Fanfics Brasil - Aranhas! Essas Sombras Verdes

Fanfic: Essas Sombras Verdes | Tema: O Hobbit, O Senhor dos Anéis


Capítulo: Aranhas!

41 visualizações Denunciar


Nota da Autora: Este trabalho abrangerá a duração da Guerra do Anel, portanto, às vezes, haverá saltos de tempo significativos entre os capítulos. Para quem gosta de acompanhar essas coisas, o ano em curso é TA 2942.


 


“Eu entendo que patrulhas de vários dias não são incomuns para os Guardas”, disse Thranduil, com um toque de impaciência. “Esta é, no entanto, a sétima missão que você delegou pessoalmente para liderar nos últimos meses.”


“Sim senhor.” disse Tauriel humildemente. “Você tem alguma objeção, meu Senhor?”


Thranduil olhou para ela com evidente descontentamento. “Fingir ser bem comportada não combina com você”, ele disse a ela. “Você tem o direito de atribuir missões como achar adequado, como você bem sabe. Agora saia da minha vista.”


Mesmo quando ela se virou para sair, porém, o rei falou novamente e a antecipou.


“Mais uma coisa.” disse Thranduil. Seus olhos perfuraram-na. “Eu sei que é impossível que um capitão da Floresta das Trevas permita que algumas noções mal concebidas de vingança conduzam suas ações. Mas talvez você possa considerar tomar alguns cuidados com sua própria vida. Mirkwood precisa de você.” Ele se sentou em seu trono e ergueu uma taça para ela.


Tauriel engoliu sua primeira resposta, depois a segunda e a terceira, e apenas se curvou e saiu. Arrogância típica, ela pensou enquanto se dirigia para onde sua patrulha estava esperando. Como ele ousa presumir as motivações dela? A furiosa onda de adrenalina que sempre acompanhava qualquer interação com o rei ainda não havia diminuído, e então Tauriel se enfiou em um canto isolado e tentou se acalmar.


Seria maravilhoso estar na floresta novamente, onde ela poderia manter a cabeça limpa, em vez de ficar enfiada no palácio com aquele cruel e arrogante...


Maldito seja. Isso não estava funcionando. Ela se jogou para fora, onde Dolorian, Belegorn, Elanor e alguns outros estavam esperando.


“Divertiu-se, capitão?” perguntou Belegorn, quando viu a expressão em seu rosto


“Beije um javali.”, ela disse a ele. “Dolorian, você está no comando até eu voltar. Não queime a floresta.”


“Bem, você me conhece.”, disse ele.


“Não é uma resposta tranquilizadora.”, observou Tauriel, afixando suas armas. Ela não conseguiu encontrar um substituto adequado para o arco que o rei Thranduil havia cortado ao meio. Este estava fora do arsenal comum dos guardas, e a madeira ainda estava inflexível aos seus dedos.


Além das armas, ela carregava muito pouco; uma trompa de caça pendurada em seu quadril e um rolo de bandagens enfiado em uma bolsa em seu cinto. E fitas adicionais para as tranças, é claro, mas que elfo seria sem isso? Os guardas reais viajavam com pouca bagagem. Eles bebiam água quando podiam, das folhas e dos riachos, ou ficavam sem água. O risco de uma bolsa d'água espirrando alertando a presa não deveria ser assumido. Nem precisavam de fogo. Durante a patrulha, os guardas comiam sem cozinhar. Nenhuma luz ou fumaça os trairia.


Não foi tão brutal quanto os corteses elfos Sindarin imaginavam. Na verdade, Tauriel gostava do sabor da carne crua. Legolas também comeu, não que ela fosse contar isso ao pai dele.


"Preparados?" ela perguntou a seus guardas. Havia cinco no total nesta patrulha: ela mesma, Elanor, Belegorn, Mirdanion e Hadril. Essa última foi uma aposta em uma patrulha tão longa, Tauriel teve que admitir. A garota tinha bons instintos florestais, mas era sempre a primeira a clamar por uma batalha. Em seu humor atual, isso combinava perfeitamente com Tauriel.


“Sim, capitão.”, disse Elanor, que parecia ter se nomeado tenente. Tauriel suspeitava que foi ela quem assumiu seu lugar como capitã enquanto ela estava fora. Foi uma escolha digna, e Tauriel não podia dizer que poderia brigar com Thranduil na consulta. Mesmo assim, ela sabia que Elanor a vigiaria em busca de qualquer erro. Foi por isso que Tauriel sempre a teve ao seu lado. Geralmente ela era sua própria vigia, mas às vezes ultimamente ela não tinha certeza se podia confiar em si mesma.


Belegorn e Mirdanion eram irmãos. Tauriel os viu atingir o mesmo alvo, ao mesmo tempo, sem se olharem ou se comunicarem. Uma flecha atingiu o olho esquerdo do cervo; o outro, está certo. Eles a lembravam tão ferozmente de Kili e Fili que doía, mas também eram muito bons de se ter em uma batalha.


Ocorreu-lhe que havia escolhido três por sua habilidade em combate, e apenas um para aconselhá-la a evitá-lo. Ela descartou o pensamento.


Nas patrulhas anteriores eles haviam percorrido a Velha Estrada da Floresta. A parte sul da Floresta das Trevas estava agora totalmente livre de aranhas – e Tauriel pretendia mantê-la assim. Foi um empreendimento que exigiu vigilância quase constante. Mesmo uma fêmea carregada de ovos, escondida num arbusto espesso, poderia dar à luz um ninho inteiro. Mas desta vez seus pensamentos se voltaram para outro lugar.


“Vamos para o norte.”, ela anunciou. “Quando encontrarmos o sopé das Montanhas Cinzentas, iremos segui-los para oeste até chegarmos ao rio e regressarmos pela margem norte. Acordado?" Elanor olhou para ela de soslaio, mas não se opôs.


“Parece um bom plano, capitão”, disse Belegorn.


“Então vamos embora”, disse ela. “Temos muito terreno a percorrer.”


Na verdade, eles poderiam estar no sopé das Montanhas Cinzentas depois de apenas um dia de corrida difícil – mas Tauriel insistiu em parar para verificar os habitantes de cada propriedade e árvore ao norte dos salões do rei élfico. Sua lealdade ao Rei Thranduil pode ser altamente teórica, mas eles ainda eram habitantes da Floresta das Trevas e tinham o privilégio da proteção da Guarda. Além disso, não havia melhores lenhadores vivos. Se eles não tivessem visto nada preocupante, Tauriel poderia relaxar um pouco.


Grawion, o caçador, estava literalmente, até os ombros em uma matança quando o encontraram, então eles não se demoraram. Mas ele os reconheceu com um aceno de cabeça.


“Tem estado quieto.”, disse ele. Sua voz estava sombria por falta de uso. "Seu trabalho?"


"Quem pode dizer?" evitou Tauriel. “Boa caçada, amigo.”


“E para você”, ele respondeu gravemente enquanto seguiam seu caminho.


O resto das visitas correu tão bem quanto se poderia esperar. O casal Elhador e Ferlain os convidou para entrar em sua cabana e os ofereceu um almoço de guisado de caçador, de longe a recepção mais amigável que poderiam esperar nesta parte da floresta. Eles viajaram mais para o norte e para o oeste, passando pelo local onde Tirnel morava. Eles não o avistaram, mas isso era de se esperar, pois ele era um amante da luz das estrelas, uma criatura noturna. Suas armadilhas foram armadas recentemente, o que Tauriel teve que considerar como prova de seu bem-estar. Por outro lado, a clareira próxima de Nathril, a tecelã, estava coberta de tecidos de cores tão vivas que eles podiam avistá-la a oitocentos metros de distância. Ela alegremente ofereceu-lhes a escolha de uma seleção que quase certamente tornaria a furtividade impossível. Tauriel pegou um pedaço de azul aço, pensando que poderia apresentá-lo ao rei Thranduil junto com seu relatório, e cuidadosamente o enfiou sob o gibão.


Eles viraram para o oeste no dia seguinte para procurar Ninimien e Eglossien, os amantes silenciosos, e depois para o norte novamente para encontrar Rainion, o eremita, que prontamente os expulsou de suas terras com uma maça. O que, como Tauriel disse a Hadril, pelo menos significava que ele estava comendo direito.


“Talvez ele pudesse usar um pouco menos de energia, por sinal.”, disse Hadril, carrancuda. “Não poderíamos voltar e ensinar-lhe o devido respeito?”


“Não.” disse Tauriel com firmeza. “Quem mais sobrou?”


“Ninguém.”, disse Mirdanion.


“Mais um.”, disse Elanor. “Gereth, a Adivinha.”


Mirdanion murmurou infeliz.


"Quem é ela?" perguntou Hadril.


“Uma bruxa louca.”, disse Mirdanion.


“Uma mulher que mora sozinha.”, disse Tauriel, lançando-lhe um olhar penetrante, “e que não faz mal a ninguém.”.


“Uma vidente.”, disse Elanor. “Que foi tão fortemente abençoada pelos Valar com uma visão que a deixou louca.”


“Isso é apenas um boato.”, disse Tauriel. “E um que não tem relação com a nossa missão. Iremos e teremos certeza de seu bem-estar.”.


Mas foi mais um dia de viagem até chegarem à morada de Gereth, A Vidente. Ela morava tão longe, tão longe ao norte e ao oeste que o Forest River ainda era um riacho na montanha. Mesmo aqueles que rejeitaram a Corte do Rei-Elfo e a relativa segurança do Sul não costumavam viver tão longe dos salões de Thranduil. Simplesmente não foi sábio. Mas, novamente, dizia-se que Gereth era uma vidente. Talvez ela soubesse algo que o resto deles não sabia.


Então, novamente, ocorreu a Tauriel enquanto ela estava diante da vidente, talvez houvesse uma razão muito simples para Gereth viver tão longe de outras pessoas.


Uma das coisas mais surpreendentes sobre Gereth era sua beleza. Ela tinha um rosto delicado, mas rodeado por um emaranhado selvagem de cabelos despenteados. Seu vestido, tão cinza quanto seus olhos, obviamente tinha sido enfeitiçado para repelir a sujeira, o que só tornava seus pés descalços e sujos ainda mais assustadores. E seus olhos, embora marcantes em sua beleza, também eram clara e inegavelmente insanos.


Ela não falou, apenas olhou para além deles com seu olhar louco.


“Quem foi que a chamou de Gereth?” sussurrou Hadril. “Como ela ganhou esse nome?”


“Silêncio,” disse Tauriel. Ela se dirigiu a Gereth. “Somos da Guarda Real da Floresta das Trevas.”, disse ela. “Não queremos fazer mal a você. Você vai falar conosco?


“Eu sei quem você é, Tauris.” Os olhos de Gereth focaram-se diretamente nela, uma experiência profundamente perturbadora. “Há uma condenação sobre você... embora seja uma coisa muito pequena nos esquemas dos elfos e dos Valar. Devo te contar isso? Mas então, você não entenderia isso. Somente diante da morte você encontrará a clareza que procura.”


“Você se engana”, ela respondeu, surpresa. “Meu nome é Tauriel.”


Gereth não disse nada, nem Tauriel conseguiu pensar em nada para dizer. Elanor a salvou.


“Viemos aqui para ter certeza do seu bem-estar”, disse ela. "Você sentiu falta de alguma coisa neste inverno?"


Gereth apenas continuou a encarar Tauriel. Tauriel olhou de volta, inquieto.


“Ela parece bem, capitão”, disse Hadril. "Devemos ir?"


“Você”, disse Gereth de repente, girando repentinamente. Todos deram um passo para trás, com as mãos parando a cerca de dois centímetros de distância de várias armas. “Eu vim aqui para lhe dar uma coisa.”


Hadril olhou em volta. "EU?" ela perguntou nervosamente.


A vidente louca tirou um pacote do bolso do vestido. “Eles precisarão ser limpos com água da chuva”, disse ela, como se Hadril não tivesse falado. “Isso vai extrair o veneno, entendeu?”


“Não”, gaguejou Hadril.


“Sua vida estará perdida se ela morrer”, continuou Gereth. “Isso importa muito pouco, é claro, mas talvez possa servir de incentivo.”


Hadril segurou o pacote com as duas mãos, parecendo confusa e em pânico. E quando Hadril estava confusa e em pânico, ela tendia a pegar primeiro uma arma. Tauriel decidiu intervir.


“Obrigada pelo presente”, disse ela à vidente. “Vamos partir rapidamente.”, ela murmurou para sua patrulha, que estava igualmente feliz por ter ido embora. Gereth os observou até que desaparecessem de vista e, Tauriel suspeitava, também por algum tempo depois.


Como haviam planejado, cortariam a floresta ao longo da margem norte do Rio Forest. Até Tauriel teve que admitir que era muito arriscado viajar pela margem sul. As aranhas tinham seu principal reduto logo ao sul do Rio Forest, onde a floresta era particularmente densa e hostil. Dessa forma, eles poderiam ficar de olho nos ninhos sem chegar muito perto.


Tauriel sabia que sua definição de “muito perto” diferia consideravelmente daquela de, digamos, o rei, mas era bem sabido que as aranhas não cruzariam facilmente ou voluntariamente a água corrente.


Talvez tenha sido por esse motivo que Tauriel baixou a guarda. Mas naquele extremo norte, onde as árvores eram escassas e a luz do sol incidia em torno delas em enormes camadas de ouro, era difícil pensar em perigo. Tauriel e até Elanor se deixaram envolver no jogo; saltando rio abaixo entre as rochas viscosas do rio e tentando não cair. Legolas teria envergonhado todos eles, pensou Tauriel com um toque de tristeza. Ela parou no meio do caminho para olhar para trás, em direção às montanhas do norte. Seu melhor amigo estava em algum lugar além deles – que perigos ele estava enfrentando? Ele nunca pensou em voltar para casa? Ela mal teve tempo de sentir um momento de tristeza antes que Belegorn a empurrasse para dentro da água.


Tauriel gaguejou e subiu em uma pedra. "Trapaceiro!" ela gritou depois que ele recuou e correu atrás dele, provocando risadas dos outros guardas.


Eles dormiram aquela noite confortavelmente e aquecidos no abrigo de um pinheiro extenso e emergiram para encontrar o mundo novo e brilhante. Uma tempestade passou sobre eles durante a noite. Mil gotas brilhavam na borda de cada folha e galho, iluminadas com um brilho deslumbrante pela luz do sol, mais bonitas do que qualquer joia. Tauriel se sentiu incrivelmente vivo. Ela respirou fundo e saboreou.


Ela desejou que Kili estivesse aqui para ver esse momento.


Tauriel soltou o fôlego e esperou que a dor passasse, sua tempestade particular. Foi mais fácil deixar isso ir e vir. Ela não sofreria diante dos outros. Quem a confortaria pelo luto por um anão morto? Talvez Legolas tivesse entendido, mas ele estava a léguas de distância. Ela não tinha ninguém.


Quando teve certeza de que conseguiria controlar a voz, deu ordem para sair. Hadril, que discretamente enchia seu chifre de caça com a água da chuva que se acumulava nos ocos das árvores, pulou. Tauriel franziu a testa. A visita a Gereth deve tê-la abalado mais do que ela deixava transparecer. Ela olhou para Elanor e descobriu que os olhos do outro elfo já estavam fixos nela – possivelmente há algum tempo.


“Fique de olho em Hadril, sim?” ela perguntou em voz baixa. “Use um pouco da energia que você tem gasto me observando.” Ela não esperou pela resposta.


Eles continuaram descendo o rio em um ritmo mais calmo do que no dia anterior. Eles já estavam de volta à Floresta das Trevas propriamente dita, onde árvores antigas se erguiam para o céu como pernas de gigantes e sombras aglomeradas densamente em suas raízes. Era ao mesmo tempo um lar e um perigo. Tauriel se viu lançando olhares nervosos para o outro lado do rio.


“Acalme-se, capitão”, disse Mirdanion. “Ninguém vê aranhas há meses.”


“Sim,” disse Tauriel. “Isso é o que está me preocupando.”


“Ah”, ele disse.


“O Rei Thranduil não parece muito preocupado”, disse Elanor. Tauriel se virou para olhar para ela.


“Você conhece a mente do rei?” ela exigiu. “Então não fale por ele. Temos um dever que é todo nosso.”


Um olhar culpado passou pelo rosto do outro elfo. “Capitão,” Elanor começou. “Eu preciso falar com você—”


Ela foi interrompida por Belegorn, que estava patrulhando à frente.


“Vejo algo no rio”, gritou ele, com tensão nervosa na voz. "Mas..."


"O que é?"


“Um brilho no ar. Eu não acho que poderia dizer o que é.”


Eles se aproximaram. Tauriel ainda não viu nada até que, de repente, a luz a atingiu da maneira certa. Seda de aranha, dezenas de fios dela, abrangendo toda a extensão impossível do rio.


“Uma ponte”, disse Tauriel. “Eles estão construindo uma ponte.”


Em algum lugar por cima do ombro, ela ouviu Elanor respirar fundo. “Então é isso que eles têm feito nos últimos meses.”, ela sussurrou.


O calor familiar da adrenalina e da raiva tomou conta de seu corpo. Ela estava certa! As aranhas estavam apenas ganhando tempo.


“Vamos cortar”, ela ordenou, com a voz baixa e dura. Não houve desacordo. Belegorn e Mirdanion subiram nas árvores para cortar os galhos mais emaranhados. Tauriel deu uma olhada mais de perto na própria ponte.


Ela viu agora como deve ter sido construído. As aranhas devem ter tentado centenas de vezes produzir um fio longo e leve o suficiente para que o vento o carregasse através do rio até um galho saliente. A partir desse único fio, eles o teriam reforçado repetidamente até que um de seus machos mais leves pudesse rastejar sobre ele, e ele teria acrescentado mais seda à medida que avançava. Não foi concluído; Tauriel podia ver a outra extremidade da ponte, que parecia sólida como aço e firmemente ancorada entre as árvores. Mas na margem norte, apenas algumas dezenas de fios mantinham a ponte no lugar.


Seus olhos captaram movimento na margem oposta.


“Acho que nossa presença foi notada.”, disse ela calmamente, preparando uma flecha. Este arco não era tão fiel quanto o antigo e se alargava, afundando na articulação da perna não ficando à alturo do olho.


“Cortando o mais rápido que podemos, capitão!” Belegorn gritou das árvores. Eles haviam cortado a maior parte dos galhos mais finos que sustentavam a ponte, mas alguns dos fios estavam presos a galhos mais grossos ou até mesmo a troncos, forçando os irmãos a serrar a teia grossa. Até mesmo uma lâmina élfica perderia seu fio na seda de aranha.


Hadril sacou suas duas lanças curtas e olhou para longe. “Permita-me”, disse Elanor, e suavemente inclinou e disparou. As aranhas começaram a cair, mas cada vez mais se reuniam na outra margem. Eles estavam diretamente em frente ao maior ninho da Floresta das Trevas, lembrou Tauriel. As flechas não afetariam sua população. Algumas das aranhas menores estavam começando a enxamear na ponte. Por mais rápido que Elanor atirasse, ela não conseguia acompanhar. As aranhas os alcançariam antes que Belegorn e Mirdanion pudessem derrubar a ponte.


Tudo isso passou em menos de um segundo, e então Tauriel estava voando em direção às árvores, passando pelos irmãos surpresos e correndo rapidamente para o cabo de seda de aranha. Seu arco inútil estava em algum lugar no chão atrás dela, mas suas longas facas estavam em suas mãos e nunca falharam. Não havia nada além de água corrente abaixo dela e espaço vazio entre ela e seu inimigo. Ela se jogou naquele espaço, rindo. Suas facas brilharam como se ela estivesse empunhando a própria luz do sol.


Seus guardas gritavam atrás dela, mas Tauriel não lhes deu atenção. Ela ansiara pela violência durante todo um longo inverno, e agora era primavera e ela se sentia tão, tão viva. Ela enfiou suas facas em olhos óctuplos, cortando pernas e chutando seus corpos para fora do arame. Qualquer dançarina no mundo a teria invejado naquele momento. Mas mesmo com a alegria da batalha percorrendo-a, Tauriel foi forçada a recuar, passo a passo, enquanto ondas de aranhas desciam pela teia até que ela foi forçada a voltar para o meio do rio. Rosnando, ela enfiou uma faca profundamente na carapaça de uma aranha, matando-a instantaneamente. Quando ela tentou retirá-lo, sentiu um momento de medo pela primeira vez nesta luta.


Estava preso.


Sentindo fraqueza, as aranhas redobraram o ataque. Um veio correndo sobre o cadáver de seu companheiro de ninho, sibilando, com as presas à mostra. Saltando em sua direção, Tauriel conseguiu pegá-lo com a ponta da faca, abandonando o outro. Ela tropeçou no arame enquanto eles lutavam, virando-se para ficar de perfil para a margem norte. Flechas passaram sibilando por ela, impedindo a maré. Pelo canto do olho, ela viu uma das lanças de Hadril passar bem perto da aranha em sua garganta.


Tauriel cerrou os dentes. Ela teria que matar a fera sozinha. Ela se virou de repente, pegando a aranha desprevenida e usando o impulso para enfiar a faca bem fundo no corpo da aranha, onde ela finalmente deve ter perfurado um órgão vital. Aranha e faca caíram juntas no rio.


"Capitão!" gritou uma voz angustiada atrás dela. Sentia uma dor aguda no ombro e a sensação de sangue quente escorrendo pelas costas. Tauriel olhou sem compreender a ponta da lança que havia atravessado seu ombro. Ela balançou no fio fino. Seu sangue estava pingando na água abaixo, e Tauriel de repente se lembrou de um rio diferente, congelado; lembrou-se de olhar para ele enquanto segurava um homem morto nos braços. O pensamento não lhe trouxe tristeza.


O clique das mandíbulas a trouxe de volta à sua própria vida. A segunda aranha avançava sobre ela. Sua mão direita estava vazia. Seu braço esquerdo não lhe obedeceu. Quando a aranha saltou sobre ela, ela só conseguiu tropeçar para trás inutilmente, desequilibrada pelo peso da lança no ombro.


Tauriel ouviu, em vez de sentir, o barulho nauseante de seus próprios ossos quebrando. E então houve fogo, espalhando-se de seu ombro até a medula mais profunda de seus ossos; estava em seu sangue, queimando-a de dentro para fora; estava queimando seus olhos, tornando sua visão negra. Tauriel nunca teria imaginado que havia tanta agonia no mundo. Esta era a sensação de morrer, ela percebeu com uma certeza terrível. Esse foi seu último pensamento coerente antes de seu mundo escurecer.


Ela caiu, queimando, no rio.


 


 


Sonhos confusos tomaram conta dela.


“Mirkwood precisa de você”, alguém estava dizendo, mas de repente ela entendeu isso de uma forma totalmente diferente, uma forma que era impossível, que não fazia sentido. Afinal, não era Mirkwood que precisava dela, mas...


E então Kili estava ao lado dela, ainda com a armadura preta e dourada com a qual o enterraram, olhando para ela com tristeza. Ela estendeu a mão para ele – ele se retirou, como um fantasma, para além do círculo de seus braços.


“Estou indo até você, Kili “, ela disse a ele, mas ele balançou a cabeça.


“Você não pode”, ele disse. Seu rosto, tão querido para ela, já estava desaparecendo. “Você sabe que não pode, Tauriel. Não desperdice sua coragem morrendo. Fique…”


A maneira como ele falava era tão estranha, familiar e ainda assim nada parecida com Kili. Ela gritou por ele mesmo assim quando ele desapareceu, escapando para a escuridão. Alguém estava gritando no mundo desperto, mas isso pouco importava. Ela entrava e saía da escuridão, sem nunca abrir os olhos. A consciência era dor, mas a voz de Kili estava sempre presente em seus sonhos, dizendo-lhe para voltar.


“Isso dói” ela disse.


 


“Eu sei que dói, Tauriel, mas você deve viver. Eu te amo mais que a própria vida. Eu não vou deixar você morrer”


Ela dormiu. Sons surgiram do mundo dos vivos, sem sentido e estranhos. Vidas e estações passaram por ela, ou assim parecia. Por fim, ela ouviu uma voz distante, como se sussurrasse através de uma fresta na parede.


“Que estranho, Tauriel, que você estivesse tão errado sobre mim”, dizia. Uma mão fria pousou em sua testa. Tauriel lutou para falar.


“Kili?” ela murmurou. A mão se retirou e ela voltou para o vazio acolhedor.


Uma vida inteira depois, ou talvez alguns momentos, ela acordou na cama. Sua garganta estava dolorosamente seca. Alcançar água era uma impossibilidade. Seu braço direito parecia tão fraco quanto o de um recém-nascido. Ela tentou mover a esquerda e teve que conter um gemido.


“Não se mova ainda”, disse uma voz. “Você não está curado.”


Se Tauriel tivesse energia suficiente para fazer isso, ela teria começado. Era Thranduil. Evitando cuidadosamente seu ombro esquerdo, ele deslizou um braço por baixo dela e a ergueu até a posição sentada. A outra mão levou um copo de água fria aos lábios dela.


Ela bebeu. Thranduil só permitia que ela engolisse em pequenos goles. Ela teria preferido enterrar o rosto na xícara para evitar o olhar dele. O braço dele ainda estava aninhado calorosamente em suas costas e ele estava, ela percebeu, ajoelhado ao lado da cama para levar a xícara aos lábios. Era muito estranho ter o rosto do rei mais baixo que o dela.


“Posso sentar sozinho”, disse Tauriel finalmente, esperando que fosse verdade.


“Duvido”, disse o rei, mas mesmo assim ele a soltou. Para sua extrema irritação, ele estava certo. Respirando com dificuldade, ela conseguiu se apoiar na cabeceira da cama. Ela percebeu então que esta não era sua cama.


"Onde estou?" ela perguntou, olhando em volta. Thranduil ergueu as sobrancelhas para ela.


“Esta é a ala de enfermaria dos curandeiros. É para onde os feridos são tradicionalmente levados.”


Tauriel não achou o sarcasmo útil, mas evitou mencioná-lo. Ela provavelmente estava com problemas suficientes.


"Você gostaria que eu desse um relatório, meu senhor?" ela perguntou em vez disso.


Thranduil fez uma pausa como se estivesse surpreso e olhou para ela. “Já recebi um relatório de seus subordinados”, disse ele, com os olhos fixos no ombro ferido dela. “Maiores detalhes podem esperar até que você esteja recuperado.”


“Isso pode levar algum tempo”, argumentou Tauriel, “e o perigo que as aranhas representam para a nossa floresta não vai esperar, senhor.”


“Sugiro que você concentre suas energias consideráveis ​​na recuperação”, disse ele. “Permita-me o privilégio de me preocupar com os inimigos da Floresta das Trevas.”


“Talvez eu não precisasse de recuperação se você o fizesse!” Tauriel disse, perdendo a paciência. Ela sabia que era um erro assim que disse isso. A expressão de Thranduil congelou.


"Oh?" ele disse. Sua voz ficou sedosa, o que significava perigoso. “Não foi você quem colocou sua própria vida em perigo? Não foi você quem decidiu enfrentar sozinho um ninho de aranhas? E não foi você, Capitão, que tem se comportado de forma cada vez mais errática desde que voltamos para a Floresta das Trevas? Você vem buscando violência há meses. Você agora se atreve a negar isso? E agora você está aqui, no que poderia ter sido seu leito de morte, e busca mais guerra?” Seu ronronar sedoso se transformou em um rosnado estrondoso. O brilho furioso nos olhos dele a surpreendeu, mas apenas por um momento.


“Procuro evitar uma guerra, não começar uma!” disse Tauriel. “Este silêncio não vai durar. Temos que atacar agora, enquanto eles ainda estão fracos.”


“E quanto sangue élfico isso nos custará?” ele perdeu a cabeça.


“Como se você tivesse o direito de perguntar isso”, ela disse amargamente. “Você me acusa de buscar minha própria morte? Certa vez, você encostou uma espada na minha garganta por ousar amar um anão. Você trouxe a Floresta das Trevas para a guerra por causa de um punhado de joias – meras coisas artesanais – mas não defenderá nosso lar e nosso futuro. Sim, a vida é uma dor para mim. Eu sofro na minha dor. O que é isto para você? Pelo menos sinto alguma coisa.”


Lágrimas vieram aos seus olhos pela primeira vez em meses. Tauriel queria desaparecer. Ela virou o rosto, tentando escondê-los do rei. Não adiantou. Sua respiração ficou irregular com o esforço de conter os soluços.


Mas de repente ele estava ao lado dela, e seus dedos eram gentis em suas bochechas. Thranduil enxugou as lágrimas com as próprias mãos, como se eles não estivessem rosnando um para o outro há um segundo. Esse toque quente a desfez. Tauriel se rendeu à dor e caiu em seu ombro. Um ruído agudo começou em sua garganta; dor sem palavras lutando pela libertação. O rei ficou imóvel como uma estátua. Tauriel meio que desejou que ele a afastasse. Ela sabia muito bem que estava fazendo papel de boba, mas não conseguia parar.


Finalmente a torrente secou. Tauriel se sentiu vazio, oco. Cada parte de seu corpo doía. Ela levantou a cabeça do ombro de Thranduil. Ele estava olhando para ela.


"EU-"


“Não me peça desculpas pelo luto”, disse o rei. "Vai passar. A perda não é o fim.” Ele colocou uma mecha de cabelo dela de volta no lugar. Havia mil palavras ilegíveis em seus olhos; Tauriel os procurou e não viu nada que ela entendesse.


“Foi você quem me disse que meu amor era real”, disse ela, meio acusadora.


“Então chore, Tauriel. E então viva.”


Ela não conseguia mais conter as palavras. Um segredo tão profundo que ela não o revelou nem para si mesma saiu dela.


“E se”, disse ela, em voz baixa, “não sobrar nada pelo que viver?”


“Sempre há algo pelo que viver”, disse Thranduil. Havia uma expressão estranha em seu rosto. “Eu chorei por mil anos antes de encontrá-lo novamente.”


Não havia nenhuma parte de Tauriel que pudesse acreditar nele. O que era o mundo quando o amor dela não estava nele?


Mas Tauriel também entendeu o que era. Uma ordem; uma ordem para viver. Foi um bom motivo como qualquer outro.


“Sim, senhor.” ela disse finalmente.


Thranduil levantou-se, aparentemente satisfeito. “E não desejo mais ouvir seus argumentos sobre as aranhas.”


“Isso eu não farei, meu senhor” disse Tauriel, uma faísca retornando para ela. “Farei meus argumentos quando estiver enfiado na goela de uma aranha.”


“Tenho certeza,” Thranduil disse secamente. Isso foi um sorriso? O rei balançou a cabeça e saiu da sala. Ele hesitou na porta.


“Você me lembra alguém”, disse ele. “Você tem toda a coragem dela, embora nada de sua astúcia. Mas costumávamos argumentar da mesma maneira. Boa noite." Ele saiu do quarto.


Tauriel piscou cansado. Ela nunca tinha pensado nisso antes, mas não conhecia ninguém que discutisse com o rei do jeito que ela fez. O sono subiu como uma maré ao seu redor. Isso inexoravelmente fez com que seus olhos se fechassem. Um momento antes de ela entrar em sonhos, Tauriel percebeu que apenas uma pessoa teria ousado – e o rei estava de luto por ela nos últimos mil anos.


Nota da autora:


A todos que leram, comentaram, deram elogios e marcaram, muito obrigado.


Nota da tradutora: Olá, o que estão achando?
Não costumo pedir, mas quem curtir pode dar um voto/fav na história e me ajudar a divulgar? Estou preparando para vocês uma Thranduil/OC e outras Thrandiel de minha autoria, mas quero publicar já mais avançado para não deixar vocês na mão.



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): Anoriel Russandol

Este autor(a) escreve mais 2 Fanfics, você gostaria de conhecê-las?

+ Fanfics do autor(a)
- Links Patrocinados -



Loading...

Autor(a) ainda não publicou o próximo capítulo



Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 0



Para comentar, você deve estar logado no site.


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais