Fanfics Brasil - Viagem para as terras geladas! Em busca do Falcão Diamante! Dragon Ball GT Kai

Fanfic: Dragon Ball GT Kai | Tema: Dragon Ball


Capítulo: Viagem para as terras geladas! Em busca do Falcão Diamante!

63 visualizações Denunciar



"Lembre-se Uub, você não vai voar e não vai usar o teletransporte ou a Nuvem Voadora, deverá seguir viagem a pé, correndo, escalando e nadando. Pode parecer bobagem, mas isso vai exercitar seu corpo como você nem imagina!"
Alguns dias haviam se passado e com todo o ímpeto, Uub cruzava o oceano em uma velocidade impressionante apenas nadando.
— Isso é incrível, sinto todos os meus músculos trabalhando e meu corpo se fortalecendo, o senhor é um gênio Mestre Goku! - eis que em meio às braçadas, ele finalmente enxerga a ilha para qual rumava. - Finalmente, terra à vista! Estou chegando... novo mestre!
Uub já tinha um rumo definido quando saiu pelo mundo como Goku havia sugerido, a ideia de encontrar um novo mestre o deixou animado, pois sabia exatamente quem iria procurar.
— Está de brincadeira não é?
— Por favor, quero que me ensine tudo o que o senhor sabe!
#17 estava surpreso com o pedido do jovem Uub.
— O Son Goku te trazer aqui para eu dar algumas dicas é uma coisa, treiná-lo é uma história bem diferente.
— Por favor, Senhor #17!
— Lamento, mas não posso aceitar.
— Eu sei que precisa ficar aqui para cuidar da ilha, mas estou disposto a vir e até a ficar aqui também se necessário!
— Já disse que não Uub, entenda que eu não sou um artista marcial.
— Mas...
— Se continuar insistindo, eu vou te chutar daqui. - o olhar intimidador do androide deixou Uub em silêncio, até que deu meia volta e saiu andando com as mãos nos bolsos. - Se era isso que tinha a dizer, já vou indo, pois tenho mais o que fazer.
— Espere Senhor #17! - Uub o fez parar e desviar o olhar para trás. - Ao menos me dê uma chance de fazê-lo reconsiderar!
— Eu não vou mudar de ideia, nem se eu ver um Falcão Diamante vivo.
— Falcão Diamante?
— Esqueça, você nem deve fazer ideia do que estou falando. - #17 então se retirou voando.
Uub ficou em silêncio por um momento, até que sorriu e acenou:
— Entendi, não se preocupe Senhor #17, eu vou trazer um desses para o senhor!
O jovem terráqueo correu em direção ao mar e saltou na água, deixando a ilha nadando.

Uub nadou, correu, escalou, dormiu ao relento e novamente nadou, correu, escalou. Dias passaram até que ele finalmente chegou a Corporação Cápsula, na Capital do Oeste, tendo cruzado boa parte do planeta em tempo recorde.
— Oi Uub! - Bra o cumprimentou ao recebê-lo na entrada.
— Oi Bra, o Trunks está?
— Está sim, só que...
— Trunks! - ele gritou ao entrar correndo e passar por ela, deixando-a com cara de boba. Uub corria pelos corredores a sua procura, até que trombou com ele saindo da Sala de Gravidade.
— Uub? Você está bem?
— Ouch... - falou sentado no chão ao levar a mão à cabeça.
Minutos depois, ambos estavam diante de um computador, juntos também de Gill, Pilaf, Mai e Shu.
— Aqui está, Falcão Diamante. - Trunks mostrou a imagem de uma bela ave de rapina de penas brancas azuladas e brilhantes.
— É muito bonito e parece bem feroz também! - comentou Shu.
— E onde eu posso encontrá-lo?
— De acordo com o que diz aqui, Gill receia que isso não seja possível.
— E por que não?
— O que o Gill quer dizer é que essa ave se encontra extinta há alguns anos devido à caça desenfreada dos humanos por conta de suas valiosas penas. - explicou Trunks.
— Mas se estão extintos, por que o Senhor #17 me pediria para que eu encontrasse um pássaro desses?
— Não é óbvio? Ele não quer te treinar idiota! - disse Pilaf.
— A verdade é que ele nunca me pediu para procurá-lo, fui eu quem entendeu isso com esperança dele estar me dando um teste. O que ele disse mesmo foi que não me treinaria nem se visse um desses vivo, ele sabia que estavam extintos. Agora eu entendo, foi o jeito dele dizer que não queria me treinar.
— Não fique assim Uub. - Mai quis animá-lo ao vê-lo cabisbaixo. - Por que não fica aqui e treina com o Trunks?
— Você tem continuado a treinar Trunks?
— Bastante, quero ficar forte para poder te derrotar no torneio!
— Quanto mais ele se fortalece, mais lindo ele fica! - Mai o abraçou pelo pescoço, por trás, já que Trunks estava sentado na cadeira. Ele ficou corado, já que semelhante ao seu pai Vegeta, não se sentia confortável em receber afeto amoroso em público.
— Obrigado Mai. - ele agradeceu com um sorriso, apesar da vergonha.
— Bleh, que melação! - comentou Pilaf.
— Agradeço a oferta, mas acho melhor não incomodar, até porque imagino que esteja treinando com o Senhor Vegeta. Se ao menos eu tivesse como encontrar um Falcão Diamante...
— Falcão Diamante? - ela entrou na sala.
— Olá Senhora Bulma! - Uub a cumprimentou.
— Uub, para que você quer um Falcão Diamante?
— É uma longa história mãe. - Trunks começou a explicar por ele. - O Uub queria levar um para a ilha do Senhor #17 para que ele aceitasse treiná-lo, só que acabamos de descobrir que eles estão extintos.
— Entendo, só podia se esperar um motivo assim para o discípulo do Goku. Acho que você está com sorte Uub, soube por fontes seguras que recentemente encontraram um no norte.
— Verdade?
— Sim, mas os cientistas estão mantendo isso em segredo para fazerem pesquisas no intuito de procriá-lo em laboratório para trazer a espécie de volta e por isso pediram auxílio da Corporação Cápsula para que fornecêssemos a tecnologia necessária. Acho que eles gostarão da ideia de que o falcão fique seguro em uma reserva como a Ilha dos Monstros quando a pesquisa acabar.
— Isso é fantástico, se eu levá-lo para o Senhor #17, ele vai ficar tão surpreso e contente que acho que mudaria de ideia e me treinaria! Obrigado Senhora Bulma! - Uub saiu correndo, deixando todos ali a observá-lo e segundos depois retornou coçando a nuca com um sorriso sem graça. - Aonde que eu tenho que ir mesmo?
Todos caíram para trás, com exceção de Bulma que apenas ria sacudindo a cabeça:
— Ah Uub, parece que o Goku te influencia em tudo mesmo...
— É que eu fiquei tão empolgado que me esqueci de perguntar o endereço!
— Venha aqui, eu vou te dar a localização do laboratório.
Minutos depois, com tudo acertado Uub seguiu viagem.

Dias se passaram e Uub finalmente se encontrava nas regiões montanhosas do norte. Ao escalar uma grande montanha apenas com as próprias mãos, o frio e a nevasca tornavam tudo ainda mais desafiante até que, por fim, chegou ao topo.
— Finalmente. - ele se esticou em pé e olhou em volta. - Agora só tenho que descer por esse lado e... Aaaah! - O jovem guerreiro resvalou e rolou montanha abaixo. Em uma bola de neve a crescer, Uub caiu até atingir o chão, onde terminou enterrado no gelo. - N-n-n-não f-f-f-foi u-uma b-b-boa id-d-d-deia...
Encolhido e tremendo de frio com a tempestade de neve pesada caindo sobre seu corpo, sua visão foi se escurecendo e ele só conseguiu ouvir o barulho de uma moto de neve ao se aproximar e parar perto dele.
Quando seus sentidos estavam voltando, conseguiu escutar a doce voz de uma mulher que lhe chamava a abrir os olhos.
— Rapazinho? Acorde rapazinho! - a visão do rosto preocupado daquela bela ruiva de meia idade foi a primeira coisa que Uub viu diante de si. - Graças a Deus, você me deu um susto! Tome, beba isto! - ela lhe entregou uma caneca de chocolate quente, a qual ele bebeu com muito gosto depois de quase queimar a língua, ela havia lhe enrolado em um cobertor e o colocado em uma cadeira de balanço de frente a uma lareira.
— Obrigado. - Uub agradeceu, entregando-lhe a caneca de volta. - Onde eu estou?
— Na minha casa, você deu sorte de eu estar passando por lá naquela hora, pois ia acabar congelado naquela tempestade, a região aqui é ainda mais fria do que o normal nesta época do ano, deveria ter vindo agasalhado. Como você se chama rapazinho?
— O meu nome é Uub moça.
— É um belo nome! O meu é Suno, é um prazer conhecê-lo Uub. Vejo que está muito bem apesar de tudo, deve ser muito resistente!
Suno tinha olhos castanhos e era branca como a neve, vestia uma blusa de lã laranja de gola alta e calças brancas. Botas rosa de neve vestiam seus pés e um gorro desta mesma cor cobria o topo de sua cabeça de madeixas vermelhas, soltas até as costas. Era uma mulher madura que aparentava ser mais jovem do que realmente era.
— Obrigado pela hospitalidade, sinto muito ter lhe causado problemas.
— Imagina, não foi incômodo nenhum, o importante é que esteja vivo. Creio que não seja daqui.
— Não, eu não sou daqui, estou em treinamento e vim à procura de uma coisa para que uma pessoa possa me treinar.
— Imaginei mesmo que fosse um lutador por causa da roupa que está usando. Mas me diga o que é essa coisa, quem sabe eu possa ajudá-lo.
— Eu vim em busca do Falcão Diamante.
— Falcão Diamante?
Uub então lhe explicou toda a situação e minutos depois, Suno percorria pelas dunas geladas em sua moto de neve no meio da tempestade, agora usando também um par de luvas rosa e um casaco amarelo claro que esvoaçava ao vento. Ela estava levando Uub na garupa, depois de ter lhe dado um casaco de inverno azul que dava até os joelhos.
— Você é um enviado do céu que apareceu para levar aquela ave para um lugar seguro, talvez não precisemos fazer o que meu amigo e eu estávamos planejando fazer!
— A que se refere?
— Eu te explico depois, agora se segure! - Suno disse antes de acelerar.

Não demorou muito e eles chegaram ao laboratório de pesquisa ambiental, que parecia uma grande cúpula de dois andares.
— É aqui? - perguntou Uub.
— Sim.
— Mas por que há tanta correria e um alarme soando?
— Eu não sei... Será que ele aproveitou a tempestade e se adiantou com o plano?
— Plano?
— Vem, vamos entrar!
Uub e Suno correram para dentro do laboratório, o elevador estava inativo e eles então subiram as escadas rumo ao último andar, havia uma grande correria por todo o edifício. Ao chegarem à sala de pesquisa, Uub ficou assustado, cientistas e seguranças jaziam no chão em meio à destruição do lugar, que possuía um grande rombo na parede.
— O que aconteceu aqui? - Uub correu e se abaixou diante de um dos cientistas. - Vocês estão bem?
— Levaram o pássaro... - disse o homem de forma sussurrante e fraca.
— Para onde? Quem o levou?
O cientista apontou o dedo com dificuldade para o rombo na parede e Uub correu com tudo para saltar daquela altura como se não fosse nada.
— Uub, espere! - gritou Suno em vão.
O jovem terráqueo seguiu correndo a uma velocidade absurda em linha reta na direção das montanhas, tudo o que via era apenas o branco da neve, até que conseguiu avistar uma luz verde de algo em fuga.
— Eu sabia que não podia estar longe! - aquela luz brotava das costas de um indivíduo que levava o Falcão Diamante apoiado em seu braço junto ao seu peito e quando este percebeu Uub o perseguindo, acelerou. - Caramba, ele está voando baixo a uma velocidade impressionante! Se pelo menos eu não estivesse proibido de voar... Mas não vou perdê-lo de vista! - Uub retirou o casaco e o jogou para o alto antes de gritar. - Kaioken!
Abrindo caminho pela neve, sua velocidade ao correr aumentou absurdamente. Vendo a aura vermelha rosada em sua cola, o indivíduo se viu obrigado a parar diante de uma caverna próxima dali e retirou o capuz que mantinha a ave de rapina calma.
— A tempestade ainda está muito densa para você voar livremente, então se esconda aqui dentro, depressa!
O instinto fez o falcão saber que estava sendo ajudado e por isso fez como o indivíduo pediu ao voar para dentro da caverna. Nisso Uub chegou freando diante dele, desativando o Kaioken.
— Te alcancei, você não vai escapar!
O jovem terráqueo conseguiu vê-lo de perto, era um grandalhão que vestia uma calça e um casaco azul escuro sobre uma blusa de um azul mais claro, além um colete de pele em tons de marrom musgo. Sua cabeça tinha um formato meio quadrado e havia pontos de costura na testa e abaixo do olho esquerdo.
— Eles te mandaram atrás de mim?
— Você machucou aquelas pessoas!
— Me desculpe, não era minha intenção, mas eu tinha que proteger o pássaro.
— Proteger? Você o roubou e eu vim aqui para tirá-lo das suas garras grandalhão malvado! - Uub se colocou em posição de combate.
— Eu não quero lutar com você.
— Eu também não quero te machucar, mas se você não me entregar o Falcão Diamante, eu vou ter que te derrotar!
— Eu não posso, sinto muito.
— Então nós vamos lutar e o vencedor ficará com ele! - Uub avançou na direção daquele homem, que bloqueou seu soco com a palma de sua enorme mão esquerda. - Mas hein?
A expressão dele ficou séria:
— Você não me deixa escolha!
O grandalhão fechou o punho direito e com toda a força, desferiu um potente soco que atirou Uub a atravessar uma pequena montanha e removendo o colete de pele que vestia, partiu em seu encalço ativando os propulsores em suas costas que brilharam em verde por baixo do casaco. O jovem terráqueo se levantava neste momento, limpando o sangue em sua boca.
— Ele não emite ki algum, mas a força desse soco foi extraordinária! - ele o viu se aproximando em voo e se preparou para lutar novamente com um sorriso de excitação. - Isso está ficando emocionante!
Como uma rocha, Uub bloqueou o soco investido com seu braço esquerdo, o que surpreendeu o grandalhão. Este então aumentou a potencia dos propulsores e abriu a defesa do jovem terráqueo, que se esquivou para a esquerda, o deixando passar e logo arremessou uma esfera de energia com a mão canhota como se fosse uma bola. Aquele homem planou e aterrissou, girando, ficou de frente para o ataque e o repeliu balançando o punho esquerdo.
— Não é uma pessoa comum. - ele disse seriamente.
— Eu digo o mesmo sobre você. - Uub disse com um sorriso no rosto. - Estive viajando pelo universo todo neste último ano e nunca que eu pensaria que existia gente tão forte na Terra que eu ainda não conhecia!
— Estranho, você não parece malvado... Mas ainda quer levar o pássaro, não posso deixar que faça isso!
Ele foi contra Uub, mas seu soco golpeou apenas uma imagem.
— Estou aqui! - Uub apareceu à sua esquerda e lhe desferiu um soco que o jogou para longe e o perseguiu, usando a perna esquerda para lhe chutar nas costas e lhe ascender verticalmente aos céus. Nisso sacou o bastão e gritou. - Cresça Bastão Mágico!
Cravando-o no solo, tomou impulso para saltar acima de seu oponente e devolvê-lo para baixo com as duas mãos em um golpe de marreta. Recolhendo a arma ao seu tamanho normal, o jovem terráqueo a guardou e mergulhou ao encontro de seu oponente, que já estava se levantando.
— Whoooaaaaah! - ele rugiu, envolvendo seu corpo em uma aura verde que brotava de seus propulsores, a qual foi ficando alaranjada.
— Hum?!
— Fúria de Oitavo! - com os braços firmes na frente do peito, ele curvou seu tronco e liberou uma grande explosão de energia flamejante de suas costas.
Uub protegeu o rosto cruzando os braços em forma de xis e foi sendo empurrando, até que a explosão o lançou para longe.
— O poder dele está aumentando! Aagh! - o grandalhão avançou com seus propulsores e o agarrou no ar, indo com tudo contra uma montanha, que se partiu ao meio ao atravessarem de lado a lado. Nisso Uub reagiu com uma joelhada na barriga e virando um salto mortal para trás, o chutou no queixo, o jogando para trás. Aterrissando em pé, o jovem terráqueo colocou as mãos ao lado do corpo para o Kamehameha.
— Agora é a minha vez!
— Oitavo, Uub, parem com isso!
— Suno? - Uub e seu oponente disseram em uníssono com aquela interrupção e eis que avistaram a ruiva descendo de sua moto de neve e correndo até eles.
Os dois se surpreenderam mutuamente, já que ambos a conheciam. A tempestade de neve começava a cessar naquele momento.
— Parem de lutar, por favor! - ela se colocou entre os dois e ambos caminharam para junto dela.
— Me desculpe Suno, eu não queria lutar, mas é que eu pensei que ele fosse um daqueles caras e que veio para recuperar o pássaro.
— E eu pensei que ele fosse um cara malvado que tinha roubado o falcão, mas pelo jeito vocês dois se conhecem.
— Que bom que você é um amigo da Suno também, espero que eu não tenha te machucado! - o grandalhão sorriu e estendeu a mão para cumprimentá-lo. - Eu sou o Oitavo, como é o seu nome?
— Oh! - ele aceitou o cumprimento. - Meu nome é Uub, você é bem forte Oitavo!
— É mesmo? Obrigado!
— Venham, vamos nos abrigar em algum lugar que eu vou explicar tudo para vocês dois.
Após recolher e vestir seu colete de pele de volta, Oitavo decidiu levar Uub e Suno para a caverna onde escondeu o Falcão Diamante e lá a ruiva contou como encontrou o jovem lutador há poucas horas atrás. Ela também estava contando a Uub a razão de Oitavo ter surrupiado a ave dos cientistas.
— Quer dizer que os cientistas não estavam planejando procriar o Falcão Diamante?
— Não Uub. - Suno respondeu. - O que eles queriam era retirar as penas dele para vender. Uma vez retiradas as penas permanentes de um Falcão Diamante, elas não crescem novamente, o plano deles era usar a tecnologia da sua amiga para fazê-lo criar novas penas depois de arrancadas, assim eles o usariam como uma fonte inesgotável de dinheiro.
— Que gente horrível!
— Foi por isso que a Suno e eu decidimos tirá-lo deles, não podíamos ficar de braços cruzados quando soubemos disso, só que eles tinham caras armados e eu achei perigoso que ela fosse comigo.
— Isso explica a razão de ter agido sozinho, apesar de eu ter dito que podia me cuidar.
— Eu sinto muito Suno, não queria que se machucasse.
— Bem, não importa, o importante é que o Falcão Diamante está bem. - ela viu o pássaro aterrissar sobre o braço direito de Uub. - Parece que ele gostou de você!
— Verdade. - Oitavo concordou. - Ele tem essa cara de bravo, mas é bem amigável!
— Você não é muito diferente Oitavo. - Uub o fez sorrir com o comentário.
— Acho que ele sabe que estamos ajudando-o, é bom ver que tudo acabou bem!
— Um momento Suno! - Uub levantou bruscamente, fazendo inclusive com que o falcão deixasse seu braço. - Não acabou nada, temos que dar a esses caras o que eles merecem!
Suno e Oitavo se entreolharam e depois olharam para Uub com um sorriso confiante em seu rosto.

Momentos depois, lá estava ele, varrendo o grupo de guardas com o Bastão Mágico de tamanho aumentado.
— Continuem atirando! - armados até os dentes, disparavam com suas metralhadoras uma porção de balas.
Uub corria entre elas como se nada fossem e com um balanço do bastão, lançou aquele grupo de guardas para longe. Cravando-o no solo, o utilizou como em um salto com vara, indo parar no último andar através do buraco feito anteriormente por Oitavo, pelo qual também havia deixado há pouco o laboratório para persegui-lo. Ele recolheu o bastão e apenas com o olhar, assustou todo mundo que estava ali.
— Essa não, fujam! - gritou um dos cientistas.
Todos rumaram para a saída de emergência pelo térreo, porém, não contavam que Suno estaria lá, portando a arma de um dos guardas.
— Onde vocês pensam que vão? - ela fez com que todos levantassem as mãos, eles olharam para o lado e viram Otávio com uma corda, pronto para amarrá-los.
Não demorou muito e eles fizeram uma limpa no lugar, trazendo e amarrando todo mundo ali fora.
— Eram os últimos? - Suno perguntou quando viu Uub vindo com um cientista e um guarda feridos nos ombros.
— Sim, incluindo aqueles que se machucaram na invasão do Oitavo. O que vão fazer com eles?
— Vamos entregá-los para as autoridades. - respondeu Oitavo.
— Ha! Boa sorte com isso. - disse um dos cientistas amarrados. - Vocês não têm provas!
— É mesmo? - perguntou Suno. - Os policiais vão amar esses diagramas que o Uub encontrou em uma das salas do segundo andar.
— Droga! Era um bom plano, iríamos ficar bilionários e nós teríamos conseguido se não fosse esse garoto enxerido! - o Falcão Diamante veio e lhe deu uma catanada na cabeça antes de voar para o braço de Uub. - Argh! E esse falcão idiota também!
Uub riu e então se voltou para seus novos amigos.
— Bem, acho que eu já vou indo.
— Mas já? Por que não fica mais um pouco e janta em minha casa?
— Agradeço o convite Suno, mas eu tenho que levar esse carinha para a sua nova casa, estou ansioso para começar o meu treinamento.
— Entendo...
— Mas isso não impede que eu venha visitar vocês qualquer hora, não é?
— É verdade! - disse Oitavo sorridente.
— E Oitavo, da próxima vez, vamos lutar de novo!
— Ah... Eu... não gosto muito de lutar sabe...
— Sério? Eu acho muito divertido!
— Eu percebi que você não estava lutando a sério, acho que você deve ser muito mais forte do que eu.
— Talvez, mas tenho a impressão de que você nunca lutou a sério e desconhece seus próprios poderes, o que me deixou curioso para saber sobre a sua verdadeira força!
— É verdade, nunca tinha ido tão longe em uma luta antes, eu queria muito proteger o pássaro. Se for só por diversão e ninguém for se machucar, então talvez eu abra uma exceção para você!
— Legal Oitavo! Da próxima vez que eu vier, vou trazer o meu mestre!
— Seu mestre? - perguntou Suno.
— Sim, ele é ainda mais divertido do que eu e vai gostar muito de conhecer vocês! - após um breve silêncio, ele colocou o capuz sobre a cabeça da ave, antes de partir a uma grande velocidade. - Até mais Suno, até mais Oitavo!
— Adeus! - disse Oitavo ao acenar, ele e Suno sorriam ao vê-lo indo embora a correr.
— Oitavo.
— O que foi Suno?
— Você não acha que o Uub se parece muito com o Goku?
— Hmm... Agora que você falou, aquele bastão e a forma dele lutar... Realmente eles se parecem muito!
— Será uma coincidência?
— Eu não sei, mas tomara que possamos ver tanto ele como o Goku de novo algum dia...
E assim, Uub conseguiu salvar o último espécime de uma ave considerada extinta de um grupo de cientistas mercenários. Será que #17 aceitará treiná-lo?




Compartilhe este capítulo:

Autor(a): fagnerlsantos

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).

- Links Patrocinados -
Prévia do próximo capítulo

— Quer dizer que o Uub já tinha um rumo definido quando saiu daqui?— Eu acho que sim, pois quando dei a ideia dele encontrar um novo mestre, ele parecia saber exatamente para onde ir, me pergunto quem poderia ser.Pai e filho estavam sentados descansando, Goten parecia confortável em seu jeans roxo para treinar, já que estava acostumado por ...


  |  

Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 0



Para comentar, você deve estar logado no site.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais