinho dos fundos deitando se novamente e cobrindo se com o cobertor olhando para o teto rachado acima de sua cabeça.


 


“Ela me mata de tanto desejo, mas que droga, quando ela irá ceder? Eu já não aguento mais esperar...”


 


...


 


Na semana seguinte, Bulma é acordada com o alarme do relógio digital ao lado de sua cama, devagar ela se levanta esfregando os olhos seguindo até o banheiro para tomar um banho como de costume pela manhã. Já pronta para ir a faculdade, ela procura por algo prático na geladeira e senta se a mesa despejando no copo o suco de laranja feito no dia anterior.


 


ㅡ Não vai comer nada filha? ㅡ perguntou Sra Briefs bocejando tirando Bulma de seus pensamentos enquanto engolia vagarosamente o suco.


 


ㅡ Não, mais tarde na faculdade eu como alguma coisa...o Yamcha já vai passar aqui pra me levar, hoje ele também volta a estudar...


 


ㅡ E aí já pensou se vai pedir desculpas para o Vegeta?


 


ㅡ Aí mamãe, eu não sei...estou pensando...


 


ㅡ Tenho certeza de que ele vai pensar direitinho e vai acabar retirando o processo.


 


Um som de buzina ao lado de fora põe fim a conversa delas. Bulma ajeita a mochila nos ombros e beija o rosto da mãe que a olhava com ternura. ㅡ Até daqui a pouco mamãe...


 


Yamcha a esperava no carro ansioso, enquanto ela dava a volta no carro até finalmente entrar nele pelo lado do passageiro recebendo um beijo do namorado nos lábios. Enquanto ele fazia o trajeto para a faculdade, Bulma olhava distante para o caminho até sentir um frio lhe percorrer a barriga no momento em que viu o carro de Vegeta parado em um cruzamento antes de entrar na rua da faculdade.


 


Ela pôde ver o braço esquerdo dele levemente estendido para fora da janela deixando a mostra a tatuagem de um dragão no antebraço. Em uma manobra única, Vegeta atravessou na frente do carro de Yamcha seguindo direto pela rua movimentada a frente.


 


Ao chegar no estacionamento Vegeta saiu do carro e avistou Bulma de longe esperando alguém perto da saída da faculdade, sua curiosidade o deixou plantado ali, quando viu surgir entre os carros um rapaz aproximando se dela beijando a nos lábios. Suas sobrancelhas se estreitaram ao ver aquela cena junto a uma sensação que não conseguia descrever, então ele atenta se melhor e começa a reconhecer o rapaz. “Ela está namorando aquele verme...Humpt!”


 


ㅡ E aí Vegeta!! ㅡ a voz alta de Goku o fez virar para trás.


 


ㅡ Olá Kakaroto... ㅡ respondeu Vegeta dando mais uma olhada para trás e seguindo em direção ao amigo que o chamava.


 


ㅡ Tava olhando o que ali atrás? ㅡ perguntou Goku erguendo a mão para cumprimenta-lo.


 


ㅡ Nada, não estava olhando nada... ㅡ respondeu Vegeta seguindo em frente ㅡ ...estou indo a lanchonete você vem?


 


ㅡ Vamos lá...


 


Yamcha despediu se de Bulma ainda no pátio e subiu as escadas seguindo direto para a secretaria resolver a questão dos dias em que precisou se afastar das aulas. Ela desviou os olhos da escada para a lanchonete e avistou Vegeta conversando com Goku sentado em uma das mesinhas. A idéia de pedir desculpas pra ele lhe sobreveio acompanhado de um ligeiro frio na barriga.


 


ㅡ É agora Bulma...


 


Em passos ainda hesitantes, ela caminha devagar até a lanchonete e pede uma vitamina de morango com leite para o rapaz que atendia prontamente no balcão. Disfarçadamente, ela apoiou os cotovelos nele olhando de vez enquando para Vegeta que conversava distraidamente com Goku. O rapaz lhe entregou a vitamina e ela deu três grandes goles nela tomando coragem de ir falar logo com Vegeta, que olhou de relance para o lado encontrando o olhar dela sobre ele.


 


O olhos dele desviou apenas por um momento dela depois voltou a olha-la novamente; desta vez a encarando sério. Goku seguiu o olhar do amigo virando se para trás vendo Bulma se ajeitar no banco e se levantar dele.


 


ㅡ O que pensa da Bulma Vegeta? Vocês se davam tão bem antes... ㅡ disse Goku voltando a atenção para o amigo.


 


ㅡ Eu não penso nada... ㅡ respondeu Vegeta olhando a aproximação de Bulma.


 


ㅡ Oi, Bom dia Goku...bom dia Vegeta... ㅡ cumprimentou Bulma chegando até a mesa deles.


 


Goku logo de imediato estranhou aquele bom dia para Vegeta, ele sabia de todo o assunto que os envolviam, então sorriu de canto cedendo espaço para ela na mesa.


 


ㅡ Bom dia...e aí Bulma, nada do seu carro? ㅡ perguntou Goku entre um gole e outro na Coca-Cola.


 


ㅡ Nada. ㅡ respondeu ela sentando se a mesa, que sem rodeios olhou novamente para Vegeta a sua frente e disse:


 


ㅡPreciso falar com você.


 


Surpreso, Goku arqueou as sobrancelhas e voltou a dar outro gole na coca-cola. Vegeta estreitou os olhos e ergueu se levemente encostando as costas no apoio na cadeira encarando a de frente, depois desviou os olhos para Goku que entendeu que devia sair dali e deixá-lo a sós.


 


ㅡ Tá bom, eu vou sair mas não se matem por favor... ㅡ disse Goku antes de deixar a mesa.


 


Bulma sentou se de frente para Vegeta e foi inevitável não notar a aparência física dele de perto, a camiseta preta justa ao corpo dele a distraiu por alguns instantes fazendo a aspirar profundamente antes de começar a falar. Ele por sua vez começou a sentir novamente o perfume adocicado vindo dela, lembrando se da última vez em que falou com ela.


 


ㅡ E então, o que quer? ㅡ perguntou ele arrancando o silêncio entre eles.


 


ㅡ Eu não sei por onde começar...eu...eu...


 


O orgulho dela não a deixava dizer, aquilo estava custando caro pra ela que começou a se lembrar do pai sendo humilhado pelo Sr Vegeta Sayajins. Toda vez que aproximava se de Vegeta a mágoa do passado vinha a tona. ㅡ Você o que? ㅡ continuou ele a encarando.


 


ㅡ Eu quero pedir desculpas...me desculpa por ter acusado você pelo roubo do meu carro.


 


Após ouvir o pedido, Vegeta apenas balançou a cabeça levemente em afirmativa sem tirar os olhos dela que ficou levemente erubescida com a reação dele. Aquele olhar dele a deixava sem rumo.  


 


ㅡ Não.


 


Bulma engoliu em seco depois da resposta dele.


 


ㅡ ...eu imagino o que está sentindo vindo até mim pedir desculpas, só está fazendo isso pra eu retirar a queixa que fiz de você...


 


ㅡ Olha...eu... ㅡ Bulma foi interrompida com a chegada inesperada de Lazuli a mesa.


 


ㅡ Meu anjo! Você está aqui! ㅡ disse ela dando um beijo rápido nos lábios de Vegeta e sentando-se no colo dele ㅡ Oras mas o que faz aqui conversando com essa ai?


 


ㅡ Caso não saiba eu tenho um nome, me chamo Bulma, e se der licença estou conversando a sós com ele, então por favor seja educada e nos deixe conversar.


 


ㅡ Nada disso.ㅡ interrompeu Vegeta ㅡ ... a minha namorada fica...e respondendo a sua pergunta, não eu não a desculpo, procure seus direitos e fale com um bom advogado.


 


Lazuli sorriu ao ouvir Vegeta e enlaçou os braços no pescoço dele olhando para Bulma que ficou envergonhada diante deles, e como se a situação não pudesse ficar mais constrangedora para Bulma Briefs; Lazuli virou o rosto do namorado para ela e o beijou nos lábios.


 


Vegeta trouxe Lazuli para mais perto dele intensificando o beijo que dava nela. Bulma olhou para os lados a procura de algo pra focar, mas acabou voltando a olhar para eles sentindo o coração batendo na garganta ao prestar atenção na movimentação perturbadora dos lábios deles, e da maneira atraente que ele conduzia o beijo, seus lábios ficaram entreabertos ao se imaginar naquele beijo com ele...e quase sem forças pra sair da mesa após ser humilhada, ela saiu correndo da lanchonete.



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): vanessabella

Este autor(a) escreve mais 3 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
Prévia do próximo capítulo

Bulma podia sentir o rosto queimar de vergonha ao sair correndo da lanchonete. Ela parecia ouvir durante o momento em que corria alguns murmúrios de alunos que estavam por ali perto. As lágrimas de raiva desciam quente pelo seu rosto ao empurrar a porta do banheiro feminino e entrar nele escondendo o rosto com as mãos.   ㅡ Meu Deus como eu ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 0



Para comentar, você deve estar logado no site.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais