Fanfics Brasil - Prólogo A Hipótese Do Amor

Fanfic: A Hipótese Do Amor | Tema: Vondy, Adaptada


Capítulo: Prólogo

10 visualizações Denunciar


hi·pó·te·se (substantivo)


Uma suposição ou explicação possível


 


construída com base em evidências limitadas


 


como um ponto de partida para mais


 


investigações.


Exemplo: “Com base nas informações


 


disponíveis e nos dados coletados até agora,


 


minha hipótese é: quanto mais longe eu me


 


mantiver do amor, melhor eu vou ficar.”


 


 


Para dizer a verdade, Dulce Maria não estava muito decidida em relação ao doutorado.


 


Não porque não gostasse de ciência. (Ela gostava. Ela amava ciência. Era totalmente a praia dela.) O motivo também não era a enorme quantidade de sinais de alerta óbvios. Ela estava bem ciente de que se comprometer a encarar alguns anos trabalhando oitenta horas por semana, sendo mal paga e desvalorizada talvez não fosse bom para sua saúde mental. Sabia também que as árduas noites passadas dentro de um laboratório para revelar uma porção ínfima de conhecimento banal talvez não fossem o caminho para a felicidade. E que se dedicar de corpo e alma às pesquisas acadêmicas, apenas fazendo raras pausas para roubar pãezinhos esquecidos por alguém, talvez não fosse a escolha mais sábia.


 


Dulce já tinha refletido sobre todas essas desvantagens, mas mesmo assim nada daquilo a preocupava. Ou talvez preocupasse um pouquinho, mas ela conseguiria lidar com isso. Era outra coisa que a estava impedindo de se render e vender sua alma para o mais famoso círculo do inferno (também conhecido como programa de doutorado.Mas então ela foi chamada para uma entrevista para uma vaga no departamento de biologia de Stanford e cruzou com O Cara.


 


O Cara cujo nome ela nunca descobriu.


 


O Cara que ela conheceu depois de entrar aos tropeços, sem olhar, no primeiro banheiro que encontrou.


 


O Cara que perguntou:


 


– Só por curiosidade, tem algum motivo específico pra você estar chorando no meu banheiro?


 


Dulce deu um gritinho. Tentou abrir os olhos em meio às lágrimas, sem muito sucesso. Seu campo visual estava completamente embaçado. Tudo que conseguiu ver foi um vulto – alguém alto, de cabelos escuros, vestido de preto e... só.


 


– Eu... Aqui não é o banheiro feminino? – balbuciou ela.


Uma pausa. Silêncio. E então:


 


– Não.


 


A voz dele era grave. Bem grave. Parecia vinda de um sonho.


 


– Tem certeza?


 


– Tenho.


 


– Absoluta?


 


– Sim, já que esse é o banheiro do meu laboratório.


 


Depois dessa, ela teve que ceder.


 


– Mil desculpas. Você está querendo…


 


Ela fez um gesto em direção às cabines, ou para onde achou que ficavam as cabines. Seus olhos ardiam, mesmo fechados, e ela os apertou ainda mais para diminuir a sensação. Tentou secar as bochechas com a manga do vestido envelope, mas o tecido era fino e meio vagabundo, nem um pouco absorvente como algodão de verdade. Ah, as maravilhas de ser pobre.


 


– Só preciso derramar esse reagente na pia – respondeu ele.


Mas ela não o ouviu se mexer. Talvez porque ela estivesse no meio do caminho. Ou talvez ele achasse que Dulce era louca, já pensando em chamar o segurança para tirá-la dali. O sonho do doutorado terminaria de forma rápida e cruel.


 


– Não usamos isso aqui como banheiro, mas como um lugar para descartar resíduos e lavar os equipamentos.


 


– Ah, desculpe. Eu pensei…


 


Errado. Achou errado, como era seu costume e sua sina.


 


– Você está bem? – perguntou ele.


 


Ele devia ser bem alto. A voz parecia vir de uns três metros acima dela.


 


– Claro. Por quê?


 


– Porque você está chorando. No meu banheiro.


 


– Ah, não estou chorando. Bom, meio que estou, mas são só lágrimas, sabe como é.


– Não, não sei.


 


Ela soltou um suspiro e se recostou na parede de azulejos.


 


– São minhas lentes de contato. Estão vencidas há um tempinho e nunca foram muito boas mesmo. Incomodam meus olhos. Eu tirei, mas... – ela deu de ombros – ... demora um pouco pra melhorar.


 


– Você colocou lentes de contato vencidas?


 


 


Ele parecia pessoalmente ofendido.


 


– Vencidas há pouco tempo.


 


– O que é “pouco tempo”?


 


– Sei lá. Alguns anos?


 


– O quê?


 


Sua pronúncia era incisiva e precisa. Vigorosa. Agradável.


 


– Só dois ou três, eu acho.


 


– Só dois ou três anos?


 


– É tranquilo. Data de validade é para os fracos.


 


Houve um som agudo, algo como um guincho de deboche.


 


– Data de validade serve para eu não encontrar você chorando no meu banheiro.


 


A menos que aquele cara fosse o próprio Sr. Stanford, deveria parar de chamar o lugar de seu banheiro.


 


– Está tudo bem. – Ela fez um gesto de desdém com a mão. Teria revirado os olhos se não estivessem queimando. – Normalmente a ardência passa depois de alguns minutos.


 


– Então você já fez isso antes?


 


Ela franziu a testa.


 


– Fiz o quê?


 


– Usar lentes de contato vencidas.


 


– É óbvio. Lentes não são baratas.


 


– Olhos também não são.


 


Hum. Bem pensado.


 


– Ei, a gente já se esbarrou? – perguntou ela. – Talvez ontem à noite, no jantar de aspirantes a uma vaga no doutorado?


 


– Não.


 


– Você não estava lá?


 


– Não sou chegado nessas coisas.


 


– Nem na comida de graça?


 


– Não compensa o papo furado.


 


Que tipo de estudante de doutorado diria uma coisa daquelas? Ele devia estar de dieta, só podia. E Dulce tinha certeza de que ele era um estudante de doutorado; o tom de voz esnobe e condescendente denunciava logo. Todos os doutorandos eram assim: achavam que eram melhores que todo mundo só porque tinham o privilégio questionável de trucidar mosquinhas-da-fruta em nome da ciência por noventa centavos por hora. No cenário sombrio e deprimente da academia, os alunos de pós-graduação estavam na base da pirâmide das criaturas e, portanto, precisavam convencer a si mesmos de que eram os melhores. Dulce não era psicóloga nem nada, mas aquele parecia um caso clássico de mecanismo de defesa.


 


– Você vai fazer entrevista para uma vaga no programa? – perguntou ele.


 


– Isso. Para a turma de biologia do ano que vem. – Caramba, os olhos dela ainda ardiam muito. – E você? – indagou ela, pressionando as palmas das mãos nos olhos.


 


– Eu?


 


– Há quanto tempo está aqui?


 


– Aqui? – Ele fez uma pausa. – Seis anos, mais ou menos.


 


– Ah. Vai se formar em breve, então?


 


– Eu…


 


Ela percebeu a hesitação dele e imediatamente se sentiu culpada.


 


– Olha, não precisa me dizer. Primeira regra do doutorado: não pergunte a outros estudantes sobre o progresso da tese deles.


 


Um segundo se passou. Depois outro.


 


– Certo.


 


– Me desculpe. – Ela queria conseguir enxergá-lo. Interações sociais já eram difíceis por si só; daquele jeito, então, tinha menos informações ainda sobre como deveria agir. – Não foi minha intenção soar como seus pais no almoço de Ação de Graças.


 


Ele riu de leve.


 


– Você jamais conseguiria.


 


– Ah. – Ela sorriu. – Pais irritantes?


 


– E almoços de Ação de Graças ainda piores.


 


– É nisso que dá vocês, americanos, saírem da Commonwealth. Meu nome é Dulce, aliás. Sim, “doce” em espanhol.


 


Ela começava a se perguntar se tinha acabado de se apresentar para a pia quando o ouviu chegar mais perto. A mão que segurou a dela estava seca e quente e era tão grande que poderia ter envolvido seu punho inteiro. Tudo nele parecia ser imponente: altura, dedos, voz.


 


Não era de todo ruim.


 


– Você não é americana? – perguntou ele.


 


– Mexicana. Olha, se você por acaso falar com alguém que está no comitê de admissões, poderia, por favor, não mencionar esse meu infortúnio com as lentes? Acho que não ia me fazer parecer uma candidata muito brilhante.


 


– Você acha? – disse ele, com frieza.


 


Ela o teria fuzilado com o olhar se conseguisse. Ou talvez tivesse conseguido, porque ele riu – foi um riso abafado, mas ela percebeu. E meio que gostou.


 


Ele soltou sua mão, e só então ela percebeu que ainda estava agarrada à mão dele. Ops.


 


– Está pensando em se matricular? – indagou ele.


 


Ela deu de ombros.


– Não sei se vou conseguir uma vaga.


 


 


No entanto, ela e a professora que a entrevistou, a Dra. Aslan, tinham se dado muito bem. Dulce gaguejou e se enrolou bem menos que o normal. Além disso, seu coeficiente de rendimento e sua nota da prova para o doutorado eram quase perfeitos. Às vezes não ter vida até que servia para alguma coisa.


 


– Está pensando em se matricular se conseguir a vaga, então?


 


Ela seria idiota se não se matriculasse. Afinal, tratava-se de Stanford, um dos melhores programas de biologia. Ou ao menos era o que Dulce vinha dizendo a si mesma para encobrir a verdade apavorante.


 


E a verdade era que ela não estava muito decidida em relação ao doutorado.


 


– Eu... Talvez. Admito que a linha que separa uma excelente escolha profissional de uma bela cagada na vida anda meio nebulosa.


 


– Parece que você está tendendo à cagada. – Pela voz dele, parecia que estava sorrindo.


 


– Não. Bem.... Eu só...


 


– O quê?


 


Ela mordeu o lábio.


 


– E se eu não for boa o suficiente? – disparou ela.


 


Meu Deus, por que ela estava compartilhando os mais profundos e secretos medos de seu coração com aquele cara aleatório num banheiro? E para que isso, no final das contas? Sempre que ela expunha suas dúvidas para amigos e conhecidos, todos automaticamente respondiam com as mesmas palavras vazias de encorajamento: “Você vai ficar bem”, “Você consegue”, “Eu acredito em você”. Aquele sujeito certamente ia dizer a mesma coisa.


 


Estava prestes a dizer.


A qualquer momento.


 


– Por que você quer fazer isso? – Perguntou ele.


 


Hein?


 


– Fazer... o quê?


 


– O doutorado. Qual é a sua motivação?


 


 


Dulce pigarreou.


 


– Sempre tive uma mente questionadora, e o doutorado é o ambiente ideal para estimular isso. Vai me propiciar habilidades importantes…


 


Ele deu uma risada de deboche. Ela franziu a testa, confusa.


 


– O que foi? – Indagou Dulce.


 


– Esqueça essa frase que você encontrou em algum livro preparatório para entrevistas. Por que você quer ter um doutorado?


 


– Mas é verdade – insistiu ela, com menos autoconfiança. – Quero aperfeiçoar minhas habilidades de pesquisa...


 


– É porque você não sabe o que mais poderia fazer?


 


– Não.


 


– Porque não conseguiu um emprego no mercado?


 


– Não... Eu nem tentei.


 


– Ah.


 


Ele se mexeu, um vulto grande e embaçado chegando mais perto dela para derramar algo na pia. Dulce sentiu cheiro de eugenol, sabão de roupa e pele masculina limpa. Uma combinação estranhamente agradável.


 


– Preciso de mais liberdade do que o mercado pode oferecer.


 


– Você não vai ter muita liberdade na academia. – Sua voz estava mais próxima, como se ele não tivesse se afastado ainda. – Vai ter que bancar seu trabalho com bolsas de pesquisa ridiculamente competitivas. Ganharia mais dinheiro num emprego de escritório que lhe permitisse cogitar ter finais de semana.


 


Dulce fez cara feia.


 


– Está tentando me fazer desistir? É algum tipo de campanha contra usuários de lentes de contato vencidas?


 


– Não, não. – Deu para perceber que ele estava sorrindo. – Vou deixar pra lá e acreditar que foi só um lapso.


 


– Eu uso essas lentes o tempo inteiro e quase nunca...


 


– Numa longa lista de lapsos, evidentemente. – Ele suspirou. – O negócio é o seguinte: não tenho a menor ideia se você é boa o suficiente, mas não é isso que deveria se perguntar. O custo-benefício da vida acadêmica é muito ruim. O que importa é se a sua motivação para estar na academia é boa o suficiente. 


 


Enfim, por que o doutorado, Dulce?


 


Ela pensou sobre isso, pensou e pensou mais um pouco. E então falou com cuidado:


 


– Eu tenho uma indagação. Uma indagação específica, de pesquisa. Algo que quero descobrir. – Pronto. Ali estava a resposta. – Algo que temo que ninguém vai descobrir se eu não fizer.


 


– Uma indagação?


 


Dulce sentiu uma mudança no ar e percebeu que ele estava apoiado na pia.


 


– Isso. – A boca de Dulce estava seca. – Algo que é importante para mim. E... Eu não confio em mais ninguém para pesquisar. Porque até agora não foi feito. Porque...


 


Porque algo ruim aconteceu. Porque quero fazer minha parte para que não aconteça novamente.


 


Eram reflexões pesadas para se fazer na presença de um estranho, na escuridão dos olhos fechados. Então, ela os abriu; a visão ainda estava embaçada, mas a ardência tinha praticamente sumido. O Cara estava olhando para ela. Com os contornos ainda meio nebulosos, mas sem dúvida ali, esperando pacientemente que ela continuasse.


 


– É importante pra mim – repetiu ela. – A pesquisa que quero fazer.


 


Dulce tinha 23 anos e era sozinha no mundo. Não queria finais de semana nem um salário decente. Queria voltar no tempo. Queria ser menos solitária. Mas, como isso era impossível, ela se contentaria em consertar o que conseguisse.


 


Ele assentiu, mas não disse nada. Empertigou-se e foi andando em direção à porta. Estava indo embora.


 


– Minha motivação é boa o suficiente para o doutorado? – Perguntou ela, e na hora detestou ter soado tão desesperada por aprovação.


 


Era possível que estivesse no meio de algum tipo de crise existencial.


 


O desconhecido parou e se voltou para ela.


 


– É a melhor motivação.


 


Ele estava sorrindo, pensou ela. Ou algo assim. 


 


– Boa sorte na entrevista, Dulce..


 


– Obrigada.


 


Ele já estava quase saindo.


 


– Quem sabe a gente se encontra no ano que vem – completou ela, corando um pouco. – Se eu entrar. E você ainda não tiver se formado.


 


– Quem sabe – disse ele.


 


E O Cara foi embora. E Dulce nunca soube seu nome. Mas, algumas semanas depois, quando o departamento de biologia de Stanford lhe ofereceu uma vaga, ela aceitou. Sem hesitar.


 


 


 


 


 



Compartilhe este capítulo:

Autor(a): candyruiva

Esta é a unica Fanfic escrita por este autor(a).




Loading...

Autor(a) ainda não publicou o próximo capítulo



Comentários do Capítulo:

Comentários da Fanfic 2



Para comentar, você deve estar logado no site.

  • Diva. Escritora Postado em 10/06/2024 - 22:32:04

    Posta mais que já amei o prólogo como eles se conheceram hehe

  • Diva. Escritora Postado em 10/06/2024 - 22:31:26

    Oii, eu tinha visto esse livro pelas redes sociais e cheguei a me interessar em ler... Mas, agora ganhei uma motivação maior com Vondy, não tem erro < 3


- Links Patrocinados -

Nossas redes sociais