Fanfics Brasil - Um encontro a três Desventuras no Dormitório Hirawa

Fanfic: Desventuras no Dormitório Hirawa | Tema: Comédia Romântica


Capítulo: Um encontro a três

570 visualizações Denunciar


Durante a sessão da meia-noite de sexta-feira, Junichirou parecia desanimado e, por isso, Yumi resolveu perguntar, já que ele não estava se concentrando direito.


— O que lhe incomoda, ser de escuridão?


— Não é nada, não.


— Acredito que seja o mesmo da última vez.


— O que quer dizer?


— Mizuki e vós quase não estão se falando de novo, não é mesmo?


— Como sabe?


— Ora, ora, parece até que não me conhece. Isso não tem nada a ver com o fato de ouvi-la te xingando pelos corredores.


— Na verdade, aquilo foi um acidente.


— Um acidente intencional?


— Só um acidente. Na semana passada, enquanto estudávamos: Makino, Mizuki e eu, ela acabou tropeçando e eu fui segurá-la antes que ela caísse, mas...


— Mas?


— Acidentalmente, minha mão encostou no... Você sabe, né? É muito difícil de dizer.


— Compreendo a situação.


— Tem alguma orientação?


— Não, por que teria?


— Mas...


— Não temas, ser de escuridão. É lógico que eu tenho uma solução: fale com Ikustan-san sobre isso. Creio que sua personalidade prestativa e cuidadosa será bem útil.


— Quem?


— Vai me dizer que não a conhece? — Yumi perguntou nervosa. — Ontem mesmo você a estava ajudando a fazer alguns manjares dos deuses.


— Ontem? Manjares? Ah, fala da Nat-san?


— Que rude chamá-la desse jeito depois da comida que ela nos proporcionou.


— Desculpe, erro meu.


“É melhor eu não a contrariar”, pensou.


— Fale com ela pela manhã e tudo se resolverá. Você e Mizuki precisam fazer as pazes antes do início do Festival Cultural, já que todos nós estaremos juntos.


— Obrigado pelo conselho, Yumi, digo, Lady Lunny. Caso queira alguma coisa como meu agradecimento, é só pedir.


— Já que falou nisso...


“Ela vai me pedir agora? Espero que eu não tenha falado demais”, pensou.


— Deixemos isso para mais tarde, se concentre em suas prioridades neste momento. Não podemos fazer uma sessão, se sua mente não estiver presente, caso não queira que as forças desconhecidas o persigam por todo o seu caminho.


— Entendo.


— Terminamos por agora.


— Com sua licença, irei me retirar.


Depois que ele saiu do quarto, Yumi ficou falando sozinha.


— Eu tinha um pedido a fazer, mas achei melhor deixar para outra ocasião.


*          *          *


Pela manhã, Junichirou procurou uma oportunidade para falar com Natsuki a sós no colégio.


— Ajudar a fazer as pazes com a Mizuki?


— Sim, acho que já sabe que tivermos uma pequena briga na semana passada, já que você a conhece a mais tempo, talvez tenha alguma dica.


— Hum... Tem razão. Que tal um passeio no domingo?


— Mas se eu a convidar, com certeza, ela vai recusar.


— Não se preocupe, quem vai falar com ela sou eu. Mas chegue um pouco mais cedo para conversarem um pouco a sós.


— Entendido. Muito obrigado, caso precise de algo é só me dizer.


— Bom, eu queira que...


“Por que parece que já vi essa cena antes?”, pensou.


— Eu digo outra hora, pense em formas de alegrá-la.


— Até, então.


“Será que se eu pedi isso, seria um pouco egoísta de minha parte?”, ela pensou depois que ele se retirou.


Junichirou passou o dia pensando em alguma forma de consertar as coisas.


*          *          *


Como havia sido combinado com Natsuki, Junichirou chegou ao local um pouco mais cedo do que elas. Natsuki havia lhe falado que combinou às nove horas com Mizuki e que apareceria quinze minutos depois. Ele se escondeu e a esperou chegar na hora marcada, porém, quando ela chegou, se surpreendeu com as roupas casuais que ela estava usando, mas pelo menos não estava com a cara irritada como hoje pela manhã quando ele a cumprimentou, só que nem respondeu de volta. Ela olhou para o relógio da praça e depois se sentou num banco à sombra de uma árvore e ficou esperando Natsuki que havia lhe falado para ir na frente, pois ainda estava se arrumando. Ele respirou fundo e tomou coragem para falar com ela.


— Bom dia — Junichirou falou ao se aproximar e sentar ao lado dela.


— O que faz aqui, criatura? — Ela perguntou rispidamente.


— Indo para um encontro. E você?


— Não preciso responder essa pergunta.


— Vamos, é só para passar o tempo.


— Eu vou esperar em outro lugar.


Quando ela se levantou, institivamente, ele a segurou pelo pulso.


— Não me toque, idiota — ela falou se soltando.


— Desculpe. Será que não podemos nos dar bem só hoje?


— Por que deveríamos? — Ela perguntou o encarando.


— Oi, pessoal — Natsuki falou por detrás de Mizuki.


“Salvo pelo gongo”, pensou.


— Me desculpem por deixá-los esperando.


— Como assim? — Mizuki indagou.


— Acho que poderemos nos divertir juntos hoje.


— C-Claro, por que não? — Mizuki falou para disfarçar sua frustração.


Ela não queria fazer uma cena na frente de Natsuki.


— Mas acho que essa roupa ficou um pouco estranha em mim, não?


— Você está ótima — Mizuki falou e segurando suas mãos. — Tenha mais confiança em si mesma.


— M-Muito obrigada — ela respondeu, mas, no fundo, estava apenas tentando acalmar os ânimos.


— A Mizuki tem razão, essa roupa ficou bem em você


— Fiquei bem? Obrigada — ela falou de cabeça baixa, pois não esperava ouvir aquilo.


— Ei! E eu? — Mizuki rapidamente se voltou para encarar Junichirou.


— S-Sim, quero dizer, você também ficou bonita, é isso, e...


— Tanto faz. Vamos para o passeio — ela falou se voltando para Natsuki.


Mas Junichirou percebeu que ela havia ficado um pouco corada.


“Certo, não posso me descuidar. Vou fazer tudo conforme o plano”, pensou.


Depois disso, ambos caminharam juntos para o tal passeio triplo.


*          *          *


Natsuki os levou ao parque de diversões e, durante o caminho, ela conseguiu sibilar para Junichirou tentar se aproximar mais de Mizuki durante o passeio. Depois de pegarem o trem e chegaram no local, eles foram em diversas atrações diferentes que Natsuki indicou: montanha-russa, carrossel, sala dos espelhos, além de terem feito uma pausa para tomar um sorvete. Brincadeiras à parte, Junichirou tentou se mostrar o mais atencioso possível e tentando acompanhar o ritmo da duas, mas, aos poucos, Mizuki começou a relaxar um pouco. Fazia tempo que ele não a via sorrindo perto dele e Natsuki se esforçou ao máximo para deixar tudo preparado para mais tarde.


— Eu estou me divertindo muito. E vocês? — Natsuki perguntou.


— Sim, está sendo divertido — ele falou.


— Não posso negar. Até que não está tão ruim.


— Mizuki-chan, em qual devemos ir agora? — Natsuki a indagou, mas já sabendo muito bem o que ia fazer.


— O que você escolher, está bom para mim.


— Está bem. Agora, a gente vai na roda-gigante.


— A famosa roda-gigante da sorte? Ela é bem alta — ele comentou.


— Está com medo de altura, criatura?


— Não estou com medo, só estou comentando.


— Vamos logo — Natsuki falou ao puxar as mãos dos dois.


A fila estava demorando e quando chegou a vez deles, o responsável falou:


— Apenas dois por cabine, por favor — ele falou para Mizuki e Junichirou que eram os próximos.


— E agora, Nat-san? — Junichirou falou ao se voltar para trás, mas ela não se encontrava mais lá.


— Ei, vocês estão atrasando a fila, andem logo — o funcionário do parque lhes falou.


— Mas... — Mizuki falou.


— Não temos o dia todo — o funcionário retrucou.


Meio contra a vontade e para não causar uma confusão, ela entrou e falou resmungando:


— Anda logo, sobe aí.


— Tá — ele respondeu sem jeito.


Conforme a roda-gigante subia, um silêncio imperava na cabine e os pensamentos de Mizuki e Junichirou eram os seguintes:


“Onde a Nat-san foi? Não acredito que ela me deixou sozinha com ele”.


“E agora? O que eu faço? Pense no que você treinou. Você só vai ter uma chance”.


— Mizuki-chan?


— O que foi? — ela falou sem olhá-lo.


— Eu quero... eu quero...


— Quer o quê?


— Quero fazer as pazes por semana passada — ele falou se levantando. — É sério, eu não queria magoá-la com aquilo.


— Foi para isso que ela te convidou?


— Na verdade, eu pedi ajuda a ela, eu só queria...


Ele foi interrompido quando a roda-gigante parou e acabou caindo por cima dela de novo. Em seguida, ele se levantou rapidamente.


— Me desculpe.


— Você... você... — ela falou ajeitando suas roupas.


— Eu juro que foi um acidente.


— Até quando vai me fazer de idiota. Apenas me deixe em paz.


— Eu só quero que nos dermos bem.


— Droga, por que você tem sempre que ser assim?


— Como assim?


— Sempre tão atencioso, gentil e parece nunca desistir de algo que o incomoda. Isso é irritante.


— Eu só quero que você fique bem e que possamos ser amigos de novo.


— Amigos? Desde quando?


— Desde que comecei a prestar atenção em você.


— Que besteira é essa que está dizendo?


— Você é esforçada e extrovertida no colégio, sempre busca dar o seu melhor em tudo e não gosta de ser deixada de lado ou menosprezada.


— Não sei do que está falando — ela falou com o rosto corado e sem olhar para ele.


— Eu só peço que pense sobre o assunto e se eu puder fazer alguma coisa que a faça entender que só quero fazer as pazes, pode me pedir.


Neste momento, eles nem perceberam que estavam sendo observados por curiosos, havia pouco tempo que a roda-gigante deu a volta inteira e todos os presentes começaram a bater palmas.


— Bom trabalho, jovem — o responsável falou.


— Eu só... eu só...


Enquanto ele tentava se explicar, Mizuki saiu correndo e o puxando pelo braço.


— Ei!


— Cala essa boca e venha logo comigo.


Ela o levou para o mais longe possível daquele lugar e quando já se afastaram bastante, ambos pararam ofegando e ela lhe soltou.


— Você está querendo me matar de vergonha? O que aquelas pessoas vão pensar com você falando aquilo?


— Desculpe, só tentei ser sincero.


— Você não vai desistir disso?


— Não posso, eu ainda quero que me perdoe.


— Ah, que persistência — ela falou e depois sussurrou. — Eu te perdoo, então.


— O quê?


— Eu te perdoo — ela falou mais baixo ainda.


— Como?


— Eu te perdoo. Tá legal. Vamos encerrar isso logo.


Depois ela se virou e respirou fundo.


— Muito obrigado, não vai se arrepender — ele falou sorrindo.


— Não pense que eu gostei do que me disse antes e nem nada disso. Eu vou pensar no seu pedido de desculpas e depois te digo.


— Hã?


— Desculpe a demora — Natsuki apareceu de repente. — Precisei ir à toalete. Perdi alguma coisa?


— Nada, não — Mizuki falou. — Vamos voltar ao dormitório. Estou exausta.


— Tudo bem.


Enquanto caminhavam, Natsuki cochichou como foram as coisas depois que ela saiu, ele respondeu que deu tudo certo graças a ela e lhe agradeceu pela ajuda.


— O que estão cochichando?


— Pensando no que vai ter para o jantar — ele falou.


— Espero que seja curry — Natsuki falou.


— Vamos logo, falando assim, já me deixou com fome.


Depois disso, os dois caminharam ao lado de Mizuki.



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Richard F. Writer

Este autor(a) escreve mais 8 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Em um determinado sábado, Junichirou saiu para atender um pedido que Makino fez insistentemente, mas, precisamente, seria em Akihabara. Ela não havia contado sobre o que se tratava exatamente e apenas lhe entregou um bilhete com o endereço e que devia comparecer por volta das 15 horas. Ele chegou meia-hora antes do combinado, mas ao avistar a frente do p ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 0



Para comentar, você deve estar logado no site.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais