Fanfics Brasil - Dia de crossover! Uub vs. Beelzebub Dragon Ball GT Kai

Fanfic: Dragon Ball GT Kai | Tema: Dragon Ball


Capítulo: Dia de crossover! Uub vs. Beelzebub

39 visualizações Denunciar



A escuridão começava a cair no Inferno, o clima esfriava a causar arrepios, era notável para Uub que as noites no Makai eram diferentes de alguma forma em relação às noites no Mundo dos Humanos, a atmosfera parecia incomum. Marron que voava ao seu lado segurando o chapéu resolveu questioná-lo ao ver que ele analisava a si mesmo.
— O que foi Uub?
— Vocês não sentem?
— Não... Do que está falando?
— Com o anoitecer, estou me sentindo diferente, me sinto mais forte só por estar neste mundo.
— Deve ser essa a razão de Daburá querer que viesse para cá. - teorizou Trunks. - Talvez este lugar esteja favorecendo a sua condição como a reencarnação de Majin Buu, o que significa que o Makai é o lugar ideal para que um demônio desenvolva seus verdadeiros poderes.
— Cidade localizada a cinco quilômetros ao sudeste, cidade localizada a cinco quilômetros ao sudeste! - disse Gill sob as costas de Trunks.
— Pelas luzes, parece bem maior do que o vilarejo do Senhor Kazam. - comentou Goten.
— Pelo que ele nos disse, nós já devemos estar na região de Sand Land, então deve ser ali.
Trunks acelerou e seus amigos o acompanharam. Aterrissando no local, perceberam que o lugar não era muito diferente do vilarejo de onde vieram, casas e construções simples feitas de rochas firmes, fixas sob a areia do deserto como grandes cavernas, novamente acabaram atraindo a atenção dos demônios enquanto andavam pelas ruas. Naturalmente começaram a pedir informações para melhor se situarem naquele lugar que lhes era estranho e não demorou em que lhes dessem a referência de onde ficava a antiga morada de Daburá, era junto a um castelo de rochas em um canto da cidade onde viviam muitos demônios em cavernas, aquele emaranhado de rochas provavelmente era a primeira fundação que deu origem à cidade onde estavam, tendo em vista sua estrutura mais arcaica. Os jovens chegaram a pé até a entrada, uma escadaria em espiral que levava até a um arco no andar de cima e antes que pensassem em subir, um pequeno demônio com corpo de lagarto, asas, cabeça de goblin e dois chifres na testa que estava por ali parou assim que os viu.
— Não pode ser!
— Oi! - Goten o cumprimentou erguendo a mão e já ciente da razão do espanto da criatura, adiantou a explicação. - Eu sou o Goten e sim, nós somos humanos e estamos procurando a antiga morada do Rei do Inferno, nos disseram que era aqui.
— Sim, eh...
— Nós queremos falar com Thief, ele está? - ainda assustado, o demônio fugiu para dentro sem responder a pergunta de Uub, que ficou a coçar a cabeça com o dedo. - O que deu nele? Será que ele foi procurá-lo?

O demônio adentrou a morada afoito, indo direto para o quarto de quem agora era o comandante daquele lugar, gritando por ele ainda no corredor.
— Príncipe! Príncipe! - aquela algazarra não foi suficiente para chamar a atenção do mesmo, pois ele estava concentrado em frente à tela de uma televisão a apertar os botões do controle de videogame que segurava, o que fez o demônio entrar em seus aposentos de repente e sem bater. - Príncipe...
— Aaah! - ele levou um susto, o que fez seu personagem no jogo tomar uma pancada do chefe que enfrentava e morrer, restando apenas a mensagem "You Died" na tela. - Não... NÃO! - o jovem demônio levantou-se de sua posição de lótus no chão e largando o controle, ajoelhou-se apoiando os braços na tela em desespero. - Por quê?! Minha speedrun cem por centro sem dano do Black Souls 6 arruinada! Eu ia bater o recorde mundial, faltava tão pouco...
— Me desculpe príncipe, mas é urgente, tem um grupo de pessoas aí fora e eles estão procurando pelo Thief!
— E daí? O Thief não está, podia ter dito isso e pedido para eles esperarem.
— Mas acontece que eles não são demônios, eles se parecem com humanos!

Aquela informação o fez largar tudo e correr para fora para ver o grupo lá em baixo a esperar e fez isso discretamente deitado no chão do alto da escadaria para que não o vissem.
— É incrível, eles realmente parecem humanos!
— Eu não disse?
— E o que eles querem com o Thief?
— Eu não sei, eles não disseram e eu também fiquei tão surpreso que me esqueci de perguntar.
— Talvez eles não sejam maus, mas tem algo muito estranho a respeito deles, eu não sinto nenhuma energia vinda da garota bonita enquanto que aquela máquina que ela tem no ombro emite energia como se fosse um ser vivo. O cara do cabelo de tigela e o da calça jeans escondem um grande poder e o do bastão, mesmo tendo o ki de um humano igual aos outros, é muito parecido com o nosso.
— Um humano com a energia de um demônio?
— É tipo isso.
— E se forem Makaioshins disfarçados ou algo assim? O que vamos fazer?
— Hmm... Deixa que eu resolvo isso e se o Thief chegar, o recolha pelos fundos.
— Certo.
O pequeno demônio com corpo de lagarto se retirou e então o príncipe se pôs de pé e saltou de lá, aterrissando diante dos terráqueos.
— Saudações.
— Oh, olá! - Uub o cumprimentou de volta.
De braços cruzados, o jovem demônio de baixa estatura os olhava com um sorriso de canto. Ele era magro, mas de tórax definido, calçava botas bege amareladas com meias pretas como a bermuda que vestia, a qual tinha um buraco por onde saía seu rabo e sob o tronco nu havia um pano roxo amarrado como uma capa, sua pele tinha o mesmo tom que a de Daburá, tom que se repetia em seus cabelos arrepiados envoltos por um óculos de aviação acima da testa onde havia um par de chifres.
— Então são vocês que querem falar com o Thief?
— Sim e é muito importante.
— Lamento, mas ele não está.
— Sabe se ele vai demorar?
— Não sei e mesmo que eu soubesse, não ia deixar que estranhos como vocês chegassem perto dele sem mais nem menos, vocês nem disseram o que querem com o Thief ainda.
Percebendo a possibilidade do ambiente se tornar hostil, Trunks deu um passo à frente e assumiu a diplomacia, tentando também não explicar abertamente, já que não sabia quais as intenções daquele demônio.
— Por favor, o meu amigo Uub precisa falar com ele, a segurança do nosso mundo depende disso!
— Tudo bem, mas fica complicado se nem recado vocês querem deixar, assim o único jeito de vocês falarem com o Thief vai ser passando por mim que estou no comando aqui.
— Se você quer lutar, tudo bem para mim!
— Uub! - Trunks o repreendeu, não queria que aquilo virasse um conflito, mas Goten interviu.
— Deixa eles Trunks, não vai acontecer nada e talvez assim ele confie na gente.
Uub começou a alongar as pernas, o oponente do jovem demônio estava definido e este sorriu antes de dizer:
— Mesmo sendo um humano, se é que é mesmo um humano, não parece nem um pouco assustado, isso vai ser interessante.
— É que eu gosto de lutar contra pessoas fortes e não costumo fugir de um desafio, além de que vim para cá justamente para ficar mais forte, então já aviso que não pretendo pegar leve!
— Assim é que eu gosto! Diga-me, como se chama?
— O meu nome é Uub e o seu? - o jovem terráqueo se colocou em posição de combate.
— Beelzebub, o Príncipe dos Demônios e aqui vou eu!
Ele foi ao ataque sem pestanejar, desferindo um forte soco que Uub bloqueou com as mãos enquanto lançado a derrapar os pés, levantando poeira e nisso o príncipe se projetava para um segundo ataque. Para evitar uma possível pressão, Uub estendeu a mão e disparou um ataque de ki, obrigando Beelzebub a dar um salto mortal para frente e mergulhar com um soco que o terráqueo esquivou e revidou com a esquerda direto no rosto, o ricochetando e depois movendo as mãos até uni-las a lançar uma vibração de energia que o afastou mais ainda. Beelzebub rolou para trás e tomou impulso ao encostar os pés na parede rochosa de uma das construções e avançou mais uma vez, indo de encontro a Uub que já estava a poucos passos de si, a troca de golpes havia começado, movendo-se por entre as casas com os impactos a chamar a atenção de todos os demônios da cidade até retornarem ao lugar de início, escalando o castelo de pedras através de saltos. Seus ombros se encontraram em um choque no ar, encarando-se de perto, o Príncipe do Inferno sorria malignamente enquanto Uub rangia os dentes, repelindo-se a aterrissarem em torres diferentes após um salto mortal para trás, a luz da Lua os iluminava com o jovem terráqueo na torre mais baixa, vendo seu oponente pular em sua direção, momento em que uniu as mãos, disparando uma poderosa rajada dourada quase que instantaneamente e o jovem demônio em pleno ar a abocanhou, cuspindo-a de volta como um grande meteoro de energia. Uub arregalou os olhos comicamente, pulando para trás com a explosão o pegando de raspão a explodir aquela torre, foi o momento em que Beelzebub deu um grande salto, rolou para frente e mergulhou, golpeando com a palma das mãos em seu tronco até empurrá-lo à colisão com o chão, causando um grande terremoto na cidade e deixando todos em pânico.
— Caramba, mesmo depois de o Uub ter ficado bem poderoso ao se unir com o Buu, esse carinha é tão forte quanto ele! - comentou Goten.
— Perigo! - Gill alertou quando o pedaço de uma grande rocha estava prestes a cair em suas cabeças, o que os fez saltar para longe.
— Só sei que eles deveriam ter ido lutar em um lugar desabitado, desse jeito eles vão destruir tudo! - comentou Marron sentada ao chão quando Goten chegou para ajudá-la.
Como se o primeiro abalo já não bastasse, o segundo ao Uub expandir seu ki foi maior, lançando Beelzebub pelos ares antes de se levantar e sacar sua arma.
— Cresça Bastão Mágico! - usando-o como elevador, o jovem terráqueo o alcançou rapidamente, desferindo uma cotovelada na barriga e recolhendo-o para uma estocada nas costas que o mandou abaixo a cair de rosto no chão.
De cara esfolada, Beelzebub se levantou comicamente enfurecido para seu oponente pairando no céu e disse:
— Seu trapaceiro, voar não vale e usar armas também não!
— O Bastão Mágico que ganhei do meu mestre faz parte do meu estilo de luta, mas se não quer que eu o use, por mim tudo bem. - Uub o guardou no coldre e o despendurou das costas, o arremessando para Trunks que confuso o pegou. - Segura para mim! - naquele meio tempo de distração, o jovem demônio já pulava entre as rochas novamente, alcançando Uub a surpreendê-lo com um chute de perna esquerda que foi defendido no último instante. - Ei, eu ainda não estava pronto!
— Problema seu, ninguém mandou abaixar a guarda.
— Mas eu não abaixei a guarda, você que atacou quando não estava valendo, isso sim é trapaça!
A luta já estava amistosa a essa altura, porém ainda intensa, saltando entre as rochas a trocarem golpes em alta velocidade, eles sorriam um para o outro apenas sentindo o calor da batalha e afastados começaram a correr de lado, Uub ia por baixo pronto para um Kamehameha enquanto Beelzebub ia por cima, saltitando entre as construções rochosas quando pulou em queda livre, estendeu a mão e deu forma a uma grande e obscura esfera de energia vermelha, momento que o ki nas mãos de Uub reluziu.
— Eu posso sentir, você é mesmo um humano com a alma de um demônio.
— E eu posso sentir que, além de forte, você é um demônio com um coração muito humano. - ele freou ao deslizar os pés. - Ka... me... ha... me...
— Impulso Maligno!
Ambos estavam prestes a disparar, mas no último segundo, Beelzebub foi agarrado pelo pulso e suspenso por um indivíduo que pairou ao seu lado.
— Já chega Abraca, não está vendo o estrago que está causando?
Assim que Beelzebub viu aquele demônio imponente de cavanhaque e em vestes azuis que o segurava, não acreditou e seus olhos brilharam como se ameaçassem chorar.
— É você mesmo? - Daburá sorriu e o jovem demônio não se conteve e o abraçou. - Papai!
Ainda confuso, Uub acalmou o seu ki e seus amigos se reuniram com ele, o jovem terráqueo olhou em volta e percebeu a destruição, coçando a nuca se deu conta de que teria muitos pedidos de desculpa a fazer. Agora que já haviam se resolvido na base da porrada, Beelzebub e Uub se cumprimentaram formalmente com um aperto de mão e se puseram a conversar amigavelmente.
— Fiquei tão empolgado com a luta que nem me dei conta quando disse que era o Príncipe do Inferno, eu teria deduzido que o Senhor Daburá era o seu pai.
— Pois é e se eu entendi bem, você é um humano reencarnado de um demônio mágico chamado Majin Buu que o meu velho trouxe para treinar aqui, que demais, nunca pensei que pudesse existir um humano tão poderoso!
— Você também é bem forte Beelzebub! Ah, por que o Senhor Daburá te chamou de Abraca?
— É que esse é o meu nome de batismo, só que como sou o filho de Satan, o nome que adoto aqui é o de Beelzebub, mas pode me chamar de Beel para ficar mais fácil.
— Tudo bem Beel, é um prazer te conhecer e tomara que a gente lute de novo uma hora dessas, foi divertido!
— Mal acabaram de sair no soco e já estão planejando a próxima? - Daburá perguntou quando ambos lhe sorriram sem jeito, o que o fez suspirar e sacudir a cabeça. - Francamente, é o que dá quando um viciado por lutas e um encrenqueiro se encontram, aliás filho, parece que não amadureceu nada na minha ausência.
— Como não? Por acaso não viu o quanto eu fiquei forte?
— Não estou falando disso, estou falando do seu caráter, por acaso não anda só jogando o dia todo ou anda?
— O que? Não papai!
— Tem certeza? - Beelzebub suou frio ao encarar a feição ameaçadora do pai, até que o mesmo riu, aliviando-o do susto. - Hahahahaha, não se preocupe, eu não vou brigar com você, não hoje!
Daburá fez cafuné na cabeça dele como se ele fosse um menino, de fato estava com muita saudade dele e suas travessuras não tinham importância alguma naquele precioso momento em que o reencontrou depois de tantos anos.
— A gente pensava que não fosse vir Senhor Daburá. - comentou Goten.
— Sim, você disse que tinha que cumprir a promessa de proteger a minha mãe, estava obcecado com isso. - falou Trunks, visivelmente incomodado.
— Acontece que ela me deu uma bronca por ter deixado vocês sozinhos, tanto que me liberou da promessa que fiz para que eu pudesse vir e quem diria, no final a Vovó Uranai estava certa quando previu que eu só estava adiando o inevitável.
Todos então retornaram para a escadaria de entrada da morada de Daburá, onde toparam com um velho demônio calvo de barba branca e robe verde por sobre uma malha preta que trazia consigo um carrinho com diversos aparelhos eletrônicos.
— Thief, você voltou! - exclamou Beelzebub que correu adiante em sua direção.
— Sim príncipe e como pode ver, consegui trazer muitos tesouros da cidade abandonada do sul como me pediu, incluindo esse ar-condicionado e uma cópia de colecionador de The King of Street Kombat '68.
— Wow! - os olhos do jovem demônio brilharam ao pegar a capa daquela mídia física do que seria um jogo de luta. - E ainda é a versão do aniversário de dez anos da versão original chamada de Updated Match, valeu mesmo Thief!
Foi quando o velho demônio viu Daburá ali atrás, o que fez seus olhos se arregalarem.
— Não pode... Não pode ser!
— Isso mesmo Thief, sou eu. - o Rei das Trevas confirmou antes que Thief tivesse um troço e o mesmo percebeu a presença de Uub e seus amigos, já notando que eles eram humanos, não estava entendendo nada, resolvendo perguntar a Beelzebub.
— O que foi que eu perdi?

Situações explanadas, todos se encaminharam para dentro, as horas passaram e já estava ficando tarde, o que levou Daburá a preparar os aposentos para o grupo.
— É aqui que vamos dormir? - perguntou Uub quando Daburá os levou até a porta de um belo quarto onde havia duas camas de solteiro.
— Sim, você, o Trunks e o Gill ficarão aqui, o que acham?
— Sem objeções de minha parte, é mais do que estávamos acostumados enquanto viajávamos pelo universo. - comentou Trunks com um sorriso no rosto.
— E quanto a Marron e eu?
— Que bom que perguntou rapaz, para o jovem casal eu preparei um lugar especial. - Daburá os conduziu para a porta do outro lado do corredor e a abriu para que entrassem. - Gostaram?
O quarto era tão arrumado quanto o outro, salvo por um pequeno problema.
— Só tem uma cama! - a garota falou.
— Isso mesmo, uma confortável cama de casal para que possam se aconchegar juntinhos.
Goten e Marron ficaram mortos de vergonha enquanto o sorriso medonho e os olhos brilhantes se fizeram presentes na face do demônio outra vez.
— O seu pai voltou esquisito, não acha? - comentou Thief à Beelzebub.
— O Uub disse que ele ficou morto por algum tempo e que foi para um lugar onde ficou mais bonzinho, deve ser por isso, mas não deixa de ser estranho.
— Nos desculpe Senhor Daburá, mas não podemos fazer isso, o Goten e eu ainda não somos casados.
— Verdade? Mas que indelicado que eu fui, me perdoem. - Daburá se aproximou da cama e colocou a mão sobre ela. - Esse costumava ser o quarto que ocupava com minha finada esposa e só o que eu queria era enchê-lo novamente com o amor de duas almas que se completam.
— Está bem esquisito mesmo, ele nunca falou assim da mamãe. - comentou Beelzebub à Thief.
— É e olha só para a cara dele, chega a dar medo...
Olhando em volta, Goten encontrou um porta-retrato em cima da cômoda, pegando-o para ver a foto de um jovem Daburá ao lado de uma bela mulher demônio.
— Essa era a sua esposa?
— Sim.
— Aí Trunks chega aqui! - a rir, Goten lhe mostrou a foto. - Diz aí, ela não se parece com alguém?
Salvo pelos cabelos espetados como os que Beelzebub tinha, pelas orelhas pontudas e o par de chifres na testa, facialmente ela era idêntica a Bulma, o que o deixou perplexo, enojado e também envergonhado, o que fez Goten rir mais ainda e Daburá corar-se sem jeito, resolvendo dar fim aquilo pegando o porta-retrato e guardando-o na gaveta.
— Chega, já viram o suficiente.
— E como fica a minha situação com o Goten?
— Não posso forçá-los a dividir uma cama, eu deveria ter perguntado antes, me desculpem.
— Não tem problema Senhor Daburá, eu posso dormir naquele sofá ali e a Marron fica com a cama para ela. - ele voltou-se para sua namorada. - Tudo bem para você?
— Por mim está bem, mas lembre-se que sou uma garota decente e se tentar algo durante a noite, vou arrancar as suas bolas!
Suando frio, Goten sorriu perplexo e disse:
— Eu jamais faria isso minha linda.
— Eu sei, você é um cavalheiro. - mudando a expressão subitamente, ela deu sorriso sereno, o abraçou e o beijou no rosto. - É por isso que eu te amo!
Goten ficou com cara de bobo, sua namorada podia ser assustadora como a mãe dela de vez em quando, mas gostava dela mesmo assim e sorriu de volta.
— É bonita, meiga e tem um lado violento, como as waifus dos jogos de RPG. - comentou Beelzebub à Thief. - Se ela fosse uma demônia, eu roubava ela desse cara.
— Ei, eu ouvi isso! - exclamou Goten ao olhar para trás com uma feição encapetada.
— Tá bom crianças, todos para seus quartos porque precisam estar descansados para amanhã. - disse Daburá antes de se retirar aos corredores e todos o fizeram, exceto Uub, Beelzebub e Thief que o seguiram.
— Qual é pai? Eu não sou mais criança!
— Considerando a expectativa de vida de um demônio, você é no máximo um adolescente.
— Senhor Thief, Senhor Daburá, eu não vou conseguir dormir, estou muito ansioso, ao menos me digam como será o meu treinamento.
— Amanhã Uub, vá descansar! - eles estavam entrando na sala onde havia um trono gigantesco em que Daburá flutuou a sentar-se nele e em um grunhido, uma energia envolveu seu corpo, tornando-o gigante ao ponto de ocupar perfeitamente aquele trono, algo que deixou o jovem terráqueo boquiaberto antes de ouvi-lo continuar. - Depois de tanto tempo, preciso primeiro absorver um pouco do Poder Obscuro do Makai para ficar em plena forma quando te mostrar o que é um Deus Demônio, então... VÃO DORMIR!
O grito assustador do Daburá gigante foi como um rugido que ventilou comicamente o rosto dos dois a deixá-los assustados, levando-os a falar em uníssono:
— Sim senhor! - e saíram correndo, deixando o velho Thief sozinho com ele.
— Acho que o príncipe e esse rapaz serão bons amigos.
— É, eu também acho Thief. - o Rei das Trevas sorriu e enquanto recebia o sereno da noite pela grande abertura que havia no teto, perguntou. - Mas por favor, me conte tudo o que houve em minha ausência.
— Com prazer meu senhor, é muito bom tê-lo de volta. - Thief curvou o tronco em sinal de respeito.
De volta aos corredores, Uub e Beelzebub conversavam.
— Não fica assim Uub, já que você gosta tanto de lutar, que tal tirarmos uns contras no KSK '68?
— Não sei se sou muito bom nisso Beel.
— Relaxa, eu te ensino a jogar!
Colocando a mão na região inferior das costas do terráqueo devido sua baixa estatura, ele o conduziu até seu quarto.

Enquanto isso, em uma profunda floresta distante da região de Sand Land, um homem de barba e cabelos negros vestindo roupas de batalha surradas meditava a flutuar enquanto uma aura flamejante rodeava seu corpo.
— (Devo me preparar, algo me diz que em breve terei visitas depois de muito tempo...)
Foi quando de trás do manto que vestia como capa se agitou a sua cauda de macaco, Uub e seus amigos em breve estariam diante de alguém cujo mito há muito tempo foi escrito no Livro de Lendas de Namekusei do Universo 7.




Compartilhe este capítulo:

Autor(a): fagnerlsantos

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).

- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

Amanhecia na região de Sand Land, a escaldante estrela azul do Inferno já ascendia no horizonte para dar início a mais um dia quente logo cedo. Trunks já estava acordado, Gill repousava em cima da cômoda ao lado como se estivesse desligado e a cama que Uub deveria ocupar estava vazia, ele sequer havia dormido ali, pois havia capotado de sono ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 0



Para comentar, você deve estar logado no site.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais