Fanfics Brasil - Aidan Dia 01 C.I.F.D (+16, +18) Criminal Holmes III Parte I

Fanfic: C.I.F.D (+16, +18) Criminal Holmes III Parte I | Tema: Drama, Suspense, Romance, Policial


Capítulo: Aidan Dia 01

180 visualizações Denunciar


Case 02                    Criminal Profile


C.I.F.D 


ÚLTIMO NOME :  Rigg


PRIMEIRO NOME : Tia


Houve mesmo uma péssima escolha para a visita, a jovem não sendo encontrada e o horário já impróprio da noite ainda não estando desagradável com o período do campeonato. A acomodação foi indiscutível para o homem mais velho. Adiantando o intervalo, o distanciamento dele para o preparo de um aperitivo, não especulou desconfianças sobre a entrega imediata do copo, a deformação mal compreendida da TV, não questionável com a primeira queda letárgica. 


 


Aidan


Dia 01


As informações do assassinato já estavam sociáveis pela manhã, o encargo mais relevante do meu dia passou a ser o apoio no laboratório. A procedência do crime contra Tia Rigg, acionando uma equipe às vinte e uma horas do dia anterior, realocou Kalel bem cedo para as mediações de Nova Belgrado. A preliminar considerada e explícita do abuso sobre o corpo desnudo de Tia em cima da cama e pés entrajados de meias, tendo apenas as confirmações agora com a asfixia mecânica por uma corda de violão, sem recorrências de violência física a amostra de sangue continuava em investigação para a busca de sustância ilícita. Eu me aproximei da mesa metálica com a única intenção de apreender o relatório da médica, o vexame menos indiscreto de Heaven com o vedamento do cadáver da menina no saco plástico não ultrapassou os limites da minha bondade. Eu tentei de todas as formas manter um afastamento para o intento de amor platônico, a quebra das minhas condutas por necessidade.


Praticamente, evacuei do laboratório com uma gama de sabedoria, pelo menos em quesito de tecidos, órgãos e toda complicação de organismos, eu ainda me mantinha analfabeto. A liberação mais provável para o laudo dependente dos exames hematológicos, havia a previsão para a tarde. Nem muito eu pude complementar para a perícia, em outras palavras, eu me saía extremamente idêntico como um dirigente em adaptação de três meses de experiência, em considerações de redigir uma equipe tão biológica. Nada eu analisei para a desobrigação de Johnny e Paschoal com o caso, a competência ainda seguia confiável no Anton. Para a concentração do Johnny, o mais convicto para o arranque do perito de trânsito sobrevinha de algum enigma na cidade. A minha disposição seguiu mais insociável para o dia, até dado o momento do retorno nas dez e meia com as explicativas de Kalel. Não mais se tornaria em uma investigação complexa, a disponibilidade de John, em confessar o assassinato da sobrinha com mais consideração da esquizofrenia, não trouxe benefício algum para a transferência ao complexo de Mitrovica. Ainda nas inquirições, o desaparecimento da mãe de Tia, era o principal encargo do caso para Kalel. Na investida do preenchimento completo do copo de café, a disposição mais adequada dele na mesa com uma gama de folheados para ponderar, adiantou a excessão de intimidade e intrometimento. 


- Eu queria muito não estar viciado em cafeína. 


- Pense nos benefícios que este grão pode fazer por você. 


Alguns segundos de interrupção e sorvedura tornou-se necessário para ele. 


- Vou ficar sozinho no segundo horário, o Anton está indo na cidade. - Somente sendo um posicionamento sem noção, a realocação dos folheados para a outra parte da mesa. - Já está tudo bem com o menino? 


- Estou esperando notícias da Tasha com a saída dela para a consulta. 


- É só isso? - Não teve necessidade para a opressão ocular absurda. 


Definitivamente, eu aceitei a minha posição de presa comestível numa teia. 


- Parece que eu estou começando a viver a vida do Lennon. 


- Já sei onde isso vai chegar e não é clichê de sentença maldita. Arruma um argumento melhor do porquê ter levado ela pra sua casa. 


- Pense no lado bom da felicidade do Lennon no céu por ver isso. - Eu aceitei a minha obrigação com o apoio das mãos na cadeira.


- O profeta avisou que ele estava no inferno. - Pude ter especulações do que o codnome poderia acarretar na fé do Johnny. - Vai com calma antes de tomar as dores da vida sentimental dele. 


- Eu não tenho culpa se tive tanta sorte. 


- Amor tão rápido é estranho. 


- Mas, eu não disse que já era amor. 


Sem a perspectiva ampla do redor, a nossa disputa de controvertidas se estabeleceu finalmente na perda da graça, pelo menos, o mais trivial para mim em conhecer o sombreamento ao lado da mesa se resumiu em desânimo de espírito e a ouriçada violenta de cefalocaudal. Certamente havia um significado profundo na tenebrosidade contrativa dos olhos com sorte de água límpida do Anton, no mais, seria apenas o único treinamento de fuzilo para o dia. Eu esperei paciente o término do primeiro horário, a letargia espalhada do pós prandial, me adiantou com um acolhimento desmantelado na cadeira, na verdade, o aparecimento do ânimo de lantejoulas no meu coração, já vinha sendo antecipado primeiramente nos meus pensamentos. A ligação rápida e hostil não foi capaz de me inibir da produção de dopamina, no mais explicativo, a andropausa se adequaria bastante nas ressacas de calor, se houvesse os indícios de uma idade avançada. Não existia verdades nas questões científicas para o que eu já sentia, mais uma vez, tornava-se em uma expectativa de um destino incerto. A rapidez de se garantir com uma ave, somente sendo insano quando a sensibilidade das feridas fossem sentidas. Assim, eu despertaria para o panorama do viveiro sem saídas e a fera descontrolada por belisques, tudo em contínuo progresso da luz de uma aurora, amansando batidas extrassístoles no depósito automático de mel sempre proibida para abelhas, tendo o aluguel já infindo de uma arara circulante e sempre contrariada da provedura do meu néctar. 


Esperei a passagem do tempo me trazer novamente as visões do mundo real no trânsito, definitivamente, eu isentaria o congestionamento na fantasia. Nenhuma boa recepção havia para mim, inicialmente, na sala, apenas sofás e cozinha solitários. No mais imediato, procurei prosseguir na escada, a entrada no primeiro quarto sem luz e o berço branco e vazio da Kya me incomodando. Com a narrativa ainda catastrófica da minha mente, a apresentação mais límpida de solidão e atitude que eu enxerguei no segundo quarto, exagerou a astenia das minhas pernas. O requerimento para o assentamento, não se tornou nem tão necessário para a discagem completa do celular. Minhas esperanças estavam totalmente falhas para o final do complemento, me convencendo para a próxima tentativa, quando a aversão instintiva foi disparada inesperadamente em me calar. 


- Onde você está?


A interrogação desprezada, apenas tendo voz própria o bombardeio de difamações. Tão cedo a ararinha me pinicou, encontrara um escape definitivo e migratório em outro hábitat.


- Não vou mais voltar para a sua casa.



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): merophe

Este autor(a) escreve mais 3 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Kalel Nada me convenceu para além do cobrimento do sol, a animação do mormaço seguia mais confiante do que a previsão da rádio. Eu conhecia que o calor era benéfico aos patógenos, minha proteção antecipada contra o UVB, ainda me contrariava na ignorância e na razão. O encargo antecipado sobre ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 20



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • teleteti Postado em 24/06/2022 - 23:47:50

    tem que dar na cara dele

  • rebeccatwonty Postado em 24/06/2022 - 23:15:59

    Estou na UTI........... Depois disso........ Por causa do man dos meus sonhos.

  • tigremisma Postado em 24/06/2022 - 22:34:36

    Não confio mais em Aidan. Simples assim.

  • abacatiminha Postado em 20/06/2022 - 01:07:12

    Aidan não pode ser propriamente um filho da mãe, gente! Pelo amorr. É sacanagem. Tem que ser coisa da tua cabeça menina!

  • teleteti Postado em 20/06/2022 - 01:02:04

    Eu tô começando a entender que no fim isso tudo vai ter semelhanças com o narrador não confiável, quase a mesma pegada.

  • teleteti Postado em 20/06/2022 - 00:57:23

    Ótimo, se eu escrever assim só faço cagada na história.

  • tigremisma Postado em 20/06/2022 - 00:51:57

    Ei, juro que eu tô bugando agora com essa narrativa. É cada situação que quebra as minhas teorias toda vez. Afinal de contas, ela arranhou ou não arranhou E ESSE TELEFONE DESLIGADO!!!!!!!! O que está acontecendo nessa narrativa. LOOOOLLLLL.

    • teleteti Postado em 20/06/2022 - 00:59:30

      Sabe qual é o problema é que não apareceu as cenas anteriores do capítulo anterior, já começou no fim do pimba pimba deles, e assim não tem como provar nada, mas fica no ar que ela arranhou ou não.

  • rebeccatwonty Postado em 20/06/2022 - 00:42:52

    Sinceramente eu tô com medo, não sei o que dizer. Tô com medo de ter uma expectativa e no fim ser destruída igual o japa TT (lágrimas nítidas, só assim)

  • tigremisma Postado em 17/06/2022 - 01:34:51

    Ahh não, tava tão lindo antes Absurdo.

  • teleteti Postado em 17/06/2022 - 01:26:20

    Isso foi demais. Ferrou tudo.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais